O Mito do Feminismo

Como sempre acontece com as ideologias que emanam do ateísmo, o feminismo, que supostamente buscava a “liberdade” da mulher, conseguiu exactamente o contrário.

(Obrigado ao Marcos Ludwig mais uma vez)

Artigo completo.

Por Raphael Machado Silva*

Sendo esta mais uma semana na qual pouca coisa de relevante aos meus olhos ocorreu em âmbito internacional, tive a sorte de ter tido uns dias atrás uma ótima discussão com alguns amigos e amigas que me deu um assunto sobre o qual escrever nesta coluna. O que estávamos a discutir era o Feminismo, um dos estandartes da Mitologia do Politicamente Correto.

O Feminismo é uma das formas mais populares e difundidas do Politicamente Correto, e sendo assim, podemos dizer que o Feminismo é uma forma derivada do Marxismo. O Feminismo é miticamente estruturado e pensado segundo o modelo Marxista. Tudo que há no Marxismo, existe no Feminismo sob uma roupagem “rosa”.
Nós temos um segmento da população mitologicamente vitimizado, as mulheres, ocupando o papel de proletariado. Temos também um segmento absoluta e ontologicamente maligno, o homem patriarcal, substituto “rosa” da burguesia. Entre ambos não há uma luta de classes, obviamente, mas uma luta de sexos, único meio que possibilitará à mulher conquistar sua liberdade. As feminazis mais exaltadas sonham até mesmo com um mundo sem homens, de eterno amor lésbico.

Não só o Feminismo é uma mera corruptela do Marxismo, mas o mesmo é também absolutamente falso pelo fato de ser fundado em ideias falsas. Homens e Mulheres não são iguais. Mas será mesmo que vivemos entre pessoas tão cegas pelo moralismo e por sabe-se-lá que retardos para que eu tenha que afirmar o óbvio? Homens e Mulheres não são iguais fisicamente e nem são iguais psicologicamente. Sendo diferentes, só podemos entender que não sejam diferentes de modo superficial. Ao contrário, as ciências naturais, essas belas senhoras inimigas de todos os mitos e ilusões e por isso mesmo odiadas por todos os inimigos da verdade, só têm demonstrado diferenças essenciais e profundas entre os sexos, em todos os níveis possíveis de existência. Homens e Mulheres, obviamente, sendo diferentes, possuem atributos diferentes, predisposições diferentes, maneiras diferentes de ver o mundo. Diferentes e o mais importante de tudo, complementares!

Na Natureza, nada é criado desnecessariamente e, assim, só podemos entender que a distinção sexual não é um mero luxo estético “inventado” aleatoriamente. Se devemos tratar as coisas como aquilo que elas são, e não como outra coisa, Homens e Mulheres sendo diferentes, SÓ podem ser tratados diferentemente e a injustiça estaria em agir de QUALQUER outro modo. Entendam bem. Pessoas idiotas, quando ouvem falar em diferença, entendem hierarquia, mas não é sobre nada disso que estou a falar aqui. Apenas afirmo, que possuindo atributos distintos e complementares, Homens e Mulheres estão especializados a funções diferentes, as quais são essenciais para a manutenção e engrandecimento da menor unidade social e política possível, a família.

Mais do que isso. Tem o Feminismo sido bom para as Mulheres? Obviamente que o Feminismo torna as Mulheres mais “livres” e “independentes” em um sentido absolutamente degenerado desses termos. Mas eu não estou falando em “liberdade”. Estou querendo saber se o Feminismo tem sido bom para elas. Pois afirmo categoricamente que não. Outrora, cabia apenas ao Homem o papel de escravo das forças de produção e ele aceitava sua condição abjeta pelo fato dela ser necessária para garantir o sustento de sua família. Mas mais importante! O Homem SEMPRE soube que o trabalho é um mal. Pois na Mitologia Feminista, ela mesma desenvolvida por terceiros com objetivos escusos, a escravidão da Mulher às forças de produção é o que lhe dá “liberdade”.

Estranho, não? Como estava escrito nos portões dos campos de concentração nazistas, “Arbeit Macht Frei”, “O Trabalho Liberta”. Conveniente para os “Sanguessugas Corporativos” dobrarem o número de pessoas no “Mercado de Trabalho”. E que escravos são melhores do que aqueles que acreditam piamente que a escravidão é o caminho para a “liberdade”? Interessantemente, todas as pesquisas sociológicas nos países em que medidas “Feministas” são tomadas há algum tempo, demonstram exatamente que a taxa de depressão entre as mulheres aumentou drasticamente, por causa do trato faustiano de trocar uma vida repleta de significado pela “carreira” ou melhor, por “grana” e pelo direito de sair por aí se relacionando com quem quiserem. Pois esse é um bom resumo do Feminismo: Materialismo, Egoísmo e Promiscuidade.

Infelizmente, do mesmo jeito que nos EUA já se discute o fim das cotas enquanto aqui ainda se discute sua implantação, na Europa já se questiona o Feminismo, por causa de suas consequências, enquanto aqui ainda vemos muitas “menininhas” de mente débil deslumbradas com o prospecto brilhante de virarem quarentonas amargas, que nunca casarão, não terão filhos e morrerão sozinhas, sem terem criado nada que pudesse ser passado adiante para seus descendentes. Esse é o preço da “Liberdade”.

Mas ele só é sentido, quando já é tarde demais.

* Raphael Machado Silva é colunista do Perspectiva Política às terças.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Política, Sociedade and tagged , , . Bookmark the permalink.

8 Responses to O Mito do Feminismo

  1. Nuno Dias says:

    ateísmo, marxismo, feminismo, homossexualidade, nazismo
    e consegue relacionar tudo isto

    é que é mesmo pegar em pequenas coisas que são coincidências e arquitectar uma teoria de treta.

    por muito prazer que me desse pegar na luta pela igualdade das mulheres e relacionar com a crença da não existência em Deus, honestamente, não consigo. Mas também consigo encontrar algumas semelhanças, por exemplo, ambas se recusam a viver sob mentiras.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Feminismo

    Like

  2. Mats says:

    é que é mesmo pegar em pequenas coisas que são coincidências e arquitectar uma teoria de treta.

    Incrível que tudo aquilo que ponha o ateísmo sob má luz é sempre coincidência. Já a ligação do comunismo com o ateísmo foi uma coincidência, certo? Agora isto também é uma coincidência.

    Não achas estranho que todas estas ideologias anti-Deus tenham uma mesma coluna vertebral? Porque será?

    Até parece que o mal escolheu a religião cristã como adversária…….

    Like

  3. Anjo_Z says:

    @All

    Achei fraco o texto, analisa o Feminismo de maneira superficial. Não foi o movimento feminista que lutou pelo direito do voto feminino? Se foi, so por isso o Movimento já teria valido a pena 🙂

    @Mats

    Ditadores sanguinários tivemos tanto cristãos quanto ateistas. Isso prova algo?
    Alguns paises que tem melhores condições de vida tem altas taxas de ateistas. Isso prova algo?

    Pra mim, prova que o ser humano pode ser bom ou mau, independente da religião que adote…

    Abraço,
    Anjo_Z

    A sua Bíblia tem uns trechos bem depreciativos sobre as mulheres, como aquele que manda elas ficarem caladas no Templo. Eu diria que

    Like

  4. Nuno Dias says:

    é capaz Mats, ou então podes ser tu que não compreendes os conceitos

    Like

  5. Mats says:

    Anjo,

    Ditadores sanguinários tivem
    os tanto cristãos quanto ateistas. Isso prova algo?

    Se as matanças estão de acordo com a moral ateísta, sim.

    Alguns paises que tem melhores condições de vida tem altas taxas de ateistas. Isso prova algo?

    Sim, mas as melhores condições de vida não são o resultado de 40/50 anos de domínio ateu. Seria ilógico pensar-se que foi apenas graças a esses pequenos anos de ateísmo que todo o avanço surgiu, e ignorar-se a cultura que dominou a população durante séculos.

    Pra mim, prova que o ser humano pode ser bom ou mau, independente da religião que adote…

    Mas há crentes ateus que acusam o cristianismo quando um cristão faz algo de mal, mas não fazem o mesmo quando um ateu fazem algo de mal.

    Like

  6. Mats says:

    Nuno,

    é capaz Mats, ou então podes ser tu que não compreendes os conceitos

    Pelo que pude ver, não há nada de errado na minha qualificação dos conceitos. Aliás, quem define o comunismo, o feminismo, o aborcionismo, o homossexualismo, a pedofilia como crenças anti-cristãs são os próprios e não eu.

    Like

  7. Adim says:

    Mats e sua pacienca de Jo.

    Ele espoem de fora cordial e elegante suas ideias e arguentos, no blog DELE e no final deixando espaço p comentarios.

    En troca tudo que surge são um monte de gente arrogante e mau educada que so ´´arguerntam“ de uma forma vazia e rude, sendo que jamais aceitariam ser tratados assim por outros, triste mas compreesivel.
    ´´Amar ao Proximo como a si mesmo“ é do Crsitianismo, vcs são ateus, ou seja não passam de animais.

    Parabens Mats que o Deus continue te abeçoando na sua missão de jogar luz nesse lamaçal de mentiras repugnates.

    Like

  8. Nuno Dias says:

    Realmente não posso constantemente fazer comentários depreciativos aos artigos de Mats e constantemente regressar.
    O bom desportivismo com que aceita todos os comentários no seu blog e lhes responde é de louvar (mas não a Deus, ok 😉 )

    “espoem, fora, arguentos, En, mau educada, arguerntam, compreesivel, repugnates”

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s