O brilhantismo de Charles Darwin

Quando em Novembro próximo oferecermos a estudantes universitários 170,000 cópias do livro A Origem das Espécies , eu quero que cada um dos 170 mil estudantes leia o livro todo e não só a Introdução. Eu quero que eles leiam o livro Origem das Espécies minuciosamente.

Quando eu li o livro eu fiquei impressionado com o brilhantismo de Charles Darwin. Se ele fosse vivo, estou certo que ele faria parte dos criativos da Disney, ou faria uma fortuna como um dos roteiristas [eng: screenwriter] dos filmes de ficção científica.

Entre muitas outras coisas, Darwin reparou que os ursos pretos nadam durante horas com a boca aberta, apanhando insectos na água. Ele acreditava que, se eles mantivessem a sua boca aberta o dia todo, todos os dias (durante um longo período de tempo), eles adquiririam “bocas cada vez mais largas até quem uma criatura tão monstruosa como a baleia fosse produzida“.

Os estudantes vão poder ler a sua explicação para o facto de não haver evidências empíricas para a sua teoria – que todas as variedades “intermédias desapareceram – tal como as placas douradas do Mormonismo, que supostamente foram entregues ao Joseph Smith pelo anjo Moroni, “desapareceram”. Há uma diferença fundamental entre as placas douradas e as variedades intermédias. Os mórmones afirmam que só duas placas douradas desapareceram. Darwin disse que milhões de fósseis (aos quais ele chama de “inumeráveis“) se encontram desaparecidos.

Passados 150 anos, os “elos perdidos” ainda se encontram perdidos.

Os estudantes podem ler como a cauda da girafa evoluiu do modo a poder afugentar as moscas. Pensem nos milhões de anos o pobre animal teve que sofrer antes da cauda ter evoluído.

Eles podem também ler como Darwin se questionava se o abutre não ficou calvo (durante os milhões de anos) devido ao facto de constantemente pôr a sua cabeça na carne podre. Darwin aconselhou, no entanto, alguma cautela porque “a cabeça do peru, que come comida limpa, também é calva“. Os estudantes podem também reparar que milhões de homens são calvos e duvidar que tal se deve porque os seus ascendentes esfregavam as suas cabeças na carne em decomposição.

No livro de Darwin, nada é tal como Deus as criou. Deus não só não criou a cauda da girafa de modo a esta afugentar as moscas, como também não criou o abutre e o peru com uma cabeça calva. Em vez disso, toda a criação evoluiu milagrosamente — partindo da boca do urso até a cauda da girafa, tudo evoluiu. Curiosamente, e após milhões e milhões de anos de redundância, tudo atingiu o estado de maturidade precisamente nos nossos dias.

Abram alas, J. R. R. Tolkien, Arthur C. Clark e J. K. Rowling! Estes três escritores juntos não se comparam com Charles Darwin. A maior parte dos fãs dos três escritores mencionados nas linhas de cima sabem que os seus escritos são fantasia, mas os fiéis discípulos de Darwin não sabem o mesmo em relação aos seus escritos.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia, Pecado and tagged , , . Bookmark the permalink.

25 Responses to O brilhantismo de Charles Darwin

  1. Joana says:

    Ehpah…LOL! 😀
    Como alguém já disse, no futuro quando se falar desta geração o darwinismo vai ser um motivo de chacota (“mas aqueles tipos acreditavam mesmo nisto?!?”).
    Felizmente começa-se aos poucos (e muito aos poucos) a abordar de outra forma este assunto. Esperemos que não seja tarde demais quando se aperceberem da verdade…

    Like

  2. Evo Lui says:

    Joana,

    Embora erre na previsão, acertas que aos poucos começam a abordar de outra maneira o assunto. O que se observa é que cada vez mais os adeptos da criação recuam no tempo e acreditam que a criação não se deu a 6.000 anos e sim a bilhões de anos, sim acreditam na intervenção divina, e no processo de evolução, embora com regras determinadas por deus, são teístas cristãos que aceitam a teoria da evolução.

    É um recuo estratégico, pois a defesa da criação feita com base em interpretações ao pé-da-letra ficam cada dia mais difíceis, os que ainda resistem se encastelam e colocam todas as ciências em dúvida, posição dolorosa e pouco defensável.

    “Abram alas, J. R. R. Tolkien, Arthur C. Clark e J. K. Rowling! Estes três escritores juntos não se comparam” aos autores da bíblia, cobra falante, dilúvio, mar se abrindo, morto ressucitando, caminhada sobre a água, etc. Mas nem Harry Potter com sua varinha mágica.

    Like

  3. MVR says:

    E os sapos que viram gente, bactérias que viram camelos, ursos que viram baleias…

    É um recuo estratégico, pois a defesa da criação feita com base em interpretações ao pé-da-letra ficam cada dia mais difíceis, os que ainda resistem se encastelam e colocam todas as ciências em dúvida, posição dolorosa e pouco defensável.

    É justamente o contrário, cada vez que mexem no solo, já vem uma evidência contra a evolução.

    Like

  4. Mats says:

    É um recuo estratégico, pois a defesa da criação feita com base em interpretações ao pé-da-letra ficam cada dia mais difíceis,

    Acho que não. A partir do momento em que se vê que a na tureza por si só não tem a capacidade de gerar os sofisticados biosistemas, imediatmente a questão da duração da criação torna-se uma questão de Revelação. Se Deus é Deus, Ele pode criar num momento imediato. Só nos resta saber o que a Bíblia diz, e al diz que Deus “falou e logo se firmou” (Salmo 33:9) e “em seis dias fez o Senhor os céus, a terra e os mares” (Exodo 20:11).

    os que ainda resistem se encastelam e colocam todas as ciências em dúvida, posição dolorosa e pouco defensável.

    Como é que “todas as ciências” são postas em causa se negar que a vida criou-se a si mesma?

    Like

  5. Evo Lui says:

    Mats,

    “Se Deus é Deus, Ele pode criar num momento imediato.”
    Mas também pode criar em bilhões de anos, ora quem diz que a noção de tempo de Deus é a mesma que a nossa?

    Um dia não poderia ter aí um bilhão e pouco de anos?

    E de que noção de tempo estamos falando já que o dia e a noite são baseados na rotação da Terra sobre seu próprio eixo, se a bíblia foi escrita sob inspiração divina e se deus é Deus será que Ele não utilizou uma linguagem mais simples para que os ininteligíveis bilhões de anos fossem mais facilmente assimilados pelas populações mais antigas?

    Like

  6. Evo Luis,

    não creio que fosse um problema os antigos perceberem o que eram biliões de anos. Realmente não estou a ver qual a dificuldade de Deus ter dito que a Terra já existia há milhões de anos, se fosse esse o caso.

    Não estou a ver o que tem de tão ininteligível os biliões de anos.

    Like

  7. Darjo says:

    “Ele não utilizou uma linguagem mais simples para que os ininteligíveis bilhões de anos fossem mais facilmente assimilados pelas populações mais antigas?”

    E com a mesma linguagem, abençoou e santificou o sétimo dia, que, por esse raciocínio, deveria durar outros ininteligíveis bilhões de anos? Que confusão! Seria para simplificar ou confundir?

    Like

  8. Evo Lui says:

    Sabino,

    Parece-me que hoje em dia os problemas seriam menores, mas naquele momento que a humanidade conseguia contar quanto muito um pequeno número de ovelhas, isso faz toda a diferença.

    Darjo,

    “E com a mesma linguagem, abençoou e santificou o sétimo dia, que, por esse raciocínio, deveria durar outros ininteligíveis bilhões de anos? ”

    Sim, exatamente. Podemos estar no 8 ou 9 dia. Nota que usei o termo ‘ininteligível’ somente porque muitos zeros a esquerda ou a direita costumam causar alguma confusão mesmo hoje em dia.

    Like

  9. Mats says:

    Evo Lui,

    Um dia não poderia ter aí um bilhão e pouco de anos?

    Poderia ser muita coisa mas o contexto não suporta essa posição. Génesis qualifica o dia como sendo dividido por uma tarde e uma noite. O dia é definido como “um dia”. Isso, mais a tal divisão, claramente indicam que foi um dia normal.

    E de que noção de tempo estamos falando já que o dia e a noite são baseados na rotação da Terra sobre seu próprio eixo, se a bíblia foi escrita sob inspiração divina e se deus é Deus será que Ele não utilizou uma linguagem mais simples para que os ininteligíveis bilhões de anos fossem mais facilmente assimilados pelas populações mais antigas?

    Deus não teria dificuldade em passar a mensagem da imensidão da idade do universo porque Ele disse a Abraão que seus descendentes seriam tão numerosos como as estrelas do céu e a areia da praia:

    Génesis 15:5
    Então o levou fora, e disse: Olha, agora, para os céus, e conta as estrelas, se as podes contar. E disse-lhe: Assim será a tua semente.

    Génesis 22:17
    Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua semente, como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua semente possuirá a porta dos seus inimigos;

    Portanto, não foi por falta de palavras que Deus disse “6 dias” (Exodo 20:11). Ele disse-o porque Ele de facto criou em 6 dias.

    Like

  10. Darjo says:

    “Sim, exatamente. Podemos estar no 8 ou 9 dia.”

    Ainda bem que Deus tornou bem clara a sua mensagem, se não a cada advertência Dele quanto ao Seu santo dia, alguém poderia argumentar: mas ainda não estamos no dia 8?

    Like

  11. Guilherme says:

    Mats,

    Saindo um pouco do habitual.

    Notei no teu comentário a citação sobre os “Descendentes de Abraão”, e não pude deixar de relacionar com o que foi publicado (no dia 4/10/2009) uma crônica num Jornal de grande circulação no Sul do Brasil, com o mesmo tema.

    O Autor é um escritor famoso (no Brasil ao menos), Luis Fernando Versissimo (não sei se conheces).

    O texto é longo pra postar aqui, vou deixar apenas o link, de tiveres curiosidade.

    http://migre.me/959C

    Like

  12. Guilherme says:

    O texto não é meu, e obviamente é fictício, deixei o link aqui, mas acho que o wordpress pode suprimir comentários com links, pois o mesmo não apareceu.

    Abraão e Isaque

    Deus mandou Abraão imolar seu único filho, Isaque, e oferecê-lo em holocausto a Ele sobre uma das montanhas de Moriá. E tomou Abraão a lenha do holocausto e um cutelo e levou seu filho ao lugar que Deus lhe dissera. E edificou Abraão ali um altar e amarrou a Isaque e deitou-o em cima da lenha. E estendeu Abraão sua mão com o cutelo para imolar seu único filho. Mas um anjo do Senhor lhe bradou desde os céus Abraão, Abraão, não estenda tua mão sobre Isaque e não lhe faça mal. Agora sei que temes a Deus, pois não lhe negaste teu único filho em holocausto. E Abraão levantou os olhos e viu um cordeiro que Deus provera para oferecer em holocausto em lugar do seu filho, e assim fez. E o anjo do Senhor bradou que a semente de Abraão se multiplicaria como as estrelas do céu, e subiria à porta dos seus inimigos, e abençoaria todas as nações da Terra, porque Abraão obedecera a voz de Deus.

    ***

    Muitos anos depois:

    – Eu ainda sonho com aquele dia e acordo tremendo.

    – Você era um menino…

    – Vejo o cutelo na sua mão, vejo o seu rosto contorcido pela dor, vejo os seus olhos cheios d’água…

    – Você era um menino…

    – Lembro de tudo. Lembro dos trovões.

    – Era a voz do anjo, me falando dos céus.

    – Não ouvi a voz do anjo. Ouvi trovões. Só você ouviu a voz do anjo.

    – Meu filho…

    – Eu sei. Faz muito tempo. É melhor esquecer. Mas não consigo esquecer. Sonho com aquele dia todas as noites, e acordo tremendo.

    – Você era um menino.

    ***

    – Me lembro das nuvens escuras. De uma revoada de pássaros negros. Pássaros atônitos, chocando-se no ar. O céu parecendo recuar com o horror da cena. Um pai imolando um filho!

    – Um sacrifício. Um ritual necessário de sangue. A cerimônia inaugural da nossa tribo, com os favores do céu.

    – Um horror.

    – Uma história muito maior do que a nossa. Muito maior do que a de um filho imolado. Hoje sou o pai de nações, o patriarca do mundo, porque obedeci ao Senhor e minha semente foi abençoada.

    – Você ficou com o poder, eu fiquei com os pesadelos.

    – Nossa tribo foi abençoada. Da minha semente nasceu a nossa glória.

    – Você ficou com a glória, eu fiquei com as marcas das cordas.

    ***

    – Você viu o meu rosto contorcido de dor, filho. Viu meus olhos cheios d’água. Viu que eu estava sofrendo por ter que matá-lo.

    – Mas o fio do cutelo encostou na minha garganta.

    – Eu não o matei!

    – Porque Deus não deixou. Porque Deus mudou de ideia.

    – Meu filho…

    – Eu sei. Faz muito tempo. É melhor esquecer. Vou conseguir sobreviver às minhas memórias e aos meus pesadelos. Como você sobreviveu ao que sabe.

    – O que eu sei?

    – Que deve tudo que tem, seu poder e sua glória, a um Deus volúvel. A um Deus que volta atrás. A um Deus inconfiável.

    – Ele estava me testando.

    – Então é pior. Um Deus frívolo e cruel.

    – Você era apenas um menino…

    ***

    – Me lembro das nuvens escuras e dos pássaros atônitos. E do céu recuando diante daquela abominação: um pai matando um filho. E me lembro dos trovões.

    – Era o anjo do Senhor falando comigo.

    – Eram trovões.

    – Obedeci à voz dos céus porque temo a Deus.

    – Mais razão para temê-lo tenho eu, meu pai, que senti o fio do cutelo na garganta.

    – Na origem de todos os povos tem uma cerimônia de sangue.

    – Então na origem de todos os povos tem uma abominação.

    – Esta conversa se repete, filho. Por quanto tempo ainda a teremos?

    – Por todos os tempos, pai.

    Like

  13. Guilherme says:

    Esqueci de dar o crédito do texto.

    O texto é do escritor Luis Fernando Verissimo, publicado em 4 de outubro de 2009, na sua crônica semanal, do Jornal Zero Hora.

    Sds.

    Like

  14. Mats says:

    Guilherme,
    O texto por ti citado tem algum propósito?

    Like

  15. Evo Lui says:

    “Isso, mais a tal divisão, claramente indicam que foi um dia normal.”

    Da Bíblia:

    16 Deus, pois, fez os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a note; fez também as estrelas.
    17 E Deus os pôs no firmamento do céu para alumiar a terra,
    18 para governar o dia e a noite, e para fazer a separação entre luz e as trevas. E viu Deus que isso era bom.
    19 E foi a tarde e a manhã, o dia quarto.

    Note que o Sol e a Lua somente foram criados no quarto dia, apesar das citações anteriores de manhã, tarde e noite, mas como poderiam existir sem o Sol? (Sim, eu li que no 5 e 6 do Gênesis Deus chamou à luz de dia e às trevas de noite, no dia primeiro) mas esses pontos não encaixam-se como “um dia normal”, um dia normal sem o Sol?

    Like

  16. Mats says:

    Evo Lui,

    Note que o Sol e a Lua somente foram criados no quarto dia, apesar das citações anteriores de manhã, tarde e noite, mas como poderiam existir sem o Sol? (Sim, eu li que no 5 e 6 do Gênesis Deus chamou à luz de dia e às trevas de noite, no dia primeiro) mas esses pontos não encaixam-se como “um dia normal”, um dia normal sem o Sol?

    O que é necessário para haver o ciclo dia/noite não é o Sol mas luz a incidir sobre a Terra a partir de um ponto fixo. A Bíblia diz:
    Génesis 1:1-3
    NO princípio, criou Deus os céus e a terra.
    E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.
    E disse Deus: Haja luz. E houve luz.

    Este é mais um ponto que tu poderias saber se tivesses lido os primeiros 3 versículos da Bíblia. *Três* versículos, não 30 ou 300.

    Like

  17. Guilherme says:

    Mats,

    Desculpe, o texto ficou solto aqui mesmo, o wordpress suprimiu o meu primeiro comentário, onde explicava um pouco melhor, estava em viagem de trabalho e sem sinal de internet, não pude dar continuidade.

    Na verdade o objetivo do texto era te fazer uma pergunta que acredito que possa me ajudar:

    Achei interessante a “visão” do Autor do texto, em imaginar o efeito futuro de determinada ação “divina”, no caso ali, o “trauma” de Isaque diante de sua quase imolação, e como tu conheces com certeza a bíblia melhor que eu, tem alguma passagem que conte o que aconteceu depois?

    Mas o post não tem nenhum objetivo em relação ao teu post, foi só a casualidade de eu ter lido o texto (que é muito recente) e o teu comentário, onde citavas Abraão e a curiosidade que surgiu, estou com pouco tempo pra pesquisar, dei uma passada rápida na bíblia em .PDF que tem a vantagem de pesquisar por “palavras”, mas não fui feliz na minha busca.

    Se quiserer, podes excluir o texto, sem problemas.
    E pode responder no meu e-mail, guilhermegcv@gmail.com

    Bom dia.

    Like

  18. Evo Lui says:

    “O que é necessário para haver o ciclo dia/noite não é o Sol mas luz a incidir sobre a Terra a partir de um ponto fixo.”

    Engana-se de novo, se isso acontecer de um lado da Terra teríamos luz e do outro escuridão, ou a Terra gira sobre seu eixo ou o ponto de luz se move ao redor da Terra. Mas qual a fonte de luz para que aconteça o dia e a noite senão o Sol? A luz que nos traz o dia não é a luz solar?

    “Este é mais um ponto que tu poderias saber se tivesses lido os primeiros 3 versículos da Bíblia. *Três* versículos, não 30 ou 300.”

    Eu li, você leu, mas pareces não notar a contradição existente nesses primeiros versículos. dia/noite e luz sem sol…

    Então leia o versículo 14: E disse Deus: haja luminares no firmamento do céu, para fazerem separação entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estações, e para dias e anos; (tudo no quarto dia!)

    Like

  19. Mats says:

    Guilherme,

    Achei interessante a “visão” do Autor do texto, em imaginar o efeito futuro de determinada ação “divina”, no caso ali, o “trauma” de Isaque diante de sua quase imolação, e como tu conheces com certeza a bíblia melhor que eu, tem alguma passagem que conte o que aconteceu depois?

    Para além do que já sabes, não diz muito mais. Isaac cresceu com fé firme no Deus de seu pai, e veio a ser o ascendente de duas grandes nações, os Edomitas e os Israelitas.

    Deus orgulha-se tanto dele que não Se Envergonha de ser Chamado o Deus de Isaac.

    Like

  20. Mats says:

    “O que é necessário para haver o ciclo dia/noite não é o Sol mas luz a incidir sobre a Terra a partir de um ponto fixo.”

    Engana-se de novo, se isso acontecer de um lado da Terra teríamos luz e do outro escuridão, ou a Terra gira sobre seu eixo ou o ponto de luz se move ao redor da Terra.

    Sim, de facto esqueci-me de mencionar que a Terra tem que rodar sobre si mesma, mas acho que isso está implícito no facto da Bíblia falar em “foi noite e o dia”.

    Mas qual a fonte de luz para que aconteça o dia e a noite senão o Sol?

    A fonte de luz que Deus criou no início foi o ponto de referência para o ciclo dia e noite. O facto de haver luz a incidir sobre a Terra, não significa que tinha que ser o Sól.

    A luz que nos traz o dia não é a luz solar?

    Hoje em dia é, mas não quer dizer que tenha sido sempre assim.

    “Este é mais um ponto que tu poderias saber se tivesses lido os primeiros 3 versículos da Bíblia. *Três* versículos, não 30 ou 300.”

    Eu li, você leu, mas pareces não notar a contradição existente nesses primeiros versículos. dia/noite e luz sem sol…

    Repito, a falta de luz solar não indica a falta de uma luz. A Bíblia diz claramente que Deus fez a luz em relação a qual a Terra teve o seu ciclo dia-noite. Tu estás preso à noção de que para haver luz, tem que ser só luz do sól.

    Então leia o versículo 14: E disse Deus: haja luminares no firmamento do céu, para fazerem separação entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estações, e para dias e anos; (tudo no quarto dia!)

    Sim, e depois? Onde está a “contradição”, visto que Deus disse logo no início que Ele criou a luz?

    Quando o Apóstolo Paulo ia a caminho de Damascus, ele foi rodeado de um Luz Brilhante, mais brilhante que a luz do sól. Qual é o problema em Deus gerar um fonte de luz temporária para incidir sobre a Terra enquanto Ele não criava o sól?

    Com este gesto, Deus demonstra claramente que o sól não é a fonte da vida, como acreditam os evolucionistas, mas Sim *DEUS* é a Fonte da Vida.

    Deus não precisa do sól para gerar e sustentar a vida na Terra, e o Livro do Génesis mostra isso.
    Repito o ponto fulcral: Deus criou uma fonte de luz logo no início, e foi em relação a essa luz que a Terra teve o seu ciclo dia-noite.
    Não há contradição nenhuma.

    Like

  21. Evo Lui says:

    “Qual é o problema em Deus gerar um fonte de luz temporária para incidir sobre a Terra enquanto Ele não criava o sól?”

    Está explicado! Depois dessa fico quietinho.

    Like

  22. O Apocalipse diz-nos que os novos céus e nova terra que Deus irá criar não vai haver sol mas sim que Deus nos alumiará.

    Esta questão do sol e de génesis parte das crenças de cada um. Para quem acredita que Deus é quem diz ser, não há problema nenhum em Ele usar outra fonte de iluminação que não o sol. Para quem está preso a posições naturalistas, é inconcebível pensar que pode haver outra fonte de vida e luz sem ser o sol.

    Like

  23. Mats says:

    Evo Lui,
    Tenho a certeza que vais continuar a usar o mesmo argumento contra a Bíblia mesmo depois de te terem mostrado como não há contradição nenhuma,

    Like

  24. Evo Lui says:

    Mats,

    Não posso argumentar contra o que escreveu, como o Sabino colocou é uma questão de crença, fé, contra isso não vou discutir, se Deus pode tudo, Ele pode criar uma fonte de luz que não seja o Sol, pode criar o dia e a noite sem o Sol, enfim não há o que discutir sobre esse tema.

    Mas sem ironia, o problema é que não é possível questionar a bíblia, percebes? Porque no final das contas Deus pode tudo, nada é impossível para Ele. Quer ver? Se estivesse escrito no Gênesis que Deus criou um ser e o fêz evoluir, e a partir dele todas as espécies surgiram, não seria preciso nenhuma comprovação científica, não é verdade?

    Like

  25. Mats says:

    Se tu acreditas que Deus sabe tudo, e que Ele é incapaz de mentir, então tu vais acreditar em tudo o que Ele diz.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s