A cegueira universal dos evolucionistas

Há alguns meses atrás tivemos o azar de atrair para o nosso blogue uma figura que claramente não deixou saudades O evolucionista, Jónatas de nome, usou e abusou das tradicionais mentiras que actualmente ocupam a maior parte dos livros que deveriam ser de Biologia e não de naturalismo.

Não contente em ter sido publicamente desmascarado pelos comentadores do blogue, o evolucionista Jónatas lançou um “desafio” num blogue onde ele aparentemente é membro activo na posição de editor. Nas linhas que se seguem iremos analisar mais alguns dos erros que ele insiste em propagar pela internet. Ele começa:

Criacionismo ou Teoria da Terra Jovem é a crença religiosa de que o Universo, a Terra e toda a vida terrestre foram criados por atos diretos do Deus Abraâmico durante um período relativamente curto de tempo, em algum momento entre 5.700 e 10.000 anos atrás. [wikipedia].

Antes de mais nada, a noção de “Deus Abraâmico” é uma que os Cristãos nunca deveriam usar visto que a mesma associa o islamismo com o Cristianismo, quando a fé Cristã é totalmente distinta das demais orientações religiosas, incluindo o islão. Na minha opinião ou se usa o termo “Deus da Bíblia” ou apenas e só “o Criador”.

Muitos anti-Cristãos tentam invalidar o Cristianismo usando os erros islâmicos como evidência, e como tal, é de suprema importância nunca deixar que YHWH seja associado com Alá dos maometanos.

Devo lembrar que. embora essa forma de visão criacionista seja a mais comum, ela não é a única – há outras como o criacionismo de terra-antiga, que aceita os bilhões de anos adotando apenas o Deus Abraâmico como autor de todos os processos naturais. Os criacionistas de terra-antiga geralmente são atacados pelos de terra  -jovem acusados de distorcer a literalidade bíblica (gênesis).

Esta é outra tentativa de fazer passar a ideia de que a visão criacionista Bíblica é apenas mais uma entra a variedade das visões criacionistas. Mesmo que isso seja verdade, é irrelevante. Se ele está a falar sobre as coisas que os Criacionistas Bíblicos defendem, ele tem que ser moralmente honesto e focar-se exclusivamente nisso.

Mas se ele vai usar essa forma de pensar, nós também podemos fazer o mesmo em relação à sua fé evolucionista. Se ele quer dividir a noção cientifica de criação em vários entendimentos religiosos, então ele tem que fazer o mesmo em relação à teoria da evolução.

Não só a teoria da evolução é uma religião, tal com o eminente filósofo evolucionista Michael Ruse afirma, mas a mesma pode ser subdividida em várias “seitas”: existem os ateus evolucionistas, os evolucionistas teístas, os evolucionistas da Nova Era, os evolucionistas astrólogos (quase todos os astrólogos da Nova Era acreditam numa variação da teoria da evolução), evolucionistas que consultam os cristais, evolucionistas Raelianos, evolucionistas Marxistas, evolucionistas Nazis, etc, etc. Qual destas várias (e muitas vezes discordantes) versões evolutivas o Jónatas defende? Não sabemos, mas de certeza que ele nos dirá num futuro próximo.

O Criacionismo, no geral, é uma pseudociência baseada em crença religiosa e fundamentalismo bíblico

O evolucionista Jónatas afirma que o criacionismo é uma “pseudo-ciência” baseada em “fundamentalismo Bíblico”, mas ele revela falta de conhecimento do que é a ciência e do que é o fundamentalismo Cristão. Antes de mais, se o criacionismo é uma “pseudo-ciência”, então muito mais o é a teoria da evolução visto que a primeira está de acordo com os dados e a segunda é refutada pelos dados.

Segundo: o critério de “ciência” de Jónatas é um semelhante a “aquilo que a maioria dos cientistas defende” e não “aquilo que está de acordo com os dados e com as evidências”. Logo, chamar de “pseudo-ciência” ao criacionismo só é possível se se tiver uma definição de ciência que não está de acordo com a definição histórica de ciência (busca pela verdade e pelo conhecimento)

Terceiro: o Jónatas deveria estudar mais sobre o que é o “fundamentalismo Cristão” para ele e ver que o mesmo nada mais é que a ortodoxia Cristã.  O termo “Cristão Fundamentalista” surgiu por volta do início do século 20, finais do século 19,  quando um grupo de Cristãos escreveu uma série de documentos em defesa das crenças centrais  da fé Cristã, numa altura que a mesma estava a ser atacada pela escola liberal maioritariamente Alemã. Portanto, um “Cristão fundamentalista” ou “fundamentalismo Cristão” são expressões redundantes visto que todo o Cristão acredita nos fundamentos da fé Crista e todo o Cristão é, por definição, “fundamentalista”.

junto com suas formas principais, o Design Inteligente e a Geologia do dilúvio, ela contradiz o consenso científico em geologia, física, química, genética molecular, biologia evolutiva, arqueologia e paleontologia.

A teoria científica do Design inteligente (TCDI) é distinta do Criacionismo visto que a primeira é uma dedução extraída do padrão dos dados, independentemente de quem seja (ou Quem seja) a fonte (ou Fonte) do design, enquanto que o Criacionismo Bíblico interpreta os dados à luz do Livro de Génesis. É uma forma errada de pensamento associar a TCDI com o criacionismo Bíblico só porque ambas defendem que a vida claramente é o efeito de design. Mas se o Jónatas acha que sim, então nós iremos considerar o evolucionismo e o ateísmo como a mesma coisa visto que ambas as ideologias defendem que a vida não é o efeito de design inteligente.

Segundo: quando Jónatas diz que o Criacionismo Bíblico “contradiz o consenso científico em geologia, física, química, genética molecular, biologia evolutiva, arqueologia e paleontologia” isto é verdade, mas irrelevante. O “consenso científico” só tem peso se se puder provar que o consenso científico está sempre correcto. Mas nós sabemos que isso é falso, e que não só muitos “consensos científicos” foram mais tarde revelados como falsos, como sabemos que há muito jogo de poder dentro do mundo científico e que nem tudo o que é qualificado de “ciência” o é de facto.

Assim, mantém-se à margem da comunidade científica.

O que é cientificamente irrelevante porque a verdade não é definida pela “comunidade científica” mas pelas evidências (aquelas que os evolucionistas tardam em mostrar ao mundo). O facto do evolucionista Jónatas focar-se na “comunidade científica” não nas evidências é sinal claro de que ele sabe que as segundas não defendem a sua fé evolucionista.

Não publicam em revistas científicas e nem participam de seminários ou congressos abertos à comunidade científica.

Esta é uma declaração de alguém que 1) ou é um mentiroso 2) ou vive numa ilha deserta. Não acho que ele viva numa ilha deserta, portanto ele só pode estar a mentir (conscientemente ou inconscientemente).  Será que o evolucionista Jónatas não sabe o que acontece aos cientistas que publicam textos que refutam a teoria da evolução?

Flagelo_PortuguesPara além disso, se o evolucionista Jónatas erradamente considera a TCDI como “criacionismo”, então os “criacionistas” já publicaram em várias revistas científicas revisadas por pares. Claro que o Jónatas irá agora cometer a falácia do “verdadeiro escocês” e dizer que essas publicações não eram genuinamente “científicas” precisamente por apoiarem a TCDI. Ou seja, para os evolucionistas, o criacionismo não é “ciência de verdade” porque os cientistas que a defendem “Não publicam em revistas científicas e nem participam de seminários ou congressos abertos à comunidade científica”, mas ao mesmo tempo, os evolucionistas defendem que os cientistas criacionistas não devem receber permissão para publicar nessas revistas precisamente por serem criacionistas, e o criacionismo não ser ciência.

Cientistas verdadeiros, por outro lado, expõem suas ideias à crítica de seus pares: submetem seus artigos a publicações científicas e apresentam seus resultados em seminários, conferências e congressos.

Tal como fazem os cientistas que promovem a TCDI e os cientistas que promovem o criacionismo. O que se passa é que os evolucionistas como o Jónatas CENSURAM essas publicações, o que faz com que esses cientistas se vejam obrigados a criar as suas próprias revistas científicas e publicar os seus artigos.

Mas, repito, a publicação em revistas científicas não é sinal de veracidade científica; vários artigos e estudos foram publicados nas revistas científicas só para serem reveladas como falsas posteriormente.

O criacionismo não se baseia em conhecimento científico, mas em fundamentalismo e especialmente em obter fiéis, e usa da religiosidade para afastar as pessoas da Ciência legítima, e esse é o grande mal da atualidade.

Qualquer pessoa pode dizer isto sobre qualquer assunto, mas o mais complicado é oferecer algum tipo de evidência. Para além disso, já ficou comprovado que os criacionistas, e não os evolucionistas, fundamentam as suas posições em dados científicos.

Longe de querer “afastar as pessoas da ciência legítima”, os cientistas criacionistas escrevem artigos onde apelam às pessoas que analisem os dados sob outro prisma,de modo a poderem ver como o evolucionismo é uma farsa. Quem normalmente tenta injectar discurso religioso no meio dos debates são os evolucionistas visto que, desta forma, eles  podem tentar criar a falsa impressão de que dum lado está a ciência e do outro a “religião” (mas nos sabemos melhor que isso).

Querendo expandir sua pseudociência e afastar o público geral do conhecimento científico verdadeiro, os criacionistas não economizam esforços em fazer ataques medíocres a inúmeras visões científicas que já são consenso em outras áreas, que não apenas a Evolução das Espécies, Geologia e Paleontologia.

Lá está a palavra “consenso” outra vez. Parece que o Jónatas é um ávido defensor da tese de que a ciência já sabe tudo o que há para saber, e como tal, atacar o “consenso” é “expandir sua pseudo-ciência e afastar o público geral do conhecimento científico verdadeiro”. Pessoas como o evolucionista Jónatas são aquele tipo de pessoas que mais facilmente são enganadas pelo “consenso” visto que não se dão ao trabalho de analisar as evidências (sempre que for possível), mas aceitam de bom grado o que o “consenso” lhes diz. Ou seja, o evolucionista Jónatas age precisamente da forma que ele diz ser contra.

Eles vieram a formar um conjunto de argumentos para duvidar dos principais conhecimentos que temos sobre o Universo, sua origem, evolução e idade – Vejamos alguns deles, e porque não procedem:

Na verdade, os argumentos (levantados por físicos e outros cientistas) não visam colocar em causa o “conhecimento”, mas sim as alegações que os evolucionistas fazem em favor da sua tese.

1 – Winding-up Dilemma – As estrelas da nossa galáxia, a Via Láctea, giram em torno do centro galáctica a velocidades diferentes – as do interior rodando mais rapidamente que as do exterior. As velocidades de rotação observadas são tão rápidas que se a nossa galáxia tivesse mais do que algumas centenas de milhões de anos, ela seria um disco de estrelas sem forma em vez da forma em espiral actual. 

Quanta falta de noção em apenas um parágrafo de uma matéria de falsa-ciência. Estrelas em uma galáxia realmente movem-se à mesma velocidade, as perto do centro e as próximas da borda têm a mesma velocidade.

O texto está a falar especificamente da Via Láctea, e não “em uma galáxia” qualquer. E parece que quem não fez o seu trabalho de casa foi o evolucionista Jónatas.

* “It has been suggested that the Milky Way contains two different spiral patterns: an inner one, formed by the Sagittarius arm, that rotates fast and an outer one, formed by the Carina and Perseus arms, whose rotation velocity is slower and whose arms are tightly wound.” (Mel’Nik, A.; Rautiainen, A. (2005). “Kinematics of the outer pseudorings and the spiral structure of the Galaxy”. Astronomy Letters 35 (9): 609–624.)

Portanto, as diferentes velocidades das estrelas na Via Láctea são factos cientificamente firmados e válidos. Não se entende como é possível alguém ser editor dum blogue sobre astronomia e não saber isso.

E depois disto o Jónatas escreve/cola um pedaço de texto que não está ligado com o tópico em discussão:

10 perguntas a fazer ao teu professor de Biologia sobre designIsso não é um dilema: as galáxias permanecem com aspectos espirais porque os braços, em que essa argumentação se baseia, estão constantemente entrando e saindo com o desenvolvimento das estrelas. Os braços espirais são mais visíveis do que o resto da galáxia, pois eles contêm ricas regiões de formação estelar. A distribuição atual da matéria em uma galáxia é muito mais uniforme do que os braços parecem indicar – vemos os braços, pois eles contêm estrelas jovens super-maciças. A forma clássica de espiral está mais para aparência do que para a física do corpo galáctico, que de fato está mais para disco. Estas estrelas azuis e luminosas têm uma vida útil média de 10 milhões de anos ou mais. Braços espirais tendem a desaparecer conforme estas estrelas massivas morrem e as novas regiões de formação estelar surgem por sua vez, por causa do momento angular (não diferentes velocidades das estrelas) e o processo envolver em torno de uma galáxia – eles mudam, mas nunca acabam. Umas regiões apagam, outras ascendem, como luzes de natal.

?? De que forma é que esta perda de tempo “refuta” o que a sua citação diz? As estrelas navegam a velocidades distintas dentro da Via Láctea ou não?

2 – Poucos restos de Supernova:
De acordo com as observações astronómicas, as galáxias como a nossa são palco de uma supernova (estrela violentamente explosiva) de 25 em 25 anos. O gás e a poeira
resultantes de tais explosões (como a “Crab Nebula”) expandem-se rapidamente para o exterior e deveriam-se manter visíveis por milhões de anos.

No entanto as partes da nossa galáxia onde nós podemos observar tais gases e poeiras acomodam apenas 200 resquícios de supernovas. Este número é consistente com apenas 7,000 anos de supernovas.

Outro Argumento trazido por um conhecimento precário sobre Astronomia, visto que os resquícios que observamos não são todas as supernovas que já ocorreram

Ninguém disse que são todas as supernovas que já ocorreram, mas sim aquelas cujas evidências revelam terem existido. Se o Jónatas acha que as partes da nossa galáxia que nós podemos observar foram alvo de mais supernovas do que aquelas que foram documentadas, então ele é que tem que dar algum tipo de evidência. Os cientistas criacionistas limitam-se a aceitar os dados observados e a afirmar que eles são consistentes com um galáxia jovem.

*e o exemplo utilizado, a nebulosa do Caranguejo, é uma nebulosa remanescente extremamente recente, é óbvio que não se dissipou ainda*

A “Crab  Nebula” é usada como exemplo da dissipação que ocorre numa explosão; ninguém duvida que seja recente.

Nuvens como o Complexo de Carina, que são massivos berçários de estrelas, ou nuvens como a que formou o Sistema Solar, também contém restos de Supernovas insondáveis ocorridas no passado e expandidas completamente. 

….. é só uma questão de se encontrarem as evidências que confirmem essas posições de fé.

Em relação à alegação aos “bercários de estrelas”, um blogue evolucionista admite:

“This is not the case for star formation. Stars form inside nebulae, enshrouded in dust and gas. Thus, the process is somewhat hidden from us. The process also takes a much longer time than the death of a star.”

Ou seja, nunca foi visto, e assumindo que ocorre, o nascimento de estrelas (que nunca foi visto), é um processo “escondido” ao nosso olhar. Quão conveniente.

O que o evolucionista Jónatas esta a dizer que um local de observação complicada, é berçário de algo que nunca foi visto a acontecer, e contém restos “insondáveis” de supernovas, ocorridas “no passado” (quando ninguém estava cá para observar). Sem dúvida que isto é sinal de fiabilidade científica.

os átomos pesados de nossa constituição, como o Ferro, vieram de supernovas.

se a evolução galáctica, assente no big bang, estiver certa, isto é. Uma vez que a teoria do big bang está repleta de problemas científicos, e tem inúmeras evidências contra ela (o que explica o porquê do “consenso” fazer todos os possíveis para censurar os cientistas que escrevem artigos contra esse mesmo big bang), todas as teorias que assentam sobre um evento que nunca aconteceu devem ser olhados com forte suspeição.

3. Os cometas desintegram-se rapidamente.
De acordo com a mitologia evolutiva, os cometas deveriam ter a mesma idade do sistema solar – cerca de 5 mil milhões de anos. No entanto, cada vez que um cometa navega perto do Sol, ele perde tanto da sua composição que não poderia sobreviver mais do que 100,000 anos. Muitos comentas possuem idades na ordem dos 10,000 anos.

Devo lembrar que o darwinismo.wordpress, precário em qualidade de escrita e conteúdo, acha que evolucionismo fala de cometas…, coloca tudo no mesmo pacote, um ato sumariamente infantil e sem noção das áreas científicas. Chega a ser cômico.

O texto que o evolucionista Jónatas tenta, sem sucesso, refutar, fala de vários dados científicos que não estão de acordo com os milhões de anos e com a evolução cósmica. Logo, como os milhões de anos são fundamentais para a teoria da evolução, se as pessoas se aperceberem que o universo não tem os mitológicos milhões de anos, mais facilmente  elas verão que a evolução nunca aconteceu.

O autor se prende a um erro grosseiro de achar que todos os cometas portar-se-ão da mesma forma, sem sequer se dar ao trabalho de pensar que cometas podem ter composições, tamanhos e órbitas diferentes. um cometa pode ter o tamanho de Júpiter, se passar perto demais do Sol será desintegrado em sua primeira passagem pelo Sistema Solar Interior; assim como pode ter o tamanho diminuto do Halley, se o seu periélio passar a uma distância segura do Sol ele poderá perdurar por milhares de
milhões de anos. 

Ou seja, os cometas que nunca foram observados, por acaso portam-se duma forma que PODE ajudar a salvar os mitológicos “milhões de anos”. Não é curioso que só o que não se pode observar é que parece confirmar a teoria da evolução cósmica e os seus “milhões de anos”?

O que o autor do artigo original quis dizer é que, *de acordo com o que se pode observar*, “cada vez que um cometa navega perto do Sol, ele perde tanto da sua composição que não poderia sobreviver mais do que 100,000 anos.” Isto é o que se pode observar empiricamente.

O evolucionista Jónatas, em jeito de resposta, diz que PODEM (se calhar) existir cometas do “tamanho de Júpiter” que “se passar perto demais do Sol será desintegrado em sua primeira passagem pelo Sistema Solar Interior; assim como pode ter o tamanho diminuto do Halley, se o seu periélio passar a uma distância segura do Sol ele poderá perdurar por milhares de milhões de anos”.

Muito bem.

Agora é só uma questão do Jónatas, ou algum “cientista” do “consenso”,  disponibilizar algum tipo de observação que refute o que se pode observar, isto é, que “cada vez que um cometa navega perto do Sol, ele perde tanto da sua composição que não poderia sobreviver mais do que 100,000 anos.”

Os Cometas tem duas origens principais: O Cinturão de Kuíper – de onde vêm os de curto-período

Nunca foi observada a formação de cometa algum.

Universo_EvidenciasOs cometas – massas de gelo que orbitam à volta do sol numa trajectória elíptica – são uma das muitas evidências de que sistema solar é muito mais novo que os milhões de anos que os evolucionistas pensam que o sistema solar tem. Todas as vezes que um cometa passa perto do sol, ele perde tanto da sua massa em evaporação, e é precisamente esta perda de material que forma a cauda característica dos cometas. Um cometa só pode sobreviver algumas órbitas antes de ficar sem material por inteiro. Se o sistema solar realmente tivesse os milhares de milhões de anos que os evolucionistas dizem que tem, já não deveriam existir cometas.

Os astrónomos evolucionistas, que assumem um sistema solar com milhões de anos, têm, portanto, que avançar com a hipótese duma “fonte” que fornecerá novos cometas no lugar dos que vão sendo destruídos. O Cinturão de Kuiper é uma dessas fontes propostas para os cometas de curta duração (aqueles que duram menos de 200 anos a orbitar o sol), e esse Cinturão é um hipotético disco achatado de planetesimais supostamente resultantes da formação do sistema solar.

Para além disso, a observação de objectos para além de Neptuno não confirmam a existência da Cintura de Kuiper; essa observação só confirma a existência de objectos para além de Neptuno. O que os evolucionistas têm que demonstrar é que as estruturas que se encontram por essa zona são a base para a formação de cometas (algo que, repito, nunca foi observado).

e os da Nuvem de Oort (região cuja existência já é praticamente certa, mesmo que não observada), os chamados de longo-período.

Note-se que o evolucionista Jónatas diz que a sua “existência já é practicamente certa”, mas ele não diz que a formação de cometas foi certamente observada nessa área. Repito o ponto anterior: a existência de áreas que alguns evolucionistas dizem que PODEM formar cometas, não quer dizer que essas áreas realmente FORMAM cometas.

Existem, no entanto, vários problemas com a Nuvem de Oort, o maior de todos sendo o facto de não existir qualquer evidência de que ela existe! (Sagan, C. and Druyan, A., Comets, Random House, New York, p. 201, 1985.) No entanto, um estudo recente revelou um novo problema. (Stern, S.A. and Weissman, P.R., Rapid collisional evolution of comets during the formation of the Oort cloud, Nature 409)).

As teorias evolutivas em torno da origem do sistema solar declaram que os núcleos dos cometas vieram dum material remanescente que “sobrou” do período da formação  planetária. Segundo esta teoria, este material gelado foi enviado para fora da Nuvem de Oort nos confins do sistema solar através da gravidade dos planetas recém formados. Todos os estudos prévios ignoraram as colisões entre os núcleos dos cometas durante este processo.

Este novo estudo levou em conta estas colisões e apurou que a maior parte dos cometas seria destruída pelas colisões. Logo, em vez de terem um material combinado de talvez 40 Terras, a Nuvem de Oort teria na melhor das hipóteses a massa duma única Terra. É altamente suspeito que esta massa fosse suficiente para os cometas que actualmente observamos.

Os pesquisadores postularam “válvulas de escape” (Stern, Ref. 2, p. 591) que poderiam suprir até 3.5 da massa da Terra, mas isto ainda é “baixo, quando comparado com as recentes estimativas da massa da Nuvem de Oort”. Eles prosseguem “especulando que uma região-fonte distante para os cometas da Nuvem de Oort” podem resolver alguns dos outros problemas. (Stern, Ref. 2, p. 591)

Naturalmente que se o sistema solar é muito mais jovem do que a maioria dos astrónomos pensa, não há qualquer necessidade para a existência a Nuvem de Oort. uma vez que ela não pode ser detectada, a Nuvem de Oort não é um conceito científico. Isto não é má ciência, mas algo não científico mascarado de ciência.

A existência de cometas é uma boa evidência de que o sistema solar tem apenas alguns milhares de anos, tal como o modelo da criação-recente sugere.

4. O campo magnético da Terra está a decair depressa demais.
A resistência eléctrica do núcleo da Terra gasta a corrente eléctrica que produz a campo magnético do nosso planeta. Isto causa a que o campo perca energia
rapidamente.

A energia total retida no campo magnético da Terra está a decrescer com uma meia-vida de 1,465 (± 165) anos. As teorias evolutivas que tentam explicar este rápido decréscimo – bem como a Terra pôde manter o seu campo magnético durante milhares de milhões de anos são muito complexas e inadequadas.

(…) O Campo magnético da Terra se inverte num período em média a cada 300.000 anos, e em relação aos registros que temos a última reversão parece bem atrasada, e isso é mais que suficiente para imagina-la eminente, ou que não acontecerá, e em ambos os cenários já explica o porquê do decaimento.

Como sempre, as datas evolucionistas estão bem para lá daquilo que se pode testar, observar e consultar. Qual é a evidência de que o magnetismo da Terra “se inverte em média a cada 300,000 anos?

Essa série de Argumentos contra a idade reconhecida pela ciência sobre a Vida, a Terra e o Universo, com argumentos tão ou mais fracos em outras áreas, como biologia, genética e geologia, está apenas sendo seguida religiosamente por pseudos de canais como o darwinismo.wordpress, pois sua principal origem é um Físico chamado Russell Humphreys criacionista com PhD, que mesmo com essa formação, comete erros grosseiros e praticamente não dispõe de nenhuma respeitabilidade acadêmica, tendo refutadores até mesmo no campo criacionista.

Então é o trabalho do evolucionista Jónatas refutar o que esse eminente físico postula, porque fazer alegações qualquer um faz. E o evolucionista sempre pode tentar entrar em contacto om o físico com as suas “refutações”, e ganhar o respeito da “comunidade científica”.

Sobre o principal fator determinante ao Universo ter bilhões de anos, que a luz dos objetos distantes no Universo que leva bilhões de anos para chegar aqui, Russell recorre à invenção de um modelo relativista alternativo que diz que o fluxo do tempo nas partes mais antigas e distantes do cosmos se passará diferente de nossa percepção – bilhões de anos no Universo antigo como equivalentes a poucos dias em nossa percepção atual.

A hipótese de Russell está ausente de evidências lógicas, muito menos físicas. Diferente do que devem ter sonhado os criacionistas que seguiram sua concepção, Russell não tem nenhuma “Magic Bullet”, nem tampouco alguma respeitabilidade entre outros Físicos. Seu modelo não consegue sequer explicar estrelas locais, a alguns milhares de anos-luz de distância em nossa própria galáxia. 

Mais uma vez, o Jónatas apela à “respeitabilidade” do consenso como evidência contra o Dr Russell. Para se ver como este físico usa a ciência de ponta para mostrar como evolucionistas como o Jónatas estão errados, basta ver o filme “Starlight and Time” no youtube.

Uma coisa totalmente “surpreendente” é que este físico, que, segundo Jónatas, “comete erros grosseiros”, é que ele foi capaz de fazer previsões científicas acertadas sobre o magnetismo de outros planetas ANTES deles terem sido estudados da forma relevante. Fica a pergunta: como é que o seu modelo criacionista tem “erros grosseiros” mas consegue fazer previsões científicas válidas sobre a estrutura de outros planetas?

Mas nada disso muda algo para os Criacionistas, pois eles se baseiam em profundo fundamentalismo religioso antes de qualquer realidade

Para o Jónatas, “profundo fundamentalismo religioso” Cristão está em oposição à realidade, pese embora a visão Cristã do mundo ser a única que explica coerentemente a nossa realidade.

e sempre estarão a dar crédito a Pseudos que falem o que eles querem ouvir, em lugar do que eles precisam ouvir.

Isto parece ser algo que o evolucionista Jónatas faz visto que ele é quem coloca ênfase anti-científico ao “consenso”; e deixa de lado as evidências (que são o mais importante na ciência).

É por isso que a Ciência só conseguiu progredir e descobrir o Universo quando se separou definitivamente do pensamento religioso.

Infelizmente para o Jónatas, ele não só está errado em torno do passado que não se pode observar, como está errado em relação que os seres humanos documentaram empiricamente. John D. Barrow, escrevendo no The World Within the World, comenta:

Já foi mesmo sugerido que essa visão teve um papel determinante no desenvolvimento bem sucedido da ciência nas culturas Ocidentais, e isso aconteceu porque essas culturas foram influenciadas pela tradição Judaico-Cristã, que promulgou a fé na racionalidade e na ordem da Natureza, durante um período da história em que as ideias humanas estavam intimamente ligadas a todo o tipo de noções mágicas e ocultas.

1. O “conflito” entre a “ciência” e o Cristianismo – http://bit.ly/1mMc4zE

2. O cristianismo opõe-se à ciência? – http://bit.ly/RXfMfN

3. A Aliança Histórica Entre a Ciência e o Cristianismo – http://bit.ly/1ruvOrP

4. Cristianismo e a Ciência – http://bit.ly/1fh88ap

5. Cristianismo e Ciência (John D. Barrow) – http://bit.ly/1nRxVpb

Conclusão:

Como seria de esperar, a “refutação” do evolucionista Jónatas está repleta de falsas alegações, mentiras anti-científicas, alegações sem evidências e falta de conhecimento básico da história da ciência. Mas isto é normal porque ele é apenas um evolucionista, e os evolucionistas só têm 8,2% do seu cérebro em funcionamento.

Adorando_Darwin

About Lucas

"E pelejarão contra ti, mas não prevalecerão contra ti; porque Eu sou contigo, diz o Senhor, para te livrar." (Jeremias 1:19)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

35 Responses to A cegueira universal dos evolucionistas

  1. Marco says:

    Esse tal Jonatas é um pirandelliano (“Assim é se lhe parece”) e um leninista (“acuse-os de ser o que você é de fazer o que você faz”). Se eu já não houvesse lido outros textos refutatórios de evolucionistas-fraldinhas, diria que nunca antes na blogosfera alguém concentrara tantas falácias por frase.

    Em suma, esse rapaz é um histérico triunfante. Devemos ser gratos quando tipos assim se ofereçem de peito aberto ao escrutínio, malgrado a vergonha alheia que nos causam.

    Mandou bem, Lucas!

    Like

  2. Sodré says:

    O “boneco” de B-A.Miller é engraçado mas funciona ao contrário… revela mais a postura ridícula dos homens de fé, de qualquer fé, do que serve para criticar quem acredita na TE…(ridicularizar nos outros aquilo que nós levamos muito a sério não é uma boa tática).

    Like

    • Lucas says:

      O “boneco” de B-A.Miller é engraçado mas funciona ao contrário… revela mais a postura ridícula dos homens de fé, de qualquer fé, do que serve para criticar quem acredita na TE

      Também serve para os que têm fé na evolução ou por algum motivo essa fé está excluída?

      Like

      • Sodré says:

        Para mim não há fé na TE mas apenas se acredita na TE. A fé é apanágio da relação com o suposto sobrenatural, é um tipo de acreditar específico naquilo que supostamente ultrapassa as leis da Natureza….

        Like

      • Lucas says:

        Para mim não há fé na TE mas apenas se acredita na TE.

        Para ti.

        Mas a realidade dos factos é que é preciso fé para se acreditar na teoria da evolução.

        A fé é apanágio da relação com o suposto sobrenatural

        Não, não é. As pessoas podem ter fé em coisas que de maneira alguma estão relacionadas com o “sobrenatural”.

        é um tipo de acreditar específico naquilo que supostamente ultrapassa as leis da Natureza….

        Isto engloba a teoria da evolução.

        Like

    • jephsimple says:

      Sodré,

      Fiquei curioso…

      Existe algo de sobrenatural na mecânica quantica?
      A realidade é realmente como percebemos?
      É possivel provar cientificamente que a realidade existe fora da mente?

      Por que sera que nao percebemos decoerencia?Vc tem uma resposta “natural”?

      Existe então. sentido fora da mente??

      Como voce lida com o solipsismo?

      Like

      • Sodré says:

        É possivel provar cientificamente que a realidade existe fora da mente?

        Basta largar uma pedra no seu pé…

        Like

    • jephsimple says:

      Isso nem de longe é uma evidência cientifica que a realidade existe alem da mente.

      Vc faz uma dicotomia do natural e sobrenatural… Vc menciona leis naturaimente … a mecânica quantica desafia a nossa percepçao da realidade?Haveria algo de “sobrenatural” nela?

      Se ela é natural… Aonde seria? Por quê nossa mente não percebe decoerencia… E tem a percepçao de um mundo organizado que lhe faz sentido? O que ha de natural nisso senão a sua interpretaçao pessoal?

      Like

    • Emy says:

      A TE é uma implementação diabólica, o mundo jaz o maligno e essa é uma teoria dentre outras, e incluindo certas religiões que tendem a distorcer a verdadeira história da vida, a vida é algo sublime e só pode ser dada pelo Criador, e tirada também. Sou graduanda de Biologia, e muito dos assuntos que vi parece ter nexo, “parece”, mas sou muito questionadora da Evolução como uma teoria falível, de teor subestimável e de muito ceticismo. Como uma complexidade de ‘vida’ pode originar todas as outras que são completamente distintas?! Ah, ai vem a biologia molecular fazer análise de pares de bases no DNA e comparar com de outros organismos, e ver que tem pares muito semelhantes, etc., Usar isótopos radioativos para datação enfim. Sem delongas, para acreditar em Evolução, precisa de muita fé, e bota fé nisso, pois considerar e provar que o mundo (terra) foi formado através de milhões e milhões e passou por muitas mudanças climáticas até chegar ao estado de hoje período considerado Cenozoico-Holoceno, e não acreditar na Criação feita por Deus e tudo que fez e seu semelhante homem (não fisicamente, mas de espírito) ´é suicídio.
      Vida foi criada pra quê então?? Se o ateísmo evolucionista creem em si mesmos.

      Nas escrituras, palavra do Deus vivo diz: E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará João 8.32
      Atos 26.18, enfim a palavra de Deus é forte e muito atual, coisas escritas há anos estão se cumprindo e os olhos do homem verá o Dia que Jesus voltará.

      Sou muito feliz por ter Deus em minha vida, sou liberta do pecado, embora ainda pecadora, mas a diferença é o arrependimento. Pela Fé em Deus somos justificados, libertos e salvos.😀

      Like

  3. Rust says:

    Engraçado. Falou,falou, e não disse nada!

    Em primeiro lugar, não refutou o melhor argumento do Rapaz, o da velocidade da luz e como demora para chegar até aqui. Como a luz de uma galáxia que está a 50 milhões de anos-luz, por exemplo, pode ter chegado aqui em 6 ou 12 mil anos? Para medir a distância em que se encontra uma galáxia, é só encontrar uma cefeida dentro dela.

    Em segundo, só complementado o comentário do garoto sobre o a inversão do campo magnético:
    http://thoth3126.com.br/inversao-dos-polos-e-a-reversao-do-campo-magnetico-da-terra/

    Em terceiro, tira essa foto do Syd, que você desonra ele.

    Like

    • Lucas says:

      Engraçado. Falou,falou, e não disse nada!

      Em primeiro lugar, não refutou o melhor argumento do Rapaz, o da velocidade da luz e como demora para chegar até aqui. Como a luz de uma galáxia que está a 50 milhões de anos-luz, por exemplo, pode ter chegado aqui em 6 ou 12 mil anos?

      Tens que aprender a ler, rapaz. O texto diz, “Para se ver como este físico usa a ciência de ponta para mostrar como evolucionistas como o Jónatas estão errados, basta ver o filme “Starlight and Time” no youtube.”
      Vê o vídeo com atenção e aprende.

      Em segundo, só complementado o comentário do garoto sobre o a inversão do campo magnético:
      http://thoth3126.com.br/inversao-dos-polos-e-a-reversao-do-campo-magnetico-da-terra/

      Sim, e?

      Em terceiro, tira essa foto do Syd, que você desonra ele.

      Tu queres-me dar ordens no meu blogue?

      Like

      • Rust says:

        Lerei esse livro no fim de semana. E depois eu volto aqui para dizer o que acho, para refutar ou para concordar com os argumentos.

        Like

      • Rust says:

        Não achei o livro em lugar nenhum para download, e não entendo quase nada de inglês.
        Pode por favor me passar a tese principal do livro/vídeo. Agradecido.

        Like

      • Lucas says:

        Não achei o livro em lugar nenhum para download, e não entendo quase nada de inglês.
        Pode por favor me passar a tese principal do livro/vídeo. Agradecido.

        É melhor aprenderes inglês

        Like

      • Rust says:

        Não, eu pedi que você me trouxesse os argumentos contidos no vídeo e no livro. Se você sabe tanto de inglês, com certeza sabe em que se sustenta a teoria deste senhor.

        Like

      • Miguel says:

        Não, eu pedi que você me trouxesse os argumentos contidos no vídeo e no livro. Se você sabe tanto de inglês, com certeza sabe em que se sustenta a teoria deste senhor.

        Eu não te quero trazer os argumentos contidos no vídeo, mas sim que tu oiças directamente da boca do cientista. Vê os vídeos e liga as legendas.

        Like

      • Rust

        Este link descreve aproximadamente (EM PORTUGUES) a tese defendida no vídeo apresentado pelo Mats:

        http://creationwiki.org/pt/Cosmologia_do_buraco_branco

        Like

      • Rust says:

        Muito agradecido Diogo. Lerei quando tiver um tempinho. Talvez no fim de semana, no momento estou ocupado com a escola.

        Me parece ser algo sólido, diferente da maioria das “teorias” do criacionismo cientifico.

        Like

      • Rust

        O site que te indiquei contêm elementos do Criacionismo Bíblico, pois utiliza-se da teoria de Russell somados a citações Bíblicas.
        Não consegui encontrar em portugues algum site que foca-se apenas na teoria dele, porém por aquele link poderá entender “por cima” a sua proposta.
        Caso queira se focar apenas em sua teoria, sem referencias Bíblicas, procure por White Hole Cosmology .

        Like

  4. Saga says:

    Não vejo nada errado com o termo “Deus de Abraão”,ele é o Deus de Abraão, o Deus de Jesus, o Deus de Moisés, o Deus de Isaías, etc. Mas entendo que seja importante separar a Igreja de Cristo e o Islã.

    Like

    • Miguel says:

      Não vejo nada errado com o termo “Deus de Abraão”,ele é o Deus de Abraão, o Deus de Jesus, o Deus de Moisés, o Deus de Isaías, etc. Mas entendo que seja importante separar a Igreja de Cristo e o Islã.

      O problema é que quando eles dizem “Deus Abraâmico”, o “Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó” passa a ser também “de Maomé”, o que é totalmente falso.

      Like

      • Sodré says:

        Também eu defendo que Javé e Alá são deuses diferentes (porque têm caraterísticas e história diferente)…, o “perigo” deste argumento é que pode ser válido para distinguir o Javé hebraico do Senhor cristão (os gnósticos, valdenses, cátaros e outros viveram fazendo essa distinção…).

        Like

      • Miguel says:

        Também eu defendo que Javé e Alá são deuses diferentes (porque têm caraterísticas e história diferente)…, o “perigo” deste argumento é que pode ser válido para distinguir o Javé hebraico do Senhor cristão (os gnósticos, valdenses, cátaros e outros viveram fazendo essa distinção…).

        Não há perigo nenhum disse acontecer para quem sabe ler a Bíblia.

        Like

      • Tec says:

        “Também eu defendo que Javé e Alá são deuses diferentes (porque têm caraterísticas e história diferentes…”

        Eu não! YHWH é Deus Criador, o Original e Alá é uma falsificação. Além de que o YHWH é o mesmo Deus no Antigo e no Novo Testamentos.

        Like

      • Saga says:

        Deuteronômio 6:4 x Marcos 12:29

        Like

      • Tec says:

        Exactamente Saga! O Único Deus Criador, Eterno, Salvador e Redentor de toda a humanidade.

        Like

  5. jephsimple says:

    “Não publicam em revistas científicas e nem participam de seminários ou congressos abertos à comunidade científica.”

    Criacionismo, DI tem suas publicações e individuos capazes de interpretar dados.

    Quanto ao design em si ele está escancarado mesmo nas publicações evo.

    [In one of nature’s innovations, a single cell smashes and rebuilds its own genome]
    Trechos:

    “The pond-dwelling, single-celled organism Oxytricha trifallax has the remarkable ability to break its own DNA into nearly a quarter-million pieces and rapidly reassemble those pieces when it’s time to mate, the researchers report in the journal Cell.The organism internally stores its genome as thousands of scrambled, encrypted gene pieces.Upon mating with another of its kind, the organism rummages through these jumbled genes and DNA segments to piece together more than 225,000 tiny strands of DNA.This all happens in about 60 hours.

    The organism’s ability to take apart and quickly reassemble its own genes is unusually elaborate for any form of life, explained senior author Laura Landweber, a Princeton professor of ecology and evolutionary biology.That such intricacy exists in a seemingly simple organism accentuates the “true diversity of life on our planet,” she said.”

    Aqui metafísica escancarada:

    “It’s one of nature’s early attempts to become more complex despite staying small in the sense of being unicellular,” Landweber said.”

    “Their successful distribution across the globe has something to do with their ability to protect their DNA through a novel method of encryption, then rapidly reassemble and transmit robust genes across generations,” Landweber said.”

    Science Daily, 08 de setembro de 2014 – “Em uma das INOVAÇÕES da natureza, uma única célula DESTRÓI E RECONSTRÓI o seu próprio genoma.”

    Uai sô!!! Mas quem disse que houve tempo para surgir tal complexidade via evolução cega?

    Existe magica real?

    Like

  6. jephsimple says:

    Novamente, como mutação pode ser evidência para explosão biológica se o DNA é hostil a mutação???

    Veja essa de 2002: “Bactéria mais resistente do mundo”

    Deinococcus radiodurans é listada no Guinness Book of World Records como “bactéria mais resistente do mundo.” E por uma boa razão: O micróbio pode sobreviver a condições de seca, falta de nutrientes e, mais importante, mil vezes mais radiação do que uma pessoa o pode. A bactéria, cujo nome significa “baga (“grão”) estranha que resiste a radiação”, é o organismo mais resistente à radiação conhecido.

    Mas não existe mágica evolucionista [reações quimicas que chegam em lugar qualquer, ou em lugar nenhum..tanto faz como fez] nenhuma, é o velho programa genético inteligente:

    “Um sistema EFICIENTE para a reparação de DNA é o que faz o micróbio tão resistente. Altas doses de radiação quebram o genoma da D. radiodurans , mas o organismo costura os fragmentos de volta, por vezes, em apenas algumas horas. O genoma reparado parece ser tão bom como novo.”

    “O organismo pode colocar seu genoma junto de volta com fidelidade absoluta”, diz Claire M. Fraser, do Instituto de Pesquisa do Genoma (TIGR), em Rockville, Maryland. Ela era a líder da equipe TIGR que sequenciou D. radiodurans em 1999.

    http://www.genomenewsnetwork.org/articles/07_02/deinococcus.shtml

    Like

  7. Gustavo says:

    Quando o evolucionista Jonátas recorre à comunidade também revela insegurança e mediocridade, parece ter pavor de se sentir sozinho ou deslocado

    Like

  8. «Isto parece ser algo que o evolucionista Jónatas faz visto que ele é quem coloca ênfase anti-científico ao “consenso”; e deixa de lado as evidências (que são o mais importante na ciência).» É de lembrar que uma coisa que o Jónatas referiu foi a falta de evidências para o que este “cientista criacionista” afirma.

    Like

    • Lucas says:

      «Isto parece ser algo que o evolucionista Jónatas faz visto que ele é quem coloca ênfase anti-científico ao “consenso”; e deixa de lado as evidências (que são o mais importante na ciência).» É de lembrar que uma coisa que o Jónatas referiu foi a falta de evidências para o que este “cientista criacionista” afirma.

      Mas o que este cientista afirma está suportado peles evidências.

      O problema dos evolucionistas é que estas evidências são “falsas” por definição porque se encontram contra idiotice dos “milhões de anos”.

      O Jónatas, tal como todos os evolucionistas, não aceita evidências que mitiguem contra o que ele chama de “consenso”.

      Isto não é ciência mas ideologia mascarada de “ciência”.

      Like

      • «Mas o que este cientista afirma está suportado peles evidências.» Duvido muito, de facto, sobretudo pelo que tenho visto dos criacionistas em relação a áreas que eu domino muito mais.

        Like

      • Miguel says:

        «Mas o que este cientista afirma está suportado peles evidências.»
        Duvido muito, de facto, sobretudo pelo que tenho visto dos criacionistas em relação a áreas que eu domino muito mais.

        As tuas dúvidas não são problema meu.

        Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s