As Consequências Mentais do Ateísmo?

Atheism and Mental and Physical Health

See main article: Atheism and Mental and Physical Health

The is considerable amount of scientific evidence that suggest that theism is more conducive to mental and physical health than atheism.[68][69] The prestigious Mayo Clinic reported the following on December 11, 2001:

In an article also published in this issue of Mayo Clinic Proceedings, Mayo Clinic researchers reviewed published studies, meta-analyses, systematic reviews and subject reviews that examined the association between religious involvement and spirituality and physical health, mental health, health-related quality of life and other health outcomes.The authors report a majority of the nearly 350 studies of physical health and 850 studies of mental health that have used religious and spiritual variables have found that religious involvement and spirituality are associated with better health outcomes.[70]

In regards to data that relates to mental health and atheism, in December of 2003, the University of Warwick reported the following:

Dr. Stephen Joseph, from the University of Warwick, said: “Religious people seem to have a greater purpose in life, which is why they are happier. Looking at the research evidence, it seems that those who celebrate the Christian meaning of Christmas are on the whole likely to be happier.[71]
Currently, there is an ongoing debate on whether atheism was a causal factor for Friedrich Nietzsche's insanity or whether it was caused purely through disease.

Currently, there is an ongoing debate on whether atheism was a causal factor for Friedrich Nietzsche‘s insanity or whether it was caused purely through disease.

Duke University has established the Center for Spirituality, Theology and Health.[72] The Duke University Center for Spirituality, Theology and Health is based in the Center for Aging at Duke and gives opportunities for scholarly trans-disciplinary conversation and the development of collaborative research projects.[73] In respect to the atheism and mental and physical health, the center offers many studies which suggest that theism is more beneficial than atheism.[74]

Currently, there is an ongoing debate regarding whether atheism was a causal factor for Friedrich Nietzsche‘s insanity or whether it was caused strictly by disease.[75][76][77][78] An article published on the Hong Kong Baptist University website offers the following regarding the cause of Friedrich Nietzsche’s insanity:

Trying to explain what caused his insanity can only be a matter of speculation. Some people believe it was the result of a physical illness. Others interpret his suffering as that of a true prophet, almost as if he were accepting the punishment on behalf of those who could not see mankind’s tendency towards self-destruction so clearly. Still others regard his final fate as a natural outcome of his philosophical outlook.[79]

Atheism and Suicide

Pitzer College sociologist Phil Zuckerman stated concerning suicide rates: “this is the one indicator of societal health in which religious nations fare much better than secular nations.”

See main article: Atheism and suicide

Although there are recent studies relating to atheism being a causal factor for suicide, an early proponent of atheism being a causal factor for suicide was the Reverend Dr. Robert S. MacArthur.[80][81][82] In 1894, the NY Times stated the following in relation to atheism and suicide:

Dr. Martin urged that a great cause of suicide was atheism. It was, he said, a remarkable fact that where atheism prevailed most, there suicides were most numerous. In Paris, a recent census showed one suicide to every 2,700 of the population. After the publication of Paine’s “Age of Reason” suicides increased.[83]

The same NY Times article quotes the Reverend Dr. MacArthur describing suicide in the following manner:

It is mean and not manly; it is dastardly and not daring. A man who involves his innocent wife and children in financial disaster and disgrace and takes his life and leaves them to bear the burden he was unwilling to bear, is a coward.[84]

In 2004, the American Journal of Psychiatry reported the following:

Religiously unaffiliated subjects had significantly more lifetime suicide attempts and more first-degree relatives who committed suicide than subjects who endorsed a religious affiliation. Unaffiliated subjects were younger, less often married, less often had children, and had less contact with family members. Furthermore, subjects with no religious affiliation perceived fewer reasons for living, particularly fewer moral objections to suicide. In terms of clinical characteristics, religiously unaffiliated subjects had more lifetime impulsivity, aggression, and past substance use disorder. No differences in the level of subjective and objective depression, hopelessness, or stressful life events were found.[85]

The website Adherents.com reported the following in respect to atheism and suicide:

Pitzer College sociologist Phil Zuckerman compiled country-by-country survey, polling and census numbers relating to atheism, agnosticism, disbelief in God and people who state they are non-religious or have no religious preference. These data were published in the chapter titled “Atheism: Contemporary Rates and Patterns” in The Cambridge Companion to Atheism, ed. by Michael Martin, Cambridge University Press: Cambridge, UK (2005). In examining various indicators of societal health, Zuckerman concludes about suicide:”Concerning suicide rates, this is the one indicator of societal health in which religious nations fare much better than secular nations. According to the 2003 World Health Organization’s report on international male suicides rates (which compared 100 countries), of the top ten nations with the highest male suicide rates, all but one (Sri Lanka) are strongly irreligious nations with high levels of atheism. It is interesting to note, however, that of the top remaining nine nations leading the world in male suicide rates, all are former Soviet/Communist nations, such as Belarus, Ukraine, and Latvia. Of the bottom ten nations with the lowest male suicide rates, all are highly religious nations with statistically insignificant levels of organic atheism.”[86]

Australian online opinion writer and lecturer in ethics and philosophy at several Melbourne theological colleges, Bill Muehlenberg, in his essay The Unbearable Heaviness of Being (In a World Without God) states the following:

Announcing, and believing, that God is dead has consequences. And it is we who suffer the most for it. We cannot bear the whole universe on our shoulders. We were not meant to. We must let God be God. Only then can men be men. Only then can we find the way forward to be possible, and the burdens not insurmountable.[87]

Sigmund Freud’s View of Religion

Sigmund Freud in his laboratory

Sigmund Freud in his laboratory

Psychologist Sigmund Freud was a proponent of atheism who argued that theism was detrimental to mental health.[88] Oxford Professor Alister McGrath, author of the book The Twilight of Atheism, stated the following regarding Freud:

One of the most important criticisms that Sigmund Freud directed against religion was that it encourages unhealthy and dysfunctional outlooks on life. Having dismissed religion as an illusion, Freud went on to argue that it is a negative factor in personal development. At times, Freud’s influence has been such that the elimination of a person’s religious beliefs has been seen as a precondition for mental health.Freud is now a fallen idol, the fall having been all the heavier for its postponement. There is now growing awareness of the importance of spirituality in health care, both as a positive factor in relation to well-being and as an issue to which patients have a right. The “Spirituality and Healing in Medicine” conference sponsored by Harvard Medical School in 1998 brought reports that 86 percent of Americans as a whole, 99 percent of family physicians, and 94 percent of HMO professionals believe that prayer, meditation, and other spiritual and religious practices exercise a major positive role within the healing process.[89]  

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Religião and tagged , , . Bookmark the permalink.

12 Responses to As Consequências Mentais do Ateísmo?

  1. alogicadosabino says:

    não devias colocar textos muito extensos em inglês. Acredito que haja quem não os leia por essa razão.

    Like

  2. Mats says:

    Sim, é verdade, mas ás vezes não há tempo para traduzir tudo :-S

    Mas tens razão.

    Like

  3. Joaquim Coelho says:

    Também nem vale a pena ler.

    Tretas destas ….

    Então e a saúde mental dos crentes ?

    Façam lá uma estatistica destas no Júlio de Matos e depois vê-se.

    Parece-me que não é muito dificil arranjar uns quantos que acreditam ser Jesus.

    Este tipo de correlações entre caracteristicas de ateus po crentes e o seu comportamento são sempre olhar com um pé atrás.
    Quanto mim são todas uma bela bosta.

    Like

  4. Mats says:

    Joaquim
    Não concordo. Crenças tem consequências, e o ateísmo têm consequêncies. Se uma pessoa acredita que a sua vida é tão importante como a vida de um animal, e que quando morrer, iso é o seu fim, essa mesma pessoa vai ajutar a sua forma de pensar de acordo cmo isso.

    As pessoas que não vêm propósito para a sua vida são naturalmente mais susceptíveis de desesperar mais facilmente do que as pessoas que sabem que a sua vida tem valor porque Deus as criou.

    Tu não poes fugir das ramificações das tuas crenças, tal como eu também não posso fugir daquilo que a Bíblia diz.

    Like

  5. Joaquim Coelho says:

    Tretas, Matts

    A única coisa que reconheço é que em situações extremas, por medo de represálias de um deus maluco, preferem continuar a viver do que suicidar-se. E um ateu não tem esses problemas pelo que é possivel que lhe seja mais fácil suicidar.

    Mas o que conta não é isso e sim a forma como se questionam a si mesmos face a problemas graves.

    Pessoalmente sou dono da minha vida, e se estiver numa situação de sofrimento atroz sem cura possivel (como um cancro avançado nos ossos) dou um tiro na cabeça e acabou-se.
    É um direito meu. A vida é minha e não de um deus qualquer.

    Claro que um crente sofreria com medo do que o seu generoso deus lhe fizesse depois de morto. Vai sofrer e depois morre e transforma-se no mesmo que eu: atomos.

    Mas isso é com vocês. E matts, não tenho crenças. para mim deus não existe, ponto final paragrafo.
    Não é uma crença, tal como não acreditar em fadas não é uma crença.
    Não entro nesse debate porque é perder tempo. É impossivel provar a inexsitência de algo imaterial e sobrenatural. Por isso se quiserem provem voces de forma palpavel que existe.

    Like

  6. Mats says:

    Joaquim

    A única coisa que reconheço é que em situações extremas, por medo de represálias de um deus maluco, preferem continuar a viver do que suicidar-se.

    Desculpa-me que te diga, mas tens que concordar que alguém que se suicida não está mentalmente equilibrado, certo? por pior que as coisas estejam, elas podem sempre melhorar. Além disso, se existe a possibilidade de Deus existir, para quê jogar com a vida, e auto-condenar-se à separação eterna?

    E um ateu não tem esses problemas pelo que é possivel que lhe seja mais fácil suicidar.

    Com isto confirmas o artigo.

    Mas o que conta não é isso e sim a forma como se questionam a si mesmos face a problemas graves.
    Pessoalmente sou dono da minha vida, e se estiver numa situação de sofrimento atroz sem cura possivel (como um cancro avançado nos ossos) dou um tiro na cabeça e acabou-se.

    Quantas é quantas pessoas tinham doenças “sem cura possível” mas que depois foram curadas? A tua resposta de alguma forma confirma o artigo, uma vez que mal se vêm se saída humana, as pessoas que não acreditam no Deus da Bíblia estão mais facilmente seduzidas pelo suicídio, e a condenação eterna.

    É um direito meu. A vida é minha e não de um deus qualquer.

    Claro que a vida é tua. Deus deu-te a vida, mas se tu a rejeitas ao suicidares, rejeitas o Deus que ta deu.

    Claro que um crente sofreria com medo do que o seu generoso deus lhe fizesse depois de morto. Vai sofrer e depois morre e transforma-se no mesmo que eu: atomos.

    Isso é o que tu acreditas, e não factos. pode muito bem ser que Deus exista e não queira que ninguém se suicide.

    Mas isso é com vocês. E matts, não tenho crenças. para mim deus não existe, ponto final paragrafo.

    Essa é a tua crença

    Não é uma crença, tal como não acreditar em fadas não é uma crença.

    São categorias diferentes.

    Não entro nesse debate porque é perder tempo. É impossivel provar a inexsitência de algo imaterial e sobrenatural.

    Portanto, não tendo provas da Sua inexistência, tu sabes que ele não existe!

    Por isso se quiserem provem voces de forma palpavel que existe.

    Mas já te foram dadas inúmeras evidências para a existência de Deus, a mais poderosa de todas sendo a própria complexidade e design das formas de vida. Tu não aceitas isso como evidência porque achas que existe uma força natural capaz de criar as formas de vida, com toda a sua complexidade e elegância. O facto de não haver evidência nenhuma para essa tal força misteriosa não parece te perturbar nem um pouco.

    Like

  7. Joaquim Coelho says:

    Desculpa-me que te diga, mas tens que concordar que alguém que se suicida não está mentalmente equilibrado, certo ?

    Errado. Nem sempre.
    Se conclui que a sua vida já não tem um minimo de qualidade/dignidade e que a possibilidade de isso vir a acontecer é nula, a decisão de parar o sofrimento é tudo menos desiquilibrio. Continuar é que é desiquilibrio.

    Se queres conhecer alguém numa situação assim podes ir a ver a minha mãe.
    Felizmente para ela está numa estado em que já não sabe quem ou o que é, por isso não sofre com isso. Mas quanto ao sofrimento fisico.

    Também tive um colega que morreu com um cancro nos osso após 11 meses de um sofrimento atroz em que já nem a morfina actuava. Várias vezes solicitou que lhe acabassem com o sofrimento.

    Ao contrário do que dizes, não conheço um caso (1) de doenças terminais em estado avançado que tenham recuperado.

    As pessoas não estão mais seduzidas pelo suícido por serem ateus, apenas não o colocam de parte por medo de um deus, como com os fundamentalistas religiosos. Se for a única solução podem não o rejeitar.
    Além disso a maioria dos suicidios ocorre entre crentes. Não serão fundamentalistas mas crentes. Conheço vários casos (no Alentejo o suícido é comum) e todos de crentes e praticantes.
    O meu avô, uma pessoa extraordinária, crente praticante , intensamente trabalhador, quando cegou aos 68 anos e não pode continuar a trabalhar e se tornou dependente dos outros (há 30 anos ser cego era mais complicado que hoje) não aguentou 3 3 anos depois suicidou-se. Não o critico.

    Quanto aos teus comentários religiosos, não passam disso, tretas.

    Like

  8. JJota says:

    Certissimo!!!

    Like

  9. Mats says:

    Joaquim
    Devido a nature<a pessoal do que disseste, eu não vou falar muito sob risco de dizer algma coisa que te possa ofender.
    Posso te dizer isto, segundo o que sei de Deus:
    1. Por pior que seja a tua condição de vida, Deus pode mudar a tua vida.

    2. Há inúmeras pessoas neste mundo HOJE que estavam em situações que,. aos olhos do mundo, não tinham saída, ms Deus mudou isso.

    3. De uma certa forma, tu concordaste com o que o artigo diz.

    Like

  10. Matheus says:

    O problema de alguns ateus é achar que os “crentes” não tem amor com eles, acham que este site não é para tentar mudar suas vidas com evidências e sim uma demonstração de ego, o pior de tudo que a maioria acredita que Deus não tem amor por eles, Deus pode e muda a vida das pessoas quer elas acreditem que Ele exista ou não. Não foi Deus quem te abandonou e sim você que abandonou Ele.

    Like

  11. IKELAW says:

    A minha fé em “deus” foi um componente terrivel de culpa e de depressão. Somente quando superei esta crença e me tornei budista, é que consegui controlar meu próprio destino e ter equilíbrio.

    Like

  12. O Aforista says:

    Essa briga contra crentes nada mais é que uma distração para não encarar o mundo realmente sem Deus.

    Se Deus não existe, então que importa o que as pessoas creêm ?

    Se Deus não existe, de que vale passar a vida toda criticando religiões e crenças ?

    E se o mundo todo virar ateu, isso vai impedir de virarmos nada ?

    Tudo que se faz, tudo que se fala, tudo que se pensa, não é nada amigos, num mundo sem Deus.

    A existência é inócuo, pois no fim, as nossas memórias, nossas obras, nossos pensamentos, vão virar coisa alguma. Não adianta pensar nas gerações futuras, pois elas também vão acabar no nada.

    Tentar ser bom, pra quê ? Além de não ter Deus pra dizer o que é bom, nem que existisse uma moral objetiva no ateismo, ele não serviria pra nada, pois ser bom não vai evitar virarmos nada.

    Nem Niestch, nem Sarte, nem Russel conseguiram resolver esse problema que eles mesmo acabaram tendo que lidar. E o máximo que fizeram é o que os atues tentam passar: viver uma vida edonista plena e egoista.

    Mas a bem da verdade, é só modo de esquecer que tudo que se faz é inútil num mundo sem Deus. E a vida de um ateu só pode ser isso: ou o suicídio, para adiantar o inveitável, ou passar o resto da vida em esquecimento da questão insolúvel, esquecer que têm uma consciencia, e viver como um animal – sem noção de que vive e do que irá lhe suceder no fim.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s