O Mito do “Consenso” Científico

Uma das formas que os darwinisas usam para limitar discussões em volta da sua fé em Darwin é a de apontar para a dominância evolucionista entre os cientistas, os biólogos em particular.

A sua forma de pensar é a de apontar para o facto de a maior parte dos cientistas estarem do lado darwinista, e tentarem com isso validar a teoria.

Para além do facto de consensos variarem com o tempo, nem sempre o consenso está certo.

Em séculos passados uma das maiores causas de morte entre as mulheres que davam à luz era a febre que ocorria depois da criança nascer. Uma mulher em cada seis morria devido a esta febre. No ano de 1795 Alexander Gordon de Aberdeen sugeriu que as febres eram processos de infecção e foi capaz de curá-las. O “consenso” disse “Não!”

No ano de 1843 Oliver Wendell Holmes disse que a febre puerperal era contagiosa, e apresentou evidências. O “consenso” disse “Não!”

No ano de 1849 Semmelweiss demonstrou que técnicas sanitárias practicamente eliminaram a febre Puerperal.  

O consenso disse que ele era um Judeu, ignorou-o, e ele foi removido da sua posição.

Estes e outros exemplos são suficientes para se vêr que os consensos não são sinónimo de veracidade. Consensos são sem dúvida importantes, mas uma teoria não é verdade apenas porque é “consensual”.

Cada vez que um darwinista usa o “consenso” como evidência, ele está a mostrar que ou não conhece a história da ciência, ou não quer (ou não consegue) defender a sua teoria dos ataques científicos que está a sofrer.

…………

Ainda relativo a “consensos”; este artigo mostra que o “consenso” dos cientistas em relação ao aquecimento global feito pelo homem não é assim tão “consensual”.

Advertisements

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Ciência and tagged , , , . Bookmark the permalink.

6 Responses to O Mito do “Consenso” Científico

  1. alogicadosabino says:

    the debate is over… toda a gente sabe que a evolução está mais que provada

    Like

  2. Rui Almeida says:

    Ou então isto serve para as pessoas que estão completamente fora do mundo da ciência verem que isto não é tudo um conluio unido contra o cristianismo.
    Que há opiniões divergentes.
    Que isto não é tudo um bonito consenso – pois assim a taxa de progresso seria quase nula
    Que há – imagine-se!! – contestação e análise independente de hipóteses e teorias!

    Isto tudo para quê? Na tentativa de se encontrar um modelo que melhor se ajuste à realidade. Isto não é só acordar um dia, formular meia dúzia de tretas e já está, “agora sigam todos a minha opinião, escravos”.

    Já no início do século XIX a teoria de Lamarck era a mais aceite para a evolução/herança de traços fisionomicos, com base nos conhecimentos da altura. Obviamente posta de parte quando surgiu uma nova teoria que funciona melhor como modelo do que é observado na realidade. E mesmo esta teoria poderá vir a ser substituída por uma melhor / mais fundamentada no futuro. Mas para já funciona e muito bem.

    Like

  3. Mats says:

    Como é que se pode dizer que funciona “muito bem” se não há evidência nenhuma para o mecanismo?

    Like

  4. Rui Almeida says:

    Dizer que não há «evidência» nenhuma é ser-se cego e arrogante.
    Ou então podes ir mandando cartas aos editores das seguintes revistas cientificas internacionais a dizer que eles, e todos os milhares de cientistas que trabalharam arduamente na sua pesquisa e que publicaram nestas revistas estacvam todos errados:

    Grupo Elsevier (entre outros):
    Evolution and Human Behaviour (http://www.sciencedirect.com/science/journal/10905138)

    Infection, Genetics and Evolution (http://www.ingentaconnect.com/content/els/15671348)

    Journal of Human Evolution (http://www.sciencedirect.com/science/journal/00472484)

    Organisms and Diversity Evolution (http://www.sciencedirect.com/science/journal/14396092)

    Trends in Ecology and Evolution (http://www.sciencedirect.com/science/journal/01695347)

    Grupo BioMed (entre outros):
    BMC Evolutionary Biology (www.biomedcentral.com)

    Grupo Springer (entre outros):
    Estes 9 jornais especializados (http://springerlink.com/content/?mode=allwords&k=evolution&sortorder=asc&Content+Type=Journals)

    Grupo Wiley/Blackwell (entre muitos outros):
    Directed Molecular Evolution of Proteins (http://www3.interscience.wiley.com/cgi-bin/bookhome/104087211)

    Evolution (http://www3.interscience.wiley.com/journal/117958524/home).
    Neste destaco logo o artigo da página de entrada, intitulado “DEFINED ORDER OF EVOLUTIONARY ADAPTATIONS: EXPERIMENTAL EVIDENCE” (ref: Evolution (2008) vol. 62(7):1547).

    Evolution and Development (http://www.ingentaconnect.com/content/bsc/ede)

    Genetics and Logic of Evolution (http://www3.interscience.wiley.com/cgi-bin/bookhome/109868359)

    Journal of Evolutionary Biology (http://www.ingentaconnect.com/content/bsc/jeb)

    Grupo Taylor and Francis:
    Human Genome Evolution (http://www.taylorandfrancis.co.uk/shopping_cart/products/product_detail.asp?sku=&isbn=1859961517&pc=)

    Grupo InformaWorld:
    Estas 49 publicações devem chegar (http://www.informaworld.com/smpp/quicksearch~db=all?quickterm=evolution&searchtype=title&x=0&y=0).

    Penso que tens aqui bastante trabalho pela frente para contrariar os estudos feitos por toda esta gente que dizem, vá, basicamente, o contrário daquilo que defendes.
    Com a diferença que #1 qualquer experiencia deve ser reprodutivel – se não o fôr, será imediatamente posta em causa
    #2 A publicação é sempre analisada detalhadamente por referees (normalmente a concorrência directa, onde ninguém hesita em apontar qualquer inconsistência – onde eu trabalho, já muito artigo foi recusado por uma questão de pormenores)
    #3 Nos casos mais extremos os referees e os editores deslocam-se aos laboratórios onde decorreu a investigação e verificam in loco a veracidade do que é proposto.

    Portanto, boa sorte, Mats! Deves ter aqui entretenimento para o resto da vida.

    Like

  5. Mats says:

    Há links que não funcionam.

    No entanto, há umas coisas a dizer:

    1. Genética não serve de evidência à evolução.

    2. O campo da evolução humana está literalmente aos papéis.

    3. A medicina, obviamente, não serve de evidência à crença de que as formas de vida originaram-se a si mesmas.

    Penso que tens aqui bastante trabalho pela frente para contrariar os estudos feitos por toda esta gente que dizem, vá, basicamente, o contrário daquilo que defendes.

    Posso te dar outros tantos links que refutam isso. E depois?

    Com a diferença que #1 qualquer experiencia deve ser reprodutivel – se não o fôr, será imediatamente posta em causa

    Já alguém reproduziu a origem da vida naturalista? Alguém reproduziu a “transformação” (evolução) de um dinossauro para um pássaro?

    #2 A publicação é sempre analisada detalhadamente por referees (normalmente a concorrência directa, onde ninguém hesita em apontar qualquer inconsistência – onde eu trabalho, já muito artigo foi recusado por uma questão de pormenores)

    O peer review não é um processo infalível.

    Like

  6. alogicadosabino says:

    Rui,

    “e todos os milhares de cientistas que trabalharam arduamente na sua pesquisa e que publicaram nestas revistas estacvam todos errados:”

    Assim não vale… os cépticos pedem provas da existência de Deus… os crentes falam dos mecanismos de alguns animais, mostram a harmonia do sistema solar e outros aspectos de design e os cépticos dizem que isso não é suficiente para provar que Deus existe.

    Já quando os crentes pedem provas da Evolução, os cépticos mostram as interpretações de cientistas em torno de fósseis, de rochas… mostram ainda variações e adaptações dos animais e não sei quê… Para sermos coerentes… isso também não chega

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s