É a evolução uma verdadeira teoria científica?

Uma teoria científica tem a sua origem numa hipótese ou numa pressuposição operacional sobre o porquê de nós observarmos algo. Para testar esta pressuposição, os cientistas levam a cabo experiências que refutam ou correlacionam-se com a hipótese.

Se após vários testes e experiências, a hipótese continua a sobreviver ao escrutínio, a comunidade científica pode começar a identificá-la como uma “teoria”. Essencialmente, isto significa que, uma vez que a hipótese não foi refutada através do tempo – e nenhuma outra hipótese tem poder explicativo – então podemos razoavelmente assumir que a mesma está certa.

As teorias, no entanto, não são imperecíveis. Se novas tecnologias permitirem um grau de experimentação superior, a teoria pode ser descartada.

Onde a evolução falha.

Dois problemas impedem-nos de qualificar a evolução de “teoria” no sentido científico do termo.

Primeiro, não há experiência directa e observável que possa ser levada a cabo. Os evolucionistas podem medir ossos, estudar mutações, descodificar o ADN e observar as semelhanças morfológicas, mas eles nunca podem testar os alegados eventos evolutivos do passado.

Alguns evolucionistas menos informados apontam para a selecção natural como uma forma de “evolução em acção”, mas a selecção natural opera em potencial genético já existente. Como o que nós observamos com a selecção natural encaixa-se perfeitamente com uma criação recente, ela de forma alguma pode ser usada como evidência exclusiva para a descendência comum.

Segundo, e ainda relacionado com o que está em cima, à evolução falta-lhe a verdadeira marca duma genuína teoria científica uma vez que todos os supostos “testes” não correspondem distintivamente e necessariamente à ideia. Dito de outra forma, todos os “testes” possuem uma explicação alternativa e igualmente (ou mais) válida.

Uma genuína teoria científica requer que as experiências confirmadoras correspondam a uma hipótese específica. A evolução não tem esta legitimidade.

Se não é uma teoria, então o que é?

Essencialmente, a evolução é um requerimento fundamental do naturalismo. Uma vez que os naturalistas não aceitam a existência de Deus, eles forçosamente tem que depender duma geração espontânea (refutada pelo cientista Católico Louis Pasteur) e dum desenvolvimento aleatório e impessoal da vida. Ou Alguém criou a natureza, ou a natureza criou-se a ela mesma.

Como o naturalismo depende desta última crença, para os naturalistas a evolução artificialmente carrega sobre si o peso duma teoria – mesmo não satisfazendo os requerimentos duma verdadeira teoria científica.

A evolução foi agregada à ciência simplesmente como forma de negar ao Criador a Glória e a obediência que Lhe é devida.

…………….

Em última análise, nós nem precisamos duma teoria em torno das nossas origens. Deus, o Nosso Criador, deixou-nos uma descrição perfeita e factual de como e quando Ele criou e da forma como o Homem veio a existir.

Embora nós tenhamos a obrigação de estudar o universo que Deus criou, Ele já nos disponibilizou uma pano de fundo para melhor entendermos o universo físico.

Conclusão:

As ideias evolutivas nada mais são que teorias usadas pelos humanos como forma de negar a Autoridade de Deus. De facto, todos nós somos culpados deste pecado; todos nós já nos rebelamos contra Ele, e devido a isso, somos merecedores de morte eterna (inferno).

Mas devido ao Seu grande amor, Deus providenciou uma forma de salvar a humanidade através do Seu Filho – o Senhor Jesus Cristo – para que nós possamos estar em paz com Ele.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

11 Responses to É a evolução uma verdadeira teoria científica?

  1. Douglas says:

    Muito Bom
    A Pura Realidade
    Se algum Ateu dizer que isso e’ ”mentira” esta’ sendo desonesto.
    As escolas nao dizem esses Fatos para os alunos terem uma visao Humanista do mundo . Todos sabem dos problemas que essa Teoria causou, nao foi uma historia ”inventada” por ”Fanaticos Religiosos”.
    Os Rothschilds irao pagar muito caro pelo que fizeram com o Mundo.

    Like

    • NATO says:

      e a explicação sobre os dinossauros ?
      o que as pessoas que defendem o criacionismo tem a dizer ?

      Like

  2. Everton Araujo says:

    Mats,
    Quem escreve nesse blog é so vc?

    [[ Sim — Mats]]

    Tem varios pots sem assinatura.

    Esse blog é muito coerente com a sua proposta.

    Like

  3. Everton Araujo says:

    ok, entendi. Realmente nao precisa de assinaturas😀. Valeu.

    Like

  4. Everton Araujo says:

    Houve uma inversao de causa e consequencia aki. O naturalismo foi influenciado pelo evolucionismo de Darwin nao o contrario.

    [[ O facto do naturalismo ter sido influenciado não anula o facto da teoria da evolução ter bases naturalistas.]]

    Nos seus dizeres, parece que a evoluçao foi criada depois do naturalismo.

    [[ A evolução foi criada depois do naturalismo, mas a fé no naturalismo tornou-se mais propagada depois do advento da teoria da evolução. ]]

    A literatura naturalista é clara, “o homem é fruto do meio” isso é uma enorme verdade. Nos livros destes movimentos o homem é retratado como um animal social, tirando-o a do pedestal da criaçao divina. E sempre tentando rebaixar a TE de teoria para possivel nada.

    Like

  5. Everton Araujo says:

    É, na verdade os dois se confundem pela epoca, pois foram conteporaneos, um processo de retroalimentaçao de influencias, vc esta certo. O q eu quis mostrar foi que, pensando assim: “agora que criamos o naturalismo vamos criar uma teoria da evoluçao para negar Deus.”

    Like

  6. Hezio says:

    O naturalismo da ciência é metodológico, e não filosófico. Tem que ser assim para que as descobertas da ciência se convertam em benefícios para a humanidade. Religiões e crenças não fazem aviões decolarem, não produzem vacinas e nem tecnologias que facilitam a nossa vida e proporcionam conforto em nossas casas. A teoria da evolução já está mais do que estabelecida na ciência, não há nenhuma razão sensata ou forte o bastante para refutá-la.
    Para refutar uma teoria científica é preciso bem mais do que manifestações indignadas em blogs na internet. É preciso ir a campo, buscar evidências mais coerentes, mais consistentes e mais convincentes do que aquelas que corroboram a teoria vigente. Além disso, quem faz a opção de acreditar que o mundo foi criado por Deus exatamente como está na Bíblia; sem desmerecer o seu valor ou desrespeitar as crenças de quem quer que seja; tem ainda uma tarefa adicional árdua pela frente: Terão que demonstrar de maneira irrefutável e inequívoca que vivemos em um universo totalmente enganoso, onde nada nesse mundo é o que parece. E que por uma incrível, extraordinária e inacreditável coincidência tudo dá certo e tudo funciona como achamos que deveria funcionar.
    Depois disso é só publicar em periódicos mundialmente renomados como por exemplo, a Science, a Nature, a Scientific American, e fazer a validação pelos pares “peer view”. Se fizerem isso, com certeza serão levados a sério na ciência e seus nomes serão escritos para sempre nos livros de biologia.

    Like

    • Mats says:

      O naturalismo da ciência é metodológico, e não filosófico.

      Ninguém está a atacar a ciencia mas sim a teoria da evolução.

      Não existe naturalismo na ciência. Existe sim naturalismo na teoria da evolução.

      https://darwinismo.wordpress.com/2010/01/07/naturalismo-ferramenta-inutil/

      Tem que ser assim para que as descobertas da ciência se convertam em benefícios para a humanidade.

      As descobertas da ciência não dependem da crença de que nada mais existe que o mundo natural, mas sim de testes, experiências e dados. Isto não é “naturalismo metodológico” mas ciência pura e simples.

      Dar prioridade aos eventos fora do âmbito sobrenatural faz todo o sentido porque a esmagadora maioria dos eventos do mundo não são sobrenaturais. Até a a Bíblia, Livro com Origem sobrenatural, reporta muito poucos eventos sobrenaturais.
      Portanto, a tua crença de que se deve operar com a crença de que nada mais existe que o mundo natural não é o mesmo que dar prioridade aos eventos naturais (que era o que os fundadores CRIACionIsTAS da ciência moderna faziam).

      Religiões e crenças não fazem aviões decolarem, não produzem vacinas e nem tecnologias que facilitam a nossa vida e proporcionam conforto em nossas casas.

      A crença de que o homem tem uma descendência comum com os símios, ou a crença de que répteis evoluíram para pássaros não dão dignidade à vida humana, não constroem hospitais e nem causaram o avanço da ciência.

      Pelo contrário, a crença de que vivemos num universo racional, criado por Uma Mente Racional, e que a mente humana tem a capacidade de entender o universo, fez muito mais pela ciência do que o ateísmo ou o naturalismo (quer filosófico ou metodológico).

      https://darwinismo.wordpress.com/2008/09/11/a-alianca-historica-entre-a-ciencia-e-o-cristianismo/

      – “A filosofia da ciência experimental…começou com as suas descobertas e fez uso dos seus métodos na posição de fé (e não de conhecimento) que propõe que estamos a lidar com um um universo racional controlado por Um Criador que não age caprichosamente, e que não interfere com as forças que Ele pôs em funcionamento….. É certamente um dos grandes paradoxos da história que a ciência, que profissionalmente pouco tem a ver com a fé, tenha as suas origens no acto de fé que afirma que o universo pode ser racionalmente interpretado, e que a ciência sustenha essa pressuposição.” – (Loren Eiseley)

      – “suposições teológicas únicas ao Cristianismo explicam o porquê da ciência [moderna] ter nascido apenas na Europa cristã. Contrariamente à sabedoria prevalecente, a religião e a ciência não só são compatíveis, mas eram inseparáveis.” (Rodney Stark)

      – “O facto da ciência ter emergido de todo é um testemunho poderoso para a veracidade do Cristianismo.C omo Louis Victor de Broglie afirmou, “Nós não estamos suficientemente perplexos com o facto de qualquer tipo de ciência ser possível“. (David A. Noebel)

      – “O historiador e filósofo da ciência Stanley Jaki diz que “a crença Num Deus Pessoal e Racional, como manifesta na fé Cristã, suportaram a visão de que o mundo era um entidade objectiva e ordenada, investigável pela mente porque a mente era também um produto ordenado e objectivo proveniente do Mesmo Criador Racional, Consistente e Ordenado”. O ser humano acreditou que a ciência era possível porque o ser humano acreditou no Deus da razão e da ordem.

      Portanto, a crença Num Deus Racional e num universo que opera segundo métodos racionais são a base da ciência moderna. O naturalismo, que alega uma origem aleatória do universo, e uma origem não-inteligente para as formas de vida é totalmente inútil para a ciência.

      A teoria da evolução já está mais do que estabelecida na ciência, não há nenhuma razão sensata ou forte o bastante para refutá-la.

      Isto, claro, se ignoramos a falta de evidências para as linhagens, a falta de uma força natural capaz de transformar um réptil numa áve, a falta de qualquer mecanismo capaz de transformar um animal terrestre numa baleia, e se ignorarmos o facto da teoria da evoluçlão estar em contradição com leis naturais do nosso mundo, como por exemplo, a Segunda Lei da Termodinâmica (aplicada à informação biológica e não só à transferência de energia).

      Para refutar uma teoria científica é preciso bem mais do que manifestações indignadas em blogs na internet.

      Mas antes de se refutar uma teoria científica, é preciso que ela seja de facto científica. Como se torna óbvio para qualquer pessoa, a teoria da evolução não chega a ser uma teoria, mas sim uma hipótese fundamentada no naturalismo. Hipótese dscartada, diga-se de passagem.

      Além disso, quem faz a opção de acreditar que o mundo foi criado por Deus exatamente como está na Bíblia; sem desmerecer o seu valor ou desrespeitar as crenças de quem quer que seja; tem ainda uma tarefa adicional árdua pela frente: Terão que demonstrar de maneira irrefutável e inequívoca que vivemos em um universo totalmente enganoso, onde nada nesse mundo é o que parece. E que por uma incrível, extraordinária e inacreditável coincidência tudo dá certo e tudo funciona como achamos que deveria funcionar.

      Mas o próprio facto das coisas funcionarem é testemunho óbvio de que existe um criador na génese do universo. As tuas próprias palavras refutam o que tu defendes. Pode uma máquina criar-se a ela mesma? Pode uma linguagem de comunicação (como o ADN) escrever-se a ele mesmo?

      Tu tens as evidências bem à tua frente mas tens dificuldades ideológicas (e não científicas) para aceitar o que os teus olhos vêem. A Bibla qualifica pessoas assim de “voluntariamente ignorantes” – conhecedores da verdade, mas rebeldes a ela.

      Eu devolvo-te a pergunta: como é possível não acreditares no Criador quando “por uma incrível, extraordinária e inacreditável coincidência tudo dá certo e tudo funciona como achamos que deveria funcionar” ?

      Até quando vais continuar a rejeitar a ciência por motivos puramente ideológicos?

      Like

  7. Hezio says:

    Caro Mats, seguem meus comentários

    “Ninguém está a atacar a ciencia mas sim a teoria da evolução.
    Não existe naturalismo na ciência. Existe sim naturalismo na teoria da evolução.”

    Bem, é muito fácil dizer isso quando vastas áreas da ciência; como a Cosmologia, a Astronomia, a Abiogênese, a Geologia, a Biologia e a Paleontologia; são colocadas todas dentro de um mesmo saco e chama-se tudo, muito convenientemente, de teoria da evolução.
    A ciência é naturalista porque tem que ser. Porque precisa lidar com a verdade objetiva do mundo. Não dá para formular uma teria científica alegando que ela é válida porque tem apoio divino ou porque está de acordo com o que a Bíblia diz. Isto não funciona em ciência.

    “As descobertas da ciência não dependem da crença de que nada mais existe que o mundo natural, mas sim de testes, experiências e dados. Isto não é “naturalismo metodológico” mas ciência pura e simples.”

    Ninguém em ciência tem a crença de que nada mais existe que o mundo natural, mas que a natureza é a única fonte de dados e de informação que temos acesso. Se alguém acredita que existe algo mais além da natureza precisa levantar evidências, fatos e dados, coerentes, consistentes e convincentes que corroborem esta crença e apresenta-las à ciência no fórum adequado. O que vale em ciência são evidências. Quando alguém conseguir levantar evidências inquestionáveis e irrefutáveis de que o sobrenatural existe ele passará a ser considerado pela ciência. Mas enquanto isto não acontece vamos explicando a natureza pelo naturalismo metodológico.

    “A crença de que o homem tem uma descendência comum com os símios, ou a crença de que répteis evoluíram para pássaros não dão dignidade à vida humana, não constroem hospitais e nem causaram o avanço da ciência.”

    As conclusões da Ciência são respaldadas por evidências, a evidência é a suprema corte na ciência. Portanto, a descendência comum do homem com os símios ou a evolução de répteis para aves não se trata de crença, mas de conclusões amplamente corroboradas por evidências.
    O papel da ciência é buscar e compreender a verdade do mundo, seja ela qual for. E a verdade do mundo é o que é, e não a que gostaríamos que ela fosse, quer ela dê ou não dignidade à vida humana. A verdade do mundo não vai mudar porque nós não gostamos dela ou porque são contrárias às crenças religiosas de milhões de pessoas.

    “Pelo contrário, a crença de que vivemos num universo racional, criado por Uma Mente Racional, e que a mente humana tem a capacidade de entender o universo, fez muito mais pela ciência do que o ateísmo ou o naturalismo (quer filosófico ou metodológico).”

    Sem dúvida que esta crença consolidada pelas religiões fez muito pela ciência e pela humanidade. A mais marcante delas, sem dúvida, foram os mil anos de obscurantismo religioso que predominou durante toda a idade média, e que só chegou ao fim com o advento do Iluminismo e o surgimento da ciência empírica. Outras contribuições menores, mas não menos importantes, foram as Cruzadas, a Inquisição, a caça às bruxas e a noite de São Bartolomeu. Além do mais, ninguém está falando de ateísmo aqui.

    “Portanto, a crença Num Deus Racional e num universo que opera segundo métodos racionais são a base da ciência moderna. O naturalismo, que alega uma origem aleatória do universo, e uma origem não-inteligente para as formas de vida é totalmente inútil para a ciência.”

    A base da ciência moderna é o que as evidências, fatos e dados sugerem. O limite para o que a ciência afirma é aquilo que as evidências permitem afirmar. Na ciência a crença é proporcional às evidências, quando houver evidências suficientes, consistentes e convincentes do alegado Deus Racional, a crença numa divindade será devidamente considerada pelos cientistas. Além disso, como já disse acima, o papel da ciência é buscar a verdade do mundo, quer esta verdade seja boa ou ruim, digna ou indigna, útil ou inútil, e quer gostemos ou não dela.

    “Isto, claro, se ignoramos a falta de evidências para as linhagens, a falta de uma força natural capaz de transformar um réptil numa áve, a falta de qualquer mecanismo capaz de transformar um animal terrestre numa baleia, e se ignorarmos o facto da teoria da evoluçlão estar em contradição com leis naturais do nosso mundo, como por exemplo, a Segunda Lei da Termodinâmica (aplicada à informação biológica e não só à transferência de energia).”

    As evidências que existem, e que não são poucas, são mais que suficientes para corroborar a teoria. Os mecanismos existem, são bem conhecidos e cada vez mais corroborados por descobertas e pesquisas de ponta no mundo. As evidências não vão deixar de existir e nem vão dizer outra coisa porque algumas pessoas não querem admiti-las por motivos religiosos. Como eu já disse, as evidências são o que são, e não o que gostaríamos que elas fossem. Se elas são aceitas pela comunidade científica é porque os fatos e dados do mundo levam a isso, não se trata de nenhuma cruzada religiosa. Quanto a segunda Lei da Termodinâmica, vou passar a concordar com essa idéia no dia em que os especialistas do mundo nessa área apresentarem evidências concretas de que a evolução biológica a contraria. Enquanto isso vou continuar com o conhecimento vigente.

    “Mas antes de se refutar uma teoria científica, é preciso que ela seja de facto científica. Como se torna óbvio para qualquer pessoa, a teoria da evolução não chega a ser uma teoria, mas sim uma hipótese fundamentada no naturalismo. Hipótese dscartada, diga-se de passagem.”

    A teoria da evolução é como qualquer outra em ciência. Portanto, preenche todas as premissas e requisitos para ser considerada uma teoria científica sólida e bem estabelecida. Uma teoria sobrevive quando consegue dar conta das evidências e fatos do mundo sem contradições internas ou com outras áreas da ciência. Quem tem competência para decidir o que é e o que não é ciência e se uma teoria é ou não é científica são os cientistas e não os religiosos.

    “Mas o próprio facto das coisas funcionarem é testemunho óbvio de que existe um criador na génese do universo. As tuas próprias palavras refutam o que tu defendes. Pode uma máquina criar-se a ela mesma? Pode uma linguagem de comunicação (como o ADN) escrever-se a ele mesmo?
    Tu tens as evidências bem à tua frente mas tens dificuldades ideológicas (e não científicas) para aceitar o que os teus olhos vêem. A Bibla qualifica pessoas assim de “voluntariamente ignorantes” – conhecedores da verdade, mas rebeldes a ela.”

    A ciência opta pela explicação mais simples. Se existe uma explicação mais simples para um dado fenômeno sem necessidade de recorrer ao sobrenatural, não há nenhuma razão sensata para recorrer a esse recurso. O fato de não sabermos como uma coisa funciona ou se originou não é motivo para atribuir isso a uma divindade. Já houve um tempo em que raios e trovões eram atribuídos à fúria dos deuses. Hoje sabemos que trata-se apenas de eletricidade.

    “Eu devolvo-te a pergunta: como é possível não acreditares no Criador quando “por uma incrível, extraordinária e inacreditável coincidência tudo dá certo e tudo funciona como achamos que deveria funcionar” ?
    Até quando vais continuar a rejeitar a ciência por motivos puramente ideológicos?”

    Não se trata de acreditar ou desacreditar no Criador. O que quero dizer é que não pode existir duas verdades para um mesmo fato. A Bíblia não pode dizer uma coisa e mundo dizer outra. Quando se diz que o que está na Bíblia é verdade, o mínimo que se espera é que essa verdade seja coerente com a verdade do mundo, a menos que Deus tenha criado um mundo ilusório. Querendo ou não, temos que acreditar naquilo que estamos vendo e sobre as quais temos evidências reais, coerentes e consistentes. Simplesmente não dá para ignorar fatos e dados concretos do mundo e nem distorcê-los para se enquadrarem em dogmas de fé.
    Não quero desmerecer a fé religiosa de ninguém, mas mostrar que a ciência tem razões muito fortes e sólidas para sustentar suas teorias. Evidência disso é que teorias científicas trazem benefícios concretos para a humanidade. É muita ingenuidade achar que os cientistas são pessoas ingênuas e que uma teoria científica seja uma simples suposição repleta de fraquezas.

    Like

    • Mats says:

      “Ninguém está a atacar a ciencia mas sim a teoria da evolução.
      Não existe naturalismo na ciência. Existe sim naturalismo na teoria da evolução.”

      Bem, é muito fácil dizer isso quando vastas áreas da ciência; como a Cosmologia, a Astronomia, a Abiogênese, a Geologia, a Biologia e a Paleontologia; são colocadas todas dentro de um mesmo saco e chama-se tudo, muito convenientemente, de teoria da evolução.

      Ninguém aqui chama “a Cosmologia, a Astronomia, a Abiogênese, a Geologia, a Biologia e a Paleontologia” de teoria da evolução. Nós dizemos acertadamente que essas áreas estão em contradição com a teoria da evolução.

      A ciência é naturalista porque tem que ser.

      A ciência não é naturalista. A teoria da evolução é que é naturalista. Tal como eu já disse, eu não preciso de acreditar que nada mais existe para além do mundo natural para fazer ciência. Os evolucionistas é que assumem que nada mais existe para além de mundo físico.

      Porque precisa lidar com a verdade objetiva do mundo.

      Lidar “com a verdade objectiva do mundo” não significa acreditar que nada mais existe que o mundo físico.

      Não dá para formular uma teoria científica alegando que ela é válida porque tem apoio divino ou porque está de acordo com o que a Bíblia diz. Isto não funciona em ciência.

      Mas alegar que uma teoria tem validade porque está de acordo com a Bíblia não invalidam os testes, as medições e as experimentações. Por exemplo, o facto dos animais SEMPRE se reproduzirem de acordo com o seu tipo é uma verdade Bíblica, mas isso não anula que Mendel faça testes científicos na genética para entender melhor o mecanismo atraves dos quais os animais seguem o Mandamento Bíblico de se reproduzirem segundo o seu tipo.

      “As descobertas da ciência não dependem da crença de que nada mais existe que o mundo natural, mas sim de testes, experiências e dados. Isto não é “naturalismo metodológico” mas ciência pura e simples.”

      Ninguém em ciência tem a crença de que nada mais existe que o mundo natural, mas que a natureza é a única fonte de dados e de informação que temos acesso.

      Sem entrar em contradição, de que fonte é que soubeste que a natureza é a única fonte de dados e de informação que temos acesso?

      Se alguém acredita que existe algo mais além da natureza precisa levantar evidências, fatos e dados, coerentes, consistentes e convincentes que corroborem esta crença e apresenta-las à ciência no fórum adequado. O que vale em ciência são evidências.

      Exacto. Por isso é que a teoria da evolução não é ciência.

      Quando alguém conseguir levantar evidências inquestionáveis e irrefutáveis de que o sobrenatural existe ele passará a ser considerado pela ciência.

      Só falta definir as pessoas que irão determinar o que são “evidências irrefuutáveis e inquestionáveis” de que o sobrenatural existe.

      Mas enquanto isto não acontece vamos explicando a natureza pelo naturalismo metodológico.

      A ciência não é explicada segundo o naturalismo metodológico. A teoria da evolução é que é. Ou pelo menos, tenta-se.

      “A crença de que o homem tem uma descendência comum com os símios, ou a crença de que répteis evoluíram para pássaros não dão dignidade à vida humana, não constroem hospitais e nem causaram o avanço da ciência.”

      As conclusões da Ciência são respaldadas por evidências, a evidência é a suprema corte na ciência. Portanto, a descendência comum do homem com os símios ou a evolução de répteis para aves não se trata de crença, mas de conclusões amplamente corroboradas por evidências.

      So que não. Não há a mínima evidência em favor do que eu disse em cima. Pior, nós agora temos outros evolucionistas a dizer exactamente o que os criacionistas dizem há décadas:

      https://darwinismo.wordpress.com/2010/03/31/evolucionista-como-nao-temos-os-fosseis-nos-inventamos-historias/

      “Pelo contrário, a crença de que vivemos num universo racional, criado por Uma Mente Racional, e que a mente humana tem a capacidade de entender o universo, fez muito mais pela ciência do que o ateísmo ou o naturalismo (quer filosófico ou metodológico).”

      Sem dúvida que esta crença consolidada pelas religiões fez muito pela ciência e pela humanidade. A mais marcante delas, sem dúvida, foram os mil anos de obscurantismo religioso que predominou durante toda a idade média

      Tempos “horríveis” esses onde existiram pessoas como Copérnico e Galileu, não é ? Só ignorantes, sem dúvida.

      e que só chegou ao fim com o advento do Iluminismo e o surgimento da ciência empírica.

      Onde existiram outros ignorantes como Newton, Francis Bancon e outros criacionistas.

      Outras contribuições menores, mas não menos importantes, foram as Cruzadas, a Inquisição, a caça às bruxas e a noite de São Bartolomeu.

      Quando comparadas com as contribuições da teoria da evolução (racismo, genocídio, eugenia, darwinismo social, etc) as Cruzadas, a Inquisição (que matou cerca de 2,000 pessoas em 400 anos) não é nada. Além disso, para quem acredita na teoria da evolução, não há nada de errado com as Cruzadas, com a Inquisição e com a caça às bruxas visto que isso são instâncias onde se vê a sobrevivência do mais forte.

      Além do mais, ninguém está falando de ateísmo aqui.

      O ateísmo e a evolução são inseparáveis.

      “Portanto, a crença Num Deus Racional e num universo que opera segundo métodos racionais são a base da ciência moderna. O naturalismo, que alega uma origem aleatória do universo, e uma origem não-inteligente para as formas de vida é totalmente inútil para a ciência.”

      A base da ciência moderna é o que as evidências, fatos e dados sugerem.

      Factos, e dados só fazem sentido num universo inteligente, criado por Um Deus Racional, que dotou o ser humano a capacidade de entender o mundo porque a nossa mente foi feita à imagem da Mente que fez o universo.

      Não te esqueças disto: a ciência funciona porque DEUS criou o universo de forma que possa ser entendido.

      O limite para o que a ciência afirma é aquilo que as evidências permitem afirmar. Na ciência a crença é proporcional às evidências, quando houver evidências suficientes, consistentes e convincentes do alegado Deus Racional, a crença numa divindade será devidamente considerada pelos cientistas.

      A realidade do Deus Racional é feito manifesto sempre que os cientistas se dedicam a entender o universo. Entender uma máquina faz sentido: entender a irracionalidade não faz sentido.

      Máquinas não se constroem a elas mesmas, e como o universo opera segundo princípios racionais, a proposição “Deus criou o universo” é a que está de acordo com os dados que se podem observar.

      Por outro lado, quem defende uma origem aleatória do universo não tem como explicar a inteligência que existe no universo. Pode a inteligência emergir daquilo que não tem inteligência? Podem sistemas de informação surgir do nada? Ou precisam Dum codificador?

      Cada vez que tu apelas para a funcionalidade da ciênciam, mais me dás razão.

      “Isto, claro, se ignoramos a falta de evidências para as linhagens, a falta de uma força natural capaz de transformar um réptil numa áve, a falta de qualquer mecanismo capaz de transformar um animal terrestre numa baleia, e se ignorarmos o facto da teoria da evoluçlão estar em contradição com leis naturais do nosso mundo, como por exemplo, a Segunda Lei da Termodinâmica (aplicada à informação biológica e não só à transferência de energia).”

      As evidências que existem, e que não são poucas, são mais que suficientes para corroborar a teoria.

      Não, não são. A teoria da evolução é uma especulação constantemente revista, e ideologicamente defendida (apesar das evidências contrárias).

      Os mecanismos existem

      Qual é o mecanismo capaz de transformar um réptil numa áve? qual é a força natural capaz de fazer isso?

      Como eu já disse, as evidências são o que são, e não o que gostaríamos que elas fossem. Se elas são aceitas pela comunidade científica é porque os fatos e dados do mundo levam a isso, não se trata de nenhuma cruzada religiosa.

      A “comunidade científica” também aceitou o Piltdown Man como “verdadeiro” mas ficou-se a saber que era falso. O facto de algo ser consensual entre os evolucionistas não tornam isso verdadeiro.

      Quanto a segunda Lei da Termodinâmica, vou passar a concordar com essa idéia no dia em que os especialistas do mundo nessa área apresentarem evidências concretas de que a evolução biológica a contraria. Enquanto isso vou continuar com o conhecimento vigente.

      O conhecimente vigente demonstra que o tempo destrói sistemas que dependam de informação.

      “Mas antes de se refutar uma teoria científica, é preciso que ela seja de facto científica. Como se torna óbvio para qualquer pessoa, a teoria da evolução não chega a ser uma teoria, mas sim uma hipótese fundamentada no naturalismo. Hipótese dscartada, diga-se de passagem.”

      A teoria da evolução é como qualquer outra em ciência.

      Não é não. Precisamente por não ser como as outras teorias é que ela é defendida de forma religiosa pelos seus devotos. E nem me faças falar da censura a quem não é evolucionista.

      Portanto, preenche todas as premissas e requisitos para ser considerada uma teoria científica sólida e bem estabelecida.

      Ai preenche? Então diz-me lá a força natural capaz de transformar um animal terrestre numa baleia. Alguma vez alguém VIUI (com os olhos) uisso a acontecer? Pode-se duplicar em laboratório? Há fotografias e vídeos disso? Há algum mecanismo detalhado que possa fazer isso? Como é que se refuta essa crença?

      “Mas o próprio facto das coisas funcionarem é testemunho óbvio de que existe um criador na génese do universo. As tuas próprias palavras refutam o que tu defendes. Pode uma máquina criar-se a ela mesma? Pode uma linguagem de comunicação (como o ADN) escrever-se a ele mesmo?
      Tu tens as evidências bem à tua frente mas tens dificuldades ideológicas (e não científicas) para aceitar o que os teus olhos vêem. A Bibla qualifica pessoas assim de “voluntariamente ignorantes” – conhecedores da verdade, mas rebeldes a ela.”

      A ciência opta pela explicação mais simples.

      A explicação mais simples é a de que o código genético foi escrito por Alguém.

      Se existe uma explicação mais simples para um dado fenômeno sem necessidade de recorrer ao sobrenatural, não há nenhuma razão sensata para recorrer a esse recurso.

      Portanto, preferes ficar com a “explicação” errada mas natural, do que com a certa, mas sobrenatural.

      O fato de não sabermos como uma coisa funciona ou se originou não é motivo para atribuir isso a uma divindade.

      Mas nós SABEMOS como é que a informação fuciona e é por isso que afirmamos que Deus é a Melhor explicação para a origem do ADN. O conhecimento da estrutura do ADN faz-nos ver que ele nunca poderia ser oe efeito de forças aleatórias mas sim de Design inteligente. A complexidade do ADN faz-nos ver imediatamente que Quem o criou é dotado Duma Inteligência e Sabedoria bem acima da humanamente possível. Ou seja, é a ciência que nos leva para Deus, e Deus justifica a ciência.

      Já houve um tempo em que raios e trovões eram atribuídos à fúria dos deuses. Hoje sabemos que trata-se apenas de eletricidade.

      Já houve tempo em que os evoluconistas afirmavam existirem mais de 100 órgãos vestigias. Hoje essa crença foi totalmente destruida pela ciência.

      “Eu devolvo-te a pergunta: como é possível não acreditares no Criador quando “por uma incrível, extraordinária e inacreditável coincidência tudo dá certo e tudo funciona como achamos que deveria funcionar” ?
      Até quando vais continuar a rejeitar a ciência por motivos puramente ideológicos?”

      Não se trata de acreditar ou desacreditar no Criador. O que quero dizer é que não pode existir duas verdades para um mesmo fato. A Bíblia não pode dizer uma coisa e mundo dizer outra.

      Mas o mundo não diz outra coisa. Aquilo que a ciência mostra está em pleno acordo com a Bíblia, e em total oposição à teoria da evolução e ao ateísmo.

      Repito a pergunta:

      Como é possível não acreditares no Criador quando “por uma incrível, extraordinária e inacreditável coincidência tudo dá certo e tudo funciona como achamos que deveria funcionar” ?

      Like

      • Hezio says:

        Mais uma vez, não se trata de acreditar ou desacreditar no criador. Eu não disse em nenhum momento que não acredito no criador. A pergunta já demonstra um preconceito, sempre que alguém contesta um dogma religioso, já se assume até inconscientemente que o contestador é ateu, ou agnóstico ou que não acredita em Deus. Grande parte dos cientistas possuem crenças religiosas sem que isto interfira em nada com suas atividades na ciência.

        Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s