Os axiomas tipológicos e a imaginação de Darwin

O padrão empírico da natureza existente conforma-se de um modo notável com o modelo tipológico (vêr este postal). Os axiomas tipológicos básicos – que as classes são absolutamente distintas, que as classes possuem traços diagnósticos únicos e que esses traços diagnósticos estão presentes de um modo fundamentalmente invariante em todos os membros da classe – aplicam-se universalmente em toda a esfera da vida.

Consequentemente, a isolação das classes é invariavelmente absoluta e as transições para um traço característico [que nunca ocorreu] são normalmente abruptas e o fenómeno da descontinuidade encontra-se através de todo o reino dos seres vivos.

Mesmo se um certo número de espécies fossem reconhecidas pela biologia como intermédias, possuindo sistema de órgãos perfeitamente transicional no sentido requerido pela teoria da evolução, isto não seria suficiente para validar o modelo evolutivo da natureza.

Para refutar a tipologia e validar de um modo seguro as alegações evolutiva, seriam necessárias centenas ou mesmo milhares de diferentes espécies, todas intermédias em termos da sua biologia geral, fisiologia e anatomia dos seu sistema de órgãos.

De acordo com alguns evolucionistas, as bases filosóficas e ideológicas por trás do modelo tipológico (Criação Bíblica) podem ser alegações metafísicas descabidas, mas a verdade é que o padrão da biodiversidade ajusta-se de um modo perfeito com o modelo tipológico.

Devido a isto, é fácil de entender a resistência que Cuvier e Agassiz ofereceram às teorias evolutivas dos seus tempos. Aquilo que eles observavam no padrão da natureza estava de acordo com a sua interpretação anti-evolutiva dos dados.

A rejeição da evolução por parte dos grandes biólogos do século 19 não foi um recuar perante os dados empíricos; eles apenas e só não viam qualquer tipo de evidência para a ordem sequencial do padrão da natureza – e isto eles consideravam essencial antes de alguém sugerir o conceito da evolução orgânica a partir dos factos da biologia.

Nesta história toda, se havia alguém que rejeitava os dados, esse alguém era Darwin – o mesmo que admitiu não ter qualquer tipo de evidência empírica sólida para qualquer tipo de transformação evolutiva que ele postulava terem acontecido no passado.

Foi Darwin, o evolucionista, que admitiu numa carta a Asa Gray que “a imaginação tem que preencher as enormes falhas“. (Darwin, C. (1858) numa carta a Asa Gray, 5 de Setembro de 1857, Zoologists, 16; 6297-99, ver p6299).


Modificado a partir do livro “Evolution: A Theory in Crisis“, página 117.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Os axiomas tipológicos e a imaginação de Darwin

  1. Mats says:

    João,
    Os links têm que ser colocados dentro do contexto da discussão e sempre com um texto explicativo. Colar links sm dizer porquê pode fazer com que o comentário seja rejeitado.

    Like

  2. joão says:

    Mats, apaga o comentário e este também.

    Tu tens feito um bom trabalho com estes Blogs, e era só para te facilitar o teu trabalho, ou dar-te mais umas ideias para posts futuros.

    Se tiveres uma outra forma de ser contactado, envia-me mail (estou a seguir este post tb) .

    Já pensaste em escrever artigos, num jornal ou numa revista?

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s