Será que todos aqueles cientistas estão errados?

Por Gordon Howard

Quando um criacionista sugere para a pessoa comum que a evolução [o gradualismo aleatório a gerar toda a biocomplexidade] não é cientificamente viável, a resposta comum é: “De que forma é que todos aqueles cientistas podem estar errados?”

Isto é perfeitamente compreensível visto que os livros populares, as revistas, os programas de televisão, os filmes, e até as conversas comuns, parecem confirmar de modo constante que o big bang, a origem natural da vida a partir do lodo primordial, e a evolução dos seres vivos a partir dos organismos originais, são posições aceites por todos os cientistas. Acredita-se que as únicas pessoas que colocam em causa estas coisas são os fanáticos religiosos ou os cientificamente iletrados.

Portanto, fica a pergunta: será que “todos aqueles cientistas” podem estar errados? A História claramente diz que sim, eles podem estar errados.

Note-se que, sem dados extraídos de experiências, ou sem tentativas de se falsificar uma teoria científica através das observações dos antagonistas ou através de teorias alternativas, as ideias dum cientista podem mesmo assim ser fortemente distorcidas pelos seu viés filosófico. (1) Isto é particularmente verídico na interpretação das “evidências” e não na observação actual do fenómeno, e aplica-se de modo particular às teorias em torno de eventos históricos tais como o conceito da evolução.

De facto, como iremos ver, não é apenas um mas sim um corpo imenso de cientistas que pode olhar para o mundo através dum paradigma que está errado nas suas bases. Isto é porque o cientista é como outra pessoa qualquer que pode ter uma crença forte em algo mesmo quando se depara perante evidências contraditórias. (2)

Exemplo: Astronomia

Talvez os exemplos mais conhecido de cientistas que “nadaram contra a maré” sejam os de Galileu e de Nicolau Copérnico. A “maioria dos cientistas”, que eram seus conteporâneos, acreditavam que a Terra era o centro do universo, e que todos os corpos celestiais giravam à volta dela. Tal como acontece com os cientistas modernos e com a teoria da evolução, a sua crença tinha como base um conceito filosofíco, e não as observações. E eles estavam errados.

A famosa “luta” de Galileu com a igreja não estava relacionada com a Bíblia, mas sim com líderes religiosos da época (que seguiam o que os cientistas da altura qualificavam de “verdade científica”) e também com a comunidade científica como um todo. (3)

Os cientistas da altura mantinham esta crença embora observações contínuas e cálculos contínuos revelassem que tinha que existir uma falha na ideia universalmente aceite de “epicíclos” (corpos celestes que se moviam em círculos dentro de outros círculos). Demorou muito tempo, e foi necessária a publicação de muitas evidências observacionais provenientes dos recém-criados telescópios, para que a comunidade científica começasse a aceitar que eles haviam acreditado num sistema defeituoso: a Terra não era o centro rotacional absoluto dos corpos celestes.

Observações adicionais provenientes de telescópios melhorados colocou um ponto final noutra crença também universalmente aceite durante essa altura: de que os corpos celestes eram esferas perfeitas que se moviam-se em círculos perfeitos. Foram observadas irregularidades na lua, indicando que não era uma esfera perfeita. Alarme! A órbita da Terra em redor do sol era uma elipse. Mais horror! “Todos aqueles cientistas” estavam errados e a base da sua visão do universo era falsa.

Os cientistas actuais dizem-nos que o nosso universo surgiu do nada, e por nenhum outro motivo que não o big bang. Será que é possível que todos estes cientistas também tenham uma visão errada do nosso universo, bem como da sua origem?

Exemplo: Química.

Durante o final do século 17 e durante o século 18, o “flogisto” era usado para explicar a forma como as substâncias se queimavam e se enferrujavam. Era acreditado (pela “maioria dos cientistas”) que ele [o flogisto] era uma substância contida em material combustível, e que a mesma era libertada quando os objectos entravam em combustão.

LavoisierFoi preciso o trabalho persistente de vários cientistas de renome da altura, incluindo Antoine-Laurent de Lavoisier, para demonstrar que a combustão era uma reacção química, normalmente envolvendo o oxigénio. As substâncias que ardiam ficavam normalmente mais pesadas devido ao oxigénio acrescido, e não mais leves devido à perda de flogisto. A maioria [dos cientistas] estava errada. (4)

Mais tarde, Lavoisier foi executado durante o fanaticamente anti-Cristão “reino do terror” que ocorreu na França. Diz-se que o juiz que o sentenciou afirmou:

A República não precisa nem de cientistas e nem de químicos.

Hoje em dia, a maior parte dos cientistas acredita que os químicos básicos da vida (tais como as proteínas) se organizaram a eles mesmos, posição que se encontra em oposição às probabilidades químicas experimentalmente estabelecidas. Será que existe a possibilidade dos cientistas actuais também estarem errados?

A alquimia (5) é a ideia de que os metais básicos (tais como o cobre) podem ser transformados em ouro. Este conceito persistiu durante centenas de anos, e embora as experiências que giraram em torno deste conceito tenham levado à descoberta de substâncias químicas interessantes, as experiências levadas a cabo de forma correcta provaram que isto é impossível (através de métodos químicos).

Muito mais dinheiro e tempo (e disponibilidade profissional) foi desperdiçado na investigação desta ideia científica errónea – ideia essa que impediu muitos de analisar possibilidades mais úteis. Será possível que os cientistas que buscam o fenómeno natural capaz de causar a origem da vida estão também a desperdiçar o seu tempo e as suas energias num exercício futil?

Exemplo: Medicina

Que as ideias erradas podem persistir pervasivamente durante centenas de anos é algo feito notório quando ficamos a saber da teoria do “humores” (6), cujo conceito básico remonta aos tempos de Aristóteles (384–322 A.C.), mas que foi clarificado e popularizado pelo famoso médico Hipócrates (de quem provém o código de práctica que incorpora o “Juramento de Hipócrates” tradicionalmente dito pelos médicos no princípio da sua práctica profissional).

O conceito em torno da teoria é o de que os corpos tem quatro tipos básicos de fluidos: bílis (Grego: chole), fleuma, bílis negra (Grego: melanchole), e sangue (Latim: sanguis). Era suposto isto corresponder aos quatro temperamentos tradicionais: colérico, fleumático, melancólico e sanguinário. Segundo a teoria, estes quatro têm que ser mantidos em equílbrio como forma de se ter boa saúde.

Na maior parte dos casos, o tratamento recomendado para o desequilíbrio era a dieta e o exercício, mas por vezes eram administrados laxantes e enemas como forma de purgar do corpo o “humor” indesejado. Semelhantemente, se alguém tinha febre, acreditava-se que era devido a um excesso de sangue, e como tal, a cura era o “sangramento” do paciente (normalmente através do uso de sanguessugas) num processo que tinha o nome de “sangria”.

Claro que esta “cura” era frequentemente pior que a doença. Mas mesmo assim, os médicos persistiram com a mesma metodologia através da Idade Média porque ninguém se encontrava preparado para colocar em dúvida Galeano, o médico, escritor e filósofo do primeiro século que publicitou esta ideia nos seus escritos populares e autoritários.

Apesar do exemplo de Galeano, e do ensino da observação e da experimentação, bem como das evidências acumuladas de que havia algo de errado, esta foi uma práctica comum até ao final do século 19. E mais uma vez, eles estavam errados.

Tudo o que eles defendiam em relação à causa da doença estava errado, e a propagação deste erro ocorreu  porque eles acreditavam nas teorias de outros cientistas sem as colocar em causa. Isto é parecido ao que ocorre nos dias de hoje, onde muitos cientistas acreditam na teoria da evolução apenas e só porque os cientistas que eles consideram fiáveis acreditam na teoria da evolução.

Exemplo: Biologia.

De onde é que se originam os vermes? Será que as baratas, os ratos e as larvas pura e simplesmente “aparecem” dos vegetais em decomposição e dos resíduos de origem animal, ou até mesmo das rochas? Durante muito tempo acreditava-se que sim, até mesmo por parte de pensadores famosos tais como Aristóteles (4º século antes de Cristo).

Esta ideia tinha o nome de “geração espontânea” e foi tida como um facto até meados do século 19. (7) Foi preciso que o cientista criacionista Louis Pasteur (1822–1895) provasse que a vida provém da vida (num processo com o nome de “biogénese”) para que ficasse claro que todas as pessoas que acreditavam na geração espontânea estavam erradas.

Hoje em dia, e apesar das evidências de Pasteur e das observações contínuas, muitos cientistas ainda acreditam na abiogénese (que a vida pode surgir de químicos sem vida). Os evolucionistas chamam a este processo de “mistério” visto que o mesmo encontra-se em oposição à química. Mas mesmo assim, eles acreditam nele. Porquê?

A ciência não é determinada através do voto da maioria

Na verdade, o motivo maior que leva os cientistas a acreditar na teoria da evolução é o facto da maioria dos cientistas acreditar na teoria da evolução. Isto é um tipo de “viés de confirmação”: o alegado consenso científico surgiu através da contagem de cabeças, cabeças essas que por sua vez chegaram às suas conclusões através duma contagem de outras cabeças.

Se a maior parte destes cientistas fosse alvo dum questionamento onde lhes era pedido que disponibilizassem algum tipo de evidência, muito provavelemente eles iriam dar respostas fracas provenientes de fora da sua área técnica. Por exemplo, uma das maiores autoridades no que toca aos fósseis de áves – e um crítico acérrimo do dogma evolutivo dinossauro-evoluindo-para-pássaro – é o Dr Alan Feduccia, Professor Emérito na Universidade da Carolina do Norte. Ele continua a ser um evolucionista, mas quando desafiado, a sua maior “prova” da evolução é milho que passa a ser…..milho! (8)

Tal como disse Michael Crichton (1942–2008), famoso autor que havia tido uma carreira prévia na área da medicina e da ciência:

Michael_CrichtonDeixem-me deixar as coisas bem claras: o trabalho científico de maneira alguma está relacionado com o consenso. O consenso é área da política. A ciência, pelo contrário, só precisa dum pesquisador que tem a razão do seu lado, o que significa que ele ou ela tem resultados que podem ser verificados referenciado no mundo real.

Na ciência, o consenso é irrelevante. O que é relevante é a existência de resultados que podem ser duplicados. Os maiores cientistas da História são cientistas de renome precisamente porque eles foram para além do que era aceite pelo consenso.

Não existe tal coisa com o nome de ciência consensual. Se é consensual, não é ciência. Se é ciência, não é consensual. (9)

Mesmo assim, tal como os defensores dos epicíclos, dos flogistos, dos humores, e da geração espontânea, muitos cientistas actuais acreditam na teoria da evolução. Será que todos estes cientistas podem estar errados? A Hístória revela que “sim”. Evidências acumuladas provenientes da genética, da biologia molecular, da teoria da informação, da cosmologia, e de outras áreas, revelam que sim, todos estes cientistas estão errados.

Estes cientistas acreditam no paradigma dominante – o naturalismo – apesar das evidências contra esta filosofia. Eles não querem confrontar a ideia dum Criador, e, tal como no passado, a avaliação honesta das evidências da ciência operacional irá demonstrar que eles estão errados; o Criador será Vindicado. (Romanos 1:18–22).

~ http://bit.ly/1NSVVcG

* * * * * * *

Referências e notas:
1. Sarfati, J., Refuting Evolution, ch. 1, 4th ed., Creation Book Publishers, 2008; creation.com/refutingch1.
2. Walker, T., Challenging dogmas: Correcting wrong ideas, Creation 34(2):6, 2012; creation.com/challenging-dogmas.
3. Sarfati, J., Galileo Quadricentennial: Myth vs fact, Creation 31(3):49–51, 2009; creation.com/galileo-quadricentennial.
phlogiston, Encyclopædia Britannica, Encyclopædia Britannica Online, 2012; Britannica.com/EBchecked/topic/456974/phlogiston.
5. Alchemyanswers.com/topic/alchemy.
6. From Greek ??µ?? (chumos) meaning juice or sap; Humours, Science Museum; sciencemuseum.org.uk.
7. What is spontaneous generation? allaboutscience.org. Spontaneous Generation; allaboutthejourney.org/spontaneous-generation.htm.
8. Discover Dialogue: Ornithologist and evolutionary biologist Alan Feduccia plucking apart the dino-birds, Discover 24(2), February 2003; see also creation.com/4wings.
9. Crichton, M., Aliens cause global warming, 17 January 2003 speech at the California Institute of Technology; s8int.com/crichton.html.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

13 Responses to Será que todos aqueles cientistas estão errados?

  1. Hezio says:

    Tudo que foi comentado acima nada mais mostra do que a essência do método científico. Que a ciência é autocorretiva e que teorias científicas nunca se tornam verdades finais, mas acabam se tornando o que existe de mais próximo dela. Mostra ainda que o que realmente vale em ciência é o peso das evidências e que elas vão prevalecer por mais arraigado que seja o paradigma vigente. Aliás quem determina o consenso científico é, de novo, o peso das evidências, e não a contagem do número de cabeças que aceitam ou que não aceitam o novo paradigma.
    Se a maioria dos cientistas do mundo estão realmente errados com relação a evolução, então eles também estão errados sobre outras vastas áreas da ciência que têm interface coerente e consistente com ela; como a geologia, a paleontologia, a tectônica de placas, a biologia, a astronomia, a astrofísica, a cosmologia, a ecologia, a genética, a biogeografia e a geocronologia. Deve ter mais, não vou citar todas. Todas essas áreas da ciência contribuíram e continuam contribuindo para tornar a humanidade na sociedade tecnológica de hoje.
    Então, se essas áreas da ciência podem estar erradas, é necessário explicar porque vivemos em um mundo tão enganoso onde nada é o que parece, e mesmo assim, tudo dá certo e tudo funciona.

    Like

    • Lucas says:

      Tudo que foi comentado acima nada mais mostra do que a essência do método científico.

      O propósito não era mostrar a “essência do método científico” mas mostrar como o consenso científico não quer dizer que o que é consensual está certo

      Que a ciência é autocorretiva e que teorias científicas nunca se tornam verdades finais, mas acabam se tornando o que existe de mais próximo dela.

      Isso é o que DEVERIA ser, mas toda a gente sabe que não é isso que ocorre no mundo real. Todos nós sabemos como a ciência foi pervertida por interesses financeiros e/ou políticos. Tu tens que falar da ciência QUE EXISTE e não da ciência que DEVERIA existir.

      Mostra ainda que o que realmente vale em ciência é o peso das evidências e que elas vão prevalecer por mais arraigado que seja o paradigma vigente.

      Thomas Kuhn, historiador, declara que o que muda o paradigma não são as evidências mas sim o facto dos cientistas com o paradigma anterior irem morrendo e nova geração adoptar um outro paradigma. A noção de que os cientistas estão prontos a mudar o seu paradigma SÓ devido ao peso das evidências é muita ingenuidade.

      Aliás quem determina o consenso científico é, de novo, o peso das evidências, e não a contagem do número de cabeças que aceitam ou que não aceitam o novo paradigma.

      Nem sempre é o peso das evidências que determina o consenso. Muitas vezes o consenso é forçado por motivos ideológicos e/ou políticos.

      Se a maioria dos cientistas do mundo estão realmente errados com relação a evolução, então eles também estão errados sobre outras vastas áreas da ciência que têm interface coerente e consistente com ela; como a geologia, a paleontologia, a tectônica de placas, a biologia, a astronomia, a astrofísica, a cosmologia, a ecologia, a genética, a biogeografia e a geocronologia

      Nenhuma dessas disciplinas depende da crença no gradualismo evolutivo. A evidência disso é que vários cientistas operam nessas áreas sem ter qualquer tipo de fé no gradualismo aleatório.

      Deve ter mais, não vou citar todas. Todas essas áreas da ciência contribuíram e continuam contribuindo para tornar a humanidade na sociedade tecnológica de hoje.

      Provavelmente, mas ninguém disse o contrário. O que se disse é que 1) o consenso não significa nada e 2) a teoria da evolução não é verdade só porque é “consensual”.

      Então, se essas áreas da ciência podem estar erradas, é necessário explicar porque vivemos em um mundo tão enganoso onde nada é o que parece, e mesmo assim, tudo dá certo e tudo funciona.

      Pelo contrário, o design é tão aparente e tão óbvio que até o evolucionista mais ferrenho como Dawkins diz que as formas de vida PARECEM ser obra de Design Inteligente por parte Dum Criador.

      Like

      • Ana Silva says:

        Mats:

        “A noção de que os cientistas estão prontos a mudar o seu paradigma SÓ devido ao peso das evidências é muita ingenuidade.”

        Não inteiramente verdade, Mats. O Mats simplifica em demasiado o pensamento de Thomas Khun, até criar uma quase caricatura do que este filósofo (não propriamente um historiador) defendeu.

        Kuhn realmente considerava que os cientistas mais velhos, tendo desenvolvido a sua carreira baseada num paradigma durante muitos anos, terão muito mais dificuldade em aceitar a mudança desse paradigma. No entanto os cientistas mais novos, menos comprometidos com um paradigma, terão menos problemas em reinterpretar a informação disponível de acordo com o novo paradigma.

        E existem excepções, sempre, a esta regra. Max Planck é um dos melhores exemplos disso.

        Segundo Kuhn o que provoca uma mudança de paradigma é uma nova interpretação da mesma informação (muitas vezes também promovida pelo aparecimento de informação nova que o “velho” paradigma não consegue explicar). Os cientistas mais velhos pura e simplesmente têm dificuldade em aceitar a nova forma de interpretar a informação, pelas razões que referi.

        “A teoria da evolução não é verdade só porque é “consensual”.”

        Pois não. Em primeiro lugar a teoria da evolução não é uma “verdade”, no sentido em que, como acontece com tom todas as teorias científicas, não é “exacta” nem uma “coisa certa”. A qualquer momento uma nova interpretação da informação disponível poderá levar à progressiva substituição da teoria da evolução por outra teoria que explique melhor os factos (é isto que é uma “mudança de paradigma”).

        A teoria da evolução tem sofrido alterações importantes, nomeadamente com o aparecimento da genética (uma área completamente inexistente na altura em que Darwin apresentou a teoria pela primeira vez). Novos mecanismos foram entretanto propostos (como a deriva genética, por exemplo). Mas a teoria da evolução continua a ser a teoria que melhor explica a informação, os factos que conhecemos actualmente. É ISSO, e apenas isso, que a torna “consensual”.

        “O design é tão aparente e tão óbvio que até o evolucionista mais ferrenho como Dawkins diz que as formas de vida PARECEM ser obra de Design Inteligente por parte Dum Criador.”

        E ainda assim os mecanismos propostos pela teoria da evolução conseguem, em conjunto, justificar esse “design aparente”.

        É por isso que os cientistas defensores do Design Inteligente têm de apresentar mecanismos que expliquem os factos (o tal “design aparente”) de uma forma mais eficiente.

        Like

      • Lucas says:

        “O design é tão aparente e tão óbvio que até o evolucionista mais ferrenho como Dawkins diz que as formas de vida PARECEM ser obra de Design Inteligente por parte Dum Criador.”

        E ainda assim os mecanismos propostos pela teoria da evolução conseguem, em conjunto, justificar esse “design aparente”.

        Só que não conseguem. Até hoje, segundo se tem visto por aí, não foi avançada nenhuma força natural com a capacidade de gerar o tipo de sistemas que se encontram dentro das formas de vida.

        É por isso que os cientistas defensores do Design Inteligente têm de apresentar mecanismos que expliquem os factos (o tal “design aparente”) de uma forma mais eficiente.

        Nós temos evidências empíricas de que a inteligência consegue gerar sistemas de informação. Nós não temos nenhum evidência empírica (isto é, observada com os nossos olhos) de que forças não-inteligentes consigam gerar códigos informáticos.

        Like

      • Ana Silva says:

        Mats:

        “Até hoje, segundo se tem visto por aí, não foi avançada nenhuma força natural com a capacidade de gerar o tipo de sistemas que se encontram dentro das formas de vida.”

        Foram apresentados mecanismos que permitem pelo menos explicar a evolução de vários sistemas, como é o caso de muitos enzimas e várias das vias metabólicas em que participam. enzimas e vias metabólicas contam como “sistemas que se encontram dentro das formas de vida”, não?

        “Nós temos evidências empíricas de que a inteligência consegue gerar sistemas de informação.”

        Temos evidência que a “inteligência animal”, particularmente a “inteligência humana” conseguem fazer isso sim, concordo. Quer isso dizer que o Mats está a comparar o Designer a um ser humano?

        “Nós não temos nenhum evidência empírica (isto é, observada com os nossos olhos) de que forças não-inteligentes consigam gerar códigos informáticos.”

        Está a falar do DNA e do código genético? Tem a noção, Mats ,que o código genético não é um código informático, nem funciona da mesma forma, espero. Sendo assim para quê a comparação?

        Like

      • Miguel says:

        Ana

        “Até hoje, segundo se tem visto por aí, não foi avançada nenhuma força natural com a capacidade de gerar o tipo de sistemas que se encontram dentro das formas de vida.”

        Foram apresentados mecanismos que permitem pelo menos explicar a evolução de vários sistemas, como é o caso de muitos enzimas e várias das vias metabólicas em que participam. enzimas e vias metabólicas contam como “sistemas que se encontram dentro das formas de vida”, não?

        Não, porque “não foi avançada nenhuma força natural com a capacidade de gerar o tipo de sistemas que se encontram dentro das formas de vida”. Eu estou a falar da ORIGEM desses sistemas, e não da “evolução2”, (termo que é bem confuso e tem vários significados na boca dos vários evolucionistas).

        “Nós temos evidências empíricas de que a inteligência consegue gerar sistemas de informação.”

        Temos evidência que a “inteligência animal”, particularmente a “inteligência humana” conseguem fazer isso sim, concordo. Quer isso dizer que o Mats está a comparar o Designer a um ser humano?

        Quero dizer que quem postula a imteligência como causa dos sistemas biológicos está de acordo com as evidências.

        “Nós não temos nenhum evidência empírica (isto é, observada com os nossos olhos) de que forças não-inteligentes consigam gerar códigos informáticos.”

        Está a falar do DNA e do código genético? Tem a noção, Mats ,que o código genético não é um código informático, nem funciona da mesma forma, espero.

        O ADN é um código informático. Aliás, alegadamente o próprio Bill Gates disse que o ADN é “software”, e acho que ele tem alguma autoridade nessa área. Claro que a Ana não pode aceitar que o ADN é um sistema de informação porque a Ana correctamente se apercebe que códigos informáticos têm sempre origem inteligente.

        Like

    • Gabriel Morais Azevedo says:

      ” ” ” “Se a maioria dos cientistas do mundo estão realmente errados com relação a evolução, então eles também estão errados sobre outras vastas áreas da ciência que têm interface coerente e consistente com ela; como a geologia, a paleontologia, a tectônica de placas, a biologia, a astronomia, a astrofísica, a cosmologia, a ecologia, a genética, a biogeografia e a geocronologia.” ” ” ”

      – O que nós criacionistas temos dito a décadas e alguns pontos a séculos, é que matérias como Geologia e Paleontologia estão firmadas e baseadas em pré-suposições equivocadas. Em outras palavras, O modelo esta errado desde a base. assista esse vídeo de ua palestra criacionista de 2008 para entender o que estou falando :https://www.youtube.com/watch?v=I68u_ZgL_Ik

      Like

      • Hezio says:

        Bem, se o modelo está errado desde a base, então tudo o que essas áreas da ciência produziu e produz em benefício da humanidade, como encontrar petróleo e jazidas minerais no caso da geologia, só para citar um exemplo, só produziu e produz resultado por pura coincidência. O sucesso destes ramos da ciência em explicar o mundo e produzir resultados úteis e concretos para a humanidade são consistentes demais para ser ser simples coincidência. A religião ou a Bíblia não explica o mundo, por mais que que queiramos forçar isso ou distorcer as evidências para enquadrarem em argumentos de fé. A Bíblia não é um livro de ciência, assim como teorias científicas não são seitas ou religiões. Querer forçar isso é desmerecer o Livro Sagrado e ridicularizar a ciência.

        Like

      • Lucas says:

        Bem, se o modelo está errado desde a base, então tudo o que essas áreas da ciência produziu e produz em benefício da humanidade, como encontrar petróleo e jazidas minerais no caso da geologia, só para citar um exemplo, só produziu e produz resultado por pura coincidência.

        Encontrar petróleo ou jazidas minerais não prova que a Terra tem os mitológicos “milhões de anos”. Se achas que sim, diz como.

        O sucesso destes ramos da ciência em explicar o mundo e produzir resultados úteis e concretos para a humanidade são consistentes demais para ser ser simples coincidência.

        Mas os “milhões de anos” e a teoria da evolução não explicam o mundo de forma que está de acordo com as evidências. Por exemplo, nós encontramos material orgânico dentro da fósseis supostamente com “milhões de anos”. Como é isso possível? De acordo com a Bíblia não há problemas visto que ela diz que a Terra é jovem.

        Like

  2. A ciência é a forma mais inteligente para entender a realidade. As denominações religiosas, por meio de suas crenças e seus livros ditos de sagrados, são apenas livros criados pela imaginação humana e o pior, criadas com finalidades para deixar as pessoas mais ignorantes. Como exemplo: as religiosos monoteístas, politeístas e panteístas, que representam, católicos, protestantes e espíritas, ciaram mais gerras, desordens, brigas e preconceitos intermináveis, do que as catástrofes naturais, devido o mal uso dos recursos naturais, que o o patrimônio de todos dos universos e suas dimensões.

    Like

    • Lucas says:

      A ciência é a forma mais inteligente para entender a realidade.

      Qual realidade? Tu usas a ciência para entender a realidade do afecto que sentes pelos teus pais ou irmãos?

      As denominações religiosas, por meio de suas crenças e seus livros ditos de sagrados, são apenas livros criados pela imaginação humana e o pior, criadas com finalidades para deixar as pessoas mais ignorantes.

      A História revela precisamente o contrário: não só o Cristianismo (e não as “denominações religiosas”) foi importante para o avanço da ciência na Europa, como é a base ideológica sobre a qual assentou a estrutura moral da Civilização Ocidental.

      Como exemplo: as religiosos monoteístas, politeístas e panteístas, que representam, católicos, protestantes e espíritas, ciaram mais gerras, desordens, brigas e preconceitos intermináveis, do que as catástrofes naturais, devido o mal uso dos recursos naturais, que o o patrimônio de todos dos universos e suas dimensões.

      A maior parte das guerras da História da humanidade NÃO tiveram motivação religiosa. Do que é que estás a falar?

      Like

    • dvilllar says:

      franciscoeuzebio

      A ciência é a forma mais inteligente para entender a realidade. As denominações religiosas, por meio de suas crenças e seus livros ditos de sagrados, são apenas livros criados pela imaginação humana e o pior, criadas com finalidades para deixar as pessoas mais ignorantes.”

      O assunto do post não é religião.

      Que implicância vocês têm com as religiões. Parece doentio.

      Independentemente de suas crenças, a realidade mostra que a ciência deve muito ao Cristianismo.

      Like

  3. dcmoreira says:

    @Lucas, bom dia.
    o que você tem a dizer sobre essa pesquisa publicada que diz sobre espermatozoides de 50 milhões de anos.
    http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/07/150716_espermatozoide_antigo_hb

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s