Associação Irrelevante Ataca Estado Português e Bento XVI

A Associação Ateísta Portuguesa (AAP), essa organização tão fundamental para a cultura portuguesa como uma bicicleta é fundamental para a locomoção dum tubarão, não gosta que o aparelho de Estado tenha recebido Bento XVI com honras de estadista. Não se preocupem com o pequeno detalhe de ele ser de facto o líder político de um área chamada de Vaticano.

Como forma de mostrar o seu “repúdio”, a nobre organização chamada AAP resolveu levar a cabo uma “Campanha de Apostasia“. Basicamente o que isto significa é que adultos com demasiado tempo para gastar vão rebuscar papéis que a maior parte das pessoas nem se lembra que existem como forma de anunciarem publicamente que rejeitaram a fé católica.

Algumas das preciosidades desta “Campanha” merecem um comentário:

A Associação Ateísta Portuguesa (AAP), com a chegada de Joseph Ratzinger a Portugal, junta-se aos diversos protestos da sociedade civil no que diz respeito à forma como o papa católico está a ser recebido pelas entidades oficiais.

Por “diversos” entenda-se”várias vozes ateístas”. Eles querem inflacionar o seu número mas eles são sempre os mesmos e são uma minoria. Graças a Deus.

Reitera o seu repúdio em relação à tolerância de ponto e aos privilégios concedidos pelo Estado à Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR), violando grosseiramente os princípios laicos da Constituição da República Portuguesa e agravando a difícil situação económica e social do País.

Hilariante! Reparem que eles juntam as suas objecções ateístas com a nobreza de se preocuparem com o estado económico do país. Se tu não ficares convencido pelo primeiro argumento eles oferecem o segundo só por via das dúvidas.

Considera inoportuna a visita de Joseph Ratzinger neste momento quando, a nível internacional, no meio de tantos escândalos de pedofilia e do seu encobrimento, está abalado o seu prestígio.

Mais um disfarce das suas motivações ateístas. Eles não rejeitam a presença do Joseph em Portugal por causa do seu prestígio “abalado” e muito menos devido ao alegado encobrimento dos escândalos de agressão homossexual sobre os meninos católicos. Eles rejeitam a presença do líder do mundo católico apenas e só porque ele está identificado com o Cristianismo. Se Fidel Castro viesse a Portugal, e sabendo nós o quão bárbaro o regime por ele imposto é, os ateus não se importariam com isso. E porquê? Ora, porque o comunista Fidel não é um promotor do Cristianismo.

Neste sentido, a AAP começa por recordar que:Apenas cerca de 18 por cento dos portugueses se afirmam como “católicos praticantes”, um número que tem vindo a diminuir de forma consistente ao longo dos anos

Irrelevante. Estamos num país onde a cultura e a identidade nacional estão umbilicalmente ligadas ao catolicismo. Se os ateus não gostam, sempre podem imigrar para a Coreia do Norte. Ouvi dizer que lá o cristianismo não só não é bem vindo como o ateísmo é rei.

Desde 2007 existem por ano mais casamentos civis do que religiosos.

E?

Desde 2008 cerca de um terço dos nascimentos ocorrem inclusive fora do casamento, segundo dados do INE.

Não sei se os ateus do AAP se apercebem do que estão a admitir com isto. O que eles dizem é que à medida que o Cristianismo vai sendo rejeitado, a natalidade fora do casamento aumenta. Não é preciso ser-se um génio para se saber que o aumento de nascimentos fora do casamento não é uma coisa boa para a sociedade.

Famílias disfuncionais aumentam à medida que a Bíblia vai sendo rejeitada, portanto, se a AAP realmente se importa com o bem estar da sociedade, como implícito na alusão aos imaginados problemas económicos que a visita de Bento XVI vai causar, eles deveriam lutar para manter a Bíblia como Autoridade Suprema na sociedade portuguesa. Mas eles não se importam que haja cada vez mais crianças a nascer fora de um lar saudável. Para eles o que importa é destruir a cultura cristã mesmo que isso implique destruir a sociedade que eles afirmam estar a tentar melhorar.

Estes números ilustram uma clara e progressiva secularização da sociedade Portuguesa, de todo incompatível com a encenação pia levada a efeito com a cumplicidade e a expensas do estado laico.

Estado laico não significa que não se possam suportar financeiramente celebrações da fé mais representativa do país.

Do ponto de vista ateu, não há argumento contra o que o Estado fez uma vez que o ateísmo defende que o moralmente correcto é definido por aquilo que causa bem estar à maioria. Como na sociedade portuguesa a maioria da população se identifica com o catolicismo, o ateísmo suporta o que o Estado está a fazer em relação à visita de Bento XVI. Ou seja, a sua própria crença refuta o seu queixume contra Joseph Ratzinger.

Assim, de acordo com a referida secularização da sociedade, a AAP toma a iniciativa de lançar, no mesmo dia em que Joseph Ratzinger aterra em Lisboa, uma “Campanha de Apostasia 2010“, a nível nacional, por forma a que todos aqueles que foram baptizados, e que hoje em dia não se consideram católicos, possam agir em conformidade e deixar de ser contabilizados para efeitos estatísticos pela ICAR.

Sinceramente. Será que estes adultos não tem mais nada para fazer com o seu tempo?

Esperamos, assim, ajudar a evitar o uso abusivo desses números por parte da Igreja, na sua tentativa de tentar usufruir e reclamar privilégios injustos e injustificáveis.

Reparem que eles condenam o “uso abusivo desses números”, mas eles usa não se importam de usar os SEUS números de forma “abusiva” como forma de suportar o ateísmo: “apenas cerca de 18 por cento dos portugueses se afirmam como “católicos praticantes”; “um número que tem vindo a diminuir”, “existem por ano mais casamentos civis do que religiosos”, “Desde 2008 cerca de um terço dos nascimentos ocorrem inclusive fora do casamento”. Parece que os números usados a favor do catolicismo é algo “abusivo” mas quando usados a favor do ateísmo já não é.

Pedimos a todos a divulgação da presente “Campanha de Apostasia 2010.

Bem, eu já fiz a minha parte. Espero que os governantes deste país ofereçam a este manifesto o respeito que ele merece, de preferência, a seguir ao mundial e quando a maior parte do país estiver de férias.

Reparem como eles terminam o seu queixume:

Neste ano de centenário, todos juntos poderemos contribuir para uma República mais justa, sempre fiel aos seus princípios laicos.

Sim, porque promover eventos e celebrações que estejam de acordo com a fé abraçada pela MAIORIA DO PAÍS é “injusto” e “infiel”.

Conclusão:

Este é o resultado de anos e anos de indoutrinação ateísta. Pessoas inteligentes que deveriam respeitar os costumes e as tradições nacionais (protegidas pelo Estado) passam horas e horas a procurar pedaços de papel para “provar” que não são católicos. Mas provar a quem?

Lidar com alguns ateus é quase como lidar com crianças: nunca estão satisfeitas e as coisas nunca vão estar “fiéis e justas” enquanto as coisas não estiverem 100% como eles querem.

O problema para eles é que o modelo de sociedade que eles querem impor em Portugal já foi tentado por largas partes da população mundial durante o século vinte. Resultado? Mais de 100 milhões de mortes, pobreza, perseguições, guerras, famílias destruídas, aborto, etc, etc.

Considerando isso, nós dizemos: “Não obrigado”. A nossa sociedade portuguesa não é perfeita mas a alternativa ateísta seria um passo atrás.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Bíblia, Política, Sociedade and tagged , , , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Associação Irrelevante Ataca Estado Português e Bento XVI

  1. Nuno Dias says:

    – a AAP contribui para a cultura da sociedade portuguesa de forma análoga às tuas igrejas, a riqueza de uma cultura está na diversidade de ideias. Como ponto a favor não contribui para fomentar uma mentira;
    – uma vez que a maior parte das pessoas foram convertidas à força ao cristianismo e tendo em conta que várias houve que fizeram o esforço intelectual de rejeitarem uma mentira este acto simbólico serve para tentar estabelecer uma verdade “eu não pertenço a este grupo”;
    – uma qualquer associação pode associar-se a outra por causas em comum. Até a AAP e a tua igreja;
    – “agressão homossexual sobre os meninos católicos”. Perante as falsidades que existiram na teoria da evolução vocês são os primeiros a apontarem o dedo acusador. Então e agora não gostam que imagens que não correspondem à vossa fé ser usada contra vós? Deveria servir para vos abrir um pouco os olhos;
    – Não é irrelevante. Significa que os restantes acreditam em… “não sei o que, mas acredito”. O não conhecimento da Bíblia é a vossa melhor fonte de recrutamento, uma pessoa normal não se revê com o que se encontra lá escrito;
    – “E?” E as pressões que existiam para um casamento religioso estão a desvanecer, o que leva a crer que as pessoas eram obrigadas a se casarem pela igreja;
    – As famílias disfuncionais existem e sempre existiram. A diferença que a igreja impõe é que por mais miserável seja a tua vivência JAMAIS te poderás separar. Quanto às crianças sem dúvida que devem ter uma educação por dois pais. É aqui que entra a educação sexual;
    – Um estado laico à beira da bancarrota não pode gastar dinheiro só porque há quem goste de ver um espectáculo;
    – “respeitar os costumes e as tradições nacionais” Argumento ridículo. As culturas mudam ao ritmo que mudo de canal de televisão;
    – “Mais de 100 milhões de mortes, pobreza, perseguições, guerras, famílias destruídas, aborto, etc, etc.” É fácil fazer acusações. Espero que aprendas alguma coisa nos constantes risos que ocorrem quando um miúdo se aproxima de uma padre.

    Like

  2. Nuno Dias says:

    E já agora, não é assim tão irrelevante, escreveste sobre ela, não foi?

    Like

  3. Mats says:

    Nuno Dias,

    – a AAP contribui para a cultura da sociedade portuguesa de forma análoga às tuas igrejas

    Nem de perto nem de longe.

    a riqueza de uma cultura está na diversidade de ideias.

    Mas nem todas as ideias são socialmente aceitáveis. O ateísmo e as implicações morais que daí advéem, não são benéficos para uma sociedade funcional.

    – uma vez que a maior parte das pessoas foram convertidas à força ao cristianismo

    Por acaso não foram.

    e tendo em conta que várias houve que fizeram o esforço intelectual de rejeitarem uma mentira este acto simbólico serve para tentar estabelecer uma verdade “eu não pertenço a este grupo”;

    Ah, “convertidas à força” significa “baptizadas durante bebés”? Excelente opinião que tu tens das mães católicas, Nuno. Provavelmente tu tens uma (tal como eu) e falas assim delas.

    – uma qualquer associação pode associar-se a outra por causas em comum. Até a AAP e a tua igreja

    Não pode haver comunhão entre Cristo e os inimigos de Cristo.

    – “agressão homossexual sobre os meninos católicos”. Perante as falsidades que existiram na teoria da evolução vocês são os primeiros a apontarem o dedo acusador. Então e agora não gostam que imagens que não correspondem à vossa fé ser usada contra vós? Deveria servir para vos abrir um pouco os olhos

    Se essas imagens não correspondem à nossa fé, então ná há forma de usá-las contra nós.

    – Não é irrelevante. Significa que os restantes acreditam em… “não sei o que, mas acredito”. O não conhecimento da Bíblia é a vossa melhor fonte de recrutamento

    Excepto para aqueles que foram recrutados PRECISAMENTE por conheceram a Bíblia, ou seja, a maioria.

    uma pessoa normal não se revê com o que se encontra lá escrito;

    Depende da tua definição de “pessoal normal”:

    – “E?” E as pressões que existiam para um casamento religioso estão a desvanecer, o que leva a crer que as pessoas eram obrigadas a se casarem pela igreja;

    Talvez. Não vejo como é que isso justifique o queixume dos ateus em torno de Bento XVI.

    – As famílias disfuncionais existem e sempre existiram.

    E elas aumentam à medida que o ateísmo aumenta.

    A diferença que a igreja impõe é que por mais miserável seja a tua vivência JAMAIS te poderás separar.

    O que Deus uniu, não separe o homem. Vocês rejeitam este verso da Bíblia, e eis aí a consequência na sociedade. Casamentos futeis, relações sexuais fugazes (como se as mulheres fossem apenas um pedaço de carne), crianças nascidas fora da protecção do casamento, aumento do comportamento homossexual (e consequente aumento das DST), etc, etc.

    Quanto às crianças sem dúvida que devem ter uma educação por dois pais. É aqui que entra a educação sexual;

    Distruibuição de preservativos não é “educação sexual”, mas ism promover comportamentos destrutivos.

    – Um estado laico à beira da bancarrota não pode gastar dinheiro só porque há quem goste de ver um espectáculo;

    Um “estado laico” não significa atacar a própria cultura como forma de deixar os minoritários ateus contentes. Se não gostam da nossa cultura católica, podem sempre imigrar para países ateus como a Coreia do Norte. 🙂

    – “respeitar os costumes e as tradições nacionais” Argumento ridículo. As culturas mudam ao ritmo que mudo de canal de televisão;

    Mas a mudança nem sempre é para melhor.

    – “Mais de 100 milhões de mortes, pobreza, perseguições, guerras, famílias destruídas, aborto, etc, etc.” É fácil fazer acusações.

    É só ler os livros de História.

    Espero que aprendas alguma coisa nos constantes risos que ocorrem quando um miúdo se aproxima de uma padre.

    Não creio que seja motivo de riso o que os homossexuais andam a fazer aos rapazes dentro das igrejas. É trágico que assim penses.

    E já agora, não é assim tão irrelevante, escreveste sobre ela, não foi?

    O facto de eu escrever contra ou a favor de alguma coisa não demonstra a sua relevância.

    Like

  4. Nuno Dias says:

    “Nem de perto nem de longe.” – http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura
    “Provavelmente tu tens uma” – Os erros na educação não devem ser continuados
    “Não pode haver comunhão entre Cristo e os inimigos de Cristo” – Intolerância religiosa
    “O que Deus uniu, não separe o homem.” – não é difícil encontrar exemplos de vidas desfeitas, casadas.
    “Distruibuição de preservativos” – e tanta mais informação
    “sempre imigrar para países ateus” – não é difícil transpor para emigrantes brasileiros, angolanos, ucranianos. É trágico que assim penses.
    “É só ler os livros de História.” – com a tacanhez de cada um
    “o que os homossexuais andam a fazer” – quem, os padres?
    “É trágico que assim penses.” – http://pt.wikipedia.org/wiki/Sarcasmo
    “eu escrever contra ou a favor ” – pois não, eh eh eh

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s