Arqueólogo usa métodos de detecção de design

Existem centenas de pedras grandes na Costa Rica. Algumas chegam a ter quase 2 metros e meio de diâmetro e a pesar 16 toneladas. Não há registos escritos ou tradições tribais sobre elas.

John Hoopes, um antropólogo da Universidade de Kansas, tem vindo a estudar estas esferas há muito tempo. Segundo a PhysOrg, ele teve que rejeitar alguns mitos que circulavam em torno das pedras. Algumas pessoas diziam que elas estavam relacionadas com Stonehenge ou a Ilha da Páscoa, ou que elas vieram de extraterrestres.

No entanto ele julga que elas possuem algum valor especial para a humanidade, e como tal elas deveriam ser protegidas pela Nações Unidas.

Ele não sabe quando elas foram feitas nem quem as fez. Elas parecem estar associadas a cerâmica de tribos do período pré-Colombiano, mas ninguém sabe quem, quando, ou porquê elas foram feitas. Tribos a viver na área não possuem tradições orais acerca delas. O Professor Hoopes confessou que elas podem ter sido feitas muito antes dos artefactos à sua volta. Ele detectou marcas em algumas delas, e ele propõe que elas tenham sido pedras-martelo. Elas estão muito perto de serem esferas perfeitas, embora elas variem da perfeição na ordem dos 5 cm.


O Professor Hoopes deveria ser despedido por não fazer o seu trabalho como cientista. Ele leva a ciência à estagnação ao assumir que as esferas são o resultado de design inteligente. Se elas foram criadas então quem é o designer? E quem criou o designer? Será que temos que aceitar que um designer inteligente perdeu o seu tempo a fazer pedras? Se ele não sabe quais são as funções das pedras, como é que ele pode saber que elas foram feitas por alguém?

Como um cientista ele tem que procurar explicações naturais para estes objectos. Estas pedras são perfeitamente naturais. Elas não são material angélico. Existem muitos processos naturais conhecidos capazes de fazer esferas; tudo o que precisamos é uma força centrípeta aplicada de forma uniforme ao material. É por isso que a lua e os planetas são esféricos.

Explicações naturais não faltam como forma de explicar a origem desta pedras, Não é preciso recorrer ao mito do “designer inteligente”. Além disso o designer do Dr Hoopes fez um péssimo trabalho uma vez que as esferas não são perfeitas.

Será que não aprendemos nada desde que Darwin superou Paley? Se Hoopes não tem imaginação suficiente para propor uma explicação naturalista, então ele não pertence à ciência.

Ele tem que ser ridicularizado, desprezado, marginalizado, difamado e expulso!

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Ciência and tagged , . Bookmark the permalink.

3 Responses to Arqueólogo usa métodos de detecção de design

  1. POR FAVOR, ALGUÉM PODERIA ME EXPLICAR MELHOR, ESSE POST É A FAVOR OU CONTRA A TEORIA DA EVOLUÇÃO?

    Like

  2. Mats says:

    José,

    POR FAVOR, ALGUÉM PODERIA ME EXPLICAR MELHOR, ESSE POST É A FAVOR OU CONTRA A TEORIA DA EVOLUÇÃO?

    Este post mostra que é possível nos sabermos quando uma coisa é o resultado de design mesmo que não se saiba quem é o designer.

    Um dos argumentos que os ateus usam contra a teoria do design inteligente (DI) é que, como não há forma de se “testar” o Designer, então a teoria não é científica.

    Como se pode ver, isso é cientificamente inválido uma vez que a arqueologia funciona perfeitamente sem se saber quem foi o designer de muitos artefactos.

    Isto mostra que a razão segundo a qual os evolucionistas usam este argumento é outro que não a ciência. A razão pela qual eles usam este argumento não científico é porque eles correctamente percebem que se a vida biológica e o mundo material tem Um Designer, então o ateísmo é cientificamente falso.

    Eles não querem aceitar o que a ciência mostra, e como tal, distorcem-na.

    Like

  3. Muito boa esta sátira.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s