Quando Darwin recebe o que pertence a Deus

A RTP2 passou ontem à noite (27 de Abril 2009) um programa onde falava da velocidade dos animais terrestes. Falou-se da velocidade de alguns ursos (>65Km/h), da velocidade de leões e tigres (>70km/h) de alguns canídeos (lobos, etc).

Segundo o supra citado programa, o animal mais rápido sobre a Terra e a chita (Acinonyx jubatus). Este animal consegue atingir a espantosa velocidade de 110km/h (às vezes até mais) quando persegue a sua vítima, embora “só” consiga manter esta velocidade durante cerca de 300/400m.

Por cada passada que ela dá, a chita consegue percorrer cerca de 8 metros (!). Todo o seu corpo está arquitetado para a velocidade e para a caça:

* Corpo franzino e ossos leves
* Narinas largas para maior absorção de oxigénio
* Cauda forte que serve de “leme” durante a corrida
* Unhas semi-retráteis (ajudam-na a “agarrar” o solo)
* Manchas escuras junto à vista, como forma de não ser afectada pelo luz durante a corrida.

Todo este aparato e design estão feitos para permitir à chita perseguir com sucesso a sua presa.O programa, claro está, falou em “design“, “engenharia“, “estrutura“, “performance” e muitas outras palavras que claramente apontam para design inteligente, mas quando chegou a hora de falar sobre as origens do dito animal, o comentador disse algo como:

A evolução consegui aperfeiçoar este animal de uma forma impressionante.

E pronto. Com a palavra mágica “evolução” escusa-se de explicar como as complexas e interdependentes estruturas da chita podem ter surgido como resultado de forças aleatórias.Evidências? Mecanismos? Não, nada disso. A teoria da evolução não precisa disso. Com a teoria da evolução basta dizer “evoluiu” para se “explicar” as origens que qualquer sistema biológico.

A teoria da evolução é como um filme de suspense. Nós vamos vendo o filme e as evidências vão acumulando na direcção de um suspeito. Quando chegamos ao final do filme, há um “volte-face” totalmente inesperado e afinal o suspeito é inocente, e a culpada é outra pessoa qualquer.No que toca às origens da biosfera passa-se o mesmo. Nós vamos recolhendo evidências e observando sistemas, caminhando calmamente para a posição que suporta o design inteligente. Vêmos informação codificada, estruturas interdependentes, mecanismos de conversão de nutrientes, mecanismos de visão, engenharia celular, e muitas outras coisas que normalmente estão associadas ao design inteligente.Quando o trabalho está todo feito e estamos prontos para concluir “design”, lá vem o evolucionista afirmar “impressionante como tudo isto surgiu por acaso, como consequência de milhões de anos e milhões de mutações aleatórias!!“Esta declaração filosófica nada acrescenta ao nosso conhecimento científico, mas o evolucionista, sabendo o que está em jogo, gosta de pôr esta cereja podre por cima do bolo da criação.A pergunta fica: porque é que Darwin recebe a glória que é devida a Deus?

Isaías 62: 2
A Minha Mão fez todas essas coisas, e assim todas elas vieram a existir, diz o Senhor.

Isaías 44:24
Eu sou o Senhor que faço todas as coisas, que Sozinho estendi os céus, e espraiei a terra.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia, Ciência and tagged , , , . Bookmark the permalink.

15 Responses to Quando Darwin recebe o que pertence a Deus

  1. Arnaldo says:

    Sei…
    E nossos narizes foram criados para sustentar os óculos, e belas orelhas para ostentar brincos!

    As evidências que vc aponta como sendo de um “design” não são tão evidentes como expôs em seu texto… Trate com mais seriedade o que você vê e lê.

    Abraços,

    Arnaldo.

    Like

  2. Bom dia.
    Muito se fala acerca da teoria da evolução e não vejo porque é que ela é tão discutida sem relamente pensarmos nalgumas coisas.
    Antes de dizer mais alguma coisa quero deixar bem claro, que acredito que Deus é o autor e consumador de todas as coisaas, ponto.
    Por vezes temos é que pensar e acima de tudo pedir a uma pessoa chamada Espírito de Deus, que por sinal até se movia sobre a face das àguas quando Deus criou os céus e a terra (Gen 1:2 …mas o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.), que nos ensine, explique, revele e abra os olhos e o entendimento para os mistérios da criação e da evolução, aí sim ficamos abalizados a responder e demosntrar uma “teoria”, uma vez que há coisas que Deus tem o direito de guardar, assim como muitas há que Deus colocou lá para tropeço dos que não querem crer.
    Não se esqueçam que entre o primeiro e o segundo versiculo de Génesis existe um tempo de criação que não está descito e só o Espírito de deus o pode explicar. Talvez assim, consigamos perceber que Deus, um Deus CRIADOR, de evolução de expansão pode muito bem ter criado os seres unicelulares que se denvolveram, assim como muitos outros animais até os dinossauros que hoje aparecem provas irrefutáveis que eles existiram, assim como um animal parecido com o homem (o homosapiens) mas que não deixou de ser um animal, pois o ´que nos difere dos animais é o possuir espítrito e esse só na segunda criação é que foi soprado para Adão se tornar alma vivente. Mas que fique bem claro, DEUS CRIOU!
    Espantamos-nos no verso dois, quando vemos a terra sem forma e vazia, esquecemos-nos das provas do cataclismo, ou seja a queda do diabo, sim ele existiu e existe e destruiu a criação, e ainda nos espantamos mais quando a ciencia atesta a paavra explicando que estes muito seres morreram e os que ainda viveram muito tempo tiveram que evoluir adaptando-se às novas condições de vida e daí as gerações seguintes terem-se tornado carnívoros.
    Ao entrarmos no versículo dois vemos uma nova criação feita por Deus em que não deixou nada ao acaso criando tudo nos elementos vitais da vida céu, terra e àgua, culminando tudo com a criação do homem à imagem e semelhança de Deus com um corpo uma alma e um espírito, ou seja, a coroa da criação de Deus.
    Muitas das vezes debatemo-nos contra uma série de coisas e esquecemo-nos que o nosso imenso e sábio Deus tudo criaou com um propósito e que El o criador pode ensinar-nos todas as coisas, pois Ele esteve lá, Ele criou, Ele é que fo oo autor, pode explicar aquio que a ciência hoje vem explicando. Claro que à teorias que são feitas que estão erradas, mas aquele que crê em Deus deve partir sempre do princípio que Deus é o autor de todas as coisas e que a sabedoria e os dons que Ele deu aos homens para todo o desenvolvimento tecnológico e toda a ciência irão comprovar a palavra de Deus – a Biblia.
    Um abraço a todos.

    Like

  3. Mats says:

    Arnaldo,

    Sei…
    E nossos narizes foram criados para sustentar os óculos, e belas orelhas para ostentar brincos! As evidências que vc aponta como sendo de um “design” não são tão evidentes como expôs em seu texto… Trate com mais seriedade o que você vê e lê.

    Aquilo que tu disseste não refuta o que o texto diz.

    Like

  4. Arnaldo says:

    Mats,

    O que não refuta? Deve ter mais cuidado com o que lê, repito, pois é estranho que pela terceira vez (seria a quarta, se um comentário meu pudesse ter sido publicado em outro artigo seu) que você faz objeções nada internas a teoria da evolução. O que é refutar para você? Se eu digo que suas explanações e alegações são superficiais e externas, digo que simplesmente pode haver um grave equívoco de sua interpretação (vi estes equívocos em vários posts seus, inclusive aquele antigo sobre darwin e o nazismo).
    Você interpreta mal, não leva a sério o que está compondo e ainda por cima aponta evidências (como o texto desta última postagem) que não são evidentes (e você o trata como sendo de uma evidência suprema).
    Seria melhor se você expusesse com mais cuidados estas evidências do design, pois tenho interesse de poder ver a tal clareza.
    Você coloca “darwin recebendo glória”, mas não acho que esta é a questão ou o núcleo duro do evolucionismo. Parece confundir alhos com bugalhos.
    Lembre-se do que falei a respeito do “princípio da caridade” em textos e argunentações alheias.
    Por que senão parece que seu blog não fala a mesma língua daquilo que você quer criticar ou comentar.

    Abraços,

    Arnaldo.

    Like

    • Ismael says:

      Arnaldo

      Pelo que li nos artigos do Mats, ele é muito coerente na lógica dos seus textos. Quem está debil no que fala aqui, é você. Que parece ser outro dentre tantos aqui nesse blog, que não leem direito ou melhor, endendem o que está escrito. Porque primeiro vem na sua mente com um “pré” conceito, com um verdade ideológica fixa da ciência (que é encarada teoricamente por vocês como, relativo…).

      Se a ciência é relativa, porque quando leêm uma interpretação diferente dos fatos, encaram isso como uma mentira? (só de ler o título do texto já fazem isso).

      É obvio: porque encaram a ciência filosófica como uma VERDADE absoluta. Não é a toa que o Mats diversas vezes comparou o neo-ateismo/evolucionismo como uma religião.
      Se tudo é relativo aos olhos de vocês, porque encarar como uma verdade total?

      É uma vergonha essa tua resposta ai meu caro… você escrevendo assim, a si próprio se declara ignorante e superficial…

      Like

  5. Barros says:

    Com a palavra mágica “evolução” escusa-se de explicar como as complexas e interdependentes estruturas da chita podem ter surgido como resultado de forças aleatórias.”

    Todo o seu erro está em pensar que a evolução é aleatória, quando não é. Se algum louco nos trancasse dentro de uma jaula e, todo dia, deixasse lá uma quantidade de água e comida suficiente para apenas um de nós, depois de, digamos, 2 semanas, teria como resultado da experiência uma das duas hipóteses:

    a) ou nos encontraria ambos mortos;
    b) ou apenas um de nós.

    No caso de (b), ele não poderia ter atribuído a sobrevivência minha (ou sua) à sorte. Não. Ou eu fui mais forte, ou mais esperto, ou mais rápido do que você, a ponto de eliminá-lo e continuar vivo.

    Evolução não é sorte.

    Like

  6. “Todo o seu erro está em pensar que a evolução é aleatória”

    Falaste da selecção natural. Mas a selecção natural não é a que produz as complexas carcaterísticas dos seres vivos, mas sim as mutações. E as mutações são aleatórias. Não são programadas.

    Like

  7. Mats says:

    Barros,
    as tuas palavras em cima mostra o quão cientes vocês estão da inabilidade de forças aleatórias de gerarem o nível de complexidade que vêmos na biosfera. O Marcos já respondeu ao ponto principal (a origem da novidade biológica), mas eu gostaria de dizer umas coisas:

    Se algum louco nos trancasse dentro de uma jaula e, todo dia, deixasse lá uma quantidade de água e comida suficiente para apenas um de nós, depois de, digamos, 2 semanas, teria como resultado da experiência uma das duas hipóteses:
    a) ou nos encontraria ambos mortos;
    b) ou apenas um de nós.
    No caso de (b), ele não poderia ter atribuído a sobrevivência minha (ou sua) à sorte. Não. Ou eu fui mais forte, ou mais esperto, ou mais rápido do que você, a ponto de eliminá-lo e continuar vivo.

    O problema desta analogia é que ela não mostra o que é que foi criado que não existia anteriormente. Antes de termos sido trancados no dito quarto havia 2 pessoas. Depois da semana, só havia uma. Onde está a semlhança com a evolução?

    Tu continuas a acreditar que a extinção e a morte são exemplos evolutivos, quando o que precisas de encontrar são exemplos onde apareçam coisas que dantes não existiam.

    Like

  8. Barros says:

    Falaste da selecção natural. Mas a selecção natural não é a que produz as complexas carcaterísticas dos seres vivos, mas sim as mutações. E as mutações são aleatórias. Não são programadas.”

    Tu estás parcialmente correto, Sabino, meu nobre. Mas eu falei de “evolução”. Disse que a “evolução” não é aleatória, embora as mutações sejam. Mas, dentre várias espécies que sofressem mutação, só evoluiriam aquelas que conseguissem sobreviver com ela. Poderia-se supor que uma mutação aleatória levasse uma espécie à extinção por não beneficiá-la. Mas aí não haveria evolução nenhuma, porque não haveria espécie viva. O fato de eu ter dado cabo do Mats para ganhar o direito à vida, no exemplo acima, não foi aleatório.

    Digamos, se eu fosse mais forte, teria matado o Mats com minha força, e essa força seria passada adiante para os meus filhos. Se o Barros fosse mais forte que o Mats, mas não tivesse chegado à conclusão de que os dois não poderiam sobreviver com o que lhes era oferecido, enquanto que o Mats percebeu isso e deu cabo de mim, então, a inteligência do Mats seria passada para os seus descendentes, não a minha força.

    Mas haveria um motivo: a evolução não sorteia que vive ou quem morre.

    Like

  9. Barros says:

    Mats, para tirar tua dúvida, leia o texto no meu blog intitulado O OUTRO NOME DE DEUS. Tu vais entender.

    Like

  10. Barros says:

    Disse acima que o Mats poderia ter me eliminado mesmo eu sendo mais forte, embora menos inteligente. Como ele poderia fazer isso? Ora, tendo percebido que a comida e a água não seriam suficientes para os dois, enquanto eu mesmo não o havia percebido, ele poderia arquitetar alguma forma de me matar enquanto eu estivesse dormindo, por exemplo, ou distraído, etc., visto que eu não estaria pensando em matá-lo ou preocupado em ser morto, porque não havia chegado à conclusão que ele chegou.

    Só pra explicar.

    Like

  11. “O fato de eu ter dado cabo do Mats para ganhar o direito à vida, no exemplo acima, não foi aleatório.”

    Mas eu não coloco nenhuma objecção a isto querido Barros. Não estamos a discutir selecção natural porque os criacionistas também concordam com ela.

    Mas repara que nesse exemplo, nada de novo é criado. Aliás, é eliminada informação. O Mats foi-se. So sobraste tu. O que te poderá dar novas características são as mutações, aleatórias.

    Like

  12. Mats says:

    Barros, o exemplo que deste. embora representativo da selecção natural, é totalmente irrelevante em termos da discussão “darwin versus design”.
    Antes de sermos trancados no quarto, tanto tu e eu já tinhamos as características que seriam passadas à próxima geração. Depois da experiência, e depois de só sobrar uma pessoa, não houve nenhuma característica nova que tivesse aparecido.

    Like

  13. Carlos says:

    isso sim que eu chamo de um post demagogo e desprovido de argumentos cientificos palpáveis. tudo isto é facilmente explicado pela biologia evolutiva, genética de mutações e as interaçoes das criaturas com o meio ambiente. engraçado que estes caras querem escrever como se dominassem um assunto tão complexo como este que é multidisciplinar com base em conhecimento do segundo grau. é como se um adolescente do ensino médio questionasse Einstein na Relatividade e Newton no Cálculo Diferencial e Integral como base em álgebra e equações do segundo grau! Vão arrumar o que fazer! Vão estudar e deixem de besteirol pois o universo tem 13 bilhões de anos, a Terra tem cerca de 4 bilhões, isso é tanto tempo que voces nem fazem ideia e depois vem dizer que o acaso não pode ‘criar’ coisas fantastiscas como estas por acidente, é tempo mais que suficiente. Experimente lançar um dado de 6 faces por 4 bilhões de anos para voce ver que mesmo as leis da probabilidade que muitos consideram impossível tornam-se vagas e o que era impossível acontece devido a enorme faixa de tempo tranposto. mas não, os ignorantes negam-se a isto e teimam em acreditar em suas antigas fábulas pois já estão escravos de seus arquétipos! Tenho pena de voces pois não são livres, a verdade é bem mais simples e eu não preciso inventar estórias da carochinha.
    até mais e vão estudar!

    Like

    • Ismael says:

      Leia o que foi escrito, antes, sem “pré” conceitos e preste atenção:

      A RTP2 passou ontem à noite (27 de Abril 2009) um programa onde falava da velocidade dos animais terrestes. Falou-se da velocidade de alguns ursos (>65Km/h), da velocidade de leões e tigres (>70km/h) de alguns canídeos (lobos, etc).

      Segundo o supra citado programa, o animal mais rápido sobre a Terra e a chita (Acinonyx jubatus). Este animal consegue atingir a espantosa velocidade de 110km/h (às vezes até mais) quando persegue a sua vítima, embora “só” consiga manter esta velocidade durante cerca de 300/400m.

      Por cada passada que ela dá, a chita consegue percorrer cerca de 8 metros (!). Todo o seu corpo está arquitetado para a velocidade e para a caça:

      * Corpo franzino e ossos leves
      * Narinas largas para maior absorção de oxigénio
      * Cauda forte que serve de “leme” durante a corrida
      * Unhas semi-retráteis (ajudam-na a “agarrar” o solo)
      * Manchas escuras junto à vista, como forma de não ser afectada pelo luz durante a corrida.

      Todo este aparato e design estão feitos para permitir à chita perseguir com sucesso a sua presa.O programa, claro está, falou em “design“, “engenharia“, “estrutura“, “performance” e muitas outras palavras que claramente apontam para design inteligente, mas quando chegou a hora de falar sobre as origens do dito animal, o comentador disse algo como:

      A evolução consegui aperfeiçoar este animal de uma forma impressionante.

      E pronto. Com a palavra mágica “evolução” escusa-se de explicar como as complexas e interdependentes estruturas da chita podem ter surgido como resultado de forças aleatórias.Evidências? Mecanismos? Não, nada disso. A teoria da evolução não precisa disso. Com a teoria da evolução basta dizer “evoluiu” para se “explicar” as origens que qualquer sistema biológico.

      A teoria da evolução é como um filme de suspense. Nós vamos vendo o filme e as evidências vão acumulando na direcção de um suspeito. Quando chegamos ao final do filme, há um “volte-face” totalmente inesperado e afinal o suspeito é inocente, e a culpada é outra pessoa qualquer.No que toca às origens da biosfera passa-se o mesmo. Nós vamos recolhendo evidências e observando sistemas, caminhando calmamente para a posição que suporta o design inteligente. Vêmos informação codificada, estruturas interdependentes, mecanismos de conversão de nutrientes, mecanismos de visão, engenharia celular, e muitas outras coisas que normalmente estão associadas ao design inteligente.Quando o trabalho está todo feito e estamos prontos para concluir “design”, lá vem o evolucionista afirmar “impressionante como tudo isto surgiu por acaso, como consequência de milhões de anos e milhões de mutações aleatórias!!“Esta declaração filosófica nada acrescenta ao nosso conhecimento científico, mas o evolucionista, sabendo o que está em jogo, gosta de pôr esta cereja podre por cima do bolo da criação.A pergunta fica: porque é que Darwin recebe a glória que é devida a Deus?

      Isaías 62: 2
      A Minha Mão fez todas essas coisas, e assim todas elas vieram a existir, diz o Senhor.

      Isaías 44:24
      Eu sou o Senhor que faço todas as coisas, que Sozinho estendi os céus, e espraiei a terra.

      Agora, o que foi escrito tem por acaso ausência de conteúdo científico?

      Quem está precisando estudar concordância” e se alfabetisar aqui, é você. Por que só um analfabeto funcional não consegue entender o que lê…

      Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s