Luiz Felipe Pondé: Religião é essencial para a sobrevivência humana

Tal como o filósofo diz no podcast, isto é uma situação curiosa, uma vez que, por um lado, os darwinistas tem trabalhado incessantemente para acabar com as crenças religiosas, mas por outro lado, segundo Luiz Pondé, as crenças religiosas foram vitais para a evolução humana. Portanto, os darwinistas estão a tentar destruir aquilo que foi essencial para a sobrevivência humana.

Sinceramente, eu não acredito nestes “estudos” que são baseados na mitologia darwinista, mas no entanto acho curioso como as suas próprias crenças podem ser usadas contra eles mesmo. O darwinista fica com isto numa posição curiosa:

  • a) Ou ele aceita que a religião é importante para a sobrevivência humana, e pára de a atacar (o que, para um darwinista, é quase como dizer que ele tem que deixar de respirar)
  • b) Ou então ele rejeita o que darwinismo diz, e continua a atacar a religião

O curioso é que ele não poderá basear os seus ataques no darwinismo, mas noutra coisa qualquer.

Levantamentos recentes de darwinistas –que utilizam como base o cérebro humano e os hábitos de quem frequenta cultos– apontam cada vez mais a religião como parte essencial para sobrevivência humana.

Para Luiz Felipe Pondé, colunista da Folha, nada disso comprova a existência desses mundos sobrenaturais, “mas apontam para o fato de que, sem a experiência religiosa, talvez a gente não tivesse chegado onde chegou”, diz o filósofo no podcast abaixo.

Para o cristão não é surpresa que o ser humano tenha necessidade de buscar o Sobrenatural. Nós fomos feitos para isso. Tal como aquelas imagens que nós vemos de tartarugas que nascem na praia, e imediatamente andam em direcção ao mar, o ser humano foi feito para buscar e ter relacionamento com Deus.

O problema é que, devido à Queda, o homem tem buscado alternativas ao sobrenatural (naturalismo, ateísmo, etc), ou buscado a versão errada do sobrenatural (espiritismo, etc). Mas essas variantes não preenchem a humanidade, e isso é manifesto pelos efeitos dessas ideologias e dessas alternativas a Deus.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , . Bookmark the permalink.

14 Responses to Luiz Felipe Pondé: Religião é essencial para a sobrevivência humana

  1. gnomo says:

    “a) Ou ele aceita que a religião é importante para a sobrevivência humana, e pára de a atacar (o que, para um darwinista, é quase como dizer que ele tem que deixar de respirar)”

    Esta comparação entre crer e respirar é simplesmente ridícula.

    “Portanto, os darwinistas estão a tentar destruir aquilo que foi essencial para a sobrevivência humana.”

    Se já o foi, deixo de ser a partir do momento em que a humanidade ganhou um poder de auto-destruição tão grande.

    “Para o cristão não é surpresa que o ser humano tenha necessidade de buscar o Sobrenatural. Nós fomos feitos para isso. Tal como aquelas imagens que nós vemos de tartarugas que nascem na praia, e imediatamente andam em direcção ao mar, o ser humano foi feito para buscar e ter relacionamento com Deus.”

    Excepto que essa busca pelo sobrenatural não é natural. É algo imposto pela cultura em que estamos inseridos. Uma “necessidade” passada de geração em geração.

    Like

  2. Mats says:

    Gnomo,

    “a) Ou ele aceita que a religião é importante para a sobrevivência humana, e pára de a atacar (o que, para um darwinista, é quase como dizer que ele tem que deixar de respirar)”

    Esta comparação entre crer e respirar é simplesmente ridícula.

    Para o ateu darwinista, deixar de atacar a religião é destruir a parte mais importante da vida dele.

    “Portanto, os darwinistas estão a tentar destruir aquilo que foi essencial para a sobrevivência humana.”

    Se já o foi, deixo de ser a partir do momento em que a humanidade ganhou um poder de auto-destruição tão grande.

    Quando é que deixou de ser? Dá-me uma data exacta.

    “Para o cristão não é surpresa que o ser humano tenha necessidade de buscar o Sobrenatural. Nós fomos feitos para isso. Tal como aquelas imagens que nós vemos de tartarugas que nascem na praia, e imediatamente andam em direcção ao mar, o ser humano foi feito para buscar e ter relacionamento com Deus.”

    Excepto que essa busca pelo sobrenatural não é natural.

    De acordo com a Antropologia e a História, é perfeitamente natural. A tentativa de entrar em contacto com o sobrenatural é uma constante em todas as civilizações, desde o princípio da Historia humana. O ateísmo é que perverte a natural tendência humana de buscar algo maior para a sua vida.

    É algo imposto pela cultura em que estamos inseridos. Uma “necessidade” passada de geração em geração.

    Não, não é algo “imposto”. Há pessoas e culturas que LIVREMENTE buscam o sobrenatural.

    Like

  3. Jaime says:

    Tal como […] tartarugas que nascem na praia, e imediatamente andam em direcção ao mar, o ser humano foi feito para buscar e ter relacionamento com Deus.

    Interessante, comparar a religião com o comportamento de répteis irracionais. Bem-vindo ao ateísmo, Mats. 🙂

    Like

  4. Mats says:

    Jaime,

    Tal como […] tartarugas que nascem na praia, e imediatamente andam em direcção ao mar, o ser humano foi feito para buscar e ter relacionamento com Deus.

    Interessante, comparar a religião com o comportamento de répteis irracionais. Bem-vindo ao ateísmo, Mats.

    Qual é a tua definição de “irracional”?

    Like

  5. gnomo says:

    Mats,

    “Para o ateu darwinista, deixar de atacar a religião é destruir a parte mais importante da vida dele.”

    Eu bem sei que tenho coisas mais importantes que fazer, mas o que queres que faça? É um hobby de que gosto, refutar tretas debitadas pela net.
    Já tu, crendo que esta é a tua missão, que coisas mais importantes tens nesta vida efémera?

    “Quando é que deixou de ser? Dá-me uma data exacta.”

    É isso que me tens a dizer? Não concordas? Mas está bem eu respondo.
    Eu diria na altura em que foram inventadas as primeiras armas. Tens também a invenção as armas de fogo e mais recentemente a bomba atómica nos anos 30. Desculpa, mas não te sei dizer datas exactas.

    “Não, não é algo “imposto”. Há pessoas e culturas que LIVREMENTE buscam o sobrenatural.”

    As pessoas buscam o que os seus pais e pares procuram. Por isso é que o ateísmo só começou a surgir em força a partir do momento em que se deixou de matar quem não concorda com quem tem o poder.

    Like

  6. Mats says:

    Gnomo,

    “Para o ateu darwinista, deixar de atacar a religião é destruir a parte mais importante da vida dele.”

    Eu bem sei que tenho coisas mais importantes que fazer, mas o que queres que faça? É um hobby de que gosto, refutar tretas debitadas pela net.

    Não refuta o que eu disse. Se vocês seguissem a vossa própria religiao, ficariam sem argumento evolutivo contra o cristianismo, o que destruiria a parte mais importante da vossa existência.

    Já tu, crendo que esta é a tua missão, que coisas mais importantes tens nesta vida efémera?

    Muitas coisas.

    “Não, não é algo “imposto”. Há pessoas e culturas que LIVREMENTE buscam o sobrenatural.”

    As pessoas buscam o que os seus pais e pares procuram.

    E há pessoas que buscam LIVREMENTE.

    Por isso é que o ateísmo só começou a surgir em força a partir do momento em que se deixou de matar quem não concorda com quem tem o poder.

    Como aconteceu com o ateu Stalin?

    Like

  7. ND says:

    perfeitamente compatível. Basta pensar num qualquer conforto mental que a religião forneça (acho que tens um artigo qualquer sobre isso) para deduzir que o stress que o ideia da morte traz é diminuído.

    Like

  8. Mats says:

    Nuno,

    perfeitamente compatível. Basta pensar num qualquer conforto mental que a religião forneça (acho que tens um artigo qualquer sobre isso) para deduzir que o stress que o ideia da morte traz é diminuído.

    Então a religião é uma coisa boa?

    Like

  9. ND says:

    @Mats
    sim, a mentira pode ser boa coisa.
    Basta pensar num doente terminal ao receber a notícia que morrerá em breve.

    Like

  10. Mats says:

    Nuno,

    sim, a mentira pode ser boa coisa. Basta pensar num doente terminal ao receber a notícia que morrerá em breve.

    Dizes então que se deve mentir ao paciente?

    1. Que outras situações tu achas que a mentira podem ser “coisas boas”?
    2. Quem é que decide quais são as situações onde a mentira pode ser uma “boa coisa”? Tu?

    Like

  11. ND says:

    Dizes então que se deve mentir ao paciente?
    Depende das circunstâncias.

    Que outras situações tu achas que a mentira podem ser “coisas boas”?
    nada me ocorrem além de entrevistas de emprego

    Quem é que decide quais são as situações onde a mentira pode ser uma “boa coisa”? Tu?
    Depende do contexto.

    Bem sei qual é a tua resposta, nunca se deve mentir. Acontece que eu acho que tu mentes, como já o tornei claro algumas vezes neste blog.

    Like

  12. Mats says:

    Nuno,

    “Dizes então que se deve mentir ao paciente?”

    Depende das circunstâncias.

    Quais são as circunstâncias onde é moralmente correcto mentir ao paciente?

    “Que outras situações tu achas que a mentira podem ser “coisas boas”?”

    nada me ocorrem além de entrevistas de emprego

    Ok. Segundo o teu ateísmo está certo mentir em entrevistas de emprego.

    Quem é que decide quais são as situações onde a mentira pode ser uma “boa coisa”? Tu?

    Depende do contexto.

    Como assim?

    Bem sei qual é a tua resposta, nunca se deve mentir. Acontece que eu acho que tu mentes, como já o tornei claro algumas vezes neste blog.

    Mas se eu “minto”, qual é o teu argumento contra isso? Tu mesmo dizes que há situações onde a mentira pode ser moralmente aceitável.

    Like

  13. gnomo says:

    Mats,

    “Mas se eu “minto”, qual é o teu argumento contra isso? Tu mesmo dizes que há situações onde a mentira pode ser moralmente aceitável.”

    Ora cá está outra vez a fuga à questão. Mas afinal mentes ou não? Mentir é sempre errado ou não?

    Like

  14. O Aforista says:

    Mentir é sempre errado de acordo com o cristianismo.

    “sim, a mentira pode ser boa coisa. Basta pensar num doente terminal ao receber a notícia que morrerá em breve.”

    No entanto, um cristão não precisa mentir, ele diz que apesar do diagnóstico, com fé, ele pode se curar, ou se ele morrer, é porque a missão dele na terra já foi cumprida e ele vai pro céu. Ou seja, ele teve uma vida que valeu a pena ser vivida e agora vai colher a recompensa dela.

    Agora,um ateu TÊM de mentir, porque:

    1 – num mundo sem Deus, não há esperança – “você VAI morrer e não adianta fazer nada”
    2 – quando ele morrer, vai virar nada, ou seja, se disser a “verdade” ateista, o cara vai querer se suicidar antes mesmo de a doença o pegar, por pura depressão existencial.

    Bom, mas a questão é que pro ateu, mentir NÃO É errado nunca, já que num mundo sem Deus, não existe certo ou errado.
    Então no ateismo, você pode mentir até o fim da vida, porque não existe um “porque” para não mentir – e nem não dizer a verdade, quer dizer, a moral no ateismo é “conveniente”, e não nescessária, e portanto subjetiva.

    O que remete ao caso da anti-religiosidade. Oras, ateu é anti-religioso PORQUE QUER, E NÃO PORQUE PRECISA ser antireligioso, pois se Deus não existe, então não existe um modo certo de viver, ou um destino certo que o homem ou a humanidade deva seguir, sendo portanto qualquer ideal de existencia tão legítmo quanto outro, e portanto, criticar as religiões é pura psicose, porque ateu que entende seu ateismo, sabe que ser anti-religioso é tão nescessário objetivamente util quanto secar gelo.

    Resumindo, num mundo sem Deus, o que impera são as nescessidades subjetivas, não objetivas, e isso é tão verdade hoje quanto foi antigamente, e portanto, a religião, como único sistema objetivo de motivação para a moral, é tão nescessária hoje – era dos excessos – quanto o era antigamente. Crendo ou não, as religiões são as únicas que dizem que o comportamento humano têm um limite. No ateísmo, limites não existem pra nada.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s