Telepatia: Dawkins e a necessidade ideológica de se rejeitar evidências incomodativas

Eis aqui uma interacção entre um verdadeiro cientista com o Richard Dawkins.

Cruzado ateu e autor do livro The God Delusion, Richard Dawkins é o Professor de “Entendimento Público da Ciência” em Oxford. No ano de 2007 ele visitou o biólogo Rupert Sheldrake em busca de uma entrevista a incluir no seu programa “Inimigos da Razão:


Richard Dawkins é um homem com uma missão – a erradicação da religião e da superstição e a sua substituição pela ciência e a razão. A Channel 4 TV tem repetidamente providenciado um púlpito através do qual Dawkins pode pregar a sua mensagem. A sua polémica série de TV chamada Inimigos da Razão (2 episódios) foi uma sequela a sua diatribe contra a religião, A Raiz de Todo o Mal? (2006).Pouco antes da série Inimigos da Razão ser filmada, a IWC Media (companhia da produção) disse-me que Richard Dawkins queria visitar-me para discutir a minha pesquisa nas habilidades inexplicáveis de pessoas e animais. Eu estava relutante em tomar parte nisto mas a representante da companhia garantiu-me que “este documentário, após insistência da Channel 4, seria mais balanceado que A Raiz de Todo o Mal“.

Ela acrescentou ainda que “Estamos desejosos que isto seja uma discussão entre dois cientistas acerca de modos científicos de investigação“. Como tal eu concordei e agendei uma data. Eu ainda não sabia ainda o que esperar. Será que Dawkins se comportaria de forma dogmática, com uma firewall mental a bloquear qualquer tipo de evidência que contradissesse as suas crenças? Ou será que ele seria mais mente aberta e divertido com quem se conversar?

O naturalista chega.

Foi-nos pedido que nos sentássemos frente à frente; fomos filmados com uma câmara manual (eng: “hand held”). O Richard começou por dizer que ele e eu concordaríamos em muitas coisas, “mas o que me preocupa em si é que você está preparado para acreditar em praticamente tudo. A ciência deveria ser baseada num número mínimo de crenças.

Eu concordei que nós tínhamos de facto muito em comum, “mas o que me preocupa em si é que você dá uma imagem dogmática de si, dando uma má impressão do que a ciência é.

Seguidamente, e num espírito romântico, ele afirmou que gostaria de acreditar em telepatia, mas não havia evidência alguma para isso. Ele ignorou todas as pesquisas em torno da questão. Ele comparou a falta de aceitação da telepatia por parte de cientistas como ele com a forma como o sistema de eco-locação foi descoberto nos morcegos, seguida da sua rápida aceitação pela comunidade científica durante os anos 40 do século 20.

De facto, como mais tarde descobri, Lazzaro Spallanzani tinha mostrado no ano de 1793 que os morcegos dependem da audição para encontrarem o seu caminho, mas os oponentes cépticos ignoraram as suas experiências e ajudaram a atrasar as pesquisas em mais de um século.

No entanto o Richard reconheceu que a telepatia era uma mudança mais radical que a eco-locação. Ele disse que se realmente ela ocorresse, isso haveria de “transtornar as leis da Física” e acrescentou que “alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias.

Isso depende do que você considera como extraordinário” respondi. “A maioria das pessoas afirma que elas já experimentaram a telepatia especialmente no que toca a chamadas telefónicas. Neste sentido, a telepatia é bem ordinária. A alegação de que a maioria das pessoas estão iludidas em relação às suas próprias experiências é extraordinária. Onde está a evidência extraordinária para isto?”.

Ele não ofereceu nenhuma evidência para isto à parte de argumentos genéricos acerca da falibilidade do julgamento humano. Ele assumiu que as pessoas querem acreditar no “paranormal” devido a pensamento desejoso.

Nós concordamos então que mais experiências controladas eram necessárias. Eu disse então que era por isso que eu vinha a fazer tais experiências, incluindo testes de modo a verificar se as pessoas poderiam saber quem é que as estava a ligar através do telefone quando a pessoa que estava a ligar era escolhida aleatoriamente. Os resultados eram bem superiores o que seria de esperar ao nível do acaso.

Durante a semana anterior, e de modo a que ele pudesse ver os dados, eu tinha envidado ao Richard cópias dos meus artigos publicados em jornais sujeitos a revisão de pares. O Richard pareceu um bocado incomodado e disse “Eu não quero discutir as evidências“. Eu perguntei “Porque não?“. “Não há tempo. É demasiado complicado. Além disso, não é para isso que este programa está a ser feito.

A câmara parou.

O director, Russel Barnes, afirmou que ele também não estava interessado nas evidências. O filme que ele estava a fazer era só mais uma polémica ao estilo de Dawkins. Eu disse ao Russell “Se você vai tratar a telepatia como uma crença irracional certamente que as evidências acerca da sua existência são essências para a discussão. Se a telepatia ocorre, então não é irracional acreditar nela. Pensei que era sobre isso que haveríamos de falar. Eu fui bem claro desde o princípio que não estava interessado em tomar parte em mais um exercício de falsificação de baixo nível.

O Richard disse “Isto não é um exercício de falsificação de baixo nível, mas sim um exercício de falsificação de alto nível.” Nesse caso, disse eu, tinha havido um mal entendimento porque eu tinha sido levado a acreditar que isto seria uma discussão científica equilibrada acerca das evidências. O Russell Barnes pediu para ver os emails que eu tinha recebido da sua assistente. Ele leu-os com óbvia consternação e disse que as certezas que ela me tinha dado estavam erradas. A equipa de filmagem empacotou o seu equipamento e saiu.

Richard Dawkins há muito que proclamou que “O paranormal é uma fraude. Todos aqueles que tentam vende-lo são uns falsos e uns charlatães“. A série Inimigos da Razão tinha como propósito popularizar esta crença. Mas será que esta sua cruzada promove realmente um “entendimento público da ciência”, posição que ele é professor em Oxford?

Deveria a ciência ser uma veículo de preconceito, uma variante dum sistema de crenças fundamentalista? Ou deveria ser um método de investigação para dentro do desconhecido?


Depois de ler estas linhas ficamos a ver que os ateus não estão interessados nas evidências. Para eles o que importa é a distorção da ciência como forma de ela sempre apontar para o ateísmo. O Rupert Sheldrake é um cientista que ficou interessado na pesquisa da telepatia, e como um verdadeiro cientista, ele gerou hipóteses, fez testes e chegou a algumas conclusões. A maior dessas conclusões é que a telepatia é um fenómeno universal e bem mais frequente do que muitos de nós pensa.

Os ateus, claro está, não podem aceitar isto porque para eles nenhuma informação pode chegar a outro ser humano (ou animal) senão através do mundo físico (natural, material, etc). Como é difícil de ignorar as evidências a favor da telepatia, os ateus como o Dawkins evitam discutir as evidências e focam-se em ridicularizá-las. É mais fácil assim.

Perguntem-se a vocês mesmos: desde quando é que um cientista diz “não estou interessado nas evidências!” ? Não são as evidências o cerne de um bom processo científico? Porque será que o ateu Richard Dawkins não quer ver as evidências? Será porque ele sabe que isso seria destrutivo para o seu naturalismo?

Com eventos como este pode-se ver como o ateísmo é contra a ciência. Se não fosse o ateísmo de Dawkins, ele não teria problemas em investigar a telepatia, mas como ele sabe onde isso acaba, ele rejeita qualquer empreendimento cientifico em torno disso.

O ateísmo impede o avanço da ciência.

Para nos cristãos a habilidade humana e animal de poder emitir informação para além dos meios chamados naturais não é nada de estranhar. O Nosso Deus também comunica com o ser humano da mesma forma, portanto não é de estranhar que Ele tenha dado ao ser humano (e a alguns animais) alguma dessa capacidade.

Ao contrário do ateísmo, o Cristianismo está de acordo as evidências científicas.

“HAVENDO Deus antigamente falado muitas vezes e de muitas maneiras aos pais, pelos profetas, a nós, falou-nos, nestes últimos dias, pelO Filho

Hebreus 1:1

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Religião, Sociedade and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

6 Responses to Telepatia: Dawkins e a necessidade ideológica de se rejeitar evidências incomodativas

  1. Wallace says:

    Pelo menos ele foi honesto…. e, ué, os principais neo-ateus que vistam aqui (Nuno Dia/ Fabenrik / João Melo e outros) vão fingir que não viram… porque se preocupar?

    De qualquer maneira, não faz sentido acreditar que isso seja regra. Ou talvez.. considerando o senso crítico dos neo-ateus, que já me foi demonstrado em várias ocasiões como quase zero….

    Like

  2. Mats says:

    Sim, pelo menos o Dawkins mostrou a verdadeira faceta do ateísmo. Não creio que os outros ateus que aqui comentam queiram estar do lado do Dawkins neste ponto. Aliás, está a ficar cada vez mais difícil alguém ficar do lado do Dawkins, mesmo para os ateus.

    Like

  3. ND says:

    parece-me de todo lógico que perante um programa de trabalhos, desviar desses objectivos para dar atenção ao que se supõe ser uma superstição incomode os produtores. Não será muito difícil fazerem comparações com os vossos empregos.

    Até que se prove contrário a telepatia é uma mentira, uma superstição. Os trabalhos que esse sr tem poderão ser enviados a revistas da especialidade para análise e terem uma conclusão.
    Aos anos que se tem vindo a falar sobre telepatia, seria de esperar que alguma coisa em concreto houvesse.

    Like

  4. Mats says:

    Nuno,

    Até que se prove contrário a telepatia é uma mentira, uma superstição. Os trabalhos que esse sr tem poderão ser enviados a revistas da especialidade para análise e terem uma conclusão.

    Mas essa ditas revistas, controladas por naturalistas, recusam-se a avaliar as evidências. Essas revistas ditas “científicas” rejeitam os trabalhos antes de ver as pesquisas. É assim que a “ciência” [ateísta] funciona hoje em dia.

    Aos anos que se tem vindo a falar sobre telepatia, seria de esperar que alguma coisa em concreto houvesse.

    E há.

    Like

  5. ND says:

    isso está no mesmo domínio que a astrologia. Também existem evidências em como alguns aquarianos na próxima semana irão ter problemas de saúde.
    Existem estatísticas? Um qualquer tipo de matemática? Não me parece.

    Like

  6. Mats says:

    Nuno,
    Existem dados e evidências que mostram que a telepatia é um fenómeno real e bem difundido pela população geral. O que se passa é que como isso contradiz o ateísmo, os ateus que controlam os jornais “científicos” nem sequer se dignam a ler as pesquisas.

    Isto mostra que esses jornais não estão a trabalhar para a ciência mas para o naturalismo..

    Um verdadeiro cientista nunca rejeita dados e evidências só porque contradizem as suas crenças.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s