É a censura uma forma válida de fazer ciência?

Carbono 14Uma equipa de pesquisadores deu uma apresentação na “2012 Western Pacific Geophysics Meeting” (Singapura, 13-17 de Agosto) onde disponibilizaram os resultados da datação 14C feita em muitas amostras de ossos de 8 espécimes de dinossauro. Todas as datas variavam entre os 22,000 e os 39,000 anos, algo que está bem mais próximo das expectativas criacionistas do que os imaginários “milhões de anos” propostos pelos crentes evolucionistas. 1 Afinal, se os dinossauros tivessem realmente vivido há milhões de anos atrás, não se deveria encontrar um único átomo de 14C neles.

Este evento comum, levado a cabo pela “American Geophysical Union” (AGU) e a “Asia Oceania Geosciences Society” (AOGS), aparenta ter tido a presença de pesquisadores que se debruçaram sobre o assunto de forma consideravelmente profissional, incluindo o facto de terem levado a cabo medidas que eliminassem a contaminação dos ossos com carbono moderno. O palestrante-chefe foi o Dr Thomas Seiler, um físico alemão com um PhD obtido na “Technical University of Munich”. O video da sua apresentação encontrava-se na YouTube aquando da escrita deste relatório.

Os pesquisadores parecem estar associados a grupos criacionistas católicos, visto que eles terem reportado a conferência de forma mais vocal que os criacionistas evangélicos. Um destes relatórios declarou posteriormente que o texto “abstracto foi removido do site da conferência por parte de dois presidentes (inglês: “chairmen”) porque eles não poderiam aceitar os resultados. Sem disposição para contestar os dados de forma aberta, eles apagaram o relatório público sem nada ser dito aos autores nem aos oficiais da AOGS – até depois duma investigação. O relatório não vai ser reposto.2

De facto, pode-se ir ao site e obter um printscreen da agenda original. No entanto, se nos dirigirmos ao site oficial da conferência, o relatório foi claramente removido. (Dirigam-se à Quarta-Feira, sala Leo 2, duplo-clique em BGO2, que é a sessão da apresentação. Os números saltam do 4 para o 6, omitindo o 5, que era relativa ao 14C nos ossos de dinossauro.) Este deve ser aquele “espírito científico” que os crentes nos imaginários milhões de anos tanto falam. O ‘poder do paradigma’ pode ser claramente visto neste incidente.

Dois dos co-autores físicos do relatório, o Professor Dr Robert Bennett e Dr Jean de Pontcharra, que até recentemente faziam parte da “French Atomic Energy Commission’s Grenoble Research Centre”, não só estão a apelar aos colegas que levem a cabo as suas próprias datações dos ossos de dinossauro, como afirmam que os média deveriam encorajar os cientistas a fazer isto mesmo, apresentando posteriormente os seus achados abertamente e honestamente em conferências semelhantes.

Sem dúvida que isto seria do interessa da verdade cientifica, especialmente depois dos repetidos achados de tecido macio nos ossos de dinossauro e, mais recentemente, a presença irrefutável de ADN nos espécimens de dinossauro.3  O público tem o direito de saber a verdadeira cronologia dos dinossauros, e, de facto, a verdadeira cronologia da Terra.

Claro que geralmente as pessoas que vocês conhecem não ouvirão esta informação poderosa proveniente das fontes de informação regulares. Várias organizações criacionistas frequentemente deparam-se com pessoas surpresas por ouvirem dizer que cientistas seculares encontraram tecido macio dentro de ossos de dinossauro. Se os dinossauros tivessem os mitológicos “milhões de anos”, isto muito dificilmente aconteceria.

Nós vivêmos numa altura muito positiva para se ser um criacionista uma vez que temos acesso a esta informação, e temos a liberdade para difundi-la entre outros Cristãos. Tu já fizeste isso? Tens propagado informação deste e de outros sites que defendem a Autoridade da Bíblia? Se não, porque não?

Continuemos a mostrar como a ciência está de perfeito acordo com a Palavra do Criador (nem poderia ser de outra forma), mas mais importante ainda, continuemos a anunciar o Evangelho da Salvação a toda a carne.

Fonte

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

6 Responses to É a censura uma forma válida de fazer ciência?

  1. Adriano says:

    Em primeiro lugar, os autores deveriam explicar que os tais ossos de dinossauro são PEDRAS, e esclarecer que em QUALQUER amostra de rocha ou fóssil, de que idade for, irá apresentar resíduos de C14 passíveis de serem datados, mas isto não significa que todas tenham menos de 50 mil anos de idade, mesmo rochas originárias de vulcanismo, ou seja, de lava solidificada, como o basalto, que obviamente não permitiria fósseis ou matéria orgânica em seu interior, pois seriam queimados quando a rocha ainda era magma, tem contaminantes de C14, que aliás são extremamente difíceis de serem retirados, mesmo usando processos modernos como o Delta 13 C PBD.
    Daí porque não é usado datação de C14 em rochas na exploração petrolífera, por exemplo, onde são feitas escavações e retiradas amostras a diferentes profundidades, simplesmente não vale como referencial de idade. O mesmo ocorre com fósseis antigos, onde a matéria orgânica é consumida durante a cimentação (as partes do esqueleto são substituídas por minerais).

    Like

    • Paulo says:

      Caro Adriano,
      Boa tentativa de justificar o método de C14:
      “O mesmo ocorre com fósseis antigos, onde a matéria orgânica é consumida durante a cimentação (as partes do esqueleto são substituídas por minerais).”
      Mas poderia nos explicar como é possível ser encontrada partes “moles” em fósseis com supostos milhões de anos?
      Abraço.

      Like

      • ade155 says:

        Bom, NÃO é absolutamente comum encontrar amostras de tecido mole em fósseis muito antigos, ao contrário, é raríssimo, e quando isto ocorre é algum tipo de proteína mais resistente, como quitina ou colágeno, e a datação de C14 neste material não pode ser feita, pois este elemento simplesmente não existe mais, já tendo se transformado totalmente em N14.

        Like

      • Mats says:

        Mas se se encontra material orgânico nesses restos de dinossauro, é perfeitamente lógico deduzir que não são fósseis antigos.

        Like

      • ade155 says:

        Não é assim, fósseis ANTIGOS (mais de 1 milhão de anos) com inclusões de matéria orgânica original do ser fossilizado são raríssimos, pois dependem de situações muito especiais, onde processos químicos incomuns conservam alguns tipos de proteína muito resistente (não DNA) e não passam de meia duzia de exemplos entre MILHÕES de fósseis encontrados, eles só seriam a regra no caso da terra ser JOVEM, mas não é o que se vê na realidade. Sabe-se que este material é antigo por não conter mais C14 quando analisado e por ser de tipos de proteína não bacteriana.

        Like

  2. Paulo says:

    “Continuemos a mostrar como a ciência está de perfeito acordo com a Palavra do Criador (nem poderia ser de outra forma), mas mais importante ainda, continuemos a anunciar o Evangelho da Salvação a toda a carne.”

    Me orgulho de pertencer a um grupo que anuncia as boas novas a toda carne.

    Abraço a todos os crentes em Deus.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s