Crocodilos usam correntes oceânicas para fazer viagens

A toda poderosa e omnisciente selecção natural voltou a fazer das suas.

Os crocodilos de água salgada viajam centenas de quilómetros e atravessam largas áreas de oceano aberto aproveitando as correntes oceânicas, descobriram cientistas da universidade de Queensland, na Austrália.

Estes répteis, que chegam a atingir os cinco metro de comprimento, não são conhecidos pelos seus dotes como nadadores. Por isso, os cientistas estranharam o facto de se terem conseguido espalhar por todo o Sudeste Asiático: da Índia à China e Austrália.

Analisando dados colhidos por satélite, depois de colocarem aparelhos em 27 animais, os investigadores descobriram que os crocodilos exploram as correntes à superfície e usam-nas para viajar longas distâncias. Um crocodilo de 3,6 metros, por exemplo, viajou 589 quilómetros em 25 dias.

Os investigadores descobriram ainda que os crocodilos esperavam até as correntes mudarem de direcção e que começavam sempre as viagens delonga duração uma hora depois da maré mudar.

Nenhuma menção foi feita à teoria ateísta que se dá pelo nome de “teoria” da evolução, nem foram mencionadas evidências que suportem a tese de uma progressão gradual no processo de aprendizagem dos crocodilos.

Antes de saberem como usar as correntes, como é que os crocodilos faziam as suas longas viagens? Se os evolucionistas disserem que antes de terem essa capacidade, eles não faziam essas viagens, então porque é que começaram a fazê-las uma vez que viviam bem sem as fazer?

A teoria da evolução não está de acordo com as observações científicas e isso fica cada vez mais óbvio à medida que o nosso conhecimento avança. Deve ser por isso que os ateus tentam a todo o custo censurar as críticas científicas que são feitas ao seu mito religioso.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , . Bookmark the permalink.

16 Responses to Crocodilos usam correntes oceânicas para fazer viagens

  1. Jaime says:

    Um evolucionista diria algo como isto.

    1. Antes os crocodilos viviam bem sem fazerem migrações.
    2. Depois houve uma alteração no meio ambiente que fez com que os crocodilos já não vivessem bem.
    3. Teve lugar uma mutação genética que alterou o comportamento de alguns crocodilos, introduzindo-lhes o instinto de migrar.
    4. Verificou-se que migrar aumentava a probabilidade de sobrevivência dos crocodilos.
    5. Logo os crocodilos que migravam sobreviviam mais e deixavam mais descendência, e essa descendência herdava a mutação genética. Os que não migravam deixavam menos descendência.
    6. Assim, a cada geração havia mais crocodilos com a mutação e menos crocodilos sem a mutação.
    7. O processo repetiu-se ao longo de várias gerações até todos os crocodilos terem a mutação genética que os leva a migrar.
    7. Assim a população de crocodilos evolui de não-migradora para migradora.

    Seria mais ou menos assim que um evolucionista explicava a aquisição do instinto de migrar.

    Like

  2. Mats says:

    Jaime,

    Um evolucionista diria algo como isto.
    1. Antes os crocodilos viviam bem sem fazerem migrações.
    2. Depois houve uma alteração no meio ambiente que fez com que os crocodilos já não vivessem bem.

    Evidências onde estão? Nós podemos sempre dizer “aconteceu alguma coisa” mas sem evidências fica mais difícil de sustentar essa tese. Era bom dizer o que aconteceu, onde e mostrar como é que isso afectou os crocodilos.

    3. Teve lugar uma mutação genética que alterou o comportamento de alguns crocodilos, introduzindo-lhes o instinto de migrar.

    Qual mutação genética, e quais crocodilos?

    4. Verificou-se que migrar aumentava a probabilidade de sobrevivência dos crocodilos.

    Para todos ou só para alguns?

    5. Logo os crocodilos que migravam sobreviviam mais e deixavam mais descendência, e essa descendência herdava a mutação genética. Os que não migravam deixavam menos descendência.

    Por inferência, então os crocodilos que não migram deveriam ser “de alguma forma” inferiores aos que migram, certo? De que forma, já agora?

    6. Assim, a cada geração havia mais crocodilos com a mutação e menos crocodilos sem a mutação.

    Qual é a percentagem dos crocodilos sem essa modificação que teriam que morrer para que os que possuem a mutação se tornassem dominantes?

    7. O processo repetiu-se ao longo de várias gerações até todos os crocodilos terem a mutação genética que os leva a migrar.

    7. Assim a população de crocodilos evolui de não-migradora para migradora.

    Bonita história. Agora vem a pior parte: a ciência. Onde estão as evidências?

    Like

  3. pedro says:

    Vc deveria estudar bem ciencia antes de sair falando asneira – ou vc nao entende evolucao ou nega ela por agenda religiosa.

    Like

  4. Jaime says:

    Mats,

    Eu não sei essas respostas, tens de fazer essas perguntas a um biólogo. Podes encontrar os contactos de um dos autores do estudo aqui: http://www.uq.edu.au/eco-lab/dr-hamish-campbell. Depois conta-nos o resultado.

    Like

  5. Mats says:

    Pedro,

    Vc deveria estudar bem ciencia antes de sair falando asneira

    Qual foi a “asneira” que eu falei?

    ou vc nao entende evolucao ou nega ela por agenda religiosa.

    Primeiro dizes que eu deveria “estudar bem a ciência”, mas agora falas da teoria da evolução. Estou confuso.

    Segundo, como é que sabes que eu não “entendo” a evolução?

    Terceiro, há outras razões para se negar a teoria da evolução, tal como ela é mantida por pessoas como o Dawkins. Aliás, existem ateus que criticam certos aspectos (cardinais) da teoria da evolução. Será a sua motivação baseada na “religião”?

    Like

  6. Mats says:

    Jaime,

    Eu não sei essas respostas, tens de fazer essas perguntas a um biólogo.

    Ok.
    Mas esse biólogo tem que ser evolucionista ou pode ser um crítico da mesma?

    Like

  7. Jaime says:

    Mats,

    Acho que tanto faz. A resposta deve ser baseada em factos.

    Like

  8. Explicação CTJ

    Deus fez os crocodilos herbívoros e para isso deu-lhes aqueles dentes todos e um sistema digestivo adaptado a comer carne. Adão peca e eles desatam a comer carne. Deus criou-os para seguirem as correntes de depois do dilúvio porque o eco-sistema anterior ao dilúvio acabou com o dilúvio. Deus fez o milagre deles passarem de herbívoros a carnívoros assim depressa.

    Ou em resumo: os crocodilos migram usando as correntes porque foi milagre.

    Parece-me mais lógico.

    Like

  9. Mats says:

    João,
    Espero que não sejas daqueles ateus que ainda acreditam que a dentição é forma absoluta e conclusiva para se saber a dieta de um organismo.

    PS: Tens alguma explicação evolucionista para o facto dos crocodilos saberem navegar?

    Like

  10. Jaime says:

    E os crocodilos são capazes de morder com uma força de 350 kg/cm^2 porque eram herbívoros. É que na altura do Génesis as plantas tinham folhas muito duras…

    Like

  11. Jefferson says:

    A melhor resposta foi a do João Melo. Milagres sempre são as melhores respostas, não precisam de evidências nem de comprovação científica, basta crer. Na verdade ele até complicou demais. Bastaria dizer: foi Deus quem quis e pronto!

    Like

  12. Mats:

    Já que agora como é que os CTJ explicam estes comportamentos?

    Um plano inicial de lhes dar a capacidade de virem a ser predadores bem adaptados? acaso ?

    Em quanto tempo se deu a adaptação após a queda? Uma super-evolução rápida ?

    Ou sempre foi desígnio que o tubarão fosse carnívoro e só esteve a comer plâncton há espera da queda de Adão?

    As baleias antes da queda filtravam o plâncton e só comiam as plantas e regurgitavam os animais intactos?

    É que é necessária uma dose grande de imaginação para imaginar coisas assim. E há alguma pista de como foi ?

    Ou voltamos ao mesmo:

    – Nem vale a pena tentar perceber porque estes processos todos, arco-íris incluindo, são processos sobre-naturais e tentar entende-los doutra forma é preconceito com processos sobre-naturais.

    Penso que um Iman no Irão não iria discordar…….

    Like

  13. affs says:

    eu nao volto pra ler nada aqui. este blog parece a reversal russa: teístas clamando que design inteligente é ciência, q evolução nao tem evidencias e q ateismo é religião.

    tinha q ser portugues.

    Like

  14. Mats says:

    Jefferson,

    A melhor resposta foi a do João Melo. Milagres sempre são as melhores respostas, não precisam de evidências nem de comprovação científica, basta crer.

    Por acaso não é isso que é um milagre.

    Na verdade ele até complicou demais. Bastaria dizer: foi Deus quem quis e pronto!

    O facto de se dizer foi Deus que criou o crocodilo não invalida que haja fenómenos naturais por trás de muito do seu comportamento. O problema que a ciência coloca para os ateus é que existem limites para o poder das forças naturais. Não há força natural que seja capaz de ensinar répteis a usar as correntes marítimas. Isso é informação pré-programada nos seus cérebros, e como a informação tem sempre um causa inteligente, então este dado científico é melhor explicado pela Bíblia do que pelo ateísmo.

    João Melo,

    Já que agora como é que os CTJ explicam estes comportamentos?
    Um plano inicial de lhes dar a capacidade de virem a ser predadores bem adaptados? acaso ?

    Um plano inicial perfeito que continha já a informação para se adaptarem a algumas mudanças climáticas. Usar as correntes marinhas para nadar não é algo que possa ser explicado pelo ateísmo.

    Em quanto tempo se deu a adaptação após a queda?

    A Bíblia não diz, e nem é relevante.

    Uma super-evolução rápida ?

    Não há nenhuma “super-evolução” uma vez que nunca houve nenhuma evolução.

    Ou sempre foi desígnio que o tubarão fosse carnívoro e só esteve a comer plâncton há espera da queda de Adão?

    Melhor, Deus, sabendo que o ser humano haveria de pecar, criou os sistemas biológicos com a capacidade de se adaptarem às várias dietas e aos vários meios ambientes. Esta é a hipótese que melhor se adapta à ciência.

    As baleias antes da queda filtravam o plâncton e só comiam as plantas e regurgitavam os animais intactos?

    Quais animais?

    É que é necessária uma dose grande de imaginação para imaginar coisas assim. E há alguma pista de como foi ?

    É necessária uma grande dose de imaginação para imaginar que a baleia, o plâncton, o tubarão e Adão tenham sido o resultado de forças aleatórias mas isso pelos vistos não te impede de acreditar nisso. Ou será que a tua dose de imaginação é melhor que a minha “dose de imaginação”?

    – Nem vale a pena tentar perceber porque estes processos todos, arco-íris incluindo, são processos sobre-naturais e tentar entende-los doutra forma é preconceito com processos sobre-naturais.

    Falso dilema. O facto de um processo ter uma ORIGEM sobrenatural não invalidado que tenha um FUNCIONAMENTO natural.

    Os teus falsos dilemas já foram refutados há séculos, mas continuas a repetir os mesmos erros semana após semana.

    Like

  15. Mats says:

    affs,

    eu nao volto pra ler nada aqui. este blog parece a reversal russa: teístas clamando que design inteligente é ciência, q evolução nao tem evidencias e q ateismo é religião.

    Antes de começar a responder ao teu comentário-despedida, apercebi-me que se calhar nem vais ver a minha resposta, mas aqui fica ela na mesma.
    Em relação ao que dizes:
    1. Sim, Design Inteligente é ciência
    2. A teoria da evolução não tem evidências que a confirmem
    3. O ateísmo é religião.

    tinha q ser portugues.

    Supostamente isso é um insulto, mas não vejo como.

    Like

  16. ND says:

    Antes de começar a responder ao teu comentário-despedida, apercebi-me que se calhar nem vais ver a minha resposta, mas aqui fica ela na mesma.
    ele leu, ele leu, está aí mortinho para comentar MAS AGORA NÃO PODE!!! 😀

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s