Aquecimento Global Antropogénico = Socialismo

Grandes coisas estão a acontecer em Cancun, coisas essa que demonstram a utilidade dessa mentira:
Depois de uma sessão nocturna que incluiu uma disputa entre a Ministra dos Negócios Estrangeiros mexicana Patricia Espinosa e o embaixador da Bolívia Pablo Solon, os membros da “U.N. Framework Convention on Climate Change” (UNFCC) concordaram em:
  • criar o “Green Climate Fund” que irá transferir dinheiro dos países ricos para os países pobres
  • criar centros de pesquisa que irão suavizar a transferência de tecnologia ecológica
  • criar um sistema onde as nações em desenvolvimento serão compensadas por não destruírem as suas florestas.

Semelhantemente, as nações mais pobres serão recompensadas por respirarem apenas o oxigénio, por incutirem os seus cidadãos para tomarem banho todos os dias, e claro está, por falarem apenas e só com a boca.


Se mais evidências fossem necessárias para demonstrar que a teoria do AGA (Aquecimento Global Antropogénico) nada tem a ver com a ciência ou com a protecção do meio ambiente, acho que Cancun confirmou isso de uma vez por todas. A redistribuição da riqueza é a espinha dorsal do socialismo, e portanto não é de estranhar que políticos com sede de poder sejam tão facilmente sugados para essa mentira.

Uma coisa que deveria ser perguntada é: de que forma é que as medidas listadas em cima irão reduzir o AGA?

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Política, Religião and tagged , , , . Bookmark the permalink.

3 Responses to Aquecimento Global Antropogénico = Socialismo

  1. MESMO QUEM NÃO ACREDITA, VALE A PENA FICAR DE OLHO NA ALTERNATIVA “ARCA”

    A ARCA DE NOÉ E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

    Há muito anos (período do Regime Militar) circulou um artigo que tinha como título “A Arca de Noé”. Falava de ditadura, repressão e oferecia a “saída armada” como a Arca de Noé. Com um pouco de criatividade pode ser reescrito para o cenário atual.;

    Nele era contada uma pequena estória. Nela o planeta passava por uma fase muito complicada e, para resolvê-la, um tal Noé sugeriu construir uma grande arca de modo a colocar um casal de cada ser vivo e, quando o dilúvio chegasse, este grupo sobreviveria para repovoar o planeta.

    A estória evolui com a intervenção de um grupo de “iniciados” que aceitaram a idéia, mas consideraram que este era um empreendimento de grande porte e, desta forma, não poderia ser simplesmente conduzido por tal Noé. Seria necessário estruturar uma empresa que pudesse conduzir a complexidade da construção da arca mudando o nome do projeto para “Arca das Mudanças Climáticas”.

    Os “iniciados” começaram a estruturação da macro empresa: eleição de presidente, diretorias, assessorias, núcleos de pesquisa, contratação de especialistas, secretárias, motoristas, sede própria e sedes descentralizadas em diferentes locais do planeta, enfim, o imprescindível para que um grande empreendimento pudesse ser desenvolvido sem risco.

    As tarefas foram divididas em vários Grupos de Trabalho, com reuniões realizadas não nas regiões do planeta onde eram inevitáveis os primeiros efeitos do dilúvio, mas sim em lugares aprazíveis onde os grupos pudessem trabalhar em condições adequadas a importância do projeto.

    Inevitável, estes grupos acabaram se dividindo entre “prós e contras” e cada um, sem se preocupar com o dilúvio a caminho, resolveu ignorar a variável tempo, consumindo o tempo disponível em apresentar estudos e pesquisas que reforçassem as suas posições. Isso demandou uma grande quantidade de recursos, que foram logo disponibilizados pelos países mais ricos do planeta.

    Surgiram políticos especialistas, agentes de financiamento especialistas, centros de pesquisa especializados, típicos do entorno de um grande empreendimento.

    De imediato a sociedade foi relegada a um segundo plano, dado que, na visão da cúpula do poder, este assunto não era percebido pela sociedade, que naquele momento nem sabia do dilúvio. Na verdade, logo no início, as informações foram passadas a sociedade, mas em linguagem complicada que levou a um progressivo afastamento do tema, deixando aos “iniciados” a discussão e decisão sobre o assunto.

    E o tempo foi passando. Países que tinham “madeira” para a construção da arca tentaram impor condições ao andamento do projeto, mas foram logo afastados por aqueles que “detinham a tecnologia do corte da madeira”, de modo a, progressivamente, ir reduzindo o tamanho do grupo dos “iniciados”. Foram observadas denúncias (“ArcaGate”), mas, para os “não iniciados”, acabou ficando a dúvida de quem realmente tinha à razão.

    Concluindo, passado alguns anos veio o aviso que o dilúvio seria no dia seguinte.

    No empreendimento “Arca das Mudanças Climáticas” um desespero total; perdidos entre muitas alternativas, não tinham tido tempo para concluir a arca. Ou seja, era inevitável que o dilúvio seria fatal para todos do planeta.

    Mas, do alto da torre de trinta andares construída para fazer funcionar o mega projeto, no dia seguinte, quando a água quase cobria o edifício, foi possível ver uma arca de madeira, com os “não iniciados” liderados por um tal Noé, passando ao largo.

    Você já pensou em que grupo está?
    Ainda há tempo para escolher o grupo certo.

    Roosevelt S. Fernandes, M. Sc.
    Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental / NEPA
    roosevelt@ebrnet.com.br

    Like

  2. Nuno Dias says:

    ó Mats, outra vez? que raio!
    1000 evidências de aquecimento global chegam-te?

    http://www.populartechnology.net/2010/12/1000-references-of-global-cooling.html
    .
    .
    .
    ai, que raio… hum… pera lá…😉

    Like

  3. Sérgio Sodré says:

    “redistribuição da riqueza é a espinha dorsal do socialismo”

    Pensei que Jesus também tivesse dito qualquer coisa desse género… o problema é que o cristianismo moderno foi apropriado pelos ricos…

    A frase acima é falsa, a espinha dorsal do socialismo é a apropriação pelo Estado da riqueza geral de uma nação, sendo que o Estado não é mais do que uma classe burocrática parasitária que se reproduz a si mesma no poder. Isso nada tem a ver com efectiva redistribuição…
    Quanto muito, uma aparência de redistribuição pode ser necessária numa determinada fase da conquista do poder pela futura classe burocrática, por forma a mobilizar e cativar as massas, mas é meramente instrumental…
    O grande objectivo de acabar com os ricos (ricos privados note-se) não é a justiça social, mas sim eliminar a possibilidade de surgir e se manter qualquer oposição à nova classe burocrática… ou seja é uma estratégia de domínio político e não a concretização de qualquer idealismo (o idealismo é conversa para a massas simples).

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s