Selectivamente Semelhantes

Uma das “evidências” que os crentes ateus usam a favor da teoria que postula uma causa não-inteligente para as formas de vida é a semelhança genética (e anatómica) entre os seres humanos e outros primatas. Segundo os crentes ateus, essa semelhança genética “só pode ser explicada” com um parente comum entre nós e os macacos.

Para além do facto de não haver evidências a favor desta fé (daí a necessidade de se inventarem fósseis como o “Homem de Piltdown” ou o “Homem do Nebraska”), a semelhança genética significa apenas que… há semelhança genética. A forma como essa semelhança veio a originar é algo que está fora da ciência operacional.

Os ateus insistem, no entanto, que se não fosse a descendência comum, não se justificaria testar medicamentos em macacos de forma a poderem ser mais tarde aplicados nos seres humanos. Segundo eles, a crença evolucionista está, portanto, por trás de alguns avanços médicos.

Mas se isto é assim, então quando se fazem testes médicos em outros animais devido a sua semelhança genética com os humanos, o que é que isso significa?

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu desvendar o genoma, ou conjunto de informações hereditárias codificada no DNA, do cavalo doméstico.Os autores da pesquisa descobriram que o DNA do cavalo tem muitas semelhanças com o DNA humano, o que pode trazer avanços para a medicina. Cavalos sofrem de mais de 90 doenças hereditárias que mostram semelhança com doenças em humanos.

Se amanhã de manhã aparecer um outro grupo de ateus a afirmar que o cavalo e o ser humano (e não o macaco e o ser humano) partilham uma descendência comum, podemos então dizer que essa crença deve ser verdade porque se fazem testes em cavalos como forma de beneficiar o ser humano, certo?

Se os seres humanos não evoluíram dos cavalos, como é que se explica a semelhança genética entre uns e outros? Somos geneticamente tão semelhantes que podemos testar medicamentos neles, e após sucesso, aplicá-los em nós mesmos. Isso é evidência suficiente.

A “lógica” por trás da crença evolucionista oficial é a mesma..

Mas para ser ver como este tipo de lógica está condenada ao fracasso, basta usar um outro animal ainda, e perguntar ao ateu o porquê de ser possível usar medicamentos neles e em nós.

A resposta vai ser a mesma: “Temos descendência comum“. Se usarmos uma formiga, a resposta também vai ser a mesma. Se usarmos um lobo, idem idem, aspas aspas. Se usarmos uma traça, a mesma situação vai-se verificar. O ateu vai afirmar sempre que a explicação é a descendência comum.

Isto verifica-se devido a uma crença fundamental dos evolucionistas: eles acreditam que todas as formas de vida têm um parente comum, como tal, qualquer animal que um cientista use, vai ser sempre um animal que, de acordo com a fé evolucionista, tem um passado comum com os seres humanos.

O que isto implica é que o argumento evolucionista da suposta descendência comum entre homens e macacos ser confirmada pelo uso de macacos e chimpanzés em experiências médicas é totalmente vazia. Não há forma de vida nenhuma que possa ser usada por um cientista que o ateu não acredite que tenha um parente comum com os seres humanos. A única coisa que varia é a altura em que o suposto parente comum existiu.

Conclusão:

Da próxima vez que um ateu usar as experiências médicas em símios como “evidência” da suposta linhagem comum entre humanos e os ditos símios, perguntem-no se é possível usar-se algum animal que não tenha um passado comum com os seres humanos. A resposta do ateu vai ser, obviamente, não, porque ele acredita que toda a vida terrestre tem um descendente comum.

Advertisement

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia, Ciência and tagged . Bookmark the permalink.

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s