Quando a Verdade Não Agrada

Será que é possível as pessoas saberem a verdade e, como Deus diz em Romanos 1:21, ignorarem o que eles sabem ser a verdade, e escolher a mentira? A julgar pelo comportamento de alguns líderes europeus, sim.

Uma parlamentar austríaca (Susanne Winter) perdeu a sua imunidade parlamentar pelo crime de dizer o que as tradições islâmicas relatam sobre o “casamento” entre o profeta islâmico Muhammad e Aisha.

Eis o que a tradição diz:

“O Profeta escreveu o (contrato de) casamento com ‘Aisha quando ela tinha seis anos, e consumou o casamento quando ela tinha nove anos. Ela ficou com ele durante nove anos (isto é, até a morte dele).” — Sahih Bukhari, volume 7, book 62, number 88

Para qualquer pessoa normal, o que esta tradição islâmica reporta é um comportamento pedofílico. Menos para os eurábios. Para eles reportar as coisas embaraçosas do islão é o mesmo que “racismo” (qual é a raça dos muçulmanos mesmo?!).

A srª Winter vai ser processada por declarações islamofóbicas, incitamento ao ódio e ofensa a ensinos religiosos.

Desde quando é que dizer a verdade sobre o islão é “incitamento” e “islamofóbico” (seja lá o que isso fôr) ? Será que a mesma lógica será usada quando um não-cristão ofender uma ou outra doutrina Bíblica?

Ela disse num evento político realizado em Graz que, uma vez que ele se casou com uma rapariga de seis anos, de acordo com as normas contemporâneas o profeta islâmico (Muhammad) seria considerado um pedófilo.

Obviamente. Se ele se casou com uma rapariga de 6 anos, então se ele fosse vivo hoje, ele seria posto na cadeia por pedofilia. Será isso um “incitamento ao ódio”?

Exemplos como este são sintomáticos do ser humano. Muitas vezes nós sabemos qual é a verdade, mas por motivos vários, rejeitamo-la por não ser bem aquilo que queremos que seja. A verdade não nos agrada e portanto escolhemos o que sabemos ser mentira.

Em poucas situações da vida humana isso é mais manifesto do que no ateísmo. O ateu sabe que Deus existe, age e opera assumindo coisas que só fazem sentido se Deus existe, no entanto professa “não acreditar que Deus existe”. Do mesmo modo que tudo o que os líderes austríacos teriam que fazer (para vêr se o que a Susana Winter disse era verdade ou não) era lêr as tradições islâmicas, o ateu apenas tem que ponderar sobre a complexidade do ser vivo, a ordem e a elegância do universo, e a natureza moral do ser humano para vêr que Deus tem que existir. No entanto, tal como aos líderes austrícaos não lhes interessa mostrar a natureza pedofílica do “profeta” do islão, ao ateu não lhes interessa que Alguém lhes diga como devem ou não viver a sua vida.

Conclusão:

É possível alguém saber a verdade e escolher a mentira no seu lugar? Levando em conta o evento com a srª Winter, e a forma como os ateus vivem a sua vida, a resposta é sim.

Advertisement

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Pecado and tagged , , , . Bookmark the permalink.

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s