Avanços científicos ignoram desilusões de Darwin

Em Novembro do ano passado (2009), o Museu de Ciências de Londres publicou uma lista com as 10 maiores invenções científicas. Esta lista foi o resultado dos votos de cerca de 50 mil pessoas, às quais se pediu que a sua escolha levasse em consideração o impacto da invenção no passado, no presente e no futuro.

A máquina de raios-X ficou em 1º lugar, com cerca de 10 mil votos. Ela possibilitou, pela primeira vez, a visualização do interior do corpo humano sem que fosse preciso abri-lo.

A medicina foi um dos campos que recebeu mais votos, colocando duas outras invenções no topo da lista: a penicilina, em segundo lugar, e a descoberta da estrutura do DNA, em terceiro.

As 10 maiores invenções de todos os tempos:

1. Máquina de raios-X
2. Penicilina
3. Modelo do DNA
4. Nave Apollo 10
5. Foguete V2
6. Locomotiva a vapor ‘Rocket’
7. Computador ACE
8. Máquina a vapor
9. Carro Ford T
10. Telégrafo

CONCLUSÃO

É impressão minha ou não existem sinais da teoria da evolução nesta lista? É claro que não. A ciência progride aparte da teoria da evolução. A teoria da evolução só é importante nos campos criados para a explicar: paleoantropologia, biologia evolutiva, etc.

Como membro da Academia Nacional de Ciências, Philip Skell escreveu que a importância científica da teoria da evolução vai para além da realidade:

Recentemente perguntei a 70 eminentes investigadores se teriam feito o seu trabalho de maneira diferente se acreditassem que a teoria de Darwin estava errada. As suas respostas foram todas a mesma: “Não”.
(Philip Skell, “Why Do We Invoke Darwin? Evolutionary theory contributes little to experimental biology,” The Scientist (August 29, 2005).)

(Ver: Evolucionista sobrevaloriza importância da teoria da evolução)

Ao contrário do que alguns evolucionistas afirmam de forma religiosa, a teoria da evolução nunca foi nem é necessária para a ciência. A Ardi só foi considerada a descoberta científica mais relevante do ano de 2009 porque foi a Science quem fez a escolha, a mesma revista que , na altura, publicou 17 páginas sobre esse achado. Não seria de esperar outra coisa da Science a não ser que ela puxasse a brasa à sua sardinha.

Ninguém no seu perfeito juízo iria preterir um avanço médico por uma história da carochinha.

A ciência não precisa da teoria da evolução para subsistir e progredir. A teoria da evolução precisa da autoridade científica para conseguir fingir alguma credibilidade. A teoria da evolução é como um parasita que precisa de se apegar ao hospedeiro para conseguir sobreviver, prejudicando-o e atrasando o seu desenvolvimento (Ver exemplos: 1,2,3).

Vêr também:

Avanços tecnológicos não dependem da fé em Darwin


Do blogue “A Lógica do Sabino

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , . Bookmark the permalink.

42 Responses to Avanços científicos ignoram desilusões de Darwin

  1. Douglas says:

    E ainda dizem os evolucionistas que ela é tão precisa como a Teoria da gravidade!
    Pura insanidade e fé cega por parte deles …

    Like

  2. Jonas says:

    Na verdade o Naturalismo Ontológico faz com que Teorias sem lastro empírico suficiente como o Evolucionismo se sustentem.

    As evidências há muito apontam para uma MENTE como resposta a Complexidade,Especificidade e Função que se observa em uma célula.
    A Informação é a “base do ser”,e isto já está comprovado desde Biologia Molecular até Biologia do Desenvolvimento,o problema é reconhecer!

    A questão é que não há desejo que um DESIGNER se “intrometa” no moribundo Mundo do acaso.Há um limite de procura ao “tesouro”,o mapa está com uma área de restrição a procura “dele”,não deixando que as evidências sejam seguidas até “ele”.
    Enquanto isso sofremos com um assédio intelectual as bases da nossa intuição e razão.

    Em Romanos cap 1:18 diz “que a ira de DEUS permanece sobre aqueles que detem a VERDADE em injustiça.”

    Like

  3. Ana Silva says:

    Mats:

    A teoria da Evolução não é uma invenção. Como o nome indica é uma teoria científica que permite explicar fenómenos naturais, sem recorrer ao divino.

    Muitos fenómenos físicos podem ser explicados sem se recorrer à teoria da Evolução. Assim como muitos fenómenos físicos podem ser explicados sem recorrer à teoria da Gravidade, muitos fenómenos físicos podem ser explicados sem recorrer à teoria Atómica e por ai adiante.

    Se observar a lista das 10 maiores invenções o Mats verifica que nenhuma teoria científica (incluindo a do “criacionista” Newton) está presente. Quererá isso dizer que nenhuma delas tem “impacto no passado, no presente e no futuro”? Quererá isso dizer que as teorias científicas “nunca foram nem são necessárias para a ciência”?

    P.S.: Philip Skell foi um químico especializado em áreas não relacionadas com a biologia e um signatário de “A Scientific Dissent from Darwinism”, assinado por cientistas (e outros profissionais) defensores do design inteligente. Os “70 eminentes investigadores” a que Skell se refere também assinaram essa declaração?

    Like

  4. jonas says:

    A Teoria da Evolução recorre aos divinos Acaso-Tempo- Seleção Natural dos quais nenhum deles tem comprovação cientifica que tem “poderes” para gerarem transmutação(transformar um Australopithecus em um Antropólogo brasileiro)
    As adaptações muito bem transitam entre o tempo e a seleção, mas sempre com variações dentro da mesma espécie.As adaptações são informações contidas no genoma do ser vivo para faze lo prosseguir em sua jornada de sobrevivência.

    Nada na Biologia contemporânea faz sentido a não ser a luz da Informação complexa e especificada.(parodiando Dobzhansky)

    Like

  5. jonas says:

    Ana!

    “Uma teoria para ser considerada científica necessita que suas hipóteses sejam NECESSARIAMENTE FALSEÀVEIS e devidamente confrontadas entre si e com fatos científicos,fatos estes que integram um conjunto de evidências que juntamente com as hipóteses alicerçam o conceito da mesma…”

    Em quais quesitos da Teoria da Evolução este conceito é aplicado e corroborado?
    Assim conceituar a Teoria da Evolução como científica é temerário.

    Like

  6. Mats says:

    Ana Silva,

    A teoria da Evolução não é uma invenção. Como o nome indica é uma teoria científica que permite explicar fenómenos naturais, sem recorrer ao divino.

    A teoria da evolução tenta explicar (sem sucesso) a biosfera sem recorrer a Deus. A teoria não explica a origem da vida, a origem da sexualidade, a origem dos sistemas de respiração, a origem dos mamíferos, a origem das áves, ou a origem de qualquer outro sistema biológico.

    Muitos fenómenos físicos podem ser explicados sem se recorrer à teoria da Evolução.

    Mas eu pensava que nada na biologia fazia sentido sem ser à luz da teoria da evolução.

    Se observar a lista das 10 maiores invenções o Mats verifica que nenhuma teoria científica (incluindo a do “criacionista” Newton) está presente.

    O propósito é o de mostrar que as maiores invenções/descobertas da ciência não dependem da fé na teoria da evolução.

    Quererá isso dizer que nenhuma delas tem “impacto no passado, no presente e no futuro”? Quererá isso dizer que as teorias científicas “nunca foram nem são necessárias para a ciência”?

    As teorias científicas em torno são obviamente importantes para a ciência. A teoria da evolução é que não.

    P.S.: Philip Skell foi um químico especializado em áreas não relacionadas com a biologia

    Não há biologia sem química. A biologia depende de interacções químicas ao nível mas básico. Essa área é conhecida por bio-química.

    e um signatário de “A Scientific Dissent from Darwinism”, assinado por cientistas (e outros profissionais) defensores do design inteligente.

    A lista não é de defensores de Design Inteligente. Onde é a ANa viu isso? A lista é de profissionais cépticos das alegações da teoria da evolução. Em nenhuma parte da declaração se diz que a assinatura da mesma implica a defesa duma teoria alternativa.

    Além disso, mesmo que a lista fosse de criacionistas puros, isso não invalidaria o que eles dizem. O que vocês evolucionistas têm que vêr é que a vossa teoria é cientificamente irrelevante, coisa que muitos militantes ateus negam-se a aceitar.

    Os “70 eminentes investigadores” a que Skell se refere também assinaram essa declaração?

    Não sei, mas mesmo que tivessem assinado, é irrelevante.

    Like

  7. Ana Silva says:

    Jonas:

    A teoria da Evolução é falseável. Por exemplo a existência de fósseis vivos pode ser utilizada para comprovar a Evolução (como defendi num comentário recente), assim como a forma como os fósseis estão distribuídos em estratos. Os resultados obtidos por análise do genoma das espécies também estão de acordo com o que é de fendido pela Evolução.

    Note que isto não que dizer obrigatoriamente dizer que a Evolução é uma verdade absoluta, apenas quer dizer que neste momento é a teoria científica que melhor explica os fenómenos físicos (biológicos).

    O Jonas considera que, para ser considerada científica, uma teoria tem de ser falseável. “Em quais quesitos da Teoria do design inteligente ou do criacionismo este conceito é aplicado e corroborado?”

    Like

  8. Jonas says:

    Ana!
    Creio que estás equivocada em relação aos fósseis vivos,pois a sua permanência entre nós após “500 milhões de anos” e com morfologia e espécie mantida sugere que a Evolução não aconteceu.Algumas adaptações decorrentes de mudança ambiental e stress ocorreram,mas continuam semelhantes.(celacanto)

    Quanto as formas distribuídas nos extratos,há uma forma circular de averiguação(as rochas datam os fósseis e os fósseis datam as rochas)então a plausabilidade científica desta averiguação está comprometida.

    Hoje a Biologia Molecular tem muitos dados que contradizem a Evolução,mas o Paradigma vigente é opressor e não permite que pesquisas que contradigam este modelo sejam publicados com a análise de Pieer Rewiew.(Expelled-vídeo).
    Não há explicação para os Genes ORF,s,para a Origem da Informação celular,para o aparecimento do código genético de forma naturalista,o DNA Junk é hoje essencial para a regulação da expressão,a funcão e a tridimensionalidade das proteínas são incompatíveis com a probalistica matemática(a expressão de uma proteína de 150 aminiácidos demanda todos os recursos probalísticos do Universo-10 na 150)e tantos outros dados que mostram que a inserção de nova Informação para formar novos planos corporais demandam que uma MENTE ou Atividade consciente.esteja no planejamento.

    Veja não estou evocando o deus das lacunas,e sim dizendo que uma Mente ou Intelig~encia é a melhor explicação para muitas das evidências já reconhecidas.
    Em outro Post falarei da cientificidade do Criacionismo e do Design para a resposta não ficar longa.

    Like

  9. Jonas:

    para o criacionismo da terra jovem aqui defendido ser uma explicação alternativa à ciência era necessário que :

    A terra tivesse 6000 anos e tivesse havido um dilúvio universal há 4500.

    Se uma das premissas for errada logo o Gênesis não é uma discrição de factos mas outra coisa qualquer como defendem a maioria dos cristão.

    Portanto se o dilúvio não foi um fato temos de encontrar uma alternativa que melhor se adapte ás observações. Não é ?

    Faço-te o desafio que já fiz a todos os CTJ´s :

    Há 4500 anos sobraram 8 pessoas e tiveram de recomeçar a civilização do zero. Não havia florestas nem pastos. Eles tinham um numero reduzido de carnívoros e de herbívoros.

    Faz as contas para tentar calcular o tempo que tiveram que guardar os carnívoros para que os herbívoros se reproduzissem em numero suficiente para soltarem os carnívoros. E a logística que isto implica.

    Em seguida o tempo e as taxas de crescimento da população necessários para formarem as civilizações da antiguidade. Não só o Egito.

    Vais ver que a pirâmide de Gizé, por estas contas seria bastante recente.

    Se fizeres umas contas simples vais ver que é de todo impossível que a história do dilúvio seja um relato de factos.

    Vá lá…tenta conciliar e depois falamos.

    Claro que pode dizer como o Mats:

    – Ha!, ele há dúvidas nas datas, evolucionismo isso não foi assim….

    Até é um bom exercício.

    Cá espero pelas contas.

    Like

  10. Pedro says:

    E os problemas com o suposto dilúvio universal não acabam por aí, João. Em Gênesis cap. 6 Deus dá as instruções para Noé de como fazer a arca:

    14. Faze para ti uma arca de madeira resinosa: dividi-la-ás em compartimentos e a untarás de betume por dentro e por fora.
    15. E eis como a farás: seu comprimento será de trezentos côvados, sua largura de cinqüenta côvados, e sua altura de trinta.
    16. Farás no cimo da arca uma abertura com a dimensão dum côvado. Porás a porta da arca a um lado, e construirás três andares de compartimentos.
    17. Eis que vou fazer cair o dilúvio sobre a terra, uma inundação que exterminará todo ser que tenha sopro de vida debaixo do céu. Tudo que está sobre a terra morrerá.
    18. Mas farei aliança contigo: entrarás na arca com teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos.
    19. De tudo o que vive, de cada espécie de animais, farás entrar na arca dois, macho e fêmea, para que vivam contigo.
    20. De cada espécie de aves, e de cada espécie de quadrúpedes, e de cada espécie de animais que se arrastam sobre a terra, entrará um casal contigo, para que lhes possas conservar a vida.

    O côvado é uma antiga medida de distância; equivalente a mais ou menos dezoito polegadas (45,72 cm). Assim, temos uma arca com as seguintes medidas:

    Comprimento: 300 x 45,72 = 137,16 metros
    Largura: 50 x 45,72 = 22,86 metros
    Altura: 30 x 45,72 = 13,76 metros

    Há mais de 280 mil espécies de animais conhecidas e catalogadas pela Ciência. Agora expliquem-me como Noé colocou 2 casais de cada espécie em uma arca com estas medidas e o alimento para todos estes animais durante o longo tempo em que a Terra ficou inundada?

    [[Amigo, tu tens que começar a ler a Bíblia antes de comentares antes de fazeres este tipo de erros. A Bíblia não diz para levar 2 de TODAS AS ESpÉCIES mas sim dois de cada TIPO. E entre destes, só os terrestres, e dentre os terrestres, só os que respiram pelas narinas. Não era preciso levar baleias porque água é o que não haveria de faltar, e nem era preciso levar plantas.

    Que argumento mais ridículo o teu. Com este argumento todas as pessoas aqui do blogue ficaram a saber que tu não fazes ideia nenhuma do que o Criacionismo ensina. Sugiro que leias melhor o que a Bíblia diz antes de dares erros tão infantis como este. — Mats ]]

    E se o dilúvio exterminou “todo ser que tenha sopro de vida debaixo do céu”, de onde ressurgiram as planta?

    [[ Estás a falar a sério? Tu entendes o que quer dizer “sopro de vida”? – Mats ]]

    E quanto aos fungos, Insetos, algas, bactérias e protozoários?

    [[ lol. — Mats ]]

    Like

  11. Pedro says:

    Caro Mats,

    19. De tudo o que vive, de cada espécie de animais, farás entrar na arca dois, macho e fêmea, para que vivam contigo.
    20. De cada espécie de aves, e de cada espécie de quadrúpedes, e de cada espécie de animais que se arrastam sobre a terra, entrará um casal contigo, para que lhes possas conservar a vida.

    Agora tu me dizes que a bíblia não diz para levar um animal de cada espécie?

    [[ Estás a falar a sério? Tu entendes o que quer dizer “sopro de vida”? – Mats ]]

    17. Eis que vou fazer cair o dilúvio sobre a terra, uma inundação que exterminará todo ser que tenha sopro de vida debaixo do céu. Tudo que está sobre a terra morrerá.

    Caso não saiba as plantas, fungos, Insetos, algas, bactérias e protozoários
    também têm vida. Se Noé não levou estes para a arca como ainda vivem?

    A Bíblia não diz para levar 2 de TODAS AS ESpÉCIES mas sim dois de cada TIPO.

    E o que seria “tipo”, para você? Como ele pode ter levado um animal de cada “tipo” e hoje existir essa grande variedade de espécies? Talvez… evolução?

    Espero por respostas honestas. Um “não sei” é melhor do que tentar me ridicularizar.

    Like

  12. Ana Silva says:

    Jonas:

    Existem muitas (para não dizer vários milhares) de espécies cuja presença não é contínua (da base ao topo) nos estratos geológicos. A maioria existe apenas em estratos geológicos intermédios (apareceram, existiram e desapareceram). E depois existem algumas espécies que são fósseis vivos (que estão presentes também como fósseis nos estratos geológicos).

    Se a grande maioria das espécies existentes actualmente fossem fosseis vivos, com registos extensos nos estratos geológicos então a Evolução (e a Tectónica de Placas!) seria uma teoria científica em apuros. Mas os fosseis vivos são uma ínfima percentagem da totalidade de espécies conhecidas, extintas ou não. E a Evolução explica a existência (do pequeno número) de fósseis vivos dizendo que essas espécies apresentam características que lhes permitiram manter-se adaptados ao seu ecossistema durante milhares (ou até milhões) de anos, sem sofrer grandes alterações.

    Sem mais indicações, o Jonas escreve a palavra “celacanto”. Para o caso de eu não saber, o Jonas deveria ter referido que os celacantos são peixes, fosseis vivos, e que foram descobertos em meados do século XX na costa africana do Índico. Quando os celacantos foram descobertos em 1938 (segundo a Wikipédia) por uma equipa de investigadores “brancos” já eram pescados pelas populações indígenas à várias gerações. Só foi uma “grande descoberta” para os investigadores “brancos”.

    É por vezes difícil compreender o seu texto. Por exemplo: o que quer dizer com “a expressão de uma proteína de 150 aminiácidos demanda todos os recursos probalísticos do Universo-10 na 150”?

    “Quanto as formas distribuídas nos extratos, há uma forma circular de averiguação(as rochas datam os fósseis e os fósseis datam as rochas”… Certo. E depois existe a datação radioactiva (que, desconfio, o Jonas considera cheia, cheiinha de falhas).

    “Não há explicação para os Genes ORF,s,para a Origem da Informação celular,para o aparecimento do código genético de forma naturalista”… E então? Quer isso dizer que nunca jamais haverá nenhuma explicação? Esse não é um pensamento científico, Jonas.

    “Veja não estou evocando o deus das lacunas,e sim dizendo que uma Mente ou Intelig~encia é a melhor explicação para muitas das evidências já reconhecidas”. O que o Jonas indicia é que a acção “Mente ou Inteligência [Superior]” explica aquilo que ainda não conseguimos explicar (“os Genes ORF,s, a Origem da Informação celular, o aparecimento do código genético de forma naturalista”, etc.). Ou seja são explicações para as “lacunas”!

    Like

  13. Mats says:

    Ana Silva,

    O que o Jonas indicia é que a acção “Mente ou Inteligência [Superior]” explica aquilo que ainda não conseguimos explicar

    Mas nós conseguimos explicar a explicação é mesmo a acção Inteligente do Criador..

    A inexistência duma resposta que esteja de acordo com o naturalismo não indica a inexistência DE FACTO duma resposta.

    Like

  14. Ana Silva says:

    Mats:

    “A teoria da evolução tenta explicar a biosfera sem recorrer a Deus”, como é obrigação de todas as teorias científicas.

    A Evolução não explica a origem da vida nem esse é o seu objectivo.

    Com “sexualidade” quer dizer existência de dois sexos? Se sim então a “sexualidade” permite, através da troca de genes e de modificações genéticas, gerar indivíduos diversos entre si a nível genético. Esta variação permite “cobrir todas as bases”: se aparecer uma doença nova alguns indivíduos são mais resistentes que outros e deixaram maior descendência. Exemplos de doenças dizimadoras (que me lembre) são o síndrome do nariz branco em morcegos e a varíola nas tribos índias (América). Estudos e modelos confirmaram que a existência de dois sexos é um factor positivo para a sobrevivência da espécie.

    Os sistemas respiratórios, de visão, de audição e digestivos (entre outros) dos animais adaptaram-se aos ecossistemas. A vida povoou os mares antes de povoar a terra, logo as primeiras plantas que povoaram a terra não tinham predadores (uma vantagem na sobrevivência), os primeiros animais herbívoros que povoaram a terra não tinham nem predadores nem competição (uma vantagem na sobrevivência), os primeiros animais carnívoros que povoaram a terra não tinham competição (uma vantagem na sobrevivência).

    Espécies com capacidade para se adaptar a novos ecossistemas ainda não explorados têm vantagens de sobrevivência. Como por exemplo os primeiros animais que tenham desenvolvido um sistema respiratório capaz de captar oxigénio a partir do ar.

    A origem dos mamíferos e de aves resulta da adaptação a novos ecossistemas. Existem muitos exemplos de fósseis de transição.

    Em resumo: os “sistemas biológicos” estão em constante adaptação ao meio ambiente e à vida no planeta Terra.

    Like

  15. Ana Silva says:

    Mats:

    “O propósito é o de mostrar que as maiores invenções/descobertas da ciência não dependem da fé na teoria da evolução.” Pode ser, mas não foi apenas a Evolução que não foi escolhida para a lista dos 10 +. A Gravidade, a Relatividade, a Tectónica de Placas, a Teoria Atómica da Matéria, nenhuma destas teorias científicas, tão importantes como a Evolução, foi escolhida para integrar a lista dos 10 +. Então porquê o enfoque exclusivo na Evolução?

    E já agora “as maiores invenções/descobertas da ciência” também “não dependem da fé” nas teorias da Tectónica de Placas e da Relatividade ? Isso torna estas teorias erradas?

    “Não há biologia sem química. A biologia depende de interacções químicas ao nível mas básico. Essa área é conhecida por bio-química”. Este é um pensamento muito reducionista. Se o Mats seguir essa linha de pensamento chegará à conclusão que, na verdade não há biologia sem física, porque toda a química pode ser explicada por fenómenos físicos.” A biologia depende de interacções químicas ao nível mais básico” e a química pode ser explicada como uma série de fenómenos físicos “ao nível mais básico”. Logo “A biologia depende de interacções físicas ao nível mas básico”.

    A Bioquímica estuda o que acontece a nível celular em termos químicos. Está principalmente relacionada (e é muitas vezes confundida com) a Biologia Celular.

    Eu não referi que a declaração “A Scientific Dissent from Darwinism” foi assinada exclusivamente por defensores do design inteligente e do criacionismo. Apenas que vários signatários são defensores do design inteligente famosos.

    “A lista é de profissionais cépticos das alegações da teoria da evolução”. Sendo assim duvido que algum dos signatários fosse considerar que “se teria feito o seu trabalho de maneira diferente”, visto que acreditam a priori “que a teoria de Darwin esta errada”. É perfeitamente natural que a sua resposta seja não. É por isso que é relevante saber se “os “70 eminentes investigadores” a que Skell se refere também assinaram a declaração [“A Scientific Dissent from Darwinism”].”

    P.S.: Explicar a biologia ao nível das “interacções químicas” torna qualquer explicação um tratado incompreensível para o cidadão comum.

    Experimente explicar o “fenómeno” que permite a uma chita caçar um antílope. Tem de explicar a acção do cérebro e sistema nervoso não só sobre os músculos da chita como também sobre o coração, o sistema respiratório, o sistema renal, e explicar a libertação e actuação das hormonas sobre todos estes sistemas. E tudo isto referindo-se exclusivamente a enzimas e outras proteínas, lípidos, glíciods, substratos, produtos e reacções químicas. Para não falar da interacção olhos-cérebro e ouvido-cérebro. Só os nomes das proteínas envolvidas formam uma lista extensa.

    Agora imagine explicar, recorrendo à química “ao nível mais básico”, porque é que a chita não consegue manter a velocidade, desistindo se não conseguir alcançar a caça em alguns minutos.

    Like

  16. jefferson says:

    19. De tudo o que vive, de cada espécie de animais, farás entrar na arca dois, macho e fêmea, para que vivam contigo.(o dois aqui são dois machos e duas fêmeas,ou um macho e uma fêmea=2 ???

    Afinal existe uma vírgula )

    20. De cada espécie de aves, e de cada espécie de quadrúpedes, e de cada espécie de animais que se arrastam sobre a terra, entrará um(novamente,o versículo aqui, ratifica apenas um casal e não dois!

    Não me resta duvida que a solicitação era de um par,sendo um macho e uma fêmea,senão ele diria farás entrar quatro,dois machos e duas fêmeas ou então não haveria a nescessidade da vírgula:farás entrar na arca dois machos e duas fêmeas,para que vivam contigo!sem a virgula muda o sentido e muda o número de animais) casal contigo, para que lhes possas conservar a vida.

    O mais interessante é como a evolução explica a reprodução dos seres vivos de reprodução sexuada?Como pode ,por exemplo,pela reprodução sexuada,uma lontra,após milhões de anos,dar luz a uma baleia?

    Like

  17. Ana Silva says:

    Mats:

    (desculpe, só agora me apercebi do seu último comentário)

    “A inexistência duma resposta que esteja de acordo com o naturalismo não indica a inexistência DE FACTO duma resposta.” Verdade.

    Mas “a acção Inteligente do Criador” só “servirá” como explicação até a altura em que a Ciência consiga encontrar uma explicação. É por isso que “a acção Inteligente do Criador” acaba por ser uma forma de explicar “lacunas”. Quando a Ciência conseguir explicar uma lacuna o que acontece a “acção” do Criador?

    Like

  18. Mats says:

    Ana Silva,

    “A inexistência duma resposta que esteja de acordo com o naturalismo não indica a inexistência DE FACTO duma resposta.”

    Verdade. Mas “a acção Inteligente do Criador” só “servirá” como explicação até a altura em que a Ciência consiga encontrar uma explicação.

    A ciência já encontrou uma explicação: design inteligente. É isso que a Ana não quer aceitar.
    A explicação científica para a origem do código informático dentro das formas de vida é “design inteligente”. E porquê? Porque, segundo as evidências científicas disponíveis, códigos informáticos são sempre o resultado de design inteligente.

    Se a Ana ou outro qualquer evolucionista conseguir encontrar a mística força não inteligente que consiga gerar informação em código análoga à que se encontra dentro dos sistemas de vida, então ficamos a saber que o design inteligente não é a única explicação exclusiva para a origem da informação codificada.

    O que vocês evolucionistas têm que fazer posteriormente é mostrar que, não só é possível, como foi exactamente o que aconteceu (forças não inteligentes a gerarem informação em código).

    Like

  19. jefferson says:

    Tá na hora dos animais começarem a evoluir de novo!!!

    Afinal vejam os rios por exemplo…os animais que povoavam o rio tietê ,deveriam evoluir para alguma espécie de animal terrestre,afinal,existe a tal pressão evolutiva para eles sobreviverem!ou só os terrestre(vide os cetaceos) tiveram essa capacidade de se adaptar ao meio completamente inadequado para eles?…

    Será que alguma espécie de animal “percebe” que o grande vilão deles,o grande predador deles é o homem?que tal eles começarem a evoluir tbm em racionalidade ,quem sabe o golfinho que possui um cérebro que supera o cérebro humano em muitos aspectos,e a complexidade do córtex cerebral dele é enorme?!Já tá na hora do golfinho se ligar e “combater” o seu assassínio em massa ,cometido pela pesca japonesa!

    Afinal os “ancestrais” dos hominideos resolveram ,sei lá de onde, fazer isso…pq os golfinhos não podem???

    Só se Deus(Que eu creio) não permitir né?Afinal Deus fez o homem a sua imagem e semelhança e o fez dominar sobre TODOS animais,limitando a inteligencia dos demais animais em relação aos seres humanos!

    Caso isso não seja verdade oque os golfinhos estão esperando?para se tornarem racionais,com intelecto,mente e contratacar os pescadores japoneses?Ou a “evolução” é intencional e resolveu privilegiar o ser humano somente???O momento é crítico para muitas espécies!!!

    O que não faltam são pressões para as espécies “evoluirem” e se “perpetuarem” na terra. E não existe um critério feito pela evolução,pra definir o surgimento da racionalidade,intelecto e mente!

    Ou quem sabe tá na hora das bacterias imigrarem,pegando carona em algum meteorito no espaço e ir de encontro aos supostos milhões de planetas habitáveis e “evoluir” nesses planetas cujo seres humanos inexiste!

    O cineasta Psihoyos afirma não comer “animais que andam” há décadas.

    “Queremos começar um movimento para salvar o mundo natural da destruição humana”, diz ele.
    AFINAL SE DEPENDER DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES,POR SELEÇÃO NATURAL,PELA VANTAGEM DO MAIS FORTE E PELA PRESSÃO SELETIVA ,ESSA “SALVAÇÃO” NÃO VIRÁ!!!
    MAS DEUS SIM, NÃO DEIXARÁ BARATO Apocalipse 11:18 ” …e o tempo de destruires os que destroem a terra.

    Like

  20. Mats says:

    Ana Silva,

    “O propósito é o de mostrar que as maiores invenções/descobertas da ciência não dependem da fé na teoria da evolução.”
    Pode ser, mas não foi apenas a Evolução que não foi escolhida para a lista dos 10 +. A Gravidade, a Relatividade, a Tectónica de Placas, a Teoria Atómica da Matéria, nenhuma destas teorias científicas, tão importantes como a Evolução, foi escolhida para integrar a lista dos 10 +. Então porquê o enfoque exclusivo na Evolução?

    Primeiro, a teoria da evolução não é tão importante como a gravidade, a relatividade ou a teoria das placas.
    Segundo: O propósito do post é mostrar que, contrariamente ao que os evolucionistas alegam, firme fé na teoria da evolução é irrelevante para se produzir bons resultados científicos.

    TERCEIRO, há algumas invenções que seriam difíceis sem conhecimentos profundos de Física (gravidade e leis do movimento): Nave Apollo 10 , Foguete V2 , Locomotiva a vapor ‘Rocket’ , Máquina a vapor e o Carro Ford T.

    Ao contrário da teoria da evolução, a teoria da gravidade e as leis de Newton são importantes no dia à dia dos Físicos. Um Físico tem que subscrever e aceitar as leis da gravidade para poder fazer o seu trabalho.

    No que toca à biologia, não é preciso acreditar que peixes evoluíram para pescadores, ou que dinossauros evoluíram para colibris para poder fazer um bom trabalho.

    Like

  21. Pedro says:

    Realmente Jefferson. Neste trecho a bíblia diz que devem entrar 1 casal de cada espécie. Mas em gênesis cap. 7 a coisa já muda:

    2 – De todo animal limpo tomarás para ti sete e sete: o macho e sua fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois: o macho e sua fêmea.

    E agora?

    [[ E agora sugiro que leis mais material Cristão parares te demonstrar a tua falta de conhecimento. Animal limpo é diferente dos outros animais.

    A palavra “espécie” é uma TRADUÇÃO duma palavra em hebraico que nada tem a ver com o entendimento moderno de “espécie”.

    Sinceramente, Pedro, tu ao menos queres ser levado a sério ? — Mats]]a

    Like

  22. Ana Silva says:

    Mats:

    “A ciência já encontrou uma explicação: design inteligente.” Mas como acontece sempre em Ciência todas as explicações são provisórias. Imaginemos que a explicação do design inteligente era uma boa explicação (o que não considero). O que acontecerá à ideia de existência/actuação de um designer inteligente se for encontrada uma explicação melhor?

    “Segundo as evidências científicas disponíveis, códigos informáticos são sempre o resultado de design inteligente”. Os códigos informáticos são sempre o resultado de um designer inteligente, o programador que escreve os códigos informáticos. O código genético não é um código informático. Não é correcto (nem possível) estabelecer uma analogia directa completa entre o código genético e o código informático.

    Não existe nenhuma “mística força não inteligente que consiga gerar informação em código análoga à que se encontra dentro dos sistemas de vida”. Existirão de certeza propostas de explicação (hipóteses) para o aparecimento do DNA e respectivo sistema bioquímico de apoio. Como não sou especialista na área não conheço estas hipóteses. Mas dizer “foi obra de um designer inteligente” não é uma alternativa viável. Pelo que já disse. E porque é uma explicação oca. Como e quando é que o designer inteligente criou o DNA?

    “O que vocês evolucionistas têm que fazer posteriormente é mostrar que, não só é possível, como foi exactamente o que aconteceu (forças não inteligentes a gerarem informação em código).” Não é bem assim. O que os cientistas têm de fazer (continuamente) é procurar explicações materiais que expliquem o aparecimento e desenvolvimento do DNA e respectivo sistema bioquímico de apoio. Porque o objectivo de um cientista (independentemente da área científica) é procurar explicações materiais que expliquem fenómenos físicos (biológicos e outros).

    Like

  23. Pedro says:

    É lógico que eu estou falando sério, Mats. Está na hora de você parar de mudar o foco e responder as perguntas que lhe são dirigidas.

    [[ Tens que começar a fazer perguntas informadas, então — Mats]]

    Like

  24. jefferson says:

    Pedro
    2 – De todo animal limpo(que estiver na arca ,claro,cada espécie com 1 macho e uma fêmea) tomarás para ti sete e sete: o macho e sua fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois: o macho e sua fêmea.

    Caro Pedro…cade as espécies???tú estás a acreditar que eram sete casais de cada espécie???Não meu caro!!!Eram sete(espécies) pares diferentes de animais “limpos”(sete e sete!)e um par(espécie) de animais que não são “limpos”.

    As aves também meu caro!sete e sete(macho e fêmea) e essas aves tbm tinham que ser aves “limpas”>>>>E edificou Noé um altar ao SENHOR; e tomou de todo o ANIMAL LIMPO e de toda a AVE LIMPA, e OFERECEU HOLOCAUSTO sobre o ALTAR.Gênesis 8.20,

    ou seja 28 animais foram oferecidos por Noé.

    Você tem que saber que Deus e o número sete estão intrínsecamente ligados em toda a Bíblia…você não possui discernimento pra entender isso.Aí acaba interpretando e entendendo tudo errado!

    O Gênesis é bem claro,quanto ao numero das epécies UM PAR!

    De todos os animais limpos de espécies diferentes ele separou 7 pares e de todas as aves de espécie diferente ele separou 7 pares !

    Like

  25. Jonas says:

    Ana!

    Onde estão os fósseis intermediários(transicionais) que deveriam ser aos bilhiões?
    Aqueles um pouco parecido com seus ancestrais ou descendentes?
    Se a ti esta constatação não diz nada, então não tenho mais nada a considerar sobre este assunto.

    É muito fácil a nivel morfologico descrever novas características,mas a nível molecular a realidade é outra.Novos planos corpóreos exigem nova informação,e esta deve ser especificada e funcional e mais, ainda exige-se uma Informação hierarquizada.Ex:Na montagem de uma computador voce ´precisa de informação para a formação das peças elementares,depois informação para construir o circuito elétrico e por último Informação superior para a montagem do computador.

    Veja a Informação sofre hierarquização para que apartir de um componente se chegue ao computador.

    Para se formar novos planos corporais é preciso que as mutações sejam a princípio no nível mais básico(DNA) para que depois outras mutações alterem o “projeto” anterior.O problema que isto demanda níveis de informação hierarquizados e devidamente funcionais e especificados.
    Já se sabe que mutar somente o DNA não se adquire esta Informação Ontogênica necessária para a montagem de um novo plano.

    Então de onde vem esta Informação???mutações aleatorias? Seleção?

    É bom rever os conceitos!

    Quando te falei que para se construir uma proteína funcional de 150 aminoácidos a razão probalística seria 10 na potência 150,e os recursos probalísticos do Universo seriam 10 na potência de 150.Como vês esgota-se os recursos com a construção de uma proteína,quanto mais de centenas ou milhares que são necessárias para uma mudança de um plano corpora
    Olha que 150 aminoácidos é ptoteínassssssinha.

    Quando argumentei das novas descobertas Biológicas que levam esta a um terreno Informacional como “base do ser”,quiz dizer que a melhor inferência é uma Mente ou Inteligência guiando este processo.

    Nova Informação em nossa esperiência uniforme e repetida é adquirida através de uma atividade consciente,,mente,ou inteligência.Quando queremos mudar o Software de um computador acresentamos nova informação e isto é fruto de uma atividade consciente(mente).Porque será que ao se mudar um plano corporal de algum ser vivo esta experiência não é valida,e é preciso se recorrer ao acaso???

    O Naturalismo Ontológico cega a tal ponto em que aquilo que usamos a cada momento em nossa vida (INTELIGÊNCIA) seja descartada a priori pelo moribundo acaso e seleção .

    A vida é Informação,a Biologia Molecular está a dizer todos os dias,mas o paradigma vigente não permite ver o “elefante na sala”.

    Obs.Quanto ao celacanto não vejo porque ficares estupefata,pois era o exemplo de um fóssi vivo.

    Quanto ao parecer desconexo ao que escrevo peço desculpas,pois acho que as pessoas estão íntimas a nomenclatura e das controvérsias biológicas.Para não me tornar enfadonho nas explicações fico relapso.

    Like

  26. Jonas says:

    Ana!
    Me explique que como o código genético não é um código informático???

    O que entendes por código?

    Só para te situar, achas que a Teoria da Informação de Shannon é equiparável a comunicação celular que é funcional e especificada?

    Like

  27. Ana Silva says:

    Jonas:

    A palavra código pode ter muitos significados diferentes. Por exemplo em Portugal o “código do trabalho” é a legislação que guia todas as relações de trabalho envolvendo o patrão, o trabalhador, os sindicatos, as Ordens e o Estado. Tem um significado muito diferente de código genético ou de código informático. Também existem o código de barras (que indica as características de um produto de comércio) e o código postal (que localiza uma rua numa zona de um concelho), o código de estrada (regras de trânsito) e o código como palavra-chave.

    Resumindo: não é por partilhar a palavra “código” que “código genético” e “código informático” são a mesma coisa.

    A tentação para equiparar código informático e código genético pode ser muito grande mas é errada. Permite fazer analogias erradas do estilo “tal como o código informático e “desenhado” pelo programador informático criando um programa que permite resolver uma tarefa também o código genético e “desenhado” por um programador (designer) inteligente para criar uma proteína”.

    Mas o DNA é composto de bases azotadas, compostas de átomos. As moléculas que participam na “produção” de uma proteína também são compostas por átomos. Assim toda a interacção entre estes sistemas é explicada pelas leis da Química. Não existe um designer por detrás desta “maquinaria”. Uma base de DNA trocada e pode ser formada uma proteína completamente diferente (funcional ou não) ou não se formar proteína nenhuma. Uma base trocada e a taxa de produção de uma proteína pode ser demasiado elevada ou demasiado baixa, ou pode até levar à acumulação de um produto intermediário tóxico. É tudo Química.

    A troca de uma base pode surgir de uma mutação herdada, uma mutação na formação do ovo (após fecundação) ou uma mutação bem posterior. O código genético é um código porque “codifica”, mas que facilmente sofre alterações espontâneas, ao contrário do código informático que só pode ser alterado pelo programador.

    A mitose e a meiose também podem levar à alteração da localização do material genético (com o comprimento que pode variar de algumas pares de bases a mais de um gene). Este processo é aleatório e não tem analogia para o código informático, que só pode ser alterado pelo programador.

    Também não é correcto fazer uma analogia total entre “código genético” e “código de escrita”, em que “código de escrita” é o conjunto de sinais (letras, números, sinas de acentuação e pontuação) e regras (português) que utilizamos para comunicar neste blog. Pelas mesmas razões que referi para o “código informático”

    Não sei o que é e defende a “Teoria da Informação de Shannon”. Por isso não sei se esta é ou não “equiparável a comunicação celular”. Também não sei o que Jonas quer dizer com “comunicação celular” ser “funcional e especificada”.

    P.S.: Se não estou enganada cada conjunto de três bases azotadas de DNA em sequência “codifica” um aminoácido. É a isto que eu chamo o “código genético”. Existem 20 aminoácidos e mais do que vinte combinações possíveis de três bases azotadas. E existem sinais de “start” e “stop”, correspondente ao princípio e fim de uma cadeia de aminoácidos. O DNA é primeiro transcrito em RNAm (RNA mensageiro) e o RNAm é traduzido em aminoácidos que formam a cadeia proteica. A cadeia proteica sofre depois alterações, que pode levar á diminuição do seu tamanho e leva de certeza à formação de uma estrutura tridimensional (este parágrafo apresenta o processo de uma forma muito, muito simplificada).

    Like

  28. jonas says:

    Ana!
    Eu preciso trabalhar alguns conceitos e apreciar formas como o DNA e sua maquinaria trabalham para estabelecer a verdade numa ótica de esfera não naturalista e sim de justificação empírica, no contexto de que a ciência não tem paradigmas prediletos.

    Código;”É um conjunto de palavras ou símbolos escritos de forma ORDENADA e CONTENDO INSTRUÇÃO…”

    Software: “É uma sequência de INSTRUÇÕES a serem seguidas…”

    Existe nestes dois conceitos similaridades de como o DNA expresso e o DNA regulador trabalham?Sim porque os caracteres são ordenados e contém instrução.Negar isto é procurar deixar uma cortina de fumaça naquilo que é obvio .A questão a ser resolvida é muito mais de preferência de uma cosmovisão,do que racional e intuitiva.

    Creio que estás equivocada quanto a dizeres que a “interação” entre forças químicas são responsáveis por toda a Informação específica e funcional que há na célula.No DNA as ligações fosfodiéster são covalentes e ligam o fosfato a ribose,e as bases nitrogenadas se ligam através de pontes de hidrogênio (a-t c-g).Veja não existe uma ligação entre as bases nitrogenadas acima e abaixo,somente na linha horizontal do DNA(A_T C_G) e não vertical.Portanto a tamanha diversidade da Informação do Dna se deve a sua aperiodicidade.Na sua linha vertical pode ser uma Adenina e a outra timina,a outra citosina e voltar a adenina.Se houvesse periodicidade como me falaste na “interação”,então a informação no Dna seria minima(teoria do tetranucletídeo)
    Numa analogia,se pegar um quadro magnetizado as letras seriam fixas por esta atração a nível de domínio magnéticos,mas as palavras ou frases formadas seriam ação de uma mente que as disporia para terem sentido.Assim é no Dna,onde as letras a-t-c-g tem sentido informacional(descrevestes a transcrição e a tradução)

    A questão da especificidade e funcionalidade;

    Quando a estrutura primária da proteína(aminoácidos ligados um ao outro pós tradução) sai dos ribossomos,há uma especificidade quanto aos aminoácidos que foram traduzidos,pois a função de uma proteína depende do folding ou dobramento correto(específico-mão-luva)para cumprir o seu designo.Um exemplo simples é que uma enzima é também uma proteína,e portanto precisa da conformação certa,e isto depende dos aminoácidos que estão na estrutura primaria,pois alguns são polares,outros não polares e assim por diante,fazendo com que aja uma graduação nas ligações entre os aminoácidos trazendo os a conformação funcional própria.
    Para exemplificar melhor a especificidade veja tipos de informação;
    repetitiva;ab ab ab aba ab
    complexa:kijwndjdfodfn ckffnbcf.
    Específica: A vida é complexa.
    Na teoria de Shannon o exemplo é informação complexa,mas veja a diferença da especificada que há nas células,onde o sentido e a semântica são a tônica,enquanto na de Shannon é a sintática.
    As duas formas carregam informação,mas só a especificada carrega sentido e função.

    Creio que esta resposta ficou longa,mas é necessário analisar ,e ver qual é a informação que a célula usa:complexa ou especificada?
    A Biologia é linda,e estamos numa época maravilhosa de descobertas,mostrando que a célula não é como Haeckel e Darwin pensavam(protoplasma gelatinoso) mas como uma cidade hight tech de sofisticadíssimos processos,sistemas,regulações e antevidência.

    Like

  29. Ana Silva says:

    Jonas:

    Penso que segue uma via de raciocínio com um equívoco fundamental. Apresenta analogias entre dois sistemas não como comparações mas como se esses sistemas fossem iguais. O código genético funciona como um código (uma sequência de três bases azotadas “codifica” um aminoácido) tal como as letras se agrupam para fazer palavras correspondentes a objectos.

    Mas depois existem divergências. Por exemplo a escrita tem vinte e seis letras (alfabeto latino) que se podem organizar em sequências de número variável (uma letra, quatro, dez, etc.). Uma molécula de DNA possui quatro “letras” (bases azotadas) que se organizam sempre em “palavras” de três letras.

    A omissão regular de uma letra ou espaço num texto escrito não impede a sua compreensão (como os leitores do Jonas sabem tão bem). Mas no DNA a eliminação de uma base altera todo o sentido da frase, porque a fita de DNA perde um elemento de um trio codificante e o sistema de leitura é cego a este pormenor, passando a formar-se uma sequência diferente de aminoácidos.

    “Não existe uma ligação entre as bases nitrogenadas acima e abaixo,somente na linha horizontal do DNA(A_T C_G) e não vertical”. Pois não. Porque as ligações entre as bases azotadas são pontes de hidrogénio. A estrutura de DNA e as ligações entre os átomos das bases etc não favorecem a formação de pontes de hidrogénio na “linha vertical”. Isto é explicado pela Química.

    Não existem ““interações” entre forças químicas”. Existem interacções entre átomos, entre iões ou entre moléculas. Como as pontes de hidrogénio ou as ligações covalente que o Jonas refere. Como eu disse toda a “interacção entre os sistemas relacionados com o DNA é explicada pelas leis (não “forças”) da Química.

    “A função de uma proteína depende do folding ou dobramento” para cumprir a sua função (desígnio é uma palavra excessivamente epopeica). E “isto depende dos aminoácidos que estão na estrutura primaria,pois alguns são polares,outros não polares”. Verdade. Mas a substituição de um aminoácido polar por outro também polar (ou mesmo a omissão de um aminoácido) pode não ter consequências para a funcionalidade da proteína. Depende do local que o aminoácido ocupa.

    P.S.: Pelo que eu li a aplicação da “Teoria da Informação de Shannon” a sistemas biológicos não é tão linear como foi proposto por Dembski. Por exemplo, para um sistema biológico não é correcto considerar que todos os acontecimentos têm a mesma probabilidade.

    Não falei de nenhuma periodicidade na sequência de bases azotadas no DNA, embora elas existam em certos locais (o “Junk DNA” que o Jonas referiu anteriormente).

    Like

  30. Jonas says:

    Ana!

    Creio que o equivoco está no seu pensamento em relação que mutar o Dna não altera a mensagem.Mute aleatóriamente e verás o que acontece.A mensagem do Dna é analoga há uma linguagem,pois na estrutura primária, se a codificação dos aminoácidos não são importantes então como numa sentença mudar as letras também não é importante.Este processo de chama no chargão biológico de Entropia Genética.Troque um A por C e verás o que acontece na especificidade e função da proteína.

    Só para te chamar a atenção que só por serem 4 bases isto não altera a probalística do fato.Uma proteína de sómente 150 Aa possui 10 na potência 76 maneiras diferentes de se dobrar,e em Biologia função é tudo(mão e luva)

    Um exemplo prático é que uma palavra de 10 letras tem 1o trilhões de formas de se combinar diferentemente.Então veja quantas formas diferentes teria uma proteína de só 100 Aa.

    Na questão de forças ou lei,isto é preciosismo seu, creio eu de na forma de querer depreciar o comentário,mas deixa para lá,o interessante é que eu quero que mostres onde as bases são ligadas de uma forma por LEIS quimicas para gerar estas codificações.Se houver periodicidade no Dna acaba-se a diversidade da Informação.

    O A sempre se ligará como T no Dna,mas isso não determina a especificidade da mensagem,onde poderá ter 7T e depois 2 c e assim por diante.É disto que estou falando.A predestinação química já foi .A necessidade(leis quimicas) estão impotentes diadiante da Informação complexa e especificada que é necessária para a Vida.

    Outro equivoco seu é sobre o FALSO DNA JUNK,pois a confundes repetições de bases como se fosse uma estrutura lixo ou resquícios de materiais evolutivos.Hoje descobriu-se que o DNA JUNK está intimamente envolvido com a expressão e regulação dos processos.Os micro Rnas,os Linc Rnas,os pseudogenes estão envolvidos neste sitema maravilhoso de Informação celular.

    A tuas palavra epopéica em relação a designo tem significado na sua noção naturalista ontológica,mas veja qual em nossas experiências cotidianas e regulares são as ações em que a Inteligência não seja usada e através dela designo.!Qual a melhor inferência para a Informação na célula/Acaso ou design?

    Vou parar por aqui pois está longa a resposta;apropósito porque me respondes diretamente a mim e falas como se estivesses falando com os outros(o Jonas…)
    Criticas as minhas deleções em letras no textos e que isto não altera a compreensão,então só para exemplificar vou ampliar estes “erros” e verás onde ficará a sua compreensão(analogia em relação a mensagem do DNA.)

    Pcerour lre.
    Entendestes???

    Se não houvesse um mecanismo de reparo eficiente com aproximadamente 70 proteínas executando uma forma padrão de design como uma correção ortográfica no computador,então o texto genético ficaria assim como a frase acima,e a Vida,adeus.A isto se chama entropia genética.
    A propósito,quem vem antes,o código que está expresso nas bases ou mecanismo de correção?Se este mecanismo for fortuíto,então a vida já poderia estar acabada até se estabelecer este mecanismo.A taxa de erro no DNA sem correção sem não houvesse este mecanismo é de 1%.Então qual a melhor inferência para o fato?ACASO,NECESSIDADE OU UMA MENTE???

    Obs.Procuro não revisar o que escrevo,o meu “aparato revisor” é lento e inificiente.Entenda isso e não procure tentar ganhar pontos com isso,porque o essencial é a MENSAGEM,como em tudo na VIDA.
    Procure não ser tão detalhista no meu texto,relaxe o seu “mecanismo de correção”!!! A Vida é bela e o que DEUS fez mais ainda.
    Para aliviar o peso teórico- técnico do texto,deixo uma frase de William Shakespeare:”Ó BELEZA!ONDE ESTÀ TUA VERDADE.”

    Like

  31. Jonas says:

    Mats!
    Enviei duas respostas a Ana e elas não apareceram.

    Like

  32. Pedro says:

    Apenas responda-me e pare de mudar o foco. Se Noé não levou um animal de cada espécie de onde surgiram estas centenas de milhares de espécies?

    [ Dos tipos básicos que ele levou para a arca. Lembra-te: Noé não levou, por exemplo, um par de leões, outro de tigres, outro de chitas, e outro de jaguares. Ele levou O TIPO BÁSICO a partir do qual eles descendem. (Eu usei esses animais como exemplo).

    Vês como é bem fácil tu adquirires informação quando fazes as perguntas certas? — Mats]]

    Like

  33. Mats says:

    Ana Silva,

    “A ciência já encontrou uma explicação: design inteligente.”

    Mas como acontece sempre em Ciência todas as explicações são provisórias. Imaginemos que a explicação do design inteligente era uma boa explicação (o que não considero). O que acontecerá à ideia de existência/actuação de um designer inteligente se for encontrada uma explicação melhor?

    Cá estaremos para afirmar que informação codificada nem sempre tem origem inteligente. Até lá, e cientificamente falando, ficamos com o que sabemos: informação em código é sempre o resultado duma ou mais mentes. Como há informação em código nos sistemas biológicos, então houve Uma Mente na sua génese..

    “Segundo as evidências científicas disponíveis, códigos informáticos são sempre o resultado de design inteligente”.
    Os códigos informáticos são sempre o resultado de um designer inteligente, o programador que escreve os códigos informáticos.
    O código genético não é um código informático.

    Ai não? Qual é a propriedade dum verdadeiro código informático que o ADN não possui?

    dizer “foi obra de um designer inteligente” não é uma alternativa viável. Pelo que já disse. E porque é uma explicação oca. Como e quando é que o designer inteligente criou o DNA?

    Pelo que Ele nos revelou, através da Sua Palavra (Salmo 33:9). Ou seja ele deu ordem aos componentes materiais para se organizarem de modo que possam ter significado informacional.

    Além disso, o facto de não se saber a forma como algo foi feito não é evidência de que essa mesma coisa não foi feita por alguem. Por exemplo, eu não sei como é que os programadores fizeram o código por trás do wordpress, mas tanto eu como a Ana podemos facilmente vêr que este software tem causas inteligentes.

    Ou será que se a Ana não souber como programas são feitos a Ana nunca dirá que eles foram feitos por alguém?

    Like

  34. Pedro says:

    Finalmente chegamos ao ponto. Isto vai contra ao que você já disse neste blog dezenas de vezes para refutar a evolução: que “por mais que variem geneticamente, gatos continuarão a ser gatos”.

    [[ Evolução não é gatos que dão à luz gatos; evolução é um gato a surgir de um não-gato. — Mats]]

    Like

  35. Rômulo says:

    Gente. Perdi a linha.

    Como vocês conseguem ser tão pacientes com a Ana? Glória a Deus que existem pessoas como vocês.

    Ana. Você é professora de Biologia? É isso?… Tens que parar de repetir o que diz os livros didáticos. Como é o processo nós já sabemos. Tu tens que pensar maior!!

    Veja o quê o Jonas escreveu! O cara te trouxe um monte de informações que foram totalmente OMITIDAS daquilo que tu lestes até hoje. Não voltes aos teus livros para tentar re-explicar o quê você e nós já lemos. As entrelinhas não são copiadas pelo Ctrl+C.

    Like

  36. Ana Silva says:

    Jonas:

    Eu sei que uma mutação no DNA “altera a mensagem”. A alteração pode quase não ser sentida (substituição de aminoácidos com características semelhantes num local menos importante da proteína), pode tornar a proteína mais eficiente ou, pelo contrário, menos eficiente na sua função ou pode até inactivar a proteína.

    E eu já tinha referido isso em comentários anteriores. Só para relembrar:
    * “No DNA a eliminação de uma base altera todo o sentido da frase, porque a fita de DNA perde um elemento de um trio codificante e o sistema de leitura é cego a este pormenor, passando a formar-se uma sequência diferente de aminoácidos”.
    * “Uma base de DNA trocada e pode ser formada uma proteína completamente diferente (funcional ou não) ou não se formar proteína nenhuma. Uma base trocada e a taxa de produção de uma proteína pode ser demasiado elevada ou demasiado baixa, ou pode até levar à acumulação de um produto intermediário tóxico.”

    Dizer “A substituição de um aminoácido polar por outro também polar (ou mesmo a omissão de um aminoácido) PODE NÃO TER consequências para a funcionalidade da proteína. Depende do local que o aminoácido ocupa”não é dizer “mutar o Dna não altera a mensagem”.

    Como existem vinte aminoácidos diferentes uma proteína de 150 aminoácidos pode apresentar um número elevado de sequências diferentes. Acredito no número de sequências possíveis que o Jonas refere (10 elevado à 76ª potência ou 10E76 , ou seja 1 seguido de 76 zeros). Mas o Jonas apresenta este grande número como se todas as sequências tivessem a mesma probabilidade de “aparecer” e como se a proteína tivesse de aparecer logo com os 150 aminoácidos. Nada do que é observado na natureza leva a essa conclusão.

    Em Química não se fala de forças (Isso é Física, principalmente Mecânica). Alias os termos utilizados pelo Jonas como “força” ou ““interação” entre forças químicas” indicia que poderá estar a fazer alguma confusão na compreensão das interacções envolvendo átomos, moléculas e/ou iões. A ser verdade isso explica expressões como “quero que mostres onde as bases são ligadas de uma forma por leis químicas para gerar estas codificações”.

    Se quando diz “questão de forças ou lei” está a falar da explicação “química” da estrutura do DNA e a sua interacção com outros sistemas a nível celular, o que eu referi não é preciosismo. É uma explicação científica válida seguindo “regras” da Química aceites inclusive por cientistas criacionistas e/ou defensores do design inteligente.

    “Outro equivoco seu é sobre o falso DNA junk”. Eu não “confundo repetições de bases como se fosse uma estrutura lixo ou resquícios de materiais evolutivos”. Nunca referi isso. Confesso que não conheço bem a acção do “junk DNA” mas não tenho dúvidas da sua importância, na medida que actualmente se sabe que o excesso de repetições no Junk DNA é responsável por diversas doenças genéticas, como a Coreia de Huntington. Esta doença resulta de um excesso de repetições de três bases de DNA (citosina, adenina e guanina, segundo a Wikipedia). Quanto maior o número de repetições mais cedo se manifesta a doença, mais graves os sintomas.

    E fico por aqui.

    P.S: Não é meu objectivo ofender ninguém. Verifico no entanto que a forma como transcrevi (mantendo o original) as suas frases poderão ter desgostado o Jonas, e que a razão lhe assiste. De futuro terei mais cuidado.

    Mas é verdade que a forma directa como o Jonas apresenta as suas ideias, sem revisão antes da publicação, torna por vezes muito difícil perceber a ideia que pretende transmitir. E várias vezes o Jonas apresenta palavras ou expressões avulsas (como no caso do celacanto) sem as contextualizar. Muitas vezes eu interpreto correctamente a ideia que o Jonas pretende transmitir. Mas, principalmente quando não conheço a palavra ou expressão que o Jonas utiliza, eu não consigo perceber a ideia que o Jonas apresenta. Dai perguntar-lhe várias vezes o que quer dizer (que ideia pretende transmitir) com uma expressão (que transcrevo integralmente, seguindo um velho hábito).

    Like

  37. jefferson says:

    [[ Jefferson, tenta fazer comentários BEM mais curtos, se faz favor — Mats ]]

    A origem da vida não é consensual.A evolução dos seres vivos não é consensual.A teoria de Lamarck,a teoria de Darwin,e outras,propuseram a transformação dos seres vivos ao longo do tempo.
    Mas o evolucionismo e o darwinismo não explicam de forma satisfatória a complexidade dos seres vivos.A biologia molecular e a biologia celular revelam mecanismos cuja origem os darwinistas nem se atrevem a tentar explicar.(designinteligente.blogspot.com/)

    Me permita publicar esse artigo do link http://www.universocriacionista.com.br/content/blogcategory/2/28/(a conclusão pode ter implicações religiosas,mas ela não depende de pressuposições religiosas-Dr.Michael Denton).Apesar de ser extenso,eu o li,e achei de grande valia e decidi postalo aqui,já que ele confronta com os naturalistas.

    O Paradigma Naturalista e a Proposta Criacionista
    Por Dr. Jónatas E. M. Machado, Universidade de Coimbra, Portugal

    As propostas científicas baseiam-se em pressupostos estabelecidos por cientistas, os quais, sendo seres humanos, estão sujeitos tanto as tendências quanto as preferências pessoais. Um certo número de cientistas com as mesmas inclinações pode estabelecer não somente um paradigma científico como também toda uma metodologia para avaliá-lo.

    Homens como Lyell, Darwin, Huxley, Haeckel, Oparin, Miller, Gould, Dawkins e muitos outros têm apoiado a posição que a ciência deve ser necessariamente naturalista.

    Esta visão, que atualmente é em termos práticos global dentro da ciência, desconsidera qualquer formulação que apresente uma causa sobrenatural como explicação de fenômenos explícitos ou implícitos como a origem e o desenvolvimento da vida e do universo (entendese aqui por sobrenatural, uma causa que vá além da matéria, energia, espaço e tempo). Segundo esta posição, a “verdadeira ciência” só pode ser naturalista. Portanto, qualquer proposta que não seja naturalista, não poderá ser considerada científica. Do ponto de vista ideológico, é importante observar que tal naturalismo não é neutro. Ele toma uma posição bem definida quanto a natureza da natureza”, a saber, uma compreensão estritamente física e materialista da natureza, excluindo a possibilidade de que a mesma tenha uma dimensão não material (como informação, planejamento, design, etc).

    Decorrente deste raciocínio, a possibilidade de uma criação sobrenatural é totalmente rejeitada logo de início, não por questões científicas mas sim ideológicas, deixando assim a única possibilidade admissível a de uma evolução cósmica e biológica aleatória.

    Assim sendo, não é a pesquisa científica que demonstra a veracidade da evolução, mas sim a pressuposta “veracidade” da evolução, decorrente do paradigma naturalista, que determina quais fatos devem ser considerados verdadeiros e científicos e quais não.

    Pode-se observar que, partindo-se do modelo naturalista, que exclui a priori causas sobrenaturais (como um design inteligente), a evolução cósmica e biológica passa a ser “verdadeira” mesmo antes dela ter sido avaliada empiricamente.

    Sendo a evolução aleatória considerada como “verdade”, automaticamente concluise que a Terra deve ser muito antiga. Isto porque a proposta de uma Terra jovem não seria compatível com a idéia de uma evolução aleatória. Novamente percebe-se que esta é uma conclusão a priori. Pode-se notar aqui, que se as pesquisas e observações feitas por um cientista apontassem para uma Terra jovem, inevitavelmente isto comprometeria a evolução aleatória, e pelo paradigma naturalista, o tal deveria ser considerado falso ou não científico.

    Assim, qualquer observação empírica, que aponte para uma Terra jovem (seja por meio de um desing inteligente ou uma criação inteligente e intencional), forçosamente teria que ser considerada como errada ou fora do domínio da ciência, por colocar em questionamento a antiguidade da Terra.

    Isto significa que todas as evidências precisam ser selecionadas, interpretadas e organizadas de tal forma que sejam compatíveis com a premissa naturalista, e que forçosamente levem à posição de uma evolução aleatória, tanto da vida quando do universo, e da antiguidade da Terra. Essa tendência é facilmente detectada através da utilização contínua de premissas uniformitaristas, como taxas de erosão e de deposição de sedimentos, velocidade de deslocamento das placas continentais, e outras tais, para estabelecer a idade da Terra.

    Invitavelmente, aceitando-se a priori como “verdadeira” a evolução aleatória tanto da vida como do cosmos, e por conseqüência uma Terra muito antiga, o próximo passo é aceitar como “verdadeiro” um Universo extremamente antigo.

    Outra vez, teorias e pesquisas que possam ser chamadas “científicas” devem produzir uma data antiga para o universo, a fim de corroborarem com as premissas naturalistas.

    Se pesquisas precisam produzir resultados admissíveis que corroboram com as premissas naturalistas, o “verdadeiro” cientista, que por definição deve ser um naturalista, não tem nenhuma outra alternativa a não ser a de confirmar as premissas naturalista e os “fatos” que elas estabelecem.

    Assim sendo, não existe nenhuma alternativa científica que possa ser aceita pelos adeptos da posição científica atual, àquilo que foi previamente estabelecido pelas premissas naturalistas. Só os mais ingênuos do ponto de vista epistemológico, é que ficam impressionados pelo fato da “ciência” confirmar sistematicamente essas premissas em todas as disciplinas.

    Caso um experimento, observação, ou ainda uma teoria não corrobore com as premissas naturalistas, por introduzir elementos não aleatórios, demonstrando uma inteligência sobrenatural, inevitavelmente deixará de ser considerado científico.

    Na ciência de hoje, o paradigma naturalista determina a priori as evidências, os métodos e até mesmo os resultados “cientificamente corretos”, antes mesmo do trabalho científico iniciar-se.

    Três conclusões práticas podem ser derivadas desde posicionamento atual chamado “científico”:

    1. Todo o conhecimento científico está fortemente condicionado à cosmovisão naturalista, o que impossibilita e reprime possíveis teorias que ofereçam explicações de caráter científico para situações não observadas como a da origem da vida, da Terra e do Universo (como por exemplo a teoria do Design Inteligente).

    2. A menos que premissas não naturalistas sejam igualmente aceitas, não será possível demonstrar ou até mesmo refutar a teoria da evolução cósmica e biológica, juntamente com o seu corolário obrigatório da antiguidade da Terra e do Universo.

    3. Dizer que o Criacionismo e o Design Inteligente não são posicionamentos científicos pelo fato deles não utilizarem-se das premissas naturalistas, não é uma avaliação correta e justa, dentro de qualquer contexto intelctual.

    Tal posicionamento é uma expressão da preferência pelas premissas naturalistas e não pela pesquisa científica.

    Referências
    Para maiores informações sobre este assunto ler o artigo “Garbage ‘In”, Garbage ‘Out’”, do Dr. Jónatas E. M. Machado, Universidade de Coimbra, Portugal. O artigo pode ser encontrado na revista Universo Em Debate, (Associação Brasileira da Pesquisa Criacionista) Ano 1, Edição 1, p.5-7,15. (http://abpc.impacto.org e http://www.impacto.org.br)

    Like

  38. Mats says:

    A Ana Silva, ao contrário da maioria dos militantes evolucionistas, é bastante simpática e cordial, por isso, ela é sempre bem vinda aqui.

    Like

  39. Jonas says:

    Ana!
    Concordo com o Mats quando diz que és cordial,mas só que as vezes ficas bronqueada com expressões que entende muito bem o querem dizer.Ex;
    Posso usar cientificamente o termo FORÇA na quimica pois ela demonstra as FORÇAS INTERMOLECULARES como as forças de Van der Waals:força dipolo-dipolo- íon-dipolo- ipolo induzido-induzido e especial tipo pontes de hidrogênio.Então não vejo porque dizer que estou fora do contexto científico em aplica-lo.Estas “forças” são essenciais para a formação do Dna e das proteínas funcionais.

    Outra questão de equivoco seu é quanto a Predestinação Bioquimica(necessidade ou leis ) que argumenta que é essencial para gerar o DNA,RNA,proteínas e todo processamento de informação na celula.Dean Kenyon foi autor do livro intitulado “Predestinação Bioquimica” como adepto do naturalismo,hoje é um criacionista,entendeu que leis não geram complexidade eespecificidade..As Leis quimicas tornariam o Dna periódico,tirando-lhe todo o pontencial de diversificação,que é essencial para tamanha Informação que está alocada nele
    A auto organização somente gera ordem e não complexidade,quanto mais especificidade que é tão necessária para a construção de uma proteína funcional.

    Peço desculpa pelo meu temperamento “sanguíneo” que me faz inquieto diante de um teclado levando-me a ter impaciência para corrigir os erros .Muitas vezes a minha linha de pensamento está além do quero escrever.
    A minha preferência é olho no olho ou “cara a cara”,onde as dúvidas ou mal entendidos são sanados na hora.O principal é ter a mente aberta para entender que estamos aqui para aprender,até com os nossos erros.

    Like

  40. Douglas says:

    Mats, e Ana Silva

    ”A Ana Silva, ao contrário da maioria dos militantes evolucionistas, é bastante simpática e cordial, por isso, ela é sempre bem vinda aqui.”

    Verdade, mesmo eu não concordando com alguns argumentos dela, também achei ela bem Educada. Muito diferente de sites como Bule Voador e pessoas como Eli Vieira.

    Like

  41. Douglas says:

    Ana Silva,

    Só uma perguntinha (fugindo do assunto) :
    Você é Atéia ?
    Pergunta somente por curiosidade minha, pois existem pessoas que Acreditam que a Evolução formou Tudo (ou quase Tudo) mas Acreditam em um Deus Protetor e/ou Pessoal .
    Abraços e que Deus te Proteja e conceda Sabedoria

    Like

  42. jefferson says:

    ok Mats,
    Esse no caso eu não resisti, achei de grande valia,mas procurarei ser conciso em meus post.

    Considero os artigos desse blog fantásticos…já compartilhei vários no meu facebook.

    Aliás sugiro aos cristãos que ascessam a este blog e que possuem face tbm façam o mesmo!

    Isso daqui tbm é evangelho!

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s