Edward Blyth e a génese da selecção natural

Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência,
1 Tim 4:2

De acordo com Loren C. Eiseley, que antes da sua morte era professor de Antropologia na “Benjamin Franklin” e professor da História da Ciência na Universidade da Pensilvânia, “os princípios básicos do trabalho de Darwin — a luta pela sobrevivência, variação, selecção natural e a selecção sexual — estão totalmente expressas” num trabalho escrito pelo criacionista Edward Blyth em 18351 (ênfase adicionado).

Ao contrário de Darwin, Blyth via a selecção natural como um factor de preservação e não um fenómeno “potencialmente liberalizador“. De acordo com este mal apreciado naturalista, o princípio conservador foi implantado “pela Providência [Deus] como forma de preservar as qualidades típicas duma espécie“. Variações atípicas, segundo as próprias palavras de Eiseley, levavam à “descoberta e à destruição do animal“.2

Eiseley, não sendo um criacionista, escreveu que “Blyth é mais que um percursor do Darwinismo; ele é o pai intelectual do mesmo….“. Segundo Eiseley, Blyth “pertence à linhagem real…..um dos parentes esquecidos de um grande clássico.” Na mesma página Eiseley diz que “Darwin fez uso não reconhecido do trabalho de Blyth“.3

O editor Kenneth Heuer concluiu: “Esta é a descoberta de Eiseley.” Darwin “falhou ao não reconhecer a sua obrigação perante Blyth“.4 Ele chegou a reconhecer outros (e mesmo Blyth ao de leve) mas como Eiseley demonstra persuasivamente, por alguma razão Darwin escolheu não atribuir a Blyth o reconhecimento do elemento chave da sua teoria: a selecção natural.

O Dr. Eiseley forneceu ao leitor ensaios escritos pelo creacionista Blyth – ensaios que certamente foram lidos por Charles Darwin. Eles apareceram originalmente na publicação The Magazine of Natural History em 1835, 1836, e 1837. Exemplos em como este naturalista honrou o Criador são providenciados.

No primeiro exemplo, The Varieties of Animals (pags. 97–111), Blyth levou em consideração, entre outras coisas, as modificações na coloração animal. A lebre montanhesa, por exemplo, torna-se branca durante o inverno e “dificilmente distinguível da neve“. Na mesma página, Blyth escreve:

Por incrível que pareça, tem havido uma diferença de opinião entre os naturalistas, se estas variações cromáticas sazonais eram intencionadas pela Providência [Deus] como forma de se adaptarem às mudanças climáticas, ou como um meio de preservar as variadas espécies da observação dos seus adversários, ao adaptarem as suas tonalidades em conformidade com a cor da superfície. O facto é que essas modificações de cor não só realizam os dois propósitos como também estão no grupo de instâncias que tão claramente e forçosamente atestam para a existência de Uma Primeira Causa Omnisciente. 5

É triste que tal linguagem seria censurada na maioria, senão em todos, jornais científicos de hoje – especialmente se escritas por um naturalista ainda vivo. No entanto, é refrescante ver um naturalista do calibre de Blyth a creditar o Criador com preocupação pelas Suas criaturas. As Palavras do Criador a que Blyth alude vem à memória:

E disse o Senhor: Tiveste compaixão da aboboreira, na qual não trabalhaste, nem a fizeste crescer; que numa noite nasceu, e numa noite pereceu; E não hei-de Eu ter compaixão da grande cidade de Nínive, em que estão mais de cento e vinte mil homens, que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muitos animais?

Jonas 4:10-11

O ensaio seguinte 7 revela o coração do naturalista inclinado em reverência pelO Criador (mantido na língua original):

It is the grand and beautiful, the sublime and comprehensive system which pervades the universe, of which the sun and planets are but a portion, and which, to return to ornithology, is so well exemplified in the adaptation of the ptarmigan to the mountain top, and the mountain top to the habits of the ptarmigan; which suits the ostrich to the arid desert, the woodpecker to the forest, and the petrel to “the far sea wave.”It is the majestic and admirable system by which all nature works so beautifully together, and to which all that our external senses reveal appertains. It is the system which, exquisite and intensely interesting in all its minutest details, is, if possible, even more so in its complicated relation; by which, by the unity of design pervading which, all is demonstrable to be the workmanship of one omnipotent and all-foreseeing providence, under the beneficent dispensation of whom naught that ever exists or occurs stands isolated and alone, but all conduce and work admirably together for the benefit of the whole; by whose all-wise decree it is ordained, that, while the lofty and sterile mountain peak attracts the clouds, which in winter, in consequence, precipitate themselves upon it in the form of snow, it should cause itself to become clad in the hue of all others the most calculated to prevent its internal temperature from being farther reduced, and itself from thereby becoming an increased source of cold by radiation to all around; while, at the same time, the concretion of snow itself, instead of deluging the country round with superfluous moisture, is thus retained for a time upon the heights, not only to shelter the more tender organized productions of the mountain from severer cold, but also to furnish, by the action of the summer sun, a due supply of water, when needed, to the fountains and rills which irrigate and fertilize the more level country; there having done its part, to flow on to the mighty reservoirs of the ocean, again to arise in clouds, and to fulfill again its appointed rounds, with perpetual never ceasing energy, while the world endures.8

Dr. Eiseley escreveu que “Edward Blyth era pessoa para se lembrar da cor e forma de uma ave em movimento rápido ou de uma raposa a saltar uma cerca Ele viu coisas a esconderem-se, a mudarem , a cantar. Ele tinha o que hoje em dia se chama de memória fotográfica.”9 Ele declarou explicitamente que Blyth era um “criacionista.10

Como um evolucionista, Eiseley via Blyth como alguém que trabalhava debaixo de “limitações do século 18 no que toca a variações orgânicas, coisa que cegou muitos dos pensadores do século 18“. 11 Mas quem é de facto cego? Os geneticistas sabem que há limites definitivos em relação às divergências. Por mais que se tente, os evolucionistas não podem transformar um réptil numa ave. No entanto, eles acreditam que o que seres inteligentes não conseguem, as forças não inteligentes da natureza conseguem. Basta dar tempo, dizem eles.

No seu terceiro ensaio, Psychological Distinctions Between Man and Other Animals, Blyth escreveu que os outros animais “manifestam sabedoria sobre humana uma vez que é inata e portanto, instilada por Um Criador Omnisciente“. De facto, recursos animais não premeditados, em casos de emergência, são frequentemente superiores aos dos humanos. E porquê? Porque eles não precisam da experiência como guia mas são motivados a agir por intuição.

Mais uma vez, quão descontextualizadas as palavras deste naturalista estariam nas publicações seculares contemporâneas! A evolução é uma religião e artigos científicos que se afastem deste credo não são tolerados pela ortodoxia secularista. As referências ao “Criador Omnisciente” violam a ortodoxia secular da teoria da evolução.

O Apostolo Paulo escreveu há muitos anos atrás que os homem maldosamente suprimem a Verdade.12 As razões que levaram Darwin a não creditar Blyth de forma mais generosa pela concepção do conceito de selecção natural só vai ser sabido quando o Criador a Quem Blyth se referiu, o Senhor Jesus Cristo, voltar para estabelecer o Seu Reino na Terra.

Eiseley construiu um argumento forte em suporte da tese de que Darwin beneficiou com o trabalho de Blyth mas “esqueceu-se” de lhe dar crédito. Parece que a mentira, o engano e a decepção que existem dentro da cosmovisão evolucionista não é algo que seja periférico, mas endémico à mesma teoria.


1 Loren Eiseley, Darwin and the Mysterious Mr. X (New York: E.P. Dutton, 1979), p. 55.
2 Ibid., p. 56.
3 Ibid., p. 59.
4 Ibid., p. x.
5 Ibid., p. 108.
6 Jonah 4:10, 11.
7 Seasonal and Other Changes in Birds, pp. 112–140.
8 Ibid., pp. 116–117.
9 Ibid., p. 49. (Edward Blyth’s sister wrote of him, “Never was any youth more industrious; up at three or four in the morning, reading, making notes, sketching bones, coloring maps, stuffing birds by the hundreds, collecting butterflies, and beetles — teaching himself German sufficiently to translate it readily, singing always merrily at intervals,” p. 170.)
10 Ibid., pp. 68,69.
11 Ibid., p. 54.
12 Romans 1:18.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Ciência, Pecado and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

6 Responses to Edward Blyth e a génese da selecção natural

  1. Jaime says:

    Se Darwin plagiou, então a teoria da evolução tem de ser falsa. Uma coisa implica a outra. É impossível plagiar teorias verdadeiras! Plágio = mentira = falsidade. Está demonstrado matematicamente!

    Like

  2. ND says:

    não se esqueceu de dar crédito ao Reverendo Thomas Robert Malthus.

    ou mesmo a Blyth no Ascendência do Homem
    http://www.springerlink.com/content/g011r44712922884/

    Like

  3. Mats says:

    Jaime.
    Obrigado pela não-resposta.

    Se Darwin plagiou, então a teoria da evolução tem de ser falsa.

    Mas Darwin plagiou o conceito da selecção natural e não a teoria da evolução. Blyth não era um evolucionista embora tenha sido um dos formuladores do conceito da selecção natural.

    Agora a pergunta que tu tens que fazer a ti mesmo é: porque é que Darwin não foi capaz de reconhecer que o conceito da selecção natural teve origens na mente de um criacionista? Porque será que o pai do ateísmo moderno não foi capaz de admitir que o conceito da selecção natural não foi invenção sua, mas baseado em trabalho de outrém, incluindo um criacionista?

    A mentira permeia a teoria da evolução.

    Like

  4. Rita says:

    Oi Mats,

    Desculpa o off topic, mas eu gostava de saber o que achas acerca da forma como os governos mundiais têm combatido a crise financeira e económica. O que a Bíblia diz a respeito disto? Por exemplo, as ajudas extremas aos desempregados nao chocam com a ideia de que devemos ensinar os pobres a pescar em vez de lhes dar peixe? Eu penso que estamos fazendo muita coisa errada…

    Obrigada,

    Like

  5. Mats says:

    Rita,

    Desculpa o off topic, mas eu gostava de saber o que achas acerca da forma como os governos mundiais têm combatido a crise financeira e económica. Por exemplo, as ajudas extremas aos desempregados nao chocam com a ideia de que devemos ensinar os pobres a pescar em vez de lhes dar peixe? Eu penso que estamos fazendo muita coisa errada…

    Eu concordo contigo, Rita. O sistema mundial é dominado por socialistas e secularistas. Essas pessoas adoptam ideologias que, sob a máscara de “ajudas”, mantém as pessoas prisioneiras. Veja-se o que aconteceu na Grécia.

    Eu sou mais a favor das políticas de Ronald Reagan: um bom programa social é um emprego. Oferecer ajudas a quem não quer mas pode trabalhar é piorar a situação, uma vez que isso pode implicar aumentar impostos sobre aqueles que de facto trabalham e produzem.

    2 Tess 3:10 diz “Aquele que não trabalhar, nao coma” e isso é uma boa motivação para a procura de emprego.

    Concluindo: não tenho muita fé nos sistemas de “ajuda” dos ateus. Confio mais na capitalismo de vertente mais cristã como manifesta em Efésios 4:28:

    “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade”

    Pontos a reter do capitalismo cristão:
    1. Trabalha para teres o que comer.
    2. Reparte com os outros.
    3. O operário é digno do seu salário (Lucas 10:7)

    Enfim, não sou economista mas tenho a certeza absoluta que se o mundo seguisse o capitalismo cristão, as coisas seriam bem melhores. Enquanto nós seguirmos o socialismo ateísta, as coisas vão ficar tão más ou piores

    Like

  6. Rita says:

    Sim, eu concordo com algumas coisas… Porém, e em relação a outros temas como a distribuição de rendimentos, os ajudas aos deficientes e coisas assim? Eu penso que nestes casos édifícil negar que o Estado tem de fazer alguma coisa. Por exemplo, uma criança abandonada nao pode trabalhar, e nao vejo como é que seja cristao deixa la morrer a fome… Daí que eu penso que tenha que haver um certo equilibrio.

    A verdade é que este tipo de assunto me deixa intrigada (e ate preocupada) mas, pelo que leio, para isto nem a Biblia é completamente explícita. Ou seja, penso que temos de ser nos a tentar interpretar a situaçao, dado que a biblia nao “explica tudo” a este nivel. Bom, suponho que se Jesus tivesse ocupado o tempo a responder a todas as perguntas a biblia teria de vir em fascículos 🙂

    obrigado

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s