Zeitgeist refutado em 7 minutos

Isto é o que acontece quando mitos ateus são confrontados por um historiador.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Bíblia and tagged , , , . Bookmark the permalink.

5 Responses to Zeitgeist refutado em 7 minutos

  1. Sérgio Sodré says:

    “Não há referências antigas de que Mitra nasceu a 25 de Dezembro.”

    O entrevistado mistura Mitra no tema de Hórus, com o qual nada tem a ver, e aproveita para fazer uma afirmação dúbia.
    Mitra é um Deus antiquíssimo que foi sofrendo alterações na forma como era visto pelo seguidores. O certo que, a partir de certa altura, é encarado como filho de Aura Masda e combatente pelo bem contra o mal e referência da mais pura moral. Mais tarde, acaba por ser adorado no Império Romano (na fase final do Imério Romano do Ocidente), e é muito popular entre os militares. Ora, todos os historiadores das religiões reconhecem que Ele é identificado com o Sol Invictus e que o seu culto tinha como data cimeira o solstício de Inverno, que no calendário juliano era a 25 de Dezembro. Também é reconhecido que a Igreja Católica escolheu o 25 de Dezembro para nascimento de Jesus para anular as cerimónias de Mitra, sobrepondo um culto a outro.
    Se o entrevistado pretende levar os crentes a duvidarem de que o 25 de Dezembro estava ligado ao culto de Mitra… terá de mostrar que os demais historiadores das religiões estão errados.

    Like

  2. Mats says:

    Sodré,
    às vezes parece que tu não lês as coisas que tu próprio escreves. O historiador não diz que Mitra não estava associado com o 25 de Dezembro. Ele diz EXACTAMENTE o que tu citaste:

    “Não há referências antigas de que Mitranasceu a 25 de Dezembro.”

    Qual é a dificuldade em entender isto? Isto ou é verdade ou não é. Segundo este historiador, não é. No entanto, se tens algum tipo de evidência de que Mitra NASCEU a 25 de Dezembro (não que era “celebrado” nesse dia), por favor mostra.

    Boa tentativa em tentar mudar o foco do que o historiador disse.

    Like

  3. Sérgio Sodré says:

    Mats,
    Concordo que literalmente é como dizes. Todavia, encarando no contexto da exposição do entrevistado fico com a impressão de que se diz uma coisa mas que se pretende passar outra (passar a de que nada liga Mitra ao 25 de Dezembro). Daí eu ter escrito afirmação DÚBIA, porque se por um lado era clara, já no contexto as pessoas menos conhecedoras podiam ficar com a ideia errada de que a associação Mitra – 25 de Dezembro era de TODO errada e não apenas quanto ao nascimento.
    Também não disse nada mais do que isso… era só para evitar alguma confusão…

    Like

  4. Herberti says:

    Os ateus-humanistas usam e abusam do recurso da “primeira impressão”: produzem um trabalho tendencioso, cheio de factoides e de aparência de seriedade com a intenção de formarem opiniões alinhadas com suas convicções, pois apostam que a grande maioria da pessoas jamis gastará seu tempo para averiguar a veracidade das afirmações feitas. Então, quando alguém se dispõe a isto, a analisar com cuidado e produzir um trabalho contestador, o efeito nunca será o alcançado pelo primeiro ataque. Infelizmente a natureza humana funciona assim.

    Like

  5. Sérgio Sodré says:

    ” o efeito nunca será o alcançado pelo primeiro ataque.”
    Mas qual efeito? Só um perfeito ignorante é que “come” qualquer tipo de identificação entre Hórus e Jesus… Quem liga alguma coisa à história das religiões nem pára para analisar a questão… Se falassem dos Manuscritos do Mar Morto, do mestre da justiça dos essénios,… de seitas hebraicas,.. enfim da conjuntura religiosa na Palestina… agora o velho Hórus… eu até fico com a impressão de que se faz alguma confusão com o mito de Osíris (este é que foi morto e despedaçado e depois ressuscitado)…

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s