Evolucionistas: Epá, os nossos métodos de datação “mostram” que os dinossauros surgiram 9 milhões de anos mais cedo do que “pensávamos”

Links relacionados no final do artigo.

Gosto da forma como os evolucionistas gostam de incluir toda a humanidade nos seus erros ao usarem palavras como “achávamos” ou “pensávamos”. O uso destas frases parece querer incluir todos num erro que é exclusivamente dos evolucionistas.

A notícia que serve de título ao post não é surpresa para os mais atentos uma vez que já foram colocados alguns textos que mostram como os métodos de datação evolucionistas não funcionam.

Pesquisadores acreditam que as primeiras criaturas parecidas com dinossauros surgiram nove milhões de anos antes do que se acreditava até então.

Quem é que acreditava nisso? Ora, os evolucionistas.

A conclusão veio de um estudo sobre pegadas encontradas em rochas de 250 milhões de anos, na Polônia.

Essa datação foi feita com o mesmo método que agora os obriga a re-datar o aparecimento dos dinossauros.

As pegadas datam de apenas dois milhões de anos após a extinção em massa do fim do período Permiano, que foi a pior extinção em massa da história do planeta.

A extinção do Permiano exterminou mais de 90% de toda a vida na Terra, devido a erupções vulcânicas maciças, aquecimento global súbito e estagnação dos oceanos.

Um evento catastrófico mundial? Hmmmm….

Até pouco tempo atrás, os cientistas acreditavam que os dinossauros surgiram 15 ou 20 milhões de anos após a extinção em massa, quando o planeta se tornou mais habitável. Porém, as pegadas recentes sugerem que o surgimento dos dinossauros está intimamente relacionado com o evento de extinção devastador.

Ou seja, os pesquisadores acham que, sem essa extinção em massa, os dinossauros nunca teriam surgido.

Mitologia. Não há evidência nenhuma da correlação entre “extinção em massa” e “aparecimento de dinossauros”.

Segundo eles, há um grau de simetria nessa conclusão, porque quando os dinossauros foram extintos, há 65 milhões de anos, isso abriu espaço para os mamíferos existirem.

Portanto, uma “extinção em massa” preparou o caminho para os dinossauros, mas outra extinção em massa dos dinossauros (os outros animais aparentemente continuaram a sua vida como se nada tivesse ocorrido) preparou o caminho para os mamíferos.

Estas “extinções em massa” são uma boa fonte de novidade evolutiva.

A criatura da pegada foi nomeada de Prorotodactylus. As pegadas são pequenas, medem poucos centímetros, o que sugere que os primeiros animais do tipo dinossauro eram do tamanho de gatos domésticos. Eles teriam pesado um ou dois quilos, e andavam em quatro pernas. Eram animais muito raros.

Os pesquisadores afirmaram que é possível dizer que a linhagem de dinossauros se originou como consequência desta extinção, o que é uma ideia completamente nova e uma reinterpretação muito radical da história primitiva dos dinossauros.

Mas há um porém no estudo. Embora as pegadas sejam características de criaturas como dinossauros, elas não fornecem uma prova absoluta, que seria, por exemplo, um esqueleto fossilizado. Segundo os cientistas as pegadas são um pouco abertas à interpretações diferentes, já o esqueleto seria uma prova conclusiva.

Ou seja, esqueçam tudo o que leram em cima porque pode estar tudo errado.

Os especialistas consideram a descoberta muito importante, mas por enquanto, ainda falta um pouco de evidência para sustentar a teoria. [BBC]

Ou seja, faltam evidências para confirmar o que o texto alega. Não seria mais nobre esperar pelas evidências e depois fazer este tipo de anúncios?



Textos Relacionados:

1. Imagens de Dinossauros feitas pelo homem antigo

2. Proteínas de Dinosauros

3. Imagem de Dinosauros Onde Não Deveria Estar

4. Pintura Evolutivamente Embaraçosa

5. Fósseis de Dinossauros Encaixam Perfeitamente na Inexistente Árvore da Vida

6. Mais Problemas Para a Evolução das Áves

7. Descoberta científica fragiliza evolução (outra vez)

8. O mitológico asteróide e os dinossauros

9. Ciência confirma: Dinossauros não viveram há milhões de anos

10. Dinossauros não evoluiram para pássaros

11. A ligação entre “dragões” e dinossauros

12. Duplo Impacto: mais uma teoria que tenta explicar a extinção dos dinossauros

13. Fóssil com “80 milhões de anos” Ainda Tem Retina Flexível e Resíduo Sanguíneo

14. O que se sabia sobre dinossauros estava errado (outra vez)

15. Fóssil de Salamandra Ataca Teoria da Evolução

16. Primo do T. Rex Evoluiu 60 Milhões de Anos Demasiado Cedo

17. O dilema do ateu em relação aos ossos de dinossauro

18. Proteína de Dinossauro Confirmada

19. As pegadas do réptil e a imaginação do ateu

20. Pegadas com 3,6 Milhões de Anos São Idênticas às do Homem Actual

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia, Ciência, Paleontologia and tagged , , . Bookmark the permalink.

19 Responses to Evolucionistas: Epá, os nossos métodos de datação “mostram” que os dinossauros surgiram 9 milhões de anos mais cedo do que “pensávamos”

  1. Sérgio Sodré says:

    Mas quais são mesmo os métodos de datação científica que são correctos? Ou procurar datação por métodos científicos não vale a pena, porque em ciência o que está hoje certo amanhã está errado… e portanto nada serve excepto uma boa revelação divina para marcar o calendário limpidamente e sem espinhas… mas ao longo dos milénios houve tantas revelações divinas e tantos profetas e cada um dizia a sua coisa… bem a solução é seguir o que os nossos papás nos ensinaram e evitar dores de cabeça… É isso, os cientistas que fiquem com as suas dúvidas e as suas dores de cabeça de tanto estudarem e teorizarem… para nós não há problema, está tudo no NOSSO livro sagrado… não confundir com as aberrações dos livros sagrados dos nossos vizinhos… o NOSSO é que é… e assim acabam as dores de cabeça…é tão bom ter certezas em vez de dúvidas…

    Like

  2. Mats says:

    Sodré,

    Não sei quais são os métodos de datação que funcionam a 100%, mas podemos estar certos que os métodos evolutivos de datação não funcionam.

    Temos que encontrar outro e descartar este.

    Like

  3. Sérgio Sodré says:

    Mats,
    “Não funcionam”…leia-se “não funcionam com um rigor de 100%”.
    Todavia, os cientistas não consideram que os erros sejam de tal dimensão que se possa prescindir dos métodos em utilização… E estamos a falar da datação da evolução biológica… porque a datação de factos como a real idade da Terra e do próprio Universo em que vivemos tem vindo a ser cada vez mais calculada com maior precisão, pois julgo saber que a NASA tem encurtado as margens de erro…sem desmentido doutras instituições.

    Like

  4. Mats says:

    Sodré,

    “Não funcionam”…leia-se “não funcionam com um rigor de 100%”.

    Não funcionam, ponto final.

    Todavia, os cientistas não consideram que os erros sejam de tal dimensão que se possa prescindir dos métodos em utilização…

    Os evolucionistas não prescindem destes métodos que a ciência mostra serem inexactos porque os evolucionistas não tem outro. OS mitológicos “milhões de anos” são demasiado importantes.

    E estamos a falar da datação da evolução biológica… porque a datação de factos como a real idade da Terra e do próprio Universo em que vivemos tem vindo a ser cada vez mais calculada com maior precisão, pois julgo saber que a NASA tem encurtado as margens de erro…sem desmentido doutras instituições.

    Sem desmentido de outras instituições evolucionistas.

    Like

  5. maxim says:

    nos dias de hoje estes artigos, mesmo sem evidências, tornam-se indiscutíveis. Por exemplo a minha professora de Biologia sempre lê este tipo de artigos e os leva como 100% verdadeiros. Estes método de datação são uma falha autêntica, daqui há uns anos se calhar já nem falam de milhões, mas de milhares, ou nem sequer falam mais disso.

    Like

  6. Sérgio Sodré says:

    Maxim,
    Recomendo uma leitura do sítio Ciência X Religião: 25/12/2008 para uma refutação em regra das críticas falaciosas do criacionista David N. Menton aos métodos de datação.
    Há já numerosos métodos de datação usando material diferente. As margens de erro é cada vez mais limitadas e é possível cruzar processos… os professores não voltarão a recorrer e livros religiosos para fazer “datações”, é bom estar atento às lições da sua professora de Biologia…
    Mas vá lendo a Bíblia que não lhe faz mal nenhum, não digo que não,… mas não para datar fósseis, a idade da Terra, ou do Universo,… por favor isso não.

    Like

  7. Mats says:

    Sodré,
    OS métodos de datação evolucionistas simplesmente não funcionam.

    QUe tipo de evidências tu aceitarias que te fizessem mostrar que os mesmos são cientificamente irrelevantes?

    Like

  8. Sérgio Sodré says:

    Mats,

    “Que tipo de evidências tu aceitarias que te fizessem mostrar que os mesmos são cientificamente irrelevantes?”

    As que fossem facultadas pela generalidade da comunidade científica e como tal ensinadas nas melhores universidades de todo o mundo. Caso contrário, teria de aceitar que a generalidade da comunidade científica está sob o domínio de forças sobrenaturais maléficas que lhe obscurecem deliberadamente o entendimento, mas quanto a isso desconheço em absoluto qualquer evidência, portanto descarto.

    Like

  9. Mats says:

    Sodré,

    “Que tipo de evidências tu aceitarias que te fizessem mostrar que os mesmos são cientificamente irrelevantes?”

    As que fossem facultadas pela generalidade da comunidade científica e como tal ensinadas nas melhores universidades de todo o mundo.

    Portanto, quando as comunidades científicas do mundo de então ensinavam o criacionismo como um facto da História há séculos atrás, tu estarias do lado do consenso porque, como sabemos, o consenso sabe o que é bom para todos, certo?

    Meu Deus, que credulidade tão grande. Ainda dizes que tens espírito científico. TU não tens espírito científico. Tu apenas segues que nem rebanho o que o “consenso científico” te diz e nem imaginas que o tal consenso te possa estar a ludibriar.

    Repito: que evidência TU COMO PESSOA OBSERVADORA te levariam a ver que os TEUS metodos de datação não funcionam?

    Like

  10. Sérgio Sodré says:

    “nem imaginas que o tal consenso te possa estar a ludibriar.”

    Não tenho absolutamente nenhuma razão para crer que hoje haja um consenso científico que vise ludibriar nas questões de datação de que estamos a falar.
    Todavia, noutros tempos poderá terá havido um consenso “científico” destinado a ludibriar as pessoas, porquanto os métodos científicos estavam muito menos desenvolvidos e a pressão da religião e do criacionismo eram muitíssimo maiores. Se eu tivesse vivido nessa altura obviamente que não sei (hoje) como encararia o consenso “científico” ou os ensinamentos religiosos… nem sequer sei se eu seria eu… mas julgo que não… se vivesse noutro tempo não era eu mas outro… e esse outro teria a sua posição própria quanto ao consenso “científico”.

    Quanto à última questão: pelo que vejo, os métodos de datação têm permitido previsões com margem de erro razoável… por exemplo, os fósseis de seres vivos mais antigos encontram-se nos estratos previstos. Não há mistura sistemática de seres fósseis mais antigos na evolução com seres fósseis mais modernos (o que revela que NÃO surgiram na Terra ao mesmo tempo). Talvez isso fosse uma evidência interessante… mostrar que os fósseis estão todos no mesmo extracto do tempo histórico e que, portanto, o Tiranossauro conviveu com o Tigre Dentes de Sabre.

    Like

  11. Mats says:

    Sodré,

    Não tenho absolutamente nenhuma razão para crer que hoje haja um consenso científico que vise ludibriar nas questões de datação de que estamos a falar.

    AI não?

    Continua assim tão firme crente nos evolucionistas que depois vais-te aperceber o quão crédulo foste.

    Eu pensava que depois do ClimteGate as pessoas estariam mais atentas aos “consensos” mas pelos vistos não.

    Like

  12. Puro exercício de masoquismo:

    Eu quero provar que o universo tem seis (6000) anos e …. fico todo contente quando medições dão milhões de anos de diferença…..

    Claro que não dizes que a datação por carbono 14 é aceite por tribunais, arqueólogos, historiadores, antiquários, antropólogos, etc e etc.

    Nem dizes que é aceite porque os resultados são CONSISTENTES com os dados.

    Isso, para ti, não interessa nada. É apenas a verdade e essa – não estando de acordo com a tua peculiar visão da bíblia – pouco interessa.

    Se quisesses – com verdade – contestar a datação até era simples:

    Fazias um trabalho cientifico que demonstrava que os historiadores, antropólogos, juízes, sociólogos, arqueólogos, coleccionadores de antiguidades – como eu – avaliadores, de todos os países, de todas a religiões, de todas as línguas estão a ser alvo de uma invenção :

    Os testes de carbono 14 que datam artefactos de doze ou quinze mil anos são fraudes de evolucionistas- socialistas e thorofóbicos e cristofóbicos…..

    Isso é que era upa upa.

    Até eu eu pedir umas indemnizações aos laboratórios….30 % são teus à partida…..

    Rsrsrsrsr

    Estou a brincar porque sabes, como eu, que estás a aldrabar….

    Vá lá….

    Aceita o carbono 14 (mesmo para datas anteriores aos tais 6000 anos…isso não interessa nada) e nega os os outros…..

    O facto de várias amostras apontarem para datas consistentes e o extrato dessa data ser consistente com o que se espera: nada de coelhos no jurássico nada quer dizer….coincidência…teoria da conspiração…..

    Vá lá….contesta o tal de carbono 14 e ficamos os dois ricos…..

    60% para ti 40 % para mim…..

    Like

  13. Adalberto Felipe says:

    Mats,

    Você podia fazer um tópico especialmente para certas pessoas que ainda insistem em trabalhos científicos criacionistas, mostrando o que acontece com pessoas que publicam trabalhos assim, o que acontece quando a pessoa afirma que acredita na criação, o que acontece se no trabalho científico tiver uma letrinha que lembre criacionismo.

    Faça um tópico assim, Mats, para certas pessoas (estou falando de você João Melo), mostrando o porquê disso, mostrando que trabalhos assim até existem, mas que são censurados pelos amiguinhos naturalistas / ateístas (pois a ciência é sempre relativa), mostrando como é a censura etc., citando vários casos, se possível.

    Um abraço.

    Like

  14. Mats says:

    Adalberto,
    Boa sugestão. O João aparentemente não foi informado do que acontece com os artigos que criticam o naturalismo.

    Like

  15. Sérgio Sodré says:

    Engraçado, eu quando vou a uma qualquer livraria vejo livros de todas as orientações e compro o que muito bem quero… não noto maus tratos nos livros criacionistas… e estantes com obras religiosas é o que não falta… Devo estar mal informado… ou apenas a necessitar de mudar de óculos.

    Like

  16. Mats says:

    Sodré,
    Mas o facto de não veres “maus tratos” nos livros criacionistas não invalida que a elite evolucionista que controla as revistas e publicações científicas não censure os artigos que põe em causa os milhões de anos e a mitologia da evolução.

    Like

  17. Eu falava de história e até pode ser numa universidade católica…..

    Ou a universidade católica também faz parte da internacional ateista-evolucionista ?

    Like

  18. E algum dos criacionistas da terra jovem tem alguma teoria apresentável numa faculdade de história duma universidade católica que possa indiciar que a terra tem seis mil anos ?

    Claro que não.

    Podem é dizer, sem apresentar nada, que são perseguidos e etc e tal

    Like

    • Marco Túlio says:

      ÓBVIO QUE TEM. Deixe de ser ignorante e pesquise

      Na verdade não é a igreja católica, são os cientistas criacionistas

      A invenção dos dinossauros pela mídia fantasiosa contrasta com todas as ideis evolucionistas. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Mas sempre tem trouxa que acredita em tudo. Tem trouxa que acredita em ET, em asteroide e cometa, sendo que nunca viu nenhum desses 3, mas prefere acreditar nas evidencias silenciosas de Darwin, kkkkkkkkkkk

      Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s