Resposta ao Argumentativo Leandro – Parte 5

O argumentativo Leandro aproveitou o espírito do carnaval, e mascarou a sua resposta de conteúdo .

«Não é contradição nenhuma,»

Ou é uma observação, ou é um postulado.Eu podia citar o dicionário para demonstrar que defender ambos é um disparate, mas tenho de ser capaz de usar os meus próprios argumentos 🙂

Tal como já disse, a inferência científica para o design é uma consequência das características e propriedades dos sistemas biológicos. Se não fossem as implicações teístas, toda a gente haveria de considerar a vida como resultado de design inteligente. Mas para algumas pessoas, o ateísmo fala mais alto que a ciência.

«Os estudos que já foram feitos, os cientistas que já foram enumerados, e tudo o mais, não te serve de evidência para a posição que afirma que é possível conhecer-se a teoria e rejeitá-la?»

Sem dúvida que serve! Mas a tua questão inicial – e, consequentemente, a minha resposta – era relativamente ao “fracasso darwinista” sobre as massas. O haver cientistas criacionistas não responde à tua própria questão. Já o estudo que eu proponho poderia ajudar a responder.

E o facto de haver biólogos não-criacionistas mostra que é possível conhecer a teoria e rejeitá-la?

«Totalmente falso, tal como mostrei com o exemplo do “Panda’s Thumb”.»

Mas tu já leste o livro? Certamente que não: deve ultrapassar o teu limite de páginas 🙂 e, se tivesses lido, terias notado que o mesmo se trata de divulgação científica e que o argumento de mau-design só surge como contra-argumento ao “bom design” por parte do criacionismo. E se tivesses notado isso não estavas outra vez a insistir no mesmo assunto.

Mas tal como já disse, mesmo que nós usêmos o argumento do bom design, o argumento do mau design não o refuta, tal como um carro avariado não refuta a certeza de que os carros têm um construtor. Agora se perguntas o motivo para um carro estar avariado, então já estás a saltar para fora da mecânica, do mesmo modo que ao perguntares sobre o motivo do “mau design”, tu já não estás dentro do domínio da ciência.

«Seguindo, o argumento “mau design” é tão ilógico, que os que o usam nem se apercebem que o “mau design” continua a ser design.»

Isso, parece-me, é uma incompreensão do argumento por tua parte. Quando um criacionista me chama a atenção para coisas formidáveis na natureza, inferindo dali que, certamente, terá existido um designer, eu terei de chamá-lo à atenção para todas as coisas não-tão-formidáveis que lá existem e que nos obrigam a levantar outras hipóteses.

E tal como já te disse, o facto de haver “mau design” não invalida o bom design, do mesmo modo que um carro avariado não invalida que os carros tenham um construtor. Não parece que estejas a assimilar (ou aceitar) isto.

Mas mesmo os criacionistas notaram que a hipótese de um designer divino tinha falhas e, munidos de um bom espírito científico, desataram a trabalhar em hipóteses que explicassem as observações.

A única falha que nós notamos foi na moral evolucionista em não aceitar a sua parte na presença de mau design no mundo.

Eis o que tu dizes a seguir:

«os cristãos podem defendê-lo teologicamente. O mau design (muitas vezes nem é mau design, mas sim ignorância evolucionista) é o resultado do pecado do homem (…) consequência do pecado (…) O mau design é consequência do pecado (…) etc.»

Mas o bom espírito científico acaba aqui.

Mas o “bom espírito científico” (seja lá o que isso fôr) tinha acabado quando tu pergutaste sobre a causa do mau design. Se tu fazes alusão a causas que vão para além das nossas observações, eu posso responder a isso mostrando como a Bíblia explica a presença do teu dito “mau design”.

Ora, tanto quanto sei o argumento do pecado ainda não é científico.

O argumento do “mau design” também não é “científico”.

E não é porquê? Porque não tens um meio de distinguir essa hipótese de outra qualquer – como, por exemplo, a hipótese de Satanás ter espirrado sobre o Eden e daí ter nascido todo o “mau-design“.

Uma explicação tem como finalidade esclarecer sobre eventos passados, prevêr eventos futuros, e justificar a minha capacidade em explicar o passado e prevêr o futuro. A explicação Bíblica sobre a origem das deformações genéticas explica o passado, prevê o futuro, e justifica a minha capacidade em poder fazer tais coisas. Portanto, embora não seja aquilo que tu consideres “científico”, as evidências confirmam-na. Agora a tua “explicação” sobre o espirro de satanás não explica o passado, não prevê o futuro, e muito menos justifica a minha capacidade em poder fazer previsões e a minha capacidade em poder fazer explicações. Ou seja, como argumento teológico, a tua explicação não explica nada.

«Não, regredir não é evolução, obviamente!»

Tens toda a razão. Utilizei a palavra errada. Regressão implica voltar a estados anteriores. O que eu queria dizer: mudar progressivamente de um estado a outro estado, mesmo que o estado posterior seja de “pior qualidade” também é evolução.

Não, não é. Se pensas assim, então a evolução não é ciência. Uma teoria dentro da Biologia que acomoda dois cenários mutuamente exclusivos não é uma teoria científica.

«Não tinham defeito inical. Tudo o que Deus criou era perfeito (Génesis 1:29-31). Depois do pecado do homem, Deus levantou alguma da força protetora que Ele tinha sobre o universo, e coisas más começaram a acontecer.»

Então o Homem tinha o defeito inicial de poder pecar. É isso?

Sim, se consideras o livre arbítrio como um “defeito”.

«Repito, o mau design não serve de evidência contra a Criação»

Quando os argumentos são teológicos e não científicos, quando levantas hipóteses que não podem ser testadas, nada serve de evidência.

Mas não fui eu quem começou com argumentos teológicos, mas tu. Tu é que fizeste primeiramente alusão ao suposto “mau design”. Já te esqueceste?

Estás safo: como não é falsificável, nunca vai ser refutada. Que bom! Podes ficar com a tua certeza indefinidamente, já viste! Eu adoro pessoas com certezas :’)

Isso vindo de uma pessoa que afirma que qualquer que seja o evento que se verifique no mundo animal, ele estará sempre de acordo com a teoria da evolução. Faço minhas as tuas palavras:

Estás safo: como não é falsificável, nunca vai ser refutada. Que bom! Podes ficar com a tua certeza indefinidamente, já viste! Eu adoro pessoas com certezas :’)

«Como tal, a moral absoluta, embora possa ser seguida por uma minoria, existe.»

A moral absoluta é seguida por algumas pessoas: é a moral baseada numa semântica universal, tal qual descrita por Umberto Eco. Eu sigo-a, por exemplo.

Quem disse que a moral que tu e o Umberto Eco seguem se aplica a todos os seres humanos?

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia, Ciência and tagged , . Bookmark the permalink.

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s