Adaptação não explica evolução

Com frequência nos é afirmado pela elite evolucionista que as evidências para a evolução neo-darwinista – onde a impessoal selecção natural juntamente com as mutações aleatórias são as forças motoras por trás da complexidade e diversidade da vida biológica – é “sobrepujante”. No entanto, e apesar da publicitada confiança darwinista, ventos de dissensão podem ser encontrados em publicações científicas.

Um artigo publicado no ano passado em “Trends in Ecology and Evolution”[1] reconhece que existe um “debate salutar àcerca da suficiência da teoria neo-darwiniana como explicação para a macro-evolução“.

Convém ressalvar um ponto importante:macro-evolução” é o que as pessoas têm em mente quando se fala de evolução. A transformação de um dinossauro para um pássaro é um exemplo de “macro-evolução”. “Micro-evolução” (que não é o mesmo que evolução) é apenas e só variação genética dentro de um tipo de animal. Por exemplo, se um par de gatos pretos procriar entre si e der à luz gatos brancos, cinzentos, pretos ou amarelos, isso é um exemplo de variação genética e não de evolução.

O que acontece com muita frequência, e muito devido ao facto de não haver evidências que confirmem a “macro-evolução”, os darwinistas usam uma ocorrência de “micro-evolução” (variação) como evidência para a “macro-evolução”. Ou seja, usam o exemplo de um evento não controverso, e aceite pelos criacionistas, como evidência exclusiva para a sua religião evolucionista. Isto é, no mínimo, desonesto.

Os cientistas estão a mostrar com mais frequência que não se pode extrapolar da variação para a evolução. Isso deve-se muito ao facto do progresso informacional ser distinto numa e na outra. Enquanto que na variação a informação genética presente mantém-se ou reduz, na evolução ela tem que aumentar. Onde não havia informação para codificar asas, bicos e pulmões específicos para o vôo, essa informação apareceu. De onde é que ela apareceu é que os darwinistas não dizem.

No princípio do corrente ano, Günter Theißen do Departamento de Genética da “Friedrich Schiller University” (Jena-Alemanha), escreveu na publicação científica “Theory in Biosciences” o seguinte:

Embora nós já tenhamos um bom entendimento da forma como os organismos se adaptam ao seu meio ambiente, muito menos se sabe àcerca dos mecanismos por trás da origem das novidades evolutivas, processo distinto da adaptação. Apesar dos inegáveis méritos de Darwin, explicar como é que a enorme complexidade e diversidade dos seres vivos no nosso planeta se originaram permanece um dos grandes desafios da Biologia.[2]

Por outras palavras, embora se possam explicar os fenómenos por trás da variação genética, o conhecimento adquirido no estudo deste processo leva os cientistas a afirmar que o mesmo é distinto do processo através do qual os seres vivos se originaram.Um criacionista não o teria dito melhor.

Conclusão

As palavras acima referidas por cientistas não criacionistas confirmam o que os últimos têm afirmado há já algum tempo:

1. Os evolucionistas não estão unânimes em torno da teoria da evolução (contrariamente ao que alguns evolucionistas acreditam)

2. Variação genética não explica a origem dos seres vivos.

3. Jornais científicos estão repletos de artigos feitos por cientistas não criacionistas a criticarem um ou mais aspectos do dogma darwinista.

A pergunta que se pode fazer é: como é possível que publicações científicas deixem passar artigos tão problemáticos para o darwinismo, especialmente numa altura que a teoria está debaixo de fogo cerrado?
Alguns artigos passam a censura darwiniana porque, apesar de atacar a teoria da evolução, atacam também qualquer intenção de se propôr uma alternativa não naturalista. O artigo da Evolution News é mais detalhado nesse aspecto.

Os ditos artigos atacam Darwin mas deixam o campo de acção vazio de alternativas, o que faz com que os naturalistas voltem a cair no barco evolutivo.

A ideia com que ficámos depois de ler as palavras dos cientistas que criticam o darwinismo, é a de que a razão pela qual a teoria da evolução goza do seu estatuto exclusivo, prende-se não as evidências confirmatórias, mas sim ao facto de ser a única que está dentro do naturalismo.

………………………………….

Referências citadas
[1]. Michael A. Bell, “Gould’s most cherished concept, review of Punctuated Equilibrium by Stephen Jay Gould. Belknap Press of Harvard University Press, 2007,” Trends in Ecology and Evolution, Vol. 23(3):121-122 (2008) (emphasis added).

 

[2]. Günter Theißen, “Saltational evolution: hopeful monsters are here to stay,” Theory in Biosciences, Vol. 128:43–51 (2009).

[3]. Günter Theißen, “The proper place of hopeful monsters in evolutionary biology,” Theory in Biosciences, Vol. 124:349–369 (2006).

 

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia, Ciência and tagged , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Adaptação não explica evolução

  1. 1. Os evolucionistas não estão unânimes em torno da teoria da evolução (contrariamente ao que alguns evolucionistas acreditam)

    Como em todos, ou quase, da ciência há várias hipóteses que tentam explicar um fenómeno. A ciência é o motor que permite chegar a um conhecimento mais profundo e verdadeiro.

    Há mais do que uma hipótese para o início do Universo mas isso não quer dizer que, por haver mais do que uma, que todas estejam erradas. O que acontece é que simplesmente há várias ideias de resolução do problema. Algumas dessas resoluções deitam por terra algumas hipóteses concorrentes, enquanto outras hipóteses tendem a fundir ou integrar outras hipóteses. Um exemplo de fusão e integração de hipóteses é a Teoria M.

    2. Variação genética não explica a origem dos seres vivos.

    Nem tem que explicar, a variação genética só explica variação quando há genes para haver a variação.

    3. Jornais científicos estão repletos de artigos feitos por cientistas não criacionistas a criticarem um ou mais aspectos do dogma darwinista.

    Tal como escrevi acima

    Like

  2. Mats says:

    1. Os evolucionistas não estão unânimes em torno da teoria da evolução (contrariamente ao que alguns evolucionistas acreditam)

    Como em todos, ou quase, da ciência há várias hipóteses que tentam explicar um fenómeno. A ciência é o motor que permite chegar a um conhecimento mais profundo e verdadeiro.

    MAs a mensagem que chega ao público é que os evolucionistas estão todos de mãos dadas e totalmente de acordo nos pontos cardinais da teoria. Aparentemente, isso é falso.

    Há mais do que uma hipótese para o início do Universo mas isso não quer dizer que, por haver mais do que uma, que todas estejam erradas.

    Espero que uses o mesmo pensamento no que toca a existência de várias religiões teístas no mundo. O facto de haver muitas não quer dizer que estejam todas erradas.

    O que acontece é que simplesmente há várias ideias de resolução do problema.

    Várias mutuamente exclusivas ideias?

    2. Variação genética não explica a origem dos seres vivos.

    Nem tem que explicar, a variação genética só explica variação quando há genes para haver a variação.

    Se não explica, então porque é que os evolucionistas usam exemplos de variação genética como evidência em como dinossauros podem-se transformar (evoluir) em passarinhos?

    Like

  3. Francisco Quiumento says:

    Lê de novo, criacionista que sofre de analfabetismo funcional:

    “Se não explica, então porque é que os evolucionistas usam exemplos de variação genética como evidência em como dinossauros podem-se transformar (evoluir) em passarinhos?”

    A genética dos pássaros é uma modificação da genética dos dinossauros, até porque ambos são terápodas.

    Você é ruim assim mesmo ou treina esta burrice em casa?

    Like

  4. Mats says:

    A genética dos pássaros é uma modificação da genética dos dinossauros, até porque ambos são terápodas.

    Nem por isso. ,

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s