Obra de design ou efeito de milhões de anos de ondas a bater na praia?

Carro da Praia

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
Image | This entry was posted in Biologia and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

15 Responses to Obra de design ou efeito de milhões de anos de ondas a bater na praia?

  1. BRUNO says:

    Não conheço nenhuma coisa que não tenha que ser projetada por alguém, mas também não conheço ninguém que sempre existiu e nunca precisou ser criado. embora eu reconheça que a ciência não responde muitas coisas, onde estaríamos se não buscássemos saber como as coisas acontecem? usar o “Deus das lacunas” como explicação não é ciência, pq ciências são coisas que podem ser averiguadas. se vcs estão satisfeitos com esta resposta então paremos nossa busca por aqui , não precisamos mais entender como funciona o corpo, as doenças os medicamentos e o universo.

    Like

    • Mats says:

      Não conheço nenhuma coisa que não tenha que ser projetada por alguém

      Conheces alguma coisa que tenha início de existencia que não tenha uma causa?

      mas também não conheço ninguém que sempre existiu e nunca precisou ser criado.

      O “eu não conheço” é diferente de “Ele tem que existir porque o universo não se criou a ele mesmo”.

      embora eu reconheça que a ciência não responde muitas coisas,

      A ciência responde sim. Vocês é que não gostam da resposta que ela dá (Criação).

      onde estaríamos se não buscássemos saber como as coisas acontecem? usar o “Deus das lacunas” como explicação não é ciência,

      Nenhum cientista criacionista usa o arggumento do “Deus das lacunas”. Vê se aprendes o que nós dizemos antes de dizeres barbaridades.

      E a ciência moderna deve o seu explosivo desenvolmento aos imensos cientistas CRISTÃOS presentes durante a altura da revoluçao científica. Sempre que colocares a ciência dum lado e o Cristianismo do outro, revelas o quão pouco tu sabes de ambas.

      pq ciências são coisas que podem ser averiguadas. se vcs estão satisfeitos com esta resposta então paremos nossa busca por aqui , não precisamos mais entender como funciona o corpo, as doenças os medicamentos e o universo.

      Mais demagogia sem sentido.
      Último comentário deste tipo que eu deixo passar teu.

      Like

    • Carlos says:

      A ciência nunca foi ateia, só na contemporaneidade que muitos cientistas se tornaram ateus. Deus nunca foi desculpa para não pesquisar e desenvolver a ciência. Se algo for assim porque realmente um Deus quis, o que levar-nos-ia a não tentar entender o propósito daquilo? E foi assim que a ciência foi sendo desenvolvida por cientistas religiosos, que buscavam o conhecimento e ciência para melhor entender Deus e sua criação ou para trazer algo de útil para a humanidade, como bem disse Descarte que esta deveria ser a meta da ciência.

      Like

      • Azetech says:

        Carlos

        A ciência nunca foi ateia, só na contemporaneidade que muitos cientistas se tornaram ateus.

        Concordo plenamente. Basta conhecer um pouco de história para visualizar que os PAIS da ciência moderna eram Teístas, e em sua grande parte, cristãos.

        Os Naturalistas só usurparam parte do mundo científico, há menos de 200 anos. Isso ocorreu pois a “modinha” do naturalismo filosófico, estava vigente no período da mudança conceitual que motivou as pessoas.

        Like

  2. Flavius Belisarius says:

    Caro Sérgio Mats,

    Não é possível entrar em contato através de email?
    Se for possível por favor mande-me um email para o endereço eletrônico que usei para fazer este comentário.

    Fique com Deus!

    Like

  3. Luiz says:

    Mats, não consegui encontrar no blog algo referente à minha dúvida, então, vamos lá:
    Estive em uma discussão com um ateu, e percebi que, na internet, muitos ateus usam da mesma armadilha em discussões com teístas/deístas. A armadilha é dizer que o “cristão” teria outra crença se tivesse nascido em outra época ou país.
    Não sei se você tem resposta a essa armadilha/falácia, mas estive pensando e esta mesma armadilha pega o ateu pelos pés, pois pode-se dizer o mesmo dele: que se ele não tivesse nascido onde nasceu, e nas circunstâncias em que nasceu, ele ([provavelmente], não gosto dessa palavra, pois soa muito relativismo) não seria ateu (poderia ser hindu, seek, budista etc.). Então, a crença dele (ou descrença em Deus), seria devido somente ao seu local de nascimento, e não a algo embasado (se é que o ateísmo é embasado em algo) em experiência de vida, descoberta pessoal, trauma, e todas as justificativas dele para ser ateísta caem por terra. Ele seria ateu meramente por ter nascido naquele lugar e naquele momento.

    Like

    • Mats says:

      Mats, não consegui encontrar no blog algo referente à minha dúvida, então, vamos lá:
      Estive em uma discussão com um ateu, e percebi que, na internet, muitos ateus usam da mesma armadilha em discussões com teístas/deístas. A armadilha é dizer que o “cristão” teria outra crença se tivesse nascido em outra época ou país. Não sei se você tem resposta a essa armadilha/falácia, mas estive pensando e esta mesma armadilha pega o ateu pelos pés, pois pode-se dizer o mesmo dele: que se ele não tivesse nascido onde nasceu, e nas circunstâncias em que nasceu, ele ([provavelmente], não gosto dessa palavra, pois soa muito relativismo) não seria ateu (poderia ser hindu, seek, budista etc.). Então, a crença dele (ou descrença em Deus), seria devido somente ao seu local de nascimento, e não a algo embasado (se é que o ateísmo é embasado em algo) em experiência de vida, descoberta pessoal, trauma, e todas as justificativas dele para ser ateísta caem por terra. Ele seria ateu meramente por ter nascido naquele lugar e naquele momento.

      Acho que a tua resposta practicamente responde a tudo. Eu normalmente digo que há ex-muçulmanos que se converteram ao Cristianismo nos países islâmicos, e há “ex-Cristãos” que se converteram ao islão nos países de maioria Cristã. Logo, o país onde se nasceu não determina nada.

      Mas para além disso, esse argumento deles é irrelevante: o importante não é qual é a religião mais provável de ser seguida por alguém, mas uma vez que Deus existe, qual das concepções de Deus está certa.

      Se disseres isto, o ateu vai voltar atrás e dizer que Deus não existe, e blá , blá , blá. Mas aí ele já vai estar no sítio onde tu os queres: a defender o ateísmo, e não a usar a existência de várias religiões como evidência em favor do ateísmo.

      Like

      • Luiz says:

        Mats, obrigado pela resposta. Eu não havia pensado na questão da conversão, como você comentou.

        Eu tenho uma pergunta extra: sobre a moral dos ateus. Como pode ser debatida ou refutada? Diálogo abaixo:
        “Ateu: Eu não minto.
        Crente: Se você não acredita em Deus, você não tem necessidade de falar a verdade, pois não acredita em julgamento ou em punição.
        Ateu: qual o problema com Deus e eu poder seguir minha moral?”

        Like

      • Mats says:

        Ateu: qual o problema com Deus e eu poder seguir minha moral?”

        Ele pode seguir a moral dele, tal como o pedófilo pode seguir a moral dele (num mundo onde Deus não existe). O problema começa quando ele tenta usar a moral dele para atacar a moral Cristã (ou outra qualquer).

        Se Deus não existe, todos os comportamentos morais (incluido os dos ateus e dos pedófilos) são igualmente válidos porque não há Ponto de Referência ABSOLUTO para a moral.

        Like

  4. CuriosoCetico says:

    Mats,

    Não percebo esse conceito de “moral absoluta”, especialmente quando se presume que esse conceite teve origem no cristianismo, ou no Deus cristão.

    Muito antes de haver uma bíblia, haviam outras religiões que condenavam mortes, roubos, violações, inclusive escravidão, coisa que durou durante muito tempo em sociedades cristãs.

    Por isso pergunto, será que essa noção de “moralidade absoluta cristã” existe mesmo? Ou será que o cristianismo apenas pegou nas leis morais que as sociedades já tinham e evoluiu esse cenário? Ou simplesmente a moralidade vem da empatia que os humanos têm, sendo que de vez em quando uma pessoa boa chega ao poder e consegue transmitir essa empatia à população?

    Parece-me bastante ofensivo tanto a questão de “os ateus não têm moral” e “os evolucionistas apoiam o que os nazis fizeram”. Isso parece-me um pensamento um pouco psicopata, não?

    Penso que nunca tenha atacado ninguem neste blog, mas já pelo menos um comentário meu ficou preso na censura, espero que este passe.

    Bem haja.

    Like

    • Mats says:

      Não percebo esse conceito de “moral absoluta”, especialmente quando se presume que esse conceite teve origem no cristianismo, ou no Deus cristão.

      Não percebes, mas eu tento explicar.
      Diz-me, matar uma pessoa APENAS E SÓ por causa da cor da sua pele está ABSOLUTAMENTE errado ou há situações onde isso está certo?

      Agora, se tu dizes que está absolutamente errado, tu tens que dizer no quê é que a natureza absoluta dessa moral assenta.

      Eu sei que houve muitos comportamentos morais na História da humanidade. Esse nem é o ponto. O ponto é: sem Deus. TODOS os comportamentos morais têm exactamente o mesmo valor.

      Vês a diferença?

      Se Deus não existe, matar uma pessoas por ser negra é moralmente tão válido como ajudar quem passa fome. Dentro do ateísmo, ambos os comportamentos têm o mesmo valor moral. Não há forma ABSOLUTA de dizer quem está errad ou quem está certo, para além das nossas opiniões pessoais.

      Like

  5. jephsimple says:

    Mats,

    Você tem algum post falando sobre infinito e eternidade?

    Desculpe o off topic.

    Estou a ler um artigo, no intelligentreasoning.blogspot.com, e o proprietário do Blog, um TDÍsta, afirma que infinito não existe, afinal ninguém provou que ele existe , a lógica é simples:

    1 – Fornecer uma definição matematicamente rigorosa do infinito.

    2 – Demonstrar que o infinito existe.

    Temos uma problemática nisto, o universo existe , mas o infinito não existe …
    Se o universo existe ou ele é eterno [atemporal, pois não existe infinito] ou é finito e possui uma causa, e essa causa é eterna.

    Por fim, como concluímos a finitude ou eternidade do universo?

    Observações apontam para um expansão do universo, supondo seu principio, mas essa suposição tbm é defendida pelos naturalista, onde houve o big bang, daí a expansão.

    Existem outras evidências que apontam parta o princípio do universo?

    Outra coisa, a matéria é “indestrutível” indivisível, sendo assim, seria uma evidência de que a matéria é eterna, ou seja, de que o universo é eterno; isso eu li da parte de alguns naturalistas, e pelo que eu saiba matéria é indestrutível e não se cria matéria.mas eu sou um leigo em física, astrofísica, até aonde tudo isso é verdade?

    Like

  6. jephsimple says:

    O argumento “Deus das lacunas” me parece ser o espantalho predileto dos anti-inteligentistas .

    O Espantalho é assim :

    “Não sabemos como isso ocorreu, então “Deus que fez”, não sabemos qual a origem dos seres vivos e do universo então foi “Deus que fez”.
    Isso não tem explicação? “Então Deus que fez!”

    É o grande argumento naturalista???Um espantalho?

    Que pessoa chegaria a essa conclusão em meio a tantos dados e evidências ???

    Não entendemos que Deus que fez, através dos dados e evidências nós entendemos COMO Ele fez, Criacionismo e proponentes teístas da TDI não vão para alem disso, salvo no escopo filosófico.

    Criacionismo científico e TDI [Inferência sobre o Designer feita pelos teístas TDÍstas] é sobre COMO Deus fez a luz dos dados que obtemos na nossa realidade! A realidade não é um “patrimônio” exclusivo de vós naturalistas! [Tbm não é exclusivo dos teístas,é de todos!].

    Me admiro de alguns naturalistas e afins usarem esse espantalho ridículo.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s