Darwin and Hitler: In Their Own Words

 

 http://www.humanevents.com/article.php?id=26346#continueA

 
Darwin and Hitler: In Their Own Words

As David Berlinski recently noted, “the thesis that there is a connection between Darwin and Hitler is widely considered a profanation.” But striking an indignant pose — feathers in full ruffle — is not an answer to such a serious charge, especially when the words of both Darwin and Hitler speak otherwise.

Those defending Darwin cannot have read his Descent of Man, wherein he applies the principles of natural selection to human beings — a thing he prudently avoided in his earlier Origin of Species. In the Descent, the eugenic and racial inferences are clearly and startlingly drawn by Darwin himself.

Darwin understood the eugenic implications of his own theory, and warned his readers against imminent evolutionary backsliding. “It is surprising how soon a want of care, or care wrongly directed, leads to the degeneration of a domestic race; but excepting in the case of man himself, hardly any one is so ignorant as to allow his worst animals to breed.” Insert a few terms like “Aryan” or “Jew” and that could be in any Nazi screed.

“If … various checks … do not prevent the reckless, the vicious and otherwise inferior members of society from increasing at a quicker rate than the better class of men, the nation will retrograde, as has occurred too often in the history of the world. We must remember that progress is no invariable rule.”

While Darwin tried to soften the hard implications (by suggesting that we not kill the rogues; rather, we should just keep them from breeding), the eugenic edifice was his.

And the racial thing? Evolution is driven by competition, and competition brings extinction. Darwin notes, matter-of-factly in the Descent, that one tribe extinguishing another is the very engine of human evolution. In his words, “extinction follows chiefly from the competition of tribe with tribe, race with race,” allowing the victorious tribe or race to pass on their superior endowments.

That is not a moral complaint; it is a detached scientific description uttered by Darwin entirely without angst. As the engine of evolution is never idle, it is also a prophecy. Again, his own words:

At some future period, not very distant as measured by centuries, the civilized races of man will almost certainly exterminate and replace throughout the world the savage races. At the same time the anthropomorphous [i.e., most human-looking] apes … will no doubt be exterminated. The break will then be rendered wider, for it will intervene between man in a more civilized state, as we may hope, than the Caucasian, and some ape as low as a baboon, instead of as at present between the negro or Australian and the gorilla.

Get it? Ranking the human races, we find the Caucasian at top, and down at the bottom, dangling at the edge of humanity, “the negro or Australian” who is just an evolutionary hair’s-breadth away from the anthropomorphous gorilla. In pushing upwards to the über-Caucasian, evolution also exterminates all the “intermediate species,” so that natural selection will do away with the Negro, the aboriginal Australian, and the gorilla.

Like it or not, Darwin’s eugenic and racial ideas spread from him, and infected both Europe and America.

Now for Adolf. I suspect that, just as a lot of folks haven’t read Darwin’s execrable Descent of Man, so also they feel free to enter the debate without having read Hitler’s Mein Kampf.

It is inaccurate to blame the entire of Hitler’s evil on anti-Semitism precisely because his anti-Semitism was part of a larger biological vision. “National Socialism is nothing but applied biology,” said the deputy Party leader of the Nazis, Rudolf Hess.

As Hitler made clear in Mein Kampf, the fundamental political category is biological.  Consequently, “the highest aim of human existence is not the maintenance of a State or Government but rather the conservation of the race.” This aim accords with Hitler’s larger Darwinian view of the cosmos, wherein the “fundamental law of necessity” reigning “throughout the realm of Nature” is that “existence is subject to the law of eternal struggle and strife….where the strong are always the masters of the weak and where those subject to such laws must obey them or be destroyed.” Survival of the fittest.

Hence Hitler’s creation of a kind of “folk” religion, that is, a religion of the racially defined Volk. Worship was directed to the Germanic race as the only one capable of eliminating the weak and bringing the übermensch – “superman”– into existence in accordance with the cruelties of Nature. Hitler’s words all too clearly portend the atrocities to come when the Nazis gained power:

[T]he völkisch concept of the world recognizes that the primordial racial elements are of the greatest significance for mankind. In principle, the State is looked upon only as a means to an end and this end is the conservation of the racial characteristics of mankind. Therefore on the völkisch principle we cannot admit that one race is equal to another. By recognizing that they are different, the völkisch concept separates mankind into races of superior and inferior quality. On the basis of this recognition it feels bound, in conformity with the eternal Will that dominates the universe, to postulate the victory of the better and stronger and the subordination of the inferior and weaker…. For in a world which would be composed of mongrels and negroids all ideals of human beauty and nobility and all hopes of an idealized future for our humanity would be lost for ever.

Hence the folk concept of the world is in profound accord with Nature’s will; because it restores the free play of the forces which will lead the race through stages of sustained reciprocal education towards a higher type, until finally the best portion of mankind will possess the earth and will be free to work in every domain all over the world and even reach spheres that lie outside the earth.

 According to Hitler, the Jews threatened the superior race with degradation, but so did the “mongrels and negroids,” the Slavs, the Gypsies, the handicapped, the retarded, and all the other inferior biological misfits.

All this doesn’t mean that Darwinism was the sole cause of Hitler’s barbarism. But it does make clear that Darwinism must shoulder its share of the moral burden, because the connection is undeniable.

 

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Não classificado and tagged , , . Bookmark the permalink.

18 Responses to Darwin and Hitler: In Their Own Words

  1. Joaquim Coelho says:

    Mais do mesmo. Os evangelistas pegam nesta da moral para tentar atacar uma teoria cientifica. Erro crasso.
    1. Porque é falsa a intrepretação que fazem. N
    Para além deles nenhum historiador e sociologo faz uma ligação deste tipo.
    E existem milhares deles a falar de Hitler. Quando mencionam a evolução, e são poucos, é só no sentido de um aproveitamento por Hitler de uma falsa intrepretação da teoria. Como Hitler fez fez com a religião.

    2. Por que os elementos do discovery não me merecem credebilidade quando falam nestes assuntos.

    Benjamin Wiker holds a Ph.D. in Theological Ethics from Vanderbilt University, and has taught at Marquette University, St. Mary’s University (MN), and Thomas Aquinas College (CA), and Franciscan University of Steubenville.

    E faz parte dessa fraude cientifica que é o Discovery Institute.

    E colobora com esta coisa:
    “The St. Paul Center for Biblical Theology is a non-profit research and educational institute that promotes life-transforming Scripture study in the Catholic tradition. The Center serves clergy and laity, students and scholars, with research and study tools — from books and publications to multimedia and on-line programming.

    Our goal is to be a teacher of teachers. We want to raise up a new generation of priests who are fluent in the Bible and lay people who are biblically literate. For us, this means more than helping people to know their way around the Bible. It means equipping them to enter into the heart of the living Word of God and to be transformed and renewed by this encounter.

    We read the Bible from the heart of the Church, in light of the Church’s Liturgy and living Tradition. In this way, we hope to help people experience the heart-to-heart encounter that Jesus’ disciples experienced on that first Easter night, when they knew Him in the breaking of the bread: “Did not our hearts burn within us while He talked to us…while He opened to us the Scriptures?” ”

    Que esperavas que ele dissesse.

    Like

  2. Joaquim Coelho says:

    Errata
    Ponto 2: Porque mesmo que fosse verdade, não colocava em causa a validade da proposta cientifica.
    (uma bomba de hidrogénio é algo horreivel, mas todas as descibertas cientificas que a permitiram continuam válidas e não são colocadas em causa)
    Na evolução é o mesmo, mesmo que interpretações absurdas e abusivas a minem as suas conclusões não passam a falsas)

    Like

  3. Joaquim Coelho says:

    “Roubei” isto de um comentário do Ludwig Krippahl no Ktreta, que expressa exactamente aquilo que penso:

    “Além disso essas ideologias baseiam-se mais na ignorância da teoria da evolução do que no conhecimento. Por exemplo, a pureza racial é um tiro no pé evolutivo. A diversidade genética é o capital que alimenta a evolução e mantém a espécie “saudável”. Qualquer pessoa que lhe disser ser contra as misturas raciais por razões evolutivas é, além de idiota, ignorante.”

    http://ktreta.blogspot.com/

    Like

  4. Joaquim Coelho says:

    “UM ACTO proibindo o ensino da Teoria da Evolução em todas as Universidades, Escolas Normais e todas as outras escolas públicas do Tennessee (…)

    Secção 1: (…), Que será ilegal que qualquer professor em qualquer das Universidades, Escolas Normais e todas as outras escolas públicas do Estado (…) ensine qualquer teoria que negue a história da Criação Divina do homem ensinada na Bíblia (…)”

    Era assim que gostavas Matts ?

    Like

  5. Mats says:

    Joaquim,
    eu não suporto a censura de proposições científicas.

    “Além disso essas ideologias baseiam-se mais na ignorância da teoria da evolução do que no conhecimento. Por exemplo, a pureza racial é um tiro no pé evolutivo. A diversidade genética é o capital que alimenta a evolução e mantém a espécie “saudável”. Qualquer pessoa que lhe disser ser contra as misturas raciais por razões evolutivas é, além de idiota, ignorante.”

    O Ludwig enganou-vos bem.

    Se assim fosse, então porque eliminar os genes INDESEJÁVEIS ?
    A diversidade genética é o capital que alimenta a evolução SE TODOS OS GENES FOREM BONS, ou genes que ajudem a evolução. E os genes que são manifestamente maus para os humanos?
    Foram esses genes que os evolucionistas nazis tentaram eliminar da “raça” humana.

    Não te esqueças disso.

    (uma bomba de hidrogénio é algo horrivel, mas todas as descobertas cientificas que a permitiram continuam válidas e não são colocadas em causa)
    Na evolução é o mesmo, mesmo que interpretações absurdas e abusivas a minem as suas conclusões não passam a falsas)

    Mas quem disse que as interpretações feitas pelos eugénicos são abusivas e absurdas? Elas são totalmente contextuais.

    Like

  6. Joaquim Coelho says:

    “O Ludwig enganou-vos bem.

    Se assim fosse, então porque eliminar os genes INDESEJÁVEIS ?
    A diversidade genética é o capital que alimenta a evolução SE TODOS OS GENES FOREM BONS, ou genes que ajudem a evolução. E os genes que são manifestamente maus para os humanos?
    Foram esses genes que os evolucionistas nazis tentaram eliminar da “raça” humana. ”

    Já sei que não torces, mas isto é absurdo, porque quem decide quais são os genes bons e maus é a natureza em cada contexto, deixando funcionar a selecção natural. Tudo o resto são tretas.
    Por isso Darwin concordando com as vacinas (ao contrário do que afirmou o vosso mentor Jonatas), dizia que elas a longo prazo diminuiam capacidade humana de resistência e a sua adaptabilidade.

    Nunca em lado algum darwin ou a evolução advoga a intervenção humana para substituir o papel da natureza na evolução do homem.

    Até porque (quem leu a evolução das espécies, que não é o teu caso, perceberá) uma alteração positiva hoje é negativa amanhã e vice-versa.

    Na natureza não existem genes bons nem maus, existem aqueles mais preparados num determinado momento, para sobreviver e que serão por sua vez sunbstituidos.

    O que o Ludwig diz é verdade, e é tão só a base da teoria da evolução. Se não o percebes não compreendes minimamente a teoria, pelo que compras o que te venderem, verdade ou mentira, tal como a pureza racial.

    Like

  7. Joaquim Coelho says:

    Negas isto matts ?

    “So, was Darwin a racist? By today’s, hopefully, more enlightened standards perhaps he was, in that if you were to ask him if he thought that Europeans were on average intellectually superior to non-Europeans, he may have said that they are. But this is merely speculation and I have yet to see any hard evidence that he did. However had he thought such things it would only mean that he was man of his time and place and would have had nothing to do with being an evolutionist because there were many creationists at the time, Louis Agassiz for example, who not only considered non-Europeans inferior, but who denied that whites and blacks were even the same species believing that they were independently created by God (polygenism).

    What we do know from the above quotes is that for a mid-19th century upper class, white, English male, Darwin was very enlightened and “liberal” minded. He was a staunch abolitionist, he considered blacks and Indians to be people, he felt disgust and horror at their mistreatment, and he had much sympathy for their plight. Therefore singling Darwin out among 19th century scientists for the label of racist is hardly fair.

    As an aside many antievolutionists point to the complete title of Darwin’s seminal work; On the Origin of Species by Means of Natural Selection or the Preservation of Favored Races in the Struggle for Life, and claim that the reference to “favored races” illustrates that his evolutionary theories were intended to support racism. Contrary to such assertions this was not a reference to human races per se (one should note that Darwin barely mentioned humans at all in this book). Rather it was merely a reference to localized variations within a species (generic), which may, in a changing environment, grant greater survival value. None of the racist rhetoric about the supposed inherent superiority of certain human races over others was suggested or implied in this.”

    A mim parece-me muito mais sustentável que prosaica teologica deste wiker, e contraria de forma clara a tua acusação de racismo forte e duro a Darwin.

    Like

  8. Joaquim Coelho says:

    Mais ainda Matts.

    Hitler era Nazi, não ? E que dizes a isto ?

    Die Bücherei, the official Nazi journal, in 1935 produced a list of things not to be taught:
    Writings of a philosophical and social nature whose content deals with the false scientific enlightenment of primitive Darwinism and Monism (279).
    Apparently, the science was not allowed and was rejected between the times of Hitler’s rise to power and the Final Solution.

    Extraordinário o evolucionista/darwinista Hitler não queria que a teoria da evolução fosse ensinada.

    Like

  9. alogicadosabino says:

    declarações infundadas. inventadas para todos os gostos. negar o óbvio. tsts

    Like

  10. Joaquim Coelho says:

    Sabino, para além das vossas, onde estão:

    declarações infundadas
    inventadas
    negar o óbvio.

    Explica lá que fiquei baralhado.
    Ou a verdade começa a fazer-te saltar a tampa e os maneirismos ?

    Calma que é quando estamos exaltados que mais asneiras fazemos e dizemos.

    Para o exemplo anterior basta consultares os arquivos alemães sobre o periodo nazi e o Jornal nazi.
    Então se aquilo não estiver lá, podes dizer que inventei.
    Porque inventar e colocar a fonte é um bocado estúpido, não ?

    Sabino
    Louis Agassiz também não existiu ? Não era criacionista ? Não era racista ? Não advogava o poligenismo a partir de Deus ?
    Se provares isto, então sim eu estava a fazer declarações infundadas.

    Sou eu que nego o óbvio, Sabino ?
    Então, para Darwin, a diversidade heriditária (que genética não havia ainda para Darwin) não é o mais importante factor para a selecção natural ser tão bem sucedida

    Não será o Matts a negar obvio quando diz:
    “Se assim fosse, então porque eliminar os genes INDESEJÁVEIS ?
    A diversidade genética é o capital que alimenta a evolução SE TODOS OS GENES FOREM BONS, ou genes que ajudem a evolução. E os genes que são manifestamente maus para os humanos?
    Foram esses genes que os evolucionistas nazis tentaram eliminar da “raça” humana. ”

    Em 1935 a genética estava tão avançada que já era capaz de isolar os genes responsáveis pelas várias adaptações ?
    Falava-se nessa altura em termos de gene disto e gene daquilo ?

    tsts tsts tsts tsts
    Sabino, este foi um verdadeiro tiro nos pés, que deste. Ou não terá sido ? (lá tens de negar o óbvio)

    Like

  11. Joaquim Coelho says:

    Mais um mentira Sabino:

    Theodore Pösche autor de “Uma Contribuição à Antropologia Histórica” (Ein Beitrag zur historischen Anthropologie), publicada em 1878 defende a idéia de que, se havia muitos povos com língua ariana, apenas o povo alemão poderia dizer-se legítima raça ariana. Ele situa a origem desse povo nos pântanos de Rokitno, na Lituânia ocidental, onde são freqüentes os casos de albinismo.

    Estas idéias, longe de serem refutadas à época, ganharam o reforço, em 1883 e 1886, pelo trabalho de Karl Penka.

    Fundamentação ideológica
    Pösche apoiara-se, com convicção, nas teorias da poligenia de Louis Agassiz, recusando-se a aceitar que os diversos tipos humanos eram – como defendia o darwinismo – originários de um mesmo ancestral comum. Por outro lado, rejeita a idéia de uma “raça caucasiana”, defendida por Blumenbach. Sustenta suas idéias, apoiando-se em estudos de A. Ecker, especialista no estudos de crânios germânicos, que lhe era contemporâneo – que “os antigos alemães eram os puros dolicocéfalos”, e rejeitando as idéias de miscigenação dos arianos com os povos nativos, defendida por Rudolf Virchow.

    Com o trabalho de Pösche surge uma nova espécie animal: a “raça loira”, oriunda dos pântanos lituanos, com as seguintes características: dolicocéfalo, occipital proeminente, testa baixa, pele clara: era o fundamento sobre o qual toda uma ideologia racista iria ser erguida, pela ação de Adolf Hitler.

    Like

  12. Joaquim Coelho says:

    Embora o blog seja do Matts, Sabino já que me provocaste levas com mais uma mentira:

    Carta do citado Agassiz à mãe:
    ““Foi em Filadélfia que tive pela primeira vez um contato prolongado com os negros; todos os empregados de meu hotel eram homens de cor. Mal posso lhe expressar a dolorosa impressão que experimentei, particularmente porque a sensação que eles me inspiram vai contra todas nossas idéias a respeito da confraternização de todo tipo de homens e da origem única de nossa espécie. Mas a verdade deve estar acima de tudo. Não obstante, senti piedade à vista dessa raça degradada e degenerada, e tive compaixão por seu destino ao pensar que se tratava realmente de homens. Contudo, é-me impossível reprimir a impressão de que eles não são feitos do mesmo sangue que nós. Ao ver suas faces negras com lábios grossos e dentes disforme, a carapinha de suas cabeças, seus joelhos torcidos, suas mãos alongadas, suas grandes unhas curvas, e principalmente a cor lívida da palma de suas mãos, não pude deixar de cravar meus olhos em seus rostos para manda-los se conservarem à distância. E, quando estendiam aquelas mãos horrendas em direção a meu prato a fim de me servir, desejei ter a coragem de me levantar e sair à procura de um pedaço de pão em qualquer outro lugar, em vez de jantar servido por gente como essa. Que desgraça para a raça branca ter ligado sua existência tão intimamente à dos negros em certos países! Que Deus nos livre desse contato!” (5).

    Era também evolucionista e ateu este racista puro e duro ?

    Like

  13. Joaquim Coelho says:

    E para que não digas que sou tendencioso aqui vai uma que te agrada:

    Mesmo Charles Darwin, que era abolicionista, acreditava numa superioridade do homem caucasiano e num distanciamento desse com as outras raças. Ele dizia: ”o hiato será mais amplo, porque compreenderá a distância entre o homem, que terá alcançado um estágio de civilização superior ao do caucásico, e um símio como o babuíno, e não como acontece atualmente, a distância entre o negro, ou o australiano, e o gorila”

    Traduzido, quer dizer que no futuro o novo homem civilizado terá um hiato maior com os babúinos, do que o negro da actualidade e o gorila.
    Isto revela preconceito racico, que era geral e aceite pela totalidade da civilização ocidental da epoca (salvo raras excepções é claro).

    Darwin era anti-esclavagismo, gostas dos negros e indios. Nada que se compare ao Agassiz e companhia crentes em Deus.

    Like

  14. Rui Almeida says:

    Tenho mais um par de achegas a dar aeste assunto:

    Já que o autor fala do Mein Kampf, podemos ler mais sobre o assunto:

    Em “http://www.newscientist.com/channel/life/dn13689-evolution-myths-evolutionary-theory-leads-to-racism-and-genocide.html

    Podemos ler:
    As for the Holocaust, the murder of able-bodied and able-minded people solely on the basis of their religion can hardly be called eugenics. It is incredible to blame Darwin while overlooking the role of Christianity in fostering anti-Semitism over the centuries.

    In 1543, for instance, Martin Luther wrote a booklet called On the Jews and Their Lies calling, among other things, for Jews to be expelled or forced to do manual labour, and their synagogues and schools burned. The booklet was displayed at Nazi rallies. And this is how Hitler described his motivations in Mein Kampf, in which there is no mention of Darwin or the theory of evolution: “Hence today I believe that I am acting in accordance with the will of the Almighty Creator: by defending myself against the Jew, I am fighting for the work of the Lord.”

    Além de que este autor, quando cita:

    “It is surprising how soon a want of care, or care wrongly directed, leads to the degeneration of a domestic race; but excepting in the case of man himself, hardly any one is so ignorant as to allow his worst animals to breed.”

    esquece-se de ler a frase que vem logo a seguir:

    “The aid which we feel impelled to give to the helpless is mainly an incidental result of the instinct of sympathy, which was originally acquired as part of the social instincts, but subsequently rendered, in the manner previously indicated, more tender and more widely diffused. Nor could we check our sympathy, if so urged by hard reason, without deterioration in the noblest part of our nature. The surgeon may harden himself whilst performing an operation, for he knows that he is acting for the good of his patient; but if we were intentionally to neglect the weak and helpless, it could only be for a contingent benefit, with a certain and great present evil. Hence we must bear without complaining the undoubtedly bad effects of the weak surviving and propagating their kind; but there appears to be at least one check in steady action, namely the weaker and inferior members of society not marrying so freely as the sound; and this check might be indefinitely increased, though this is more to be hoped for than expected, by the weak in body or mind refraining from marriage.”

    Traduzindo, Darwin não defende um “exterminio” activo dos individuos mais fracos – a sociedade encarregar-se-á disso “naturalmente”. Isto é, pelas palavras de Darwin, estatisticamente haverá uma maior percentagem de sucesso quer em termos de conseguir matrimonio quer posteriormente em termos de procriação por parte dos indivíduos vistos pela sociedade como mais fortes/bonitos/aptos/inteligentes (riscar conforme a preferencia do possivel conjuge) por comparação com individuos menos habilitados em qualquer um destes ou outros pontos.

    Tal como acontece hoje em dia, e sempre aconteceu: um indivíduo interessante e rico terá mais pretendentes que outro interessante e pobre, que por sua vez terá mais pretendentes que outro completamente desinteressante e pobre. É essa ideia que Darwin quis fazer passar, e não a do exterminio activo. Que outros deturpassem a ideia, isso será com eles.

    Like

  15. alogicadosabino says:

    Joaquim tem calma.

    Deixei aquele comentário um pouco pa tanga. Começaste logo a barafustar pra todos os lados lol

    Tem calma rapaz.

    Quando eu consultar os jornais nazis eu digo-te se estás a inventar ou não.

    Like

  16. Mats says:

    Joaquim e Rui Almeida:

    Nunca em lado algum darwin ou a evolução advoga a intervenção humana para substituir o papel da natureza na evolução do homem.

    Mas tu estás a confundir o que EL ACREDITAVA com o que DISSE PARA SER FEITO. Tu tentas isconectar o Darwin the Hitler dizendon que Darwin nunca mandou que fosse feitas as coisas que Hiler fez. Mas o que é que iso interessa?! O Hitler pessoalmente provavelmente nunca matou um Judeu se quer. Usando a tua lógica, podemos dizer que o Hitler está inocente da morte dos 6 milhões de Judeus?
    Lembra-te do que eu disse: a teoria da evolução foi CONTEXTUALMENTE usada para fins eugénicos. O próprio Darwin disse que havia “raças” inferiores e “raças” superiores. Hitler apenas adicionou os Judeus à lista de raças inferiores. Capice?

    Não te esqueças também do que o evolucionsita Gould disse:

    “Biological arguments for racism… increased by order of magnitude following the acceptance of evolutionary theory.”

    Like

  17. kang4roo says:


    Obrigado.. Info agradável…

    Se Você Precisar de UM Blog, Tente Olhar “Leoxa.com”
    (Os Temas São Tão Atraentes)

    Like

  18. Joaquim Coelho says:

    O próprio Darwin disse que havia “raças” inferiores e “raças” superiores. Hitler apenas adicionou os Judeus à lista de raças inferiores. Capice?

    Mentira, Matts.
    A primeira vez que esse termo foi usado foi por outro evolucionista e pegou por ser uma simplifacação do conceito “apto”.
    Nem Darwin, nem os verdadeiros evolucionistas usam o conceito superior, porque ele não faz sentido.

    Aquele que sobrevive pode ser o mais fraco, e muitas vezes é.
    Quando das perturbações climáticas que avassalaram o planeta após o choque de um meteorito, extinguiram-se 2/3 das espécies.

    Os que sobreviveram e progrediram foram em maioria os mais fracos, os mais adaptados ao “anormal”, a condições extremas.

    O naturalismo / biologismo nazi não tem nada a ver com ciência. Tal como o conceito racismo nazi é muito mais extensivo que o normal e se propaga a povos: judeus e arianos não são raças, tal como eslavos.
    Hitler usou e distorceu a seu bel-prazer estes conceitos, tal como fez com a Biblia. Uma verdade cientifica não pode ser acusad por ser deturpada e usada no sentido do mal. A teoria da evolução tem sido usada como justificação para muitas coisas devido ao simplismo e ignorância dos seus meandros (como tu fazes Matts).

    Eu poderia jogar o mesmo jogo que tu e acusar a religião:
    A fonte última de tudo, o valor supremo, o fundamento justificador da hierarquizção das raças é, oara Hitler sem contestação, o próprio Deus. É ele que quer a sua existência, a sua desigualdade e a superioridade dos fortes sobre os fracos, constatações essas que são a expressão da vontade divina. O Ariano reina e deve reinar sobre os outros homens. Aquele que transgride esta exigência atinge o prórprio Deus.
    É esta a intrepretação de Hitler. Para mim estúpida, tal como a da raça e da biologia. Não vamos culpar a religião e a biblia porque um louco se apropriou de forma demagogica e errada desse livro. Da mesma forma não o devemos fazer em relação a teorias cientificas. Nenhuma delas aponta o caminho da destruição de povos nem da superioridade, nem sequer do eugenismo (outro aproveitamento da evolução e que o prório Darwin renegava).

    Sei que advogas que Hitler de MK é diferente. Mas isso é absurdo.
    A ideologia nazi está toda no MK. É seguido á letra quando Hitler assumiu o poder: o anti-semitismo primário, a destruição dos judeus, o espaço vital para leste e escravidão dos eslavos, o eugenismo social e assassinio dos associais, a guerra, o aumento do número de arianos, etc.
    Tudo estava no MK. Quando chegou ao poder Hitler e capangas trataram de passar à prática a teoria do Mein Kampf. Não há diferença entre Hitler de 29 e Hitler de 33-40. Depois disso começou a enlouquecer e já é dificil saber o que é ideologia e loucura pura.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s