Holanda: Marroquino médio é preso 4,1 vezes

Será que a islamofobia nunca terá um fim?

Original

AMSTERDAM, 26/06/10 – Mais da metade dos jovens marroquinos na Holanda cometeram um ou mais crimes antes de atingir a idade de 22 anos. O homem jovem médio marroquino foi preso 4,1 vezes, de acordo com um estudo realizado por criminologistas e pesquisadores de migração para o Jornal de Criminologia.

Para o estudo, todo mundo que nasceu na Holanda em um determinado ano (1984) foi monitorado até que ele ou ela alcançasse os 22 anos. Os números mostram que 14 por cento deste grupo entraram em contato com a polícia por um crime pelo menos uma vez. Entre os homens holandeses, o valor é de 20 por cento, e entre os homens marroquinos, 54 por cento.

A média é puxada para baixo pelas garotas, que são menos ativas criminalmente que os garotos. Entre as meninas nascidas em 1984, 5,4 por cento vieram em contato com a polícia como criminosa em uma ou mais ocasiões.

Rapazes marroquinos entraram em contato com a polícia sob suspeita de um crime 4,1 vezes em média. Eles também foram, em média, os mais jovens quando foram registrados como autores pela primeira vez (17,6 anos).

Garotas marroquinas (16,6 por cento) também têm sido suspeitas com mais freqüência do que as garotas holandesas (4,5 por cento). Como as garotas do Suriname e Antilhas, elas também cometem cerca de três vezes mais crimes violentos.

Na introdução ao artigo, os editores do jornal escrevem que eles não querem que os dados criem a imagem de marroquinos como um grupo formando um problema. “As relações entre crime e migração requerem atenção minuciosa na pesquisa, mas a discussão crítica continua a ser necessária para impedir que a investigação involuntariamente contribua para a exclusão de grupos inteiros de imigrantes, a maioria dos quais não tem nada a ver com o crime“.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Religião, Sociedade and tagged , , . Bookmark the permalink.

24 Responses to Holanda: Marroquino médio é preso 4,1 vezes

  1. Se calhar se a comparação for por nível de rendimentos do agregado familiar a coisa fique mais clara.

    Não é grande novidade dizer que os pobres e marginalizados tem mais problemas com a justiça que os ricos e integrados.

    Os afro-americanos nos EUA são muito mais criminosos que os caucasianos. Os hispânicos estão no meio.

    E o número de milionários que andam na rua a roubar carteiras é mínimo.

    São o costume das tuas conclusões enviesadas, xenófobas e homofóbicas.

    Daqui a pouco estás a defender a pureza da raça ariana.

    Eu sei que a tua ética é bem melhor que a minha. A tua pretende agradar a um Deus que nunca ninguém viu e é absoluta. Tão absoluta como são as diversas interpretações contraditórias que se fazem dela.

    A minha, e felizmente da maioria dos países mais desenvolvidos, tem como objectivo ultimo o bem estar da pessoa humana. Sem se preocupar muito se o uso de roupa de duas matérias têxteis provoca, ou não azia, a uma divindade.

    Na minha falível ética parece que xingar pessoas pela sua cor da pele, religião, orientação sexual ou nacionalidade é errado.

    Continua a xingar a evolução, a paleontologia, a história, a física, a química e toda a ciência em geral.

    Não é uma pessoa em concreto e desde que não digas que falsificaram os dados ninguém se chateia.

    Agora já vise que aborrecido que é para as minorias estares aqui sempre a acusá-los de criminosos, pedófilos, feios porcos e maus ?

    Vá lá!

    Cai em cima do Prof José Hermano Saraiva no que escreve sobre a pré-história da Ibéria. Que não que ele está errado que isto começou tudo há seis mil anos…e tal e coisa. Não insultas ninguém nem a academia de história se irá sentir melindrada com o caso.

    Deixa lá é as minorias. É de péssimo gosto !

    Like

  2. Jaime says:

    Mats, queres sugerir
    – que os marroquinos são mais criminosos, ou
    – que a polícia prefere acusar minorias?

    Tu que gostas tanto de citar a bíblia, talvez te recordes desta passagem: «amarás o teu próximo como a ti mesmo» (Lv 19, 18). 🙂

    Like

  3. Mats says:

    João Melo,

    Se calhar se a comparação for por nível de rendimentos do agregado familiar a coisa fique mais clara.

    O que é que isso vai mostrar? Que os pobres são mais violentos?

    Não é grande novidade dizer que os pobres e marginalizados tem mais problemas com a justiça que os ricos e integrados.

    Se calhar o importante é saber o porquê de eles (e não outras minorias) estarem pobres e marginalizados.

    Os afro-americanos nos EUA são muito mais criminosos que os caucasianos. Os hispânicos estão no meio.

    E porquê é que isso acontece? Não deve ser por causa da cor da pele, uma vez que a cor da pela não influência as tuas escolhas morais.

    E o número de milionários que andam na rua a roubar carteiras é mínimo.

    E o número de indianos pobres que andam a roubar, portanto pobreza ou riqueza não justifica propensão ao crime.

    São o costume das tuas conclusões enviesadas, xenófobas e homofóbicas.

    Não há nada de xenófobo em dizer que os marroquinos são mais propensos ao crime que os indianos (que também existem em grande numero na Holanda), que os judeus, que os chineses ou que outras minorias.

    Daqui a pouco estás a defender a pureza da raça ariana.

    Isso é um conceito evolutivo/eugénico. Eu não sou nem uma nem outra.

    Eu sei que a tua ética é bem melhor que a minha. A tua pretende agradar a um Deus que nunca ninguém viu e é absoluta.

    Tu não sabes se ninguém viu Deus ou não. tu acreditas nisso.

    Tão absoluta como são as diversas interpretações contraditórias que se fazem dela.

    A natureza Absoluta de Deus não é refutada pelos erros humanos, obviamente.

    A minha, e felizmente da maioria dos países mais desenvolvidos, tem como objectivo ultimo o bem estar da pessoa humana.

    Menos o do bebé em período de gestação.
    Na minha falível ética parece que xingar pessoas pela sua cor da pele, religião, orientação sexual ou nacionalidade é errado.

    Continua a xingar a evolução, a paleontologia, a história, a física, a química e toda a ciência em geral.

    Criticar a evolução não é o mesmo que criticar a Paleontologia, a História, a Física ou a Química.

    Deixa lá é as minorias. É de péssimo gosto !

    Isso é o teu pensamento socialista que te faz elevar os comportamentos das minorias a comportamentos fora de crítica. Todos os comportamentos de TODAS as pessoas da sociedade estão sujeitos a crítica, por menos numerosas que elas sejam. A cor da pele não interessa; o que interessa são as acções e as crenças.

    Like

  4. Mats says:

    Jaime,

    Mats, queres sugerir
    – que os marroquinos são mais criminosos, ou
    – que a polícia prefere acusar minorias?

    Quero sugerir que algo de errado se passa com a cultura islâmica e marroquina uma vez que essa cultura aparenta ser fértil em gerar homens com comportamentos violento.

    Tu que gostas tanto de citar a bíblia, talvez te recordes desta passagem: «amarás o teu próximo como a ti mesmo» (Lv 19, 18).

    Dizer a verdade ao próximo é uma forma de amar.

    Like

  5. Jaime says:

    Dizer a verdade ao próximo é uma forma de amar.

    Ya, right…

    Like

  6. Mats says:

    Claro que é. Se os estudos mostram que um certo grupo ideológico é mais propenso a um certo tipo de comportamento, então é de se louvar que isso se fale e analise.

    Like

  7. Jaime says:

    Se os estudos mostram que […] então é de se louvar que isso se fale e analise.

    Os estudos também mostram que crianças criadas por casais lésbicos têm
    – igual desenvolvimento social
    – mais auto-estima e confiança
    – melhor aproveitamento académico
    – menos problemas de mau comportamento
    do que crianças criadas por casais heterossexuais. [1,2] Mas não te vejo citar esses estudos…

    [1] http://www.time.com/time/health/article/0,8599,1994480,00.html
    [2] Nanette Gartrell e Henry Bos. “US National Longitudinal Lesbian Family Study: Psychological Adjustment of 17-Year-Old Adolescents”. Pediatrics, 2010. http://pediatrics.aappublications.org/cgi/reprint/peds.2009-3153v1

    Like

  8. Mats says:

    Jaime,

    Se os estudos mostram que […] então é de se louvar que isso se fale e analise.

    Os estudos também mostram que crianças criadas por casais lésbicos têm
    – igual desenvolvimento social
    – mais auto-estima e confiança
    – melhor aproveitamento académico
    – menos problemas de mau comportamento
    do que crianças criadas por casais heterossexuais. [1,2] Mas não te vejo citar esses estudos…

    Se eu encontrar estudos que mostram exactamente o contrário das alegações desse artigo, o que é que vais acreditar?

    Like

  9. Jaime says:

    Se eu encontrar estudos que mostram exactamente o contrário das alegações desse artigo, o que é que vais acreditar?

    No mesmo em que tu vais acreditar se eu encontrar estudos que mostram que os marroquinos são menos presos do que os holandeses. 🙂

    Like

  10. Mats says:

    Jaime,
    Então mostra lá esses estudos, e eu mostro os estudos que mostram que uma criança sem pai tem mais problemas sociais do que as que tem um pai e uma mãe.
    Pode ser?

    Like

  11. Jaime says:

    Então mostra lá esses estudos [a dizer que os marroquinos são menos presos].

    Não tenho. Nunca disse que os tinha. Nunca disse que os marroquinos são menos presos. O que eu disse foi: «se eu encontrar estudos…»

    Porque é que me pedes estudos que eu nunca disse ter, a apoiar uma asserção que eu nunca disse ser verdadeira? Que conversa de surdos…

    Like

  12. Mats says:

    Jaime,
    Muito bem. Se existissem tais estudos, eu seria levado a acreditar que há algo de errado com a cultura holandesa.

    Uma vez que isso acontece com a cultura marroquina, não é lógico tu assumires que há algo na sua ideologia (e não etnia) que os faz agir de uma forma tão criminosa?

    Like

  13. Jaime says:

    Uma vez que isso acontece com a cultura marroquina, não é lógico tu assumires que há algo na sua ideologia (e não etnia) que os faz agir de uma forma tão criminosa?

    Não. Há pelos menos três explicações possíveis:
    1. a ideologia dos marroquinos;
    2. a classe social pobre dos marroquinos;
    3. racial profiling por parte da polícia.
    Não vejo razão para se preferir uma explicação e não as outras. Simplesmente não temos dados suficientes para concluir nada.

    Like

  14. Mats says:

    Não. Há pelos menos três explicações possíveis:
    1. a ideologia dos marroquinos;

    É a que mais explica os dados.

    2. a classe social pobre dos marroquinos;

    Ser pobre não significa ser-se violento.

    3. racial profiling por parte da polícia.

    Não há evidência para racial profiling.

    Não vejo razão para se preferir uma explicação e não as outras.

    Mas o facto de tu não veres não serve de evidência contra o óbvio: a ideologia mantida pelos marroquinos é a causa.

    Simplesmente não temos dados suficientes para concluir nada.

    Por acaso temos dados suficientes não só para a Holanda, mas para outras cidades europeias onde pessoas com a mesma ideologia comportam-se com a mesma violência.

    Like

  15. Jaime says:

    É a que mais explica os dados.

    Isso é o que tu achas.

    Ser pobre não significa ser-se violento.

    Ninguém disse “pobre = violento”. O que se propôs é haver correlação entre a pobreza e a criminalidade. [1]

    Não há evidência para racial profiling.

    Não há provas de que haja nem de que não haja. O texto simplesmente não aborda o assunto.

    Mas o facto de tu não veres não serve de evidência contra o óbvio: a ideologia mantida pelos marroquinos é a causa.

    “Óbvio” para ti.

    Por acaso temos dados suficientes não só para a Holanda, mas para outras cidades europeias onde pessoas com a mesma ideologia comportam-se com a mesma violência.

    Voltamos à estaca zero: daí não se infere que a ideologia seja a causa da violência. Também há estudos a mostrar que o regresso das andorinhas coincide com a primavera, mas daí não se conclui que as andorinhas tragam a primavera…

    [1] Morgan Kelly. Inequality and Crime. The Review of Economics and Statistics, vol. 82, n. 4, pp. 530-539, 2000. http://www.mitpressjournals.org/doi/abs/10.1162/003465300559028

    Like

  16. Mats says:

    É a que mais explica os dados.

    Isso é o que tu achas.

    Tens alguma explicação que melhor se acomode com os dados?

    Ser pobre não significa ser-se violento.

    Ninguém disse “pobre = violento”. O que se propôs é haver correlação entre a pobreza e a criminalidade. [1]

    Mas não há evidências que justifiquem a crença de que a violência feita pelos seguidores da ideologia muçulmana se deve à pobreza. Tens algum evidência?

    Não há evidência para racial profiling.

    Não há provas de que haja nem de que não haja. O texto simplesmente não aborda o assunto.

    Então enquanto não houver evidências, essa alternativa fica fora de cogitação.

    Mas o facto de tu não veres não serve de evidência contra o óbvio: a ideologia mantida pelos marroquinos é a causa.

    “Óbvio” para ti.

    E para todos aqueles que analisarem as evidências.

    Por acaso temos dados suficientes não só para a Holanda, mas para outras cidades europeias onde pessoas com a mesma ideologia comportam-se com a mesma violência.

    Voltamos à estaca zero: daí não se infere que a ideologia seja a causa da violência.

    Portanto, é coincidência que pessoas adeptas da mesma ideologia sejam mais propensas a comportamento criminoso na europa? Os próprios muçulmanos afirmam vezes e vezes sem conta o seu desdém pelas leis e costumes europeus (mas não pela comodidade europeia), portanto, como há evidências, a hipótese que aponta a ideologia como causa da criminalidade é a que melhor se ajusta aos factos.

    Também há estudos a mostrar que o regresso das andorinhas coincide com a primavera, mas daí não se conclui que as andorinhas tragam a primavera…

    Mas o regressar a um altura do ano não é uma ideologia.

    Like

  17. Jaime says:

    Tens alguma explicação que melhor se acomode com os dados?

    Pessoalmente, a explicação da classe social pobre parece-me mais convincente.

    Mas não há evidências que justifiquem a crença de que a violência feita pelos seguidores da ideologia muçulmana se deve à pobreza. Tens algum evidência?

    Eu não tenho nenhuma prova de que é. E tu tens alguma de que não é? Isto é uma conversa de treta, ninguém tem provas de nada…

    Portanto, é coincidência que pessoas adeptas da mesma ideologia sejam mais propensas a comportamento criminoso na europa?

    Primeiro, não sei se isso é verdade; tu tens um texto a relacionar marroquinos com prisões, não a relacionar islamitas com violência. Segundo, mesmo a ser verdade, só estabelece correlação, não estabelece relação de causa-efeito.

    Os próprios muçulmanos afirmam vezes e vezes sem conta o seu desdém pelas leis e costumes europeus […]

    E tu afirmas muitas vezes o teu desdém pelas leis e costumes islâmicos… Essa é boa, acusas os outros de fazerem exactamente o que tu fazes!

    Like

  18. Mats :

    Se eu te disser que a comunidade chinesa em Portugal e Espanha tem um indice de criminalidade muito inferior à média portuguesa, que a comunidade Romi e Cigana tem uma criminalidade muito superior à portuguesa podemos concluir que :

    Os chineses são menos criminosos que os portugueses por não existirem cristãos na comunidade chinesa e os Romis e Ciganos são mais criminosos que os portugueses por serem mais religiosos, em média, que os portugueses.

    Xissa penico. É uma conclusão tão disparatada como a do Islão e criminalidade.

    A análise de dados estatísticos e a sua aplicação às ciências sociais não são a mesma coisa da teologia. Tem regras, ciência, exigem conhecimentos e tem de ser lógicos. É por isso que são difíceis de fazer.

    Fazer criacionismo da terra jovem é fácil. Ciência é mais complicado 🙂

    E, quando não se sabe do que se está a falar, correndo o risco de difamar minorias é melhor estar calado.

    Atira-te ao Hawking, diz que é falsa a idade do universo que ele aponta, e que é tudo uma conjura de biólogos.

    Não vais apresentar é dados porque isso já é do domínio da ciência e não é só repetir frases feitas. Dá trabalho. E muito. E ainda por cima matemática.

    E o Hawking que até ocupa a cátedra do Newton nem se vai chatear ou ficar ofendido.

    Like

  19. Mats says:

    Tens alguma explicação que melhor se acomode com os dados?

    Pessoalmente, a explicação da classe social pobre parece-me mais convincente.

    Mas sem evidências.

    Mas não há evidências que justifiquem a crença de que a violência feita pelos seguidores da ideologia muçulmana se deve à pobreza. Tens algum evidência?

    Eu não tenho nenhuma prova de que é. E tu tens alguma de que não é?

    Tenho. Queres ver artigos que mostram que a violência feita pelos muçulmanos é por motivos ideológicos e não soció-económicos?

    Portanto, é coincidência que pessoas adeptas da mesma ideologia sejam mais propensas a comportamento criminoso na europa?

    Primeiro, não sei se isso é verdade;

    Não sabes ou não aceitas? Nas prisões francesas os muçulmanos estão desproporcionalmente representados. Malmoe, a 3ª maior cidade da Suécia, está praticamente ingovernável. Em Oslo há mais violações do que em Nova York. Achas que isto se deve a quê? Pobreza?

    tu tens um texto a relacionar marroquinos com prisões, não a relacionar islamitas com violência. Segundo, mesmo a ser verdade, só estabelece correlação, não estabelece relação de causa-efeito.

    Já passamos essa fase. Eu já disse que a mesma correlação há com outras comunidades islâmicas na europa. Quando é que deixa de ser só correlação e passa a ser causa (ideologia) e efeito (violência) ?

    Os próprios muçulmanos afirmam vezes e vezes sem conta o seu desdém pelas leis e costumes europeus […]

    E tu afirmas muitas vezes o teu desdém pelas leis e costumes islâmicos…

    Sim, não me agrada a ideia de se bater na mulher (Qur’an 4:34) nem de se converter pessoas ao silão à força (Qur’an 9:5, etc). Tu aceitas estas coisas?

    Além disso, o desdém islâmico pelas leis e costumes europeus podem explicar a sua desproporcional presença nas taxas de crime. Isso era o ponto.

    Essa é boa, acusas os outros de fazerem exactamente o que tu fazes!

    Mas eu nunca disse que não tinha desdém pela religião islâmica. Tu é que pareces rejeitar a noção de que os muçulmanos tem desdém pelos costumes europeus.

    Like

  20. Mats says:

    João,

    Se eu te disser que a comunidade chinesa em Portugal e Espanha tem um indice de criminalidade muito inferior à média portuguesa, que a comunidade Romi e Cigana tem uma criminalidade muito superior à portuguesa podemos concluir que :

    Podemos concluir que as escolhas ideológicas dos chineses levam a que eles tenham uma menor taxa de criminalidade. Isto é óbvio.

    Os chineses são menos criminosos que os portugueses por não existirem cristãos na comunidade chinesa e os Romis e Ciganos são mais criminosos que os portugueses por serem mais religiosos, em média, que os portugueses.

    Se conseguires relacionar a sua religiosidade com as suas acções, tens um bom caso. Ao contrário de vocÊs multiculturalistas, eu não caio no erro de pensar que as minorias (quem quer que eles sejam) são imunes à crítica.
    Se rouba, mata, viola ou intimida, não me interessa se é branco, preto, azul às pintinhas verdes ou se tem os olhos em bico ou os olhos redondos. O que interessa são as acções e as ideologias que produzem más acções.

    Like

  21. Jaime says:

    Nas prisões francesas os muçulmanos estão desproporcionalmente representados.

    Racial profiling: um estudo que diz que os árabes são 7,5 vezes mais parados pela polícia de Paris. [1] Antes de concluíres que os islâmicos são uns mauzões, procura outras explicações; a mim levou-me 15 segundos a encontrar o estudo.

    Sim, não me agrada a ideia de se bater na mulher (Qur’an 4:34) nem de se converter pessoas ao silão à força (Qur’an 9:5, etc).

    Tem juízo! Na Bíblia Deus propõe:
    – tomar segundas mulheres (Êxodo 21:10)
    – vender filhas como servas (Êxodo 21:7)
    – matar feiticeiras (Êxodo 22:18)
    – queimar prostitutas (Levítico 21:9)
    – homens valem 50 moedas, mulheres só 30 (Levítico 27:3-4)
    – matar mulheres violadas (Deuteronómio 22:23-24)
    – matar infiéis (2 Crônicas 15:13).

    [1] http://www.nytimes.com/2009/06/30/world/europe/30france.html

    Like

  22. Mats says:

    Nas prisões francesas os muçulmanos estão desproporcionalmente representados.

    Racial profiling: um estudo que diz que os árabes são 7,5 vezes mais parados pela polícia de Paris.

    E porque é que isso acontece? Não será porque o crime é maior entre eles do que no resto da população?

    [1] Antes de concluíres que os islâmicos são uns mauzões, procura outras explicações; a mim levou-me 15 segundos a encontrar o estudo.

    Não há outra explicação que se ajuste aos dados. Ou isso, ou então tens que assumir que TODOS os países que tem populações muçulmanas são TODOS racistas APENAS e SÓ com os muçulmanos.

    Sim, não me agrada a ideia de se bater na mulher (Qur’an 4:34) nem de se converter pessoas ao silão à força (Qur’an 9:5, etc).

    Tem juízo! Na Bíblia Deus propõe:
    – tomar segundas mulheres (Êxodo 21:10)

    Não creio que tomar segundas mulheres seja o mesmo que bater em mulheres.

    – vender filhas como servas (Êxodo 21:7)

    Não se compara a bater em mulheres.

    – matar feiticeiras (Êxodo 22:18)

    O mesmo que em cima. Uma lei civil que condena à morte quem tenta comunicar com os demónios não é o mesmo que permitir agredir a esposa.

    – queimar prostitutas (Levítico 21:9)

    O mesmo que em cima. Executar quem promove a imoralidade sexual nao é o mesmo que agredir a esposa.

    – homens valem 50 moedas, mulheres só 30 (Levítico 27:3-4)

    Não se compara a bater em mulheres

    – matar mulheres violadas (Deuteronómio 22:23-24)

    Lê bem o verso, e gasta mais 15 segundos a ver que a referência é a sexo consensual, não a violações. Se quieres, eu posso te mandar mais informaçõa acerca disso.
    Ah, e não se compara com o “bate na tua mulher”.

    – matar infiéis (2 Crônicas 15:13).

    Lê o motivo que levou Deus a destruir aquela cultura.

    Claro que nem se compara com bater nas mulheres.

    Interessante que TODAS as referências que fizeste são na na maioria da Lei Civil que Deus implantou há mais de 3000 anos atrás. Porque é que achas que uma Lei civil de há 3000 anos se aplica a hoje?

    Segundo, não respondeste à minha citação da permissão islâmica de bater nas esposas, e como é normal as pessoas (cristãos) se oporem a isso.

    Like

  23. Jaime says:

    Esquece, Mats, és fanático demais para mim. Eu fico por aqui.

    Like

  24. Mats says:

    Jaime,

    Esquece, Mats, és fanático demais para mim. Eu fico por aqui.

    “Fanático demais” deve querer dizer “não gosto das tuas respostas”.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s