A mutação do “super bebé”

Há alguns anos trás, as reportagens acerca dum “super bebé” alemão propagaram-se um pouco por todo o mundo. 1 O bebé tinha na altura apenas 4 anos, mas as suas coxas possuíam já o dobro da massa muscular presente nas coxas doutros bebés da mesma idade.

Ele era suficientemente forte para segurar 3 kgs com os braços esticados, coisa que é complicada para muitos adultos. A sua força é o resultado de uma mutação genética (uma erro de cópia nas “instruções” do ADN) que lhe deram uma quantidade extra de massa muscular.

A mãe do bebé, uma senhora musculada praticante de corridas de velocidades, tem uma cópia desta mutação, mas emparelhada com um gene normal. O irmão dela, bem como 3 outros membros familiares masculinos próximos dela, aparentam ter a mesma mutação uma vez que eles são, também, bastante fortes. Um deles trabalhava nas construções e era capaz de descarregar pedras pesadas com as suas próprias mãos.

O bebé tem duas cópias deste gene, o outro proveniente sem dúvida do pai.

A evolução está finalmente provada?

Uma vez que o bebé está “maior e melhor” não será isto um exemplo da “evolução em acção”? Nem por isso.

Como acontece sempre que a ciência investiga as supostas “evidências para a evolução”, esta mutação não serve de suporte para a teoria que afirma que as formas de vida são o resultado de forças não inteligentes.

A Ciência Explica

O crescimento muscular é normalmente controlado, e um dos “controladores” é uma proteína chamada miostatina ou factor 8 de crescimento e diferenciação (GDF-8). Esta mutação, por incrível que pareça, danifica o gene que produz a miostatina. 2 Como resultado, a proteína miostatina não é formada normalmente e os músculos crescem de forma descontrolada.

A evolução “bactéria-para-bebé” requer uma enorme quantidade de mutações que incrementem a informação genética, de forma a produzir novas estruturas e novos enzimas que não existiam previamente. Se tal estivesse a acontecer, seria de esperar nós observarmos imensas mutações que aumentassem a informação genética, mas até hoje os ateus foram incapazes de fornecer uma só.

O que nós observamos, no entanto, são mutações que 1) ou são neutras ou 2) são causadoras de perda de informação genética. 3 Todas estas mutações que a ciência observa estão perfeitamente de acordo com a Palavra de Deus, quando ela afirma que Deus criou o universo e toda a vida lá contida em 6 dias (Êxodo 20:11).

Convém ressalvar que a Bíblia não contradiz a posição que afirma que existam mutações benéficas, isto é, mutações que confiram ao portador alguma vantagem em relação aos demais. Mas em termos de informação genética, estas mutações caminham na direcção contrária à esperada pelos evolucionistas.

A mutação do “super bebé” não só é mais uma na longa lista de mutações informaticamente negativas (perda de informação) que, no entanto, conferem ao portador uma vantagem, como também não explica como é que músculos e a miostatina evoluiriam originalmente. A perda progressiva de informação genética não só não é argumento contra o criacionismo, como também não é evidência a favor da evolução ateísta.

Esta mutação não só foi observada em seres humanos, como também em alguns animais.4 As vacas Piamontesas e a vaca Azul Belga são extremamente musculadas precisamente porque uma mutação causa a produção de uma proteína miostatina defeituosa.5 O mesmo se verifica em ratos.

Conclusão

A questão levante-se se esta mutação será realmente benéfica a longo prazo uma vez que a mesma, na vaca Azul Belga, tem efeitos secundários. Por exemplo, a mutação reduz a fertilidade, e os médicos estão preocupados com os efeitos da mesma mutação no super bebé, (pode vir a sofrer de problemas de saúde relacionados com o coração).

Se as formas de vida foram de facto criadas por Deus como diz a Bíblia, então será de esperar que a miostatina exista por uma razão. Remove-la do nosso sistema pode trazer uma vantagem a curto prazo, mas desvantagens a longo prazo.

O ponto principal disto tudo é que esta mutação é uma que reduz informação genética. É o mesmo que as baratas que perdem a habilidade de voar numa ilha ventosa. Essa mutação embora benéfica é o efeito de perda de informação genética.6 Esta mutação não explica a origem das asas, nem como é que as baratas evoluíram, como tal, não é evidência contra o criacionismo nem evidência a favor da evolução.

Mostrar como é que um sistema biológica funciona não é evidência contra a posição que afirma que o mesmo foi criado por Deus, do mesmo modo que mostrar como é que um carro funciona não é evidência em favor da posição que afirma que eles não foram projectados e construídos por engenheiros e mecânicos.

Funcionamento não explica origem.


Referencias

  1. Linda Johnson, Doctors discover genetic mutation that makes toddler super strong, Anchorage Daily News, 23 June 2004, .
  2. Markus Schuelke, Kathryn R. Wagner, Leslie E. Stolz, Christoph Hübner, Thomas Riebel, Wolfgang Kömen, Thomas Braun, James F. Tobin, Ph.D., and Se-Jin Lee, Myostatin mutation associated with gross muscle hypertrophy in a child, New England Journal of Medicine 350(26):2682–2688, 24 June 2004.

  3. Batten, D., The adaptation of bacteria to feeding on nylon waste, TJ 17(3):3–5, 2003; R. Truman, The unsuitability of B-cell maturation as an analogy for neo-Darwinian Theory, , March 2002.

  4. Anon., Muscular cattle: a beneficial mutation? Creation 20(4):9, 1997.

  5. J. Travis, Muscle-bound cattle reveal meaty mutation, Science News 152(21):325, 22 November 1997.

  6. Carl Wieland, Beetle Bloopers, Creation 19(3):30, 1997.

Modificado a partir do original.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , . Bookmark the permalink.

15 Responses to A mutação do “super bebé”

  1. “O crescimento muscular é normalmente controlado, e uma dos “controladores” é uma proteína chamada miostatina ou factor 8 de crescimento e diferenciação (GDF-8). Esta mutação, por incrível que pareça, danifica o gene que produz a miostatina. 2 Como resultado, a proteína miostatina não é formada normalmente e os músculos crescem de forma descontrolada.”

    Exacto. O ser vivo ganha alguma coisa (músculo, neste caso) devido à perda de informação genética (a funcionalidade da proteína, neste caso). E é com estes exemplos que os evolucionistas confundem as audiências e trocam gato por lebre ao dizerem que estes exemplos mostram que um ser unicelular desenvolveu informação genética para os diferentes órgãos e estruturas.

    Like

  2. Mats says:

    Como forma de esconderem o fracasso da evolução, os ateus buscam eventos aceites por todos como evidência exclusiva da sua religião.

    Isto é no mínimo, estranho, e no máximo, desonesto.

    Like

  3. rpfm says:

    “Como acontece sempre que a ciência investiga as supostas “evidências para a evolução”, esta mutação não serve de suporte para a teoria que afirma que as formas de vida são o resultado de forças não inteligentes.”

    LOL vocês estão tapadinhos ou quê?
    Experimentem ir ao uniprot.org, à proteopedia.org ou ao ncbi.nlm.nih.gov/pubmed.
    Lá verão que não há um único gene a ser desconsiderado, todos os cerca de 30,000 genes humanos são estudados, quase obcecadamente, bem como a sua homologia entre espécies, ou seja, o parentesco entre os primos desses genes.

    Foi aqui isolado o GDF-8, mas será que investigaram o suficiente sobre ele para falarem informadamente do gene e da sua história?

    Não nos parece.

    Um gene é algo tão complexo que sem perceberem conceitos de: mutação, recombinância genética, selecção natural, selecção artificial, endosimbiose, regulação de transcrição, transcrição, processamento, tradução do RNA mensageiro, bem como folding de proteínas e modificações pós-transcripcionais não chegam lá. Quem for minimamente interessado em biologia e tenha tido a iniciativa própria de estudar por sí (em vez de ficar passivamente a ouvir o que os professores dizem), chegará à conclusão que vocês não sabem do que falam.
    Um gene NUNCA pode ser analisado isoladamente, toda a vida consiste sistemas de interligação complexos, onde nenhum elemento existe isoladamente. Nem os seres humanos se podem gabar disso, era só morrerem todos os insectos que polinizam e iriamos passar muita fome por exemplo.

    Nós damo-vos uma malha a falar de biologia, ainda por cima da evolução que é básico, básico, básico comparado com o que tiramos partido dela. É que nós já há muito que deixamos de apenas estudar descritivamente a evolução, hoje em dia tiramos partido dela com tantas aplicações que muito fácil será o evento da vossa vida ser salva por uma delas. Recusariam o tratamento?

    No entanto vocês até aceitam que a micro evolução ocorra como referido no caso das vacas Piamontesas, neste caso através da selecção artificial por criadores. O mesmo aconteceu com: cães, gatos, todas as formas de gado, todas as formas de cereais, vegetais e muitos organismos domesticados por nós.
    Custa-vos muito entender o efeito somatório dessa microevolução em grandes escalas temporais? A operação do somatório é assim tão difícil de alcançar às vossas mentes? Também têm de aprender conceitos de matemática visivelmente.

    Acho que já que são especialistas bíblicos, deviam de se manter no vosso campo e a não interferir em campos onde estão pouco à vontade, antes de investigarem um pouco melhor.

    Se vocês não aceitam a evolução por motivos ideológicos e não por motivos lógicos, mais vale repensarem a vossa vida, porque isso é sinal de que se revela, fútil.

    Só mais duas coisas:
    Há ateus que não acreditam na evolução, por isso acho que deviam dizer “pessoas que aceitam a evidência de evolução” e não “ateus”.

    Os cientistas são cada vez mais uma fatia maior da população por isso é impossível e é até ridículo afirmar que estão todos numa conspiração contra os criacionistas.
    Vai chegar ao dia em que todos os habitantes da Terra são cientistas. E essa será o início de uma era dourada para a humanidade, em que os problemas da ignorância, elitismo, autoritarianismo são finalmente eliminados.

    Ou
    vocês
    estudam
    ou
    vocês
    são

    FAIL

    Vocês mostram no mínimo que tiveram más notas a biologia.
    Connosco não teriam positiva de certeza.

    Quem somos?

    We are Anonymous.
    We are Legion.
    We do not forgive.
    We do not forget.
    United by one.
    Divided by zero.
    Expect us.

    Like

  4. Mats says:

    Acho que já que são especialistas bíblicos, deviam de se manter no vosso campo e a não interferir em campos onde estão pouco à vontade, antes de investigarem um pouco melhor.

    Mas tu assumes que ser-se um “especialista bíblico” (seja lá o que isso for) e ser-se um conhecedor da ciência são mutuamente exlusivos. Uma pessoa pode ser ambas.

    Se vocês não aceitam a evolução por motivos ideológicos e não por motivos lógicos, mais vale repensarem a vossa vida, porque isso é sinal de que se revela, fútil.

    Mas uma pessoa pode rejeitar a evolução devido a motivos ideológicos E motivos lógicos. Mais uma vez tu postulas um falso dilema.

    Só mais duas coisas:
    Há ateus que não acreditam na evolução, por isso acho que deviam dizer “pessoas que aceitam a evidência de evolução” e não “ateus”.

    Há criacionistas que são cientistas, e como tal não deveriam contrapôr “cientista” com “criacionista.

    Os cientistas são cada vez mais uma fatia maior da população por isso é impossível e é até ridículo afirmar que estão todos numa conspiração contra os criacionistas.

    Mas há cientistas que são criacionisitas.
    Além disso não penso que os cientistas estão numa “conpisraçao contra os criacionistas. Penso sim, que os cientistas ateus/naturalistas/materialistas formularam uma definição de ciência que lhes serve para promover o ateísmo.

    Vai chegar ao dia em que todos os habitantes da Terra são cientistas.

    Inclusivé os criacionistas?

    E essa será o início de uma era dourada para a humanidade, em que os problemas da ignorância, elitismo, autoritarianismo são finalmente eliminados.

    E o leão de deitará com o cordeiro, e uma criança brincará com cobras e não se magoará. Sim, isso já foi previsto há séculos atrás pelo profeta Isaías.

    Like

  5. Mats says:

    rpfm
    consideras a perda de informação genética como uma evidência a favor da teoria da evolução, e contra o criacionismo Bíblico?

    Like

  6. rpfm, dado o grande conhecimento sobre biologia molecular que aparentas ter, propunha-te tentares ganhar um milhão de dólares. Vê na embalagem como participar.

    Like

  7. s3riouss4m says:

    “consideras a perda de informação genética como uma evidência a favor</b< da teoria da evolução, e contra o criacionismo Bíblico?"

    O que apenas um individuo singular considera é irrelevante.

    O que é relevante é que nós sabemos de facto explicar logicamente muito do que se passa e se passou, baseando-nos na evidência e num método que é o que neste momento ganha a tudo o resto em fiabilidade, ou seja, o método científico.

    Existe algum gene com a assinatura de um ser superior?
    Certamente que ainda não foi encontrado.
    E a continuar-se a tendência, será que vai ser encontrado?

    Hoje em dia explicamos matematicamente muitos processos de uma forma a permitir grande capacidade de previsão e grande capacidade de criação e inovação e há muitos que faltam ainda explicar e haverão sempre fenómenos por explicar pois o potencial para este universo nos surpreender parece infinita até agora. Hoje em dia a divindade hipotética tem apenas dois possíveis locas de intervenção:

    – A criação do universo
    – A criação da vida (na Terra)

    O primeiro vai ser sem duvida o evento que demorará mais a explicar matematicamente, porque os nossos dados são ainda escassos e falta-nos muito até reproduzirmos essas condições, teríamos de ter poder semelhante ao que essa hipotética divindade teria. E é uma questão de tempo. Mas com grande poder vem grande responsabilidade. Por isso se não nos educarmos suficientemente, iremos nos auto-destruir. A explicação deste evento até poderá revelar intervenção divina, por isso vocês poderão ainda ter alguma razão.

    Quanto ao segundo ponto, é só uma questão de tempo. Apenas temos de aprender a criar replicadores a partir de matéria não replicante. Leiam o livro do Drexler "Engines of Creation" para saberem mais sobre os replicadores.

    Se essa divindade de que tantos falam apenas tivesse intervido no inicio do universo, seria menos impressionante?
    Pensamos que não, antes pelo contrário.
    Seria uma divindade muito mais grandiosa do que aquela hipotética divindade que criou os céus e a Terra e as plantas e os animais e o homem (apenas um casal) em sete dias. Esta hipótese parece demasiado modesta, até ridícula em comparação à da intervenção única, para se candidatar a uma divindade verosimilhante deste universo.

    Não sabemos o que vocês querem dizer com naturalismo se o universo é todo baseado em matemática. Vocês simplesmente se recusam a aceitar o vosso pouco à vontade e até desinteresse nessa e noutras áreas nas vossas ruminações.
    Comecem a frequentar sites acabados em .edu e consultem e contribuam para a Wikipédia, e façam publicações no vosso processo de estudo. Só conseguem provar o vosso ponto de vista se conseguirem um dos seguintes:
    – melhorar a actual teoria para ultrapassar falhas existentes
    – substituir a teoria actual por outra melhor (bem mais trabalhoso, mas com mérito a combinar com a escala do trabalho)

    Se as condições acima mencionadas não forem satisfeitas vocês revelam também enorme ignorância no conceito de progresso e criação do conhecimento, que é de facto o maior responsável por estas meras coisas:
    – sobreviverem ao nascimento e ao inicio de vida
    – sobreviverem para além dos 35 anos
    – não passarem fome regularmente
    – terem roupa no vosso corpo
    – terem um tecto sobre vós
    – viverem numa sociedade relativamente pacífica

    Existem cientistas criacionistas é certo, mas a estatística mostra que é o grupo populacional com em que há menos pessoas com mentes fechadas, logo menos criacionistas. Muitos cientistas criacionistas nem sequer são biocientistas, se forem, correm o risco de se tornarem fracassos em termos profissionais, não porque os outros "conspiram" contra eles mas simplesmente porque suportam uma teoria da qual não se consegue tirar utilidade prática, ao contrário da teoria em uso. Graças a essa teoria produzimos antibióticos, retro-vírus, pesticidas, curas para o cancro e até aplicações sociais entre muitas outras. As aplicações sociais, envolvendo conceitos de simbiose e emergência revelam um potencial imenso para levar a humanidade a uma era de prosperidade radical, tão radical que esta era actual será considerada uma extensão da idade das trevas em comparação.

    Mais uma vez podemos perguntar-vos a pergunta de um milhão de dólares:
    Vocês rejeitariam um tratamento que deve a sua existência à aplicação da teoria que explica a biodiversidade atual?

    Ah e quanto ao desafio de um milhão de dólares:

    “propor um processo naturalista altamente plausível para o aparecimento espontâneo das instruções genéticas suficientes para originar vida. A explicação tem de ser consistente com os conceitos bioquímicos, cinéticos e termodinâmicos, explicados mais à frente, e tem de ser publicada numa revista científica bem respeitada e que tenha revisão dos pares"

    Há uma grande probabilidade que o dinheiro se vai tornar irrelevante antes de a ciência avançar suficientemente para criar vida de forma a poder explicar satisfatoriamente o processo. Ademais a ciência nunca funciona por absolutos e vão haver sempre descobertas a fazer nessa área, por isso ninguém vai poder dizer que está tudo explicado. O que se pode fazer é demonstrar como realmente podem ocorrer espontaneamente replicadores. Mais uma vez, nada nos garante que só existe uma "fórmula mágica" para tal acontecer. Como todo este universo é holográfico, é de esperar que existem muitas "fórmulas mágicas" para o aparecimento espontâneo de replicadores e não apenas uma. Essa descoberta ser-nos-à possível quando descobrirmos que não estamos sós no universo. I isso deverá ser uma questão de tempo.

    A ciência não se faz principalmente pelo dinheiro.
    A ciência faz-se pelo prazer da descoberta, satisfação de curiosidade humana e especialmente pela melhoria da condição humana.

    Como vocês provavelmente foram condicionados pelos "vendilhões do templo" dos dias actuais nunca irão perceber o anterior parágrafo.

    Por último nós perguntamos o seguinte:

    Será que vocês sabem:
    – que há uma diferença entre os termos evolução e teoria de evolução?
    – as definições de evolução e teoria da evolução?
    – o conceito de mutação por deleção?

    Se não, podem começar por aqui, e não se esqueçam de confirmar as referências em vez de apenas confiar cegamente na wikipedia:
    http://en.wikipedia.org/wiki/Evolution
    http://en.wikipedia.org/wiki/Evolution_as_theory_and_fact
    http://en.wikipedia.org/wiki/Mutation
    http://en.wikipedia.org/wiki/Deletion_%28genetics%29

    Quem nós somos?
    Anonymous is no one, and yet they are everyone.
    We are anonymous, we will destroy corruption, we will dismantle lies. We do not forgive, we do not forget. Expect us.

    Like

  8. MVR says:

    Nós damo-vos uma malha a falar de biologia, ainda por cima da evolução que é básico, básico, básico comparado com o que tiramos partido dela. É que nós já há muito que deixamos de apenas estudar descritivamente a evolução, hoje em dia tiramos partido dela com tantas aplicações que muito fácil será o evento da vossa vida ser salva por uma delas. Recusariam o tratamento?

    Se falas de testes em animais como comprovação de evolução… O mínimo que deverias fazer era pedir desculpa por isso.

    Aliás, em que a teoria da evolução ajuda na medicina e na biologia, fora da biologia evolutiva, que não tem aplicação prática para o ser humano?

    É necessário acreditar nos milhões de anos para medicar um paciente ou produzir um frasco de Cataflam e uma Aspirina?

    Se vocês não aceitam a evolução por motivos ideológicos e não por motivos lógicos, mais vale repensarem a vossa vida, porque isso é sinal de que se revela, fútil.

    Tens razão. Mas não aceitamos a evolução por motivos muito lógicos, como podes ver nesse mesmo blog. Mas digo-te o mesmo, acerca da tua crença na evolução.

    Quem somos?

    We are Anonymous.
    We are Legion.
    We do not forgive.
    We do not forget.
    United by one.
    Divided by zero.
    Expect us.

    Ah, não.

    Like

  9. Sagan says:

    “Se falas de testes em animais como comprovação de evolução… O mínimo que deverias fazer era pedir desculpa por isso.

    Aliás, em que a teoria da evolução ajuda na medicina e na biologia, fora da biologia evolutiva, que não tem aplicação prática para o ser humano?

    É necessário acreditar nos milhões de anos para medicar um paciente ou produzir um frasco de Cataflam e uma Aspirina?”

    Os testes em animais são lamentáveis, mas necessários, caso contrário os seres humanos é que se tinham de sujeitar a testar em sí próprios para conseguir o mesmo avanço nas biociências a que assistimos hoje. Dizer o que disseram implica rejeitarem a teoria actualmente aceite por razões ideológicas. E isso é que é lamentável. É como um bébé a fazer birra porque o leite acabou na mama da sua mãe. Nem o leite vai voltar por causa da birra nem o mundo vai melhorar por causa dessa rejeição ideológica de uma teoria. A única coisa que vai acabar com testes animais será a sua substituição por testes em supercomputadores e esse processo está a decorrer. Por isso se estiverem genuinamente preocupados com os animais deveriam estar a contribuir em vez de criticar passivamente.

    Quanto às aplicações da teoria da evolução:

    Without practical application, the theory of evolution is useless. So here are the practical applications:

    1. Evolutionary theory is the framework tying together all of biology. It explains similarities and differences between organisms, fossils, biogeography, drug resistance, extreme features such as the peacock’s tail, relative virulence of parasites, and much more besides. Without the theory of evolution, it would still be possible to know much about biology, but not to understand it.

    This explanatory framework is useful in a practical sense. First, a unified theory is easier to learn, because the facts connect together rather than being so many isolated bits of trivia. Second, having a theory makes it possible to see gaps in the theory, suggesting productive areas for new research.

    2. Evolutionary theory has been put to practical use in several areas (Futuyma 1995; Bull and Wichman 2001). For example:
    * Bioinformatics, a multi-billion-dollar industry, consists largely of the comparison of genetic sequences. Descent with modification is one of its most basic assumptions.
    * Diseases and pests evolve resistance to the drugs and pesticides we use against them. Evolutionary theory is used in the field of resistance management in both medicine and agriculture (Bull and Wichman 2001).
    * Evolutionary theory is used to manage fisheries for greater yields (Conover and Munch 2002).
    * Artificial selection has been used since prehistory, but it has become much more efficient with the addition of quantitative trait locus mapping.
    * Knowledge of the evolution of parasite virulence in human populations can help guide public health policy (Galvani 2003).
    * Sex allocation theory, based on evolution theory, was used to predict conditions under which the highly endangered kakapo bird would produce more female offspring, which retrieved it from the brink of extinction (Sutherland 2002).

    Evolutionary theory is being applied to and has potential applications in may other areas, from evaluating the threats of genetically modified crops to human psychology. Additional applications are sure to come.

    3. Phylogenetic analysis, which uses the evolutionary principle of common descent, has proven its usefulness:
    * Tracing genes of known function and comparing how they are related to unknown genes helps one to predict unknown gene function, which is foundational for drug discovery (Branca 2002; Eisen and Wu 2002; Searls 2003).
    * Phylogenetic analysis is a standard part of epidemiology, since it allows the identification of disease reservoirs and sometimes the tracking of step-by-step transmission of disease. For example, phylogenetic analysis confirmed that a Florida dentist was infecting his patients with HIV, that HIV-1 and HIV-2 were transmitted to humans from chimpanzees and mangabey monkeys in the twentieth century, and, when polio was being eradicated from the Americas, that new cases were not coming from hidden reservoirs (Bull and Wichman 2001). It was used in 2002 to help convict a man of intentionally infecting someone with HIV (Vogel 1998). The same principle can be used to trace the source of bioweapons (Cummings and Relman 2002).
    * Phylogenetic analysis to track the diversity of a pathogen can be used to select an appropriate vaccine for a particular region (Gaschen et al. 2002).
    * Ribotyping is a technique for identifying an organism or at least finding its closest known relative by mapping its ribosomal RNA onto the tree of life. It can be used even when the organisms cannot be cultured or recognized by other methods. Ribotyping and other genotyping methods have been used to find previously unknown infectious agents of human disease (Bull and Wichman 2001; Relman 1999).
    * Phylogenetic analysis helps in determining protein folds, since proteins diverging from a common ancestor tend to conserve their folds (Benner 2001).

    4. Directed evolution allows the “breeding” of molecules or molecular pathways to create or enhance products, including:
    * enzymes (Arnold 2001)
    * pigments (Arnold 2001)
    * antibiotics
    * flavors
    * biopolymers
    * bacterial strains to decompose hazardous materials.
    Directed evolution can also be used to study the folding and function of natural enzymes (Taylor et al. 2001).

    5. The evolutionary principles of natural selection, variation, and recombination are the basis for genetic algorithms, an engineering technique that has many practical applications, including aerospace engineering, architecture, astrophysics, data mining, drug discovery and design, electrical engineering, finance, geophysics, materials engineering, military strategy, pattern recognition, robotics, scheduling, and systems engineering (Marczyk 2004).

    6. Tools developed for evolutionary science have been put to other uses. For example:
    * Many statistical techniques, including analysis of variance and linear regression, were developed by evolutionary biologists, especially Ronald Fisher and Karl Pearson. These statistical techniques have much wider application today.
    * The same techniques of phylogenetic analysis developed for biology can also trace the history of multiple copies of a manuscript (Barbrook et al. 1998; Howe et al. 2001) and the history of languages (Dunn et al. 2005).

    7. Good science need not have any application beyond satisfying curiosity. Much of astronomy, geology, paleontology, natural history, and other sciences have no practical application. For many people, knowledge is a worthy end in itself.

    8. Science with little or no application now may find application in the future, especially as the field matures and our knowledge of it becomes more complete. Practical applications are often built upon ideas that did not look applicable originally. Furthermore, advances in one area of science can help illuminate other areas. Evolution provides a framework for biology, a framework which can support other useful biological advances.

    9. Anti-evolutionary ideas have been around for millennia and have not yet contributed anything with any practical application.

    References:

    1. Arnold, Frances H. 2001. Combinatorial and computational challenges for biocatalyst design. Nature 409: 253-257.
    2. Barbrook, Adrian C., Christopher J. Howe, Norman Blake, and Peter Robinson, 1998. The phylogeny of The Canterbury Tales. Nature 394: 839.
    3. Benner, Steven A. 2001. Natural progression. Nature 409: 459.
    4. Branca, Malorye. 2002. Sorting the microbes from the trees. Bio-IT Bulletin, Apr. 07. http://www.bio-itworld.com/news/040702_report186.html
    5. Bull, J. J. and H. A. Wichman. 2001. Applied evolution. Annual Review of Ecology and Systematics 32: 183-217.
    6. Cherry, J. R., and A. L. Fidantsef. 2003. Directed evolution of industrial enzymes: an update. Current Opinion in Biotechnology 14: 438-443.
    7. Conover, D. O. and S. B. Munch. 2002. Sustaining fisheries yields over evolutionary time scales. Science 297: 94-96. See also pp. 31-32.
    8. Cummings, C. A. and D. A. Relman. 2002. Microbial forensics– “cross-examining pathogens”. Science 296: 1976-1979.
    9. Dunn, M., A. Terrill, G. Reesink, R. A. Foley and S. C. Levinson. 2005. Structural phylogenetics and the reconstruction of ancient language history. Science 309: 2072-2075. See also: Gray, Russell. 2005. Pushing the time barrier in the quest for language roots. Science 309: 2007-2008.
    10. Eisen, J. and M. Wu. 2002. Phylogenetic analysis and gene functional predictions: Phylogenomics in action. Theoretical Population Biology 61: 481-487.
    11. Futuyma, D. J. 1995. The uses of evolutionary biology. Science 267: 41-42.
    12. Galvani, Alison P. 2003. Epidemiology meets evolutionary ecology. Trends in Ecology and Evolution 18(3): 132-139.
    13. Gaschen, B. et al.. 2002. Diversity considerations in HIV-1 vaccine selection. Science 296: 2354-2360.
    14. Howe, Christopher J. et al. 2001. Manuscript evolution. Trends in Genetics 17: 147-152.
    15. Marczyk, Adam. 2004. Genetic algorithms and evolutionary computation. http://www.talkorigins.org/faqs/genalg/genalg.html
    16. Nesse, Randolph M. and George C. Williams. 1994. Why We Get Sick. New York: Times Books.
    17. Relman, David A. 1999. The search for unrecognized pathogens. Science 284: 1308-1310.
    18. Searls, D., 2003. Pharmacophylogenomics: Genes, evolution and drug targets. Nature Reviews Drug Discovery 2: 613-623. http://www.nature.com/nature/view/030731.html
    19. Sutherland, William J., 2002. Science, sex and the kakapo. Nature 419: 265-266.
    20. Taylor, Sean V., Peter Kast, and Donald Hilvert. 2001. Investigating and engineering enzymes by genetic selection. Angewandte Chemie International Edition 40: 3310-3335.
    21. Vogel, Gretchen. 1998. HIV strain analysis debuts in murder trial. Science 282: 851-852.

    Nós somos ninguém
    Nós somos todos
    Nós somos anónimos

    Like

  10. Sagan says:

    “E o leão de deitará com o cordeiro, e uma criança brincará com cobras e não se magoará. Sim, isso já foi previsto há séculos atrás pelo profeta Isaías.”

    Like

  11. jmct says:

    Eu acredito que quando as pessoas tentam lutar contra uma ideia é porque o seu inconsciente está a tentar percebê-la e quase a aceitá-la. Então cria-se o conflicto entre o inconsciente e o consciente.

    São aqueles 3 estágios da verdade.

    1º – é ridicularizada,
    2º – é oposta radicalmente
    3º – é aceite como evidência de si própria.

    esses três estágios aplicam-se tanto a sociedades como a pessoas no singular.

    Abraços

    Like

  12. Adalberto Felipe says:

    Se essa divindade de que tantos falam apenas tivesse intervido no inicio do universo, seria menos impressionante?
    Pensamos que não, antes pelo contrário.

    Gente, do céu, as tentativas de impor o evolucionismo são incríveis!
    Por quê é que Deus não pode ter criado a vida e nem intervido nela para vocês???

    A ‘ciência’ não admite isso???

    Deus não é só impressionante, Ele é amor, Poder supremo e eterno, felicidade, Paz, tudo de bom que você possa imaginar e está muito acima da ciência do ser humano.

    Não sabemos o que vocês querem dizer com naturalismo se o universo é todo baseado em matemática.
    Ah, e o evolucionismo e a origem da vida também são baseados em matemática, certo? Não tem nem um pouquinho de naturalismo neles não.

    Se as condições acima mencionadas não forem satisfeitas vocês revelam também enorme ignorância no conceito de progresso e criação do conhecimento, que é de facto o maior responsável por estas meras coisas:
    – sobreviverem ao nascimento e ao inicio de vida
    – sobreviverem para além dos 35 anos
    – não passarem fome regularmente
    – terem roupa no vosso corpo
    – terem um tecto sobre vós
    – viverem numa sociedade relativamente pacífica

    Não, tudo isso não envolve ciência, envolve muito mais bom senso, amor das pessoas, dedicação, força de vontade, determinação para irmos em frente e termos um bom emprego e acima de tudo Deus!

    Existem cientistas criacionistas é certo, mas a estatística mostra que é o grupo populacional com em que há menos pessoas com mentes fechadas, logo menos criacionistas.
    Quais são as fontes disso por favor??

    Muitos cientistas criacionistas nem sequer são biocientistas, se forem, correm o risco de se tornarem fracassos em termos profissionais, não porque os outros “conspiram” contra eles mas simplesmente porque suportam uma teoria da qual não se consegue tirar utilidade prática, ao contrário da teoria em uso.
    Ah, sim e a evolução tem muita utilidade nessas áreas. Se você pesquisar nesse blog verá vários artigos em que até cientistas admitem que a utilidade da teoria da evolução é praticamente nula.

    Vai chegar ao dia em que todos os habitantes da Terra são cientistas. E essa será o início de uma era dourada para a humanidade, em que os problemas da ignorância, elitismo, autoritarianismo são finalmente eliminados.
    Prefiro falar: “Vai chegar ao dia em que todos os habitantes da terra terão amor uns com os outros, em que haverá paz, tranquilidade, sorriso nas pessoas! E essa será o início de uma era dourada para a humanidade, em que os problemas da ignorância, elitismo, autoritarianismo são finalmente eliminados.”

    Não adianta nada a pessoa ser cientista, se ela não tem amor pelo próximo, usa o conhecimento para se afastar de Deus, criar armas poderosas e mortais, querer alterar a natureza, poluir o mundo, ignorar os pobres.

    A ciência não se faz principalmente pelo dinheiro.
    A ciência faz-se pelo prazer da descoberta, satisfação de curiosidade humana e especialmente pela melhoria da condição humana.

    Como vocês provavelmente foram condicionados pelos “vendilhões do templo” dos dias actuais nunca irão perceber o anterior parágrafo.
    É a primeira vez que você vem a esse blog, certo?
    Noto que a maioria dos ateus / agnósticos que vem nesse blog sempre falam coisas desse tipo: “a ciência é isso, se baseia nisso, evolução é a melhor forma de explicar e não nega a Deus, criacionistas negam a ciência, vai estudar, blá blá blá”.

    Provavelmente chegam com essa imagem dos criacionistas e querem dar a aula do que é ciência. Vocês não entendem que nós sabemos o que é ciência, o que algo tem que ser considerado para ser científico, que nós conhecemos a evolução e muitos até já foram evolucionistas.

    Like

  13. rpfm says:

    Ai é então se sabes o que é ciência então descreve os passos do método científico.

    Like

  14. Mats says:

    Interessante imagem, RPFM. Pena é que esteja cheio de erros em torno da teologia cristã.

    Sabes se há uma tradução do texto? Seria mais fácil escever-se uma refutação. Senão, lá vamos ter que traduzir TUDO aquilo.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s