Sei Que Deus Existe

O ateu Ludwig escreveu no seu blog um post com o título “Sei Que Deus Não Existe“, onde ele tenta, de forma lógica, explicar o porquê de rejeitar a existência de Deus. Embora ele tente refutar todas as concepções de Deus com uma “vassourada” só, o seu post tem como ponto principal o Deus da tradição Judaico-cristã.

Uma coisa que eu reparei no post é que o Ludwig tem mostrado alguma dificuldade em ter uma concepção realista de Deus.

O Ludwig diz:

Algo existe se forem verdadeiras todas as proposições que o caracterizam.

Ele depois dá o exemplo da aranha encarnada no tecto

Por exemplo, existe uma aranha encarnada no tecto do meu quarto se for verdade que é aranha, que é encarnada e que está no tecto do meu quarto. Se uma destas for falsa então não existe uma aranha encarnada no tecto do meu quarto.

Até aqui tudo +/- bem. O problema começa quando ele diz:

Em suma, sei que o Deus cristão não existe porque tenho razões para concluir que nem todas as proposições que o caracterizam são verdadeiras.

Mas agora convém perguntar: quais proposições? Aquelas que o Ludwig concluiu que devem ser as “sine-qua-non” para a existência de Deus? Uma coisa é eu exigir que Deus se manifeste de uma certa forma, outra é eu deixar que as evidências falem.

Estou-me a lembrar do debate entre o filósofo cristão Greg Bahsen e o ateu Gordon Stein, onde o último disse que acreditaria em Deus e Ele fizesse levitar uma mesa em frente durante alguns minutos. Com este nível de “requerimentos”, é fácil ser-se ateu.

O Ludwig faz o mesmo erro. Ele define as  proposições que ele considera seram as válidas, e diz que, como essas são falsas (segundo ele), então o Deus da Bíblia não existe.

Não acho que seja lógico operar-se assim. Eu acho que pela Natureza do assunto (Deus) este nível de exigências reduz em muito a dimensão do debate.

Se nós estamos a falar de Um Ser Sobrenatural, que actuou na história, na geologia, na biologia, na antropologia, mas que nem sempre actua de forma sobrenatural, o nível de exigências têm que levar isso em conta.

O Ludwig, neste post, não chegou a qualificar Deus, mas em traços gerais pode-se qualificá-Lo da seguinte forma:

“The God who made the world and everything in it, being Lord of heaven and earth, does not live in temples made by man, nor is He served by human hands, as though He needed anything, since He Himself gives to all mankind life and breath and everything. And He made from one man every nation of mankind to live on all the face of the earth, having determined allotted periods and the boundaries of their dwelling place, that they should seek God, in the hope that they might feel their way toward him and find him. Yet He is actually not far from each one of us…” – Acts 17

Podemos vêr que Deus é o “Criador”, “Senhor dos céus e da Terra”, “Auto-suficiente”, “Sustentador”, “Imaterial”, “Omnipotente”, “Omnisciente”,  etc, etc.

Tendo em conta isto, vamos vêr as proposições que o Ludwig “exige” para crêr na existência de Deus.

Algumas parecem claramente falsas. Tudo indica ser impossível que algo imaterial seja consciente.

Aqui vêmos a filosofia de vida do Ludwig a “classificar” uma proposição de falsa. Como é que o Ludwig sabe que um ser imaterial não pode ser consciente? O Ludwig “sabe” disso porque assume que assim seja, não porque tenha evidências em favor do que ele disse.

Segundo, se a nossa consciência é apenas materia (químicos), então o que nós pensamos nada mais é que apenas o que os químicos nos “dizem” para pensar. Que razão temos nós para confiar nas nossas capacidades cognitivas?

So final das contas, o ateísmo refuta toda a base para se confiar na nossa mente, e desde logo, como ateu, o Ludwig não pode confiar naquilo que pensa. São só químicos em movimento.

No entanto, se Deus existe, e se nós fomos criados à Sua Imagem e Semelhança (Genesis 1:26-27), então temos fundamento para confiar nas nossas capacidades mentais. Embora o mundo em que vivêmos esteja sob a maldição do pecado (Génesis 3:17), nós ainda retemos a Imagem de Deus em nós, e a nossa mente é o reflexo da Mente de Deus, embora num nível bem inferior.

Resumindo este ponto: se a consciência é apenas matéria, então não há razão para confiar nela. Se a consciência vai para além do mundo material, e se foi feita à Imagem de Deus, então há razões para se confiar nos nossos pensamentos. Desde logo, se é impossível que algo imaterial seja consciente, então não razões para se confiar na crença que diz “tudo indica ser impossível que algo imaterial seja consciente

É contraditório ser omnisciente e livre ou agir quando se existe fora do tempo.

Isto são anúncios filosóficos, e não factos. Como é que o Ludwig sabe que é contraditório ser Omnisciente e livre, ou agir fora da dimensão do tempo?

A doutrina da trindade não faz sentido nem é razoável aceitar que Deus é Jesus, que nasceu de uma virgem, ressuscitou, salvou todos pelo seu sacrifício e assim por diante.

Note-se que o Ludwig não disse o porquê da Trindade não “fazer sentido”, nem disse o porquê de não ser “razoável” acreditar-se que “Deus é Jesus”, no nascimento de uma virgem, na ressurreição, nem no Sacrifício Expiatório.

Todos sabemos que num blog é difícil uma pessoa expandir-se como provavelmente desejaria, mas se calhar não era má ideia oferecer uma razão para a “falta de sentido” ou a falta de “razoabilidade” desta ou daquela crença.

Convém dizer que nenhum cristão acredita que Deus é Jesus.

Vejo boas razões para rejeitar muitas das proposições que caracterizam Deus por serem incoerentes ou contrárias às evidências. É principalmente por isso que sei que ele não existe.

Contrárias as evidêncas, ou contrárias as interpretações que o Ludwig faz das evidências?

Mas os cristãos defendem que o seu deus é excepção e não pode ser conhecido pela ciência.

Tudo depende do que o Ludwig define como “ciência”. Se o a “ciência” é apenas o naturalismo aplicado, então, obviamente, Deus não pode ser encontrado através de uma actividade que rejeita à priori qualquer causa ou efeito que não seja naturalista.

No entanto, se por ciência o Ludwig tem em mente a actividade que testa todas as hipóteses, sem rejeitar nenhuma hipótese por motivos filosóficos, então pode-se dizer que podemos “conhecer” a Deus. Obviamente que a ciência não é a melhor forma de se conhecer a Deus, da mesma forma que as pegadas que eu deixo na praia não são suficientes para as pessoas saberem quem eu sou. No entanto, a ciência aponta para o Sobrenatural, tal como as evidências numa cena de crime apontam para o culpado.

A Melhor Forma para se conhecer a Deus é a Pessoa do Senhor Jesus Cristo (Lucas 10:22, João 14:6). Nele vêmos como Deus é, como Deus opera, ama, cuida, cura e conforta.

Ou seja, nenhuma das propriedades de Deus pode se inferida daquilo que observamos.

Esta frase assume que o Ludwig conhece TODAS as propriedades de Deus, e que já observou TUDO o que havia para observar. Uma vez que o Ludwig não sabe todas a propriedades de Deus, e nem observou tudo, esta frase é mais uma postulaçao filosófica feita no nome da “lógica”.

Postular que Deus está fora de tudo o que conhecemos e é uma excepção a qualquer inferência torna impossível determinar as suas propriedades.

Torna-se impossível, se nós assumirmos que Deus não comunica com os homens que ele criou. No entanto, como nem todos partilham desta presuposição, mais uma vez vêmos uma crença pessoal a moldar o nível de exigência.

Segundo, o facto de que Deus existe para além das nossas capacidades sensorias não invalida que Ele se possa manifestar pontualmente de forma que os nossos sentidos possam observar. O Profeta Moisés viu com os seus olhos a Sarça Ardente, e ouviu com os seus ouvidos a Voz de Deus que saía de Dentro da Sarça (Êxodo 3).

Qualquer cristão rejeita as hipóteses que Deus ditou o Corão, que Deus é um Boddisatva, que Deus é Vishnhu ou Rama ou Odin. Não porque as possa refutar, pois estão todas igualmente fora daquilo que se pode testar.

Não necessariamente. Uma vez que acreditamos naquilo que a Biblia diz (e até hoje não temos razão para duvidar), tudo aquilo que vai contra aquilo que Deus disse é falso. As outras “religiões” dizem coisas que não só vão contra as nossas observações, mas vão contra aquilo que o Criador disse. Eu poderia dar-te exemplos em como o Islão, por exemplo, vai contra a história, a ciência observável e a lógica. O mesmo pode ser feito do Budismo, do Hinduismo, etc, etc.

Não rejeitamos os outros deuses porque não podêmos testá-los, mas porque temos forma de testá-los, e vimos que são falsos.

Mas porque são mera especulação e a probabilidade de acertar nisto à sorte é ridiculamente pequena. Eu aplico o mesmo princípio às hipóteses que Deus inspirou a Bíblia, que encarnou em Jesus, que nos deu mandamentos e assim. É tudo pura especulação e vai tão longe do que se justificaria inferir que não merece qualquer confiança. Posso afirmar que isso está errado e que esse deus, definido dessa forma, não existe.

O Ludwig não nos disse como é que sabe que é TUDO especulação. Como é que ele sabe que é especulação que Deus incarnou na Pessoa do Senhor Jesus Cristo? Provavelmente ele “sabe” disso porque ASSUME que tais coisas nunca podem acontecer. Tal como tinha dito em cima, o Ludwig usa a sua filosofia de vida como forma de refutar o Sobrenatural.

Se os cristãos rejeitam a possibilidade de testar as suas hipóteses alegando que não se pode confrontá-las com a nossa experiência então já sei que são falsas.

Talvez tenha lido mal, mas será que o Ludwig está a dizer é que aquilo que não pode ser testado é automaticamente falso? Então que fazer da crença que diz que os dinossauros evoluiram para pássaros? Que dizer da crença que o mundo material é TUDO o que existe? Como é que testamos isso? Como é que testamos a evolução de um animal terreste para uma colossal baleia? Usando o critério proposto pelo Ludwig, podemos concluir que, uma vez que tais coisas não podem ser testadas, então são falsas.

Se querem defender que há evidências a favor das suas conclusões então têm que prescindir da alegada imunidade aos factos observáveis e avaliar cada hipótese à luz daquilo que conhecemos.

Eu nunca li ou ouvi um cristão a dizer que Deus é “Imune aos factos observáveis”. O Ludwig também não definiu o que ele entende como “imune aos factos”.

Mas será que os factos observáveis estão contra aquilo que Deus diz na Bíblia? Então vejamos:

1. Deus diz que os animais vão-se reproduzir de acordo com o seu “tipo” (heb: “bara” – Génesis 1). O que é que observamos? Gatos dão à luz gatos, cães, cães, etc, etc. Ou seja, o que observamos está de acordo com a Bíblia.

2. Deus diz que houve um Dilúvio que cobriu toda a Terra (Génesis 6-9). Se isto é verdade, o que é que encontraríamos no registo fóssil? Milhões de coisas mortas enterradas em camadas rochosas que foram depositadas pela água. Curiosamente, é exactamente isso que encontramos.

3. A Bíblia diz que os dinosauros e o homem sempre viveram lado a lado. O que é que os achados mostram? Exactamente isso.

Muitos outros exemplos poderiam ser dados, mas o que importa ressalvar é que, até hoje, que eu saiba, não foi observado nada que contradiga a Palavra do Criador. Nem poderia ser de outra forma, uma vez que Ele estava lá quando as coisas aconteceram, e nós não.
Conclusão:

O que este post mais uma vez mostra é o peso que as nossas presuposições têm quando investigamos o mundo à nossa volta, e principalmente quando interpretámos os factos passados. O Ludwig é um firme crente no naturalismo, e como tal, qualquer evidência que vá contra o naturalismo tem que ser rejeitado ou re-interpretado.

Para o cristão isto não deve ser surpresa porque Deus diz:

Salmo 14:1
Diz o néscio no seu coração: Não há Deus. Os homens têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras; não há quem faça o bem.

Convém reparar que Deus põe a rejeição da Sua pessoa não ao nível intelectual mas ao nível moral. As pessoas rejeitam Deus não por razões intelectuais, mas devido à sua própria moralidade.

Que existem evidências que facilmente mostram que tem que existir Um Criador é por demais óbvio. No entanto, que existem pessoas que rejeitam, ignoram ou reinterpretam as evidências de modo a manterem-se a sua filosofia de vida, é também por demais claro.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Bíblia, Cosmologia and tagged , . Bookmark the permalink.

20 Responses to Sei Que Deus Existe

  1. Viva,

    No último parágrafo você comete exactamente as mesmas falhas que aponta ao Ludwig. Quando você diz “Que existem evidências que facilmente mostram que tem que existir Um Criador é por demais óbvio” também não diz quais são.

    E deixe-me ainda dizer-lhe que a sua conclusão deita por terra toda a sua argumentação anterior. Afirmar que as razões por que não se acredita em Deus são de ordem moral e não intelectual é um daqueles disparates que só poderia ser baseado mesmo na Bíblia. Desde quando é que a moral condiciona aquilo em que acreditamos? Desde quando é que a Verdade tem algum valor ético para poder ser quantificado o seu índice de moral?

    A moral existe apenas nas consequências das nossas escolhas; podemos começar, por exemplo, por medir o impacto que a desonestidade intelectual do que escrevemos possa ter em quem nos lê.

    Like

  2. Beowulf says:

    Mats, tu que gostas tanto de animais misteriosos e nunca descritos como o dinossauro das florestas latino-americanas e afins, devias olhar para este caso bem descrito e estudado.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Oliver_(chimpanzee)

    Chama-se Oliver, e para muitos é a prova de que nem sempre Homens dão Homens, e Chimpanzés dão Chimpanzés. Lê isso com atenção, procura mais informações sobre o assunto e já continuamos a conversa, ok?

    Like

  3. Mats says:

    Helder,

    Afirmar que as razões por que não se acredita em Deus são de ordem moral e não intelectual é um daqueles disparates que só poderia ser baseado mesmo na Bíblia. Desde quando é que a moral condiciona aquilo em que acreditamos?

    Condiciona na medida que a aceitação de uma Pessoa (Deus) afecta a nossa forma de vivêr. Há pessoas que rejeitam as evidências porque isso choca com sua forma de estar na vida.

    “I had reasons not to want the world to have meaning, and as a result I assumed the world had no meaning, and I was readily able to find satisfactory grounds for this assumption… For me, as it undoubtedly was for most of my generation, the philosophy of meaninglessness was an instrument of liberation from a certain moral system. We were opposed to morality because it interfered with our freedom.”

    Aldous Huxley (“Brave New World”) stated candidly in “Confessions of a Professional Free-Thinker,” in 1966:

    Like

  4. Beowulf says:

    Então Mats, já leste coisas sobre o Oliver ou não?

    [[Já lia algumas coisinhas. O que é que querias falar sobre ele?]] – Mats

    Like

  5. Beowulf says:

    O que achas do facto de muitas pessoas dizerem que ele é um híbrido entre chimpanzé e homem, como tal, refutando esse teu conceito de que zebras parem zebras e afins?

    [[Eu acho que as pessoas estão desesperadas, só isso. O Oliver parece ser um chimpanzé e nada mais.]] – Mats

    Like

  6. O Oliver é um chimpanzé autêntico. Já foi desacreditado como alegado missing link há muito tempo.

    Diferente? sim. Meio chimpanze meio humano? Não.

    Até porque tem 48 cromossomas, just like chimpanzees.

    Like

  7. Beowulf says:

    Ai é Marcos? Já leste o artigo sobre a análise genética do Oliver? Não é bem isso que diz! E depois, esse argumento só faz sentido se usares conceitos fulcrais para a teoria da evolução. Então como é? Quando dá jeito usamos a teoria da evolução para justificar as nossas crenças, mas quando já não convem dizemos com a boca cheia que ela está errada? Isso é desonestidade Sabino!!!

    Like

  8. Beowulf says:

    Sabino, isso que me enviaste é uma noticia, não é nenhum dos artigos científicos que analisaram o Oliver. E de qualquer forma, o que essa notícia diz é que não se sabe o que é. Estás mal informado. Aconselho-te a aprenderes mais sobre esse caso.Talvez altere a forma como vês o mundo!

    Like

  9. lê a biblia… talvez altere a forma como vês o mundo

    Like

  10. Beowulf says:

    Já li caro amigo, mais do que uma vez! Já o mesmo não se pode dizer de ti e de todos os livros que abordam a teoria da evolução.

    Like

  11. Beowulf says:

    Mas mais uma vez, e o Oliver? E os estudos que foram feitos com ele. E as implicações que isso tem para a tua visão do mundo? Nada, nem uma palavra sobre isso. O que interessa é manipular a opinião pública!

    Like

  12. “Já li caro amigo, mais do que uma vez!”

    ihih… isto é parar rir? Estou então à vontade para te pedir o numero de telemovel, ligar-te e fazer duas ou três perguntas sobre a biblia. Depois publicar no meu blogue as respostas… pode ser? eu ligo

    Tu és chato demais, bates sempre na mesma tecla e és super tendencioso.

    Se esse chimpanzé tivesse 47 cromossomas, como se chegou a proclamar na opinião pública, tu irias utilizar isso como “prova”. Como foi confirmado que ele tem 48 cromossomas, como qualquer chimpanzé, já vens dizer que ignoro isto e aquilo.

    Oliver = Chimpanzé
    Eu e tu = Seres humanos criados à imagem e semelhança de Deus

    Like

  13. Beowulf says:

    “Estou então à vontade para te pedir o numero de telemovel, ”

    Não.não estás. Não dou dados pessoais a fundamentalistas religiosos como tu!

    Então tu achas que é só o número de cromossomas que interessa para definir uma espécie? Então a homologia já é importante? Achas que a análise do número de cromossomas foi bem feita? O estudo dos 47 cromossomas não foi só “na opinião pública”, foi revisto por outros cientistas.

    Depois, que eu saiba costuma-se argumentar contra aquilo que alguém diz e não contra aquilo que potencialmente diz. O que estamos aqui a discutir é qual é a implicação do Oliver, um animal que apenas se explica se for um híbrido entre Homem e Chimpanzé. Mas como par ti isso não interessa, vens com umas tretazitas de que foi provado cientificamente e o catano.

    Like

  14. alogicadosabino says:

    o oliver é um chimpanzé… o que ainda não percebeste?

    Like

  15. Beowulf says:

    Só podes afirmar isso se usares principios da teoria da evolução. Se a aceitas para classificar o Oliver, entao tens que a aceitar sempre. Não podes negar a evolução paraumas coisas e nao para outras.

    Like

  16. alogicadosabino says:

    tu sabes que eu acredito que o homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, portanto o Oliver Atton não pode ser um híbrido dos 2. Será que bastava eu dizer-te isto para tu ficares satisfeito?

    Like

  17. Mats says:

    Beowulf,
    Não é preciso usar os “princípios da teoria da evolução” para se vêr que o Oliver é um chimpanzé.

    Like

  18. Matheus says:

    Só podes afirmar isso se usares principios da teoria da evolução. Se a aceitas para classificar o Oliver, entao tens que a aceitar sempre. Não podes negar a evolução paraumas coisas e nao para outras.
    Novamente tenho de te lembrar que genética não é sinônimo de evolução.
    Desde quando dizer que animais diferentes tem números cromossômicos diferentes comprova a evolução?

    Não. Não estás. Não dou dados pessoais a fundamentalistas religiosos como tu!
    Que tal criares um skype e me passar o usuário? Assim te faço as mesmas 2 ou 3 perguntinhas e passo para o mats publicar aqui e o sabino no blog dele.
    Sobre a leitura de livros, TODOS nós somos obrigados a estudar e ler livros sobre a teoria da evolução na escola.
    Até para escrever esses textos os nossos amigos blogueiros tem de estudar evolucionismo.

    Paz,
    Matheus.

    Like

  19. Mats says:

    Concordo.

    Os ateus confundem a ciência com a teoria da evolução. De alguma forma, eles levaram uma lavagem cerebral tão profunda que já nem conseguem pensar fora da caixa evolucionista.

    A genética, obviamente, não serve de evidência para a crença que diz que o mundo é o resultado de forças não-pessoais, não-direccionadas, não-inteligentes.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s