5 evidências contra a origem da vida evolutiva

Por Duane Gish

Não havia testemunhas humanas quando a vida se originou, e não existem evidências físicas e geológicas para a sua origem. Falando sobre a hipotética origem da molécula auto-replicante, bem como da sua estrutura, Pross admitiu que “A resposta simples é que não sabemos, e podemos até nunca vir a saber.”(1) Depois disso, e em relação à questão da origem de tal molécula, Pross disse:

…. pode-se reconstruir burlescamente essa questão da seguinte forma: se assumirmos de modo efectivo uma mistura de reacção desconhecida, sob condições de reacção efectivamente desconhecidas, reagindo de forma a gerar produtos desconhecidos através de mecanismos desconhecidos, será que um produto particular com características específicas . . . . poderia ter sido incluída entre os produtos da reacção? (2)

Isto demonstra de forma clara o alcance do progresso que os evolucionistas fizeram rumo à solidificação dum cenário mecanicista e ateísta para a origem da vida, passado que está mais de meio século de pesquisas físicas, químicas e geológicas. É, no entanto, possível derivar factos que estabelecem para além de qualquer dúvida que a origem da vida evolutiva neste planeta teria sido impossível.

A origem da vida só pode ser o resultado da acção dum Agente externo, não-dependente das leis da natureza. Nós temos aqui espaço suficiente para descrever apenas algumas das barreiras intransponíveis para uma origem da vida evolutiva.

1. A ausência da atmosfera necessária

AtmosferaA nossa atmosfera actual consiste em 78% de nitrogénio (N2), 21% oxigénio molecular (O2) e 1% de outros gases tais como o dióxido de carbono (CO2), o argon (AR) e vapor de água (H2O). Uma atmosfera que contenha oxigénio seria fatal para todos os esquemas de origem da vida. Embora o oxigénio seja necessário para a vida, o oxigénio livre oxidaria e, desde logo, destruiria todas as moléculas orgânicas necessárias para a origem da vida. Devido a isto, apesar das inúmeras evidências de que a Terra sempre teve uma quantidade significativa de oxigénio livre na atmosfera,(3), os evolucionistas persistem em declarar que não havia oxigénio na atmosfera da Terra primordial. No entanto, isto seria também fatal para a versão evolutiva da origem da vida visto que se não existisse oxigénio, não existiria a camada protectora de ozono a rodear a Terra.

O ozono é produzido através da radiação proveniente do Sol sobre o oxigénio na atmosfera, convertendo o oxigénio diatómico (O2), que nós respiramos, para oxigénio triatómico (O3), que é o ozono. Logo, se não existisse oxigénio, não existiria o ozono. A mortífera e destrutiva luz ultravioleta proveniente do Sol iria atingir a superfície da Terra sem enfrentar qualquer tipo de impedimento, destruindo aquelas moléculas orgânicas necessárias para a vida – reduzindo-as a gases simples tais como o nitrogénio, o dióxido de carbono e água.

Portanto, os evolucionistas enfrentam um dilema sem solução: com a presença de oxigénio, a vida nunca poderia evoluir; sem o oxigénio, e sem o ozono, a vida nunca poderia evoluir ou existir.

2. Todas as formas de energia cruas são destrutivas.

A energia disponível na hipotética “Terra primitiva” consistia principalmente de radiação do Sol, com alguma energia proveniente de descargas eléctricas (trovões), e fontes de energia de menores dimensões tais como o decaimento radioactivo e o calor. O problema para a teoria da evolução é que as taxas de destruição das moléculas biológicas por todas as fontes de energia cruas excedem largamente as taxas de formação através de tais fontes energéticas. O único motivo pelo qual Stanley Miller foi bem sucedido em obter uma pequena quantidade de produtos na sua experiência foi o facto dele ter empregue uma separação como forma de isolar os seus produtos das fontes de energia.(4) Aqui os evolucionistas enfrentam dois problemas:

– Primeiro, não poderia existir algum tipo de separação na Terra primitiva.
– Segundo, a tal separação seria fatal para qualquer cenário evolutivo visto que mal os produtos são isolados, já não há mais qualquer tipo de progresso evolutivo visto que não há qualquer tipo de energia disponível.

No seu comentário à experiência de Miller, D. E. Hull declarou que “Estas vidas curtas para a decomposição na atmosfera ou nos oceanos claramente precluem a possibilidade duma acumulação de concentrações de compostos orgânicos através dos milhões de anos. . . . O físico-químico motivado pelos princípios confirmados da termodinâmica química e da cinética, não pode dar qualquer tipo de encorajamento ao bioquímico, que precisa um oceano cheio de compostos orgânicos para que até coacervates sem vida se formem.(5)”

3. Um cenário evolutivo para a origem da vida iria resultar numa confusão incrível.

ADN_02Imaginemos que, como defendem os evolucionistas, existiu uma forma através da qual moléculas orgânicas, biologicamente importantes, se formaram em quantidades suficientes na Terra primitiva. Uma confusão incrível iria se gerar: para além dos 20 aminoácidos distintos encontrados nas proteínas actuais, centenas de outros aminoácidos teriam sido produzidos. Para além da desoxirribose e da ribose, açúcares de cinco carbonos encontrados actualmente no ADN e no RNA, uma variedade de açúcares de cinco carbonos, quatro carbonos, seis carbonos e sete carbonos teriam sido produzidos. Para além das cinco purinas e pirimidinas encontradas actualmente no ADN e no RNA, uma grande variedade de outras purinas e pirimidinas teriam que ter existido.

Para além disso, e isto é algo significativo, os aminoácidos das proteínas actuais são exclusivamente canhotos, mas os aminoácidos da Terra primitiva haveriam de ter sido 50% canhotos e 50% dextros. Os açucares no ADN e no RNA são exclusivamente dextros, mas se eles tivessem existido, os açucares da Terra primitiva teriam sido 50% canhotos e 50% dextros. Se um só aminoácido dextro tivesse estado dentro da proteína, ou se uma proteína canhota tivesse estado dentro do ADN ou no RNA, toda a actividade biológica seria destruída, e não haveria qualquer mecanismo disponível na Terra primitiva que pudesse seleccionar aos componentes correctos.

Este facto por si só destrói por completo a teoria da evolução, e os evolucionistas têm batalhado com este dilema desde que ele foi reconhecido, e até hoje os evolucionistas ainda não ofereceram qualquer tipo de solução. Todas estas variedades haveriam de competir umas com as outras, e uma enorme variedade de outras moléculas orgânicas, incluindo aldeídos, cetonas, ácidos, aminas, lípidos, hidratos de carbono,etc, teriam que ter existido.

Se os evolucionistas realmente alegam que fazem simulações plausíveis das condições da Terra primitiva, porque é que eles não colocam os reagentes numa confusão total como a descrita em cima, e irradiam-na com luz ultravioleta, enviam choques com descargas eléctricas, ou aquecem-na para ver o que aconteceria? Eles não fazem isso porque sabem que não haveria a menor possibilidade de algo útil para o seu cenário evolutivo surgir. Em vez disso, eles escolhem cuidadosamente só os materiais iniciais que eles querem que produza aminoácidos ou açucares ou purinas, ou seja lá o que for, e criam condições ambientais improváveis que não existiriam na Terra primitiva. Depois disto, eles escrevem nos livros escolares e nos artigos científicos que tais moléculas biológicas teriam sido produzidas em quantidades abundantes na Terra primitiva.

4. As micro-moléculas não se combinam de modo espontâneo para formar macro-moléculas.

Diz-se que o ADN é o segredo da vida, mas o ADN não é o segredo da vida; a vida é que é o segredo do ADN. Os evolucionistas repetidamente alegam que a fase inicial da origem da vida foi a origem de moléculas de ADN ou RNA auto-replicantes. Não existem moléculas auto-replicantes, e nenhuma molécula deste tipo poderia algum dia existir. A formação de moléculas requer o input dum tipo específico de energia e um input constante de “tijolos de construção”. Para produzir a proteína, os tais “tijolos” são os aminoácidos e para os ADN e o RNA esses “tijolos” são os nucleotídeos (que são compostos por purinas, pirimidinas, açúcares, e ácido fosfórico.

ADN_04Se os aminoácidos são dissolvidos na água, eles não se unem espontaneamente para formar a proteína; elas precisam do input de energia. Se as proteínas são dissolvidas na água, os laços químicos entre os aminoácidos lentamente se destroem, libertando energia (diz-se que a proteína hidrolisa). O mesmo ocorre com oo ADN e com o RNA; para formar uma proteína num laboratório, depois de dissolver o aminoácido num solvente o químico acrescenta um material químico que contém fortes laços energéticos (identificados como reagente peptídeo). A energia deste químico é transferida para os aminoácidos, o que gera a energia necessária para formar os laços químicos entre os aminoácidos, e para libertar oo H e o OH para formar o H2O (água).

Isto só ocorre num laboratório químico ou nas células dum organismo vivo, e nunca poderia acontecer num oceano primitivo ou em qualquer parte da Terra primitiva. Quem ou o quê é que estaria por perto para disponibilizar um input regular da energia correcta? A energia cura perturbadora não funciona. Quem ou o quê é que estaria por perto para fornecer um input regular dos “tijolos de construção” apropriados e não apenas e só lixo?

Quando os evolucionistas falam de moléculas de ADN auto-replicantes, eles estão a falar duma fantasia.

5. O ADN não sobreviveria sem um mecanismo de reparação.

O ADN, tal como acontece com o RNA-mensageiro, o RNA de transferência, e o RNA ribossomal, pode ser destruído por uma variedade de agentes, incluindo a luz ultravioleta, espécies reactivas de oxigénio, agentes alquilantes, e pela água. Um artigo recente reportou que existem 130 genes humanos reparadores conhecidos e que mais serão encontrados. Os autores declararam:

A instabilidade do genoma [do ADN] causado por uma variedade de agentes danificadores de ADN teria sido um problema sobrepujante para as células e para os organismos se não fosse a reparação de ADN.(6)

ADN ReparaçãoNote-se que até a própria água é um agente danificador de ADN! Se o ADN de alguma forma evoluísse na Terra, ele teria sido dissolvido na água; logo, a água, bem como muitos outros agentes químicos, iriam dissolver o ADN, associando-se isto ao facto da luz ultra-violenta destruir o ADN muito mais rapidamente do que ele poderia alguma vez ser produzido através de qualquer processo imaginário. Se não fosse a existência dos genes reparadores, declara o artigo cirando em cima, o ADN não poderia sobreviver nem mesmo no protegido ambiente da célula. Como é que poderia o ADN, então, sobreviver sendo sujeito a ataques brutais por parte de agentes químicos e outros agentes que existiriam na hipotética Terra primitiva imaginada pelos evolucionistas?

Quais são os agentes celulares necessários para a reparação do ADN? Genes de ADN. Logo, o ADN é necessário para a sobrevivência do ADN, mas teria sido impossível os genes de reparação de ADN evoluírem sem que o ADN normal tivesse evoluído, e teria sido impossível o ADN evoluir sem que os genes de ADN reparadores tivessem evoluído. Temos aqui mais uma barreira intransponível para a teoria da evolução.

Para além disso, é ridículo imaginar como é que os genes reparadores de ADN poderiam ter evoluído, mesmo se já existisse uma célula. Os genes de ADN codificam as sequências de centenas de aminoácidos que constituem as proteínas que são os agentes envolvidos na reparação do ADN. O código dentro do ADN é traduzido para o RNA mensageiro (mRNA). O mRNA tem então que se deslocar e ser incorporado num ribossoma (que é feito de três RNAs ribossomais e 55 moléculas proteicas diferentes). Cada aminoácido tem que ser associado a um RNA de transferência específico para esse aminoácido, e essa associação requer uma enzima proteica específica para esse aminoácido e RNA de transferência.

Respondendo ao código no mRNA e utilizando os códigos dentro do RNA de transferência, o aminoácido apropriado, associado aos RNAs de transferência, são unidos à crescente corrente proteica de modo a prescrever o código do RNA mensageiro. Muitos enzimas são necessários durante o processo, bem como a energia apropriada.

Está é apenas uma pequena introdução da incrível complexidade da vida que se encontra até dentro das bactérias.

Quem não entende, por todas estas coisas, que a mão do Senhor fez isto?
Job 12:9

Referências

1. Pross, Addy. 2004. Causation and the origin of life. Metabolism or replication first? Origins of Life and Evolution of the Biospheres 34:308.
2. Ibid., 316.
3. Davidson, C. F. 1965. Geochemical aspects of atomospheric evolution. Proc. Nat. Acad. Sci. 53:1194; Brinkman, R. T., 1969. Dissociation of water vapor and evolution of oxygen in the terrestrial atmosphere. J. Geophys. Res., 74:5355; Clemmey, H., and N. Badham. 1982. Oxygen in the Precambrian atmosphere; an evaluation of the geological evidence. Geology 10:141; Dimroth, E., and M. M. Kimberley. 1976. Precambrian atmospheric oxygen: evidence in the sedimentary distributions of carbon, sulfur, uranium, and iron. Can. J. Earth Sci., 13:1161.
4. Miller, Stanley. 1953. A production of amino acids under possible primitive earth conditions. Science 117:528.
5. Hull, D. E. 1960. Thermodynamics and kinetics of spontaneous generation. Nature 186:693.
6. Wood, R. D., et al. 2001. Human DNA repair genes. Science 291:1284.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

17 Responses to 5 evidências contra a origem da vida evolutiva

  1. drgruber says:

    Ai Davi, achei esse artigo interessante.  Como pode o DNA surgir sem uma membrana a protege-lo, e como ter uma membrana sem DNA. Como ter DNA reparador para corrigir os “erros” se não existe DNA para fazer o reparador que repara com enzimas-proteinas? A vida é um grande enigma, e a perfeição do funcionamento, o paralelelismo de funções, e de ações deixa muitos pontos de interrogação. Há tanta inteligencia no seu designer que é impossivel o surgimento expontaneo. Como surgiu o pescoço comprido da girafa? Seu coração tem que ter uma pressão muito alta para mandar sangue lá no cerebro. Como não estouram os vasos das pernas? Como não estora o cérebro dela qdo abaixa para beber agua? Como essa pressão alta não danifica seu rim? E tudo, todo seu corpo se adaptou simultaneamente, aqui ali e acolá. E o nascimento de uma girafinha? Ela cai de quase 2 metros de altura?  Vamos derrubar um nenem de 2 m de altura e ver o que acontece. Sera que racha o seu figado? E a danada da girafinha logo sai andando equilibrada naquelas pernonas finas… Fui num zoologico esses dias atras e vi uma desengonçada girafa vir ao meu encontro: vive dos brotos das arvores…como ela é linda e fascinante! Me fez feliz, embora todas as criticas a um zoologico, ali estava com bom espaço e bem cuidado.  Abração; sinto falta de te encontrar.

    Like

  2. É como um ditado aqui no Brasil: “se correr o bicho pega, se ficar o bicho come”, ou seja, não tem saída: O oxigênio e os raios ultravioletas são problemas fatais para os naturalistas, a origem da vida só tem explicação no sobrenatural: Criação.

    Like

    • Al says:

      A posição mais comum sobre a origem da vida (que nada tem a ver com a teoria da evolução), é que a vida começou no oceano. A água é perfeitamente capaz de filtrar as radiações solares nocivas. O oxigénio atmosférico terá sido produzido através da fotossíntese nas algas e fitoplâncton primitivos. A camada de ozono, terá sido criada a partir desse oxigénio atmosférico.

      Like

      • Na teoria mais aceita da evolução química, a radiação é um grande problema, inclusive todos os experimentos tem sido um fracasso quando simulam a radiação da suposta terra primitiva. O oxigenio é outro problema,. E a produção de oxigênio tbm ocorre pela foto-dissociação das moléculas de água.

        Like

  3. Sodré says:

    “a origem da vida só tem explicação no sobrenatural:”

    Ou seja: não tem explicação… Não há evidência de que o sobrenatural exista, quanto mais que “explique”…, a não ser que se considere que a fé explica…, mas se a fé é crer sem provas não se pode falar de explicação.

    Like

    • Mats says:

      “a origem da vida só tem explicação no sobrenatural:”

      Ou seja: não tem explicação…

      TEm explicação, embora essa explicação não esteja de acordo coma tua fé no naturalismo.

      Não há evidência de que o sobrenatural exista

      A vida biológica é evidência do sobrenatural visto que a vida biológica não tem a capacidade de se criar a ela mesma. Ou tem?

      quanto mais que “explique”…, a não ser que se considere que a fé explica…, mas se a fé é crer sem provas não se pode falar de explicação.

      Mas quem crê sem provas és tu e não quem defende que a vida tem origens sobrenaturais.

      Like

      • Sodré says:

        “vida biológica não tem a capacidade de se criar a ela mesma.”

        Algo tem a capacidade de se autocriar?
        A vida tem de ter surgido a partir doutra coisa e de modo nenhum autocriada, Alguém diz que a vida se criou a si mesma? Nunca tal ouvi.

        Like

    • jephsimple says:

      Basta chamar eventos, comportamentos da matéria e energia [como por exemplo a não-localidade] de fenômeno e pronto, temos aí uma explicação naturalista para o por que do universo funcionar como funciona, ele é um fenômeno … nada mais natural, tanto quanto a fenomenal racionalidade humana.

      Quiça na hipótese de Deus se tornar visível, não ser isso um fenômeno Divino único, tão único quanto a origem da vida, tão irreproduzível quanto a origem da vida … A fenomenal mente humana jamais conseguiu criar a vida … Apenas conseguiu copia-la a partir da fenomenal vida… Na hipótese do homem criar a vida … será isso um fenômeno… Tão natural como ele é … Um fenômeno.

      Naturalismo, materialismo filosófico! Fenomenalmente indubitável.

      Like

  4. Everton Araujo says:

    Boa noite,

    Olhando assim esse texto nao tem nem o q questionar, nao é possivel ter surgido vida com a sua base argumentativa. Porem é de resaltar que ha equivocos nas suas informaçoes.

    Para começar essa teoria de origem da vida é ultrapassadissima, mas vamos considerar que seja a usada atulamente. Dizer que a terra primordial nao tinha O2 livre é ate aceitavel, pois sabemos que o O2 é produzido por processo de fotossintese, tambem sabemos que de fato ele é fatal para moleculas organicas em geral, devido a sua grande reatividade oxidante. E como no inicio nao havia seres fotossintetizantes, nao haveria O2 para oxidar, entao a principio é plausivel que exita moleculas organicas na terra primitiva.

    Sem O2 tambem nao tem como haver O3, que nos proteje dos raios UVc, UVb, logo, sem chances de haver moleculas organicas ja que a radiaçao UVc é capaz de romper ligaçoes sigmas. Mas há um fato esquecido por vc, em teoria a terra primordial era mais quente que atulamente, entao havia mais vapor de agua na atmosfera, com mais nuvens temos uma maior reflexao de raios solares pelas nuvens brancas. Mas mesmo que nao houvesse mais nuvens e o ceu fosse limpissimo e entrasse 100% de radiaçao UVa, UVb e UVc ainda teriamos o mar, pois é trivial que a luz do sol tem uma penetraçao de luminosidade no mar que decai em escala logaritmica, ou seja, abaixo de 10m ja nao temos uma radiaçao forte penetrando, onde as moleculas organicas poderiam viver felizes para sempre. Afinal é teorico que a vida tenha surgido no mar, os organismos fotossintetizantes começaram a produzir O2 e com o tempo criou-se a camada de ozonio, para entao os organismos poderem sairem do mar, teoricamente.

    Depois no seu texto temos uma proposta de surgimente de material organico, que é a experiencia feita pelo Stanley Miller, seria a fonte de material organico em uma terra primitiva. Pois bem, o experimente provou que pode-se criar material organico a partir de material inorganico, essa foi o maior contribuiçao do seu experimente, mais tarde um outro cientista provou o mesmo criando ureia a partir de compostos inorganicos. Como bem dito por vc, qualquer material criado seria destruido a uma taxa maior que construidos, o que é verdade. Porem sabi-se que a maior parte de material organico que temos no planeta nao provem do proprio planeta, ou seja, todo o C12 que temos na terra nao necessariamente estava na terra nos primordios, entao de onde veio? a Nasa ja provou que 7% da massa de um asteroide é pura material organica: animoacidos destros e canhotos, bases nitrogenadas e todo uma variedade de compostos com uma mistura quase racemica. Como nosso planete tem uma area de 70% de agua, o mar, é de se esperar que a maior parte dos asteroides tenha caido na agua, injetando todo o material organico em um lugar onde ele possa ter sobrevivido longe da radiaçao solar e do possivel O2. É mais conveniente perguntar como que os compostos sobrevivem no espaço, uma vez que lá tem muito mais radiaçao perigosa do que na terra, e o que mais temos descoberto atualmente é uma variedade de moleculas vagando no espaço.

    Outro ponto interesante é que de fato nossas proteinas sao feitas a base de animoacidos canhotos, sendo que o material organico incial veio de uma mistura quase racemica. Ainda nao sabemos exatamente, mas o espaço sideral é um meio aquiral e nao teria como ele selecionar um esteriocentro para reagir ao inves de outro, consequentemente a isso teriamos somente misturas racemicas, mas isso nao acontece. A mistura que tem nos asteroides nao é racemica, é um leve deslocamento para o lado dos canhotos, com isso o que se espera é que uma maior oferta de animoacidos canhotos tenha contribuido para a sua preferencia na hora de montar proteinas. Uma teoria diz que esse fato pode ser devido a radiaçao eletromagnetica das estrelas de neutros que orientam levemente uma reaçao dando preferencias para os canhotos, isso em teoria.

    No texto tambem diz que nao podemos juntar micromoleculas para formar macromoleculas, de fato isso é verdade. Se vc pegar todos os aminoacidos que compoe uma proteria e colocar em um bequer ele nao vao virar proteria, nao maxino vc consegue um sal de animoacidos. Mas como estamos falando de uma terra primitiva podemos imaginar de maneira intuitiva o que pode ter acontecido, os aminoacidos precisao de calor ou/e acido de lewis como catalizador para se unirem, o que nao falta no mar é acido de lewis, uma vez que a maior concentraçao de sais esta no mar, entao nao é tao estranho de se esperar isso.

    Bem era só que a principio eu notei de estranho no texto, mas para alem disso nao posso discordar de vc.

    Like

    • Everton Araujo says:

      desculpe por alguns erros, esqueci de editar e corrigir os erros no olhometro. Digitei muito rapido e despreocupado. Se puder relevar eu agradeço.

      Like

      • jephsimple says:

        Deixando o excesso de imaginação [ imaginação não é de todo mal;falo por mim]…

        But… but, but, but :

        [Trecho]
        But where is the experimental evidence? None exists in the literature claiming that one species has been shown to evolve into another. Bacteria, the simplest form of independent life, are ideal for this kind of study, with generation times of 20 to 30 minutes, and populations achieved after 18 hours. But throughout 150 years of the science of bacteriology, there is no evidence that one species of bacteria has changed into another, in spite of the fact that populations have been exposed to potent chemical and physical mutagens and that, uniquely, bacteria possess extrachromosomal, transmissible plasmids. Since there is no evidence for species changes between the simplest forms of unicellular life, it is not surprising that there is no evidence for evolution from prokaryotic to eukaryotic cells, let alone throughout the whole array of higher multicellular organisms.

        http://www.timeshighereducation.co.uk/159282.article

        Xeque!

        Like

    • jephsimple says:

      Hum …

      Um pouquinho de oxigênio e evolução acontece …

      Um pouquinho de imaginação e não é que naturalismo, origem natural da vida, evolução… faz sentido …🙂

      http://www.uncommondescent.com/evolution/animals-didnt-arise-from-oxygenation-they-created-it-researchers-say/

      Like

      • Sodré says:

        “Um pouquinho de oxigênio e evolução acontece …”
        ou
        Um pouquinho de sobrenatural e evolução acontece…
        qual a explicação mais profunda?

        Like

      • jephsimple says:

        Hum …

        Sodré sou cético com relação a evolução, tal qual creem os naturalistas e também teístas evolucionistas …

        Sou mais cético ainda quanto a uma origem natural da vida… Eu sou levado para alem de matéria e energia, embora só o fato da matéria e energia se comportarem como se comportam já não me convence que isso é natural, como que: é assim que acontece, é assim que é , é natural.

        Mas já é uma cosmovisão minha, é da minha mente, que não obedece um “modus operandi” físico-material… Apesar de em minha cosmovisão a realidade físico-material nada mais é do que a pura expressão do Poder de Deus … E esse poder em si já é sobrenatural …

        Oras, o físico-material é uma dimensão do Poder de Deus expresso … Minha mente é uma outra dimensão também do poder de Deus expresso, onde opera o mistério do livre arbítrio independente da dimensão físico-material.

        O que acontece aqui é que eu sou um ser irredutível, eu não sou apenas mente, e nem posso ser, e nem sou apenas um ser físico-material… os dois me formam.

        Então já não sei qual vossa cosmovisão sobre o natural e o sobrenatural… Eu tenho uma posição que julgo razoável, perfeita não, razoável…

        Agora eu sinceramente não entendo, ou não consigo reduzir a minha existência, a existência da minha mente, e daquilo que está para além da minha mente, eu não consigo reduzir a matéria e energia … Sou cético quanto a crença de que o cosmos é tudo o que existe, ainda que minha posição não seja perfeita, nem seja eu capaz de mostrar Deus com um GPS, ou satélite, ou um telescópio, ou um microscópio.

        Então eu fico com a explicação mais lógica, mais coerente. Embora em minha crença eu não posso entender , perscrutar, mapear totalmente nem a mente nem o poder de Deus…

        Like

  5. Everton Araujo says:

    E onde esta as evidencias ditas no titulo do post?

    Tudo dito aki nao passa de hipoteses. Eu tbm nao afirmei nada que tivesse fora do texto, só alertei para as incoerencias e apontei uma saida baseada em dados.

    Like

  6. Everton Araujo says:

    Depois me perguntam onde estao as desinformaçoes,

    “5 evidências contra a origem da vida evolutiva”

    Quando foi origem da vida passou a ter relaçao com evoluçao? Oo.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s