A genética confirma a “evolução” do cavalo?

A cientificamente falsa teoria da evolução tem certos ícones que ajudam a preservar a sua cambaleante credibilidade cientifica. Apesar de serem claramente falsos, estes ícones são constantemente utilizados pelos evolucionistas desonestos (pleonasmo?) como forma de avançar com a sua fé em Darwin. Um dos muitos e falsos ícones usados pelos evolucio-animistas é a famosa sequência da imaginada “evolução do cavalo”.

A imagem da evolução do cavalo aparece tanto nos manuais escolares como nos museus de História natural, e em todos estes lugares o mito evolutivo é pregado de forma religiosa sem que haja a mínima preocupação em revelar a verdade científica. Claro que para quem acredita que a verdade é relativa e que ela se deve submeter a Narrativa Evolucionista, nada disto é surpreendente.

CavaloApesar de outros evolucionistas atacarem a sequência cuidadosamente seleccionada e arranjada da “evolução” dos cavalos (Ver referências 4, 5 e 6 do texto “The non-evolution of the horse”), os evolucionistas menos informados gostam de insistir do erros e insistir nos seus ícones religiosos. Mas ficamos a saber agora que as evidências estão a dar razão aos cientistas criacionistas.

Uma nova investigação vem confirmar, mais uma vez, que os evolucionistas que defendem a sequência evolutiva do cavalo têm propagado mentiras. Escrevendo para a PNAS, a equipa de cientistas da Universidade de Lyon relata que levou a cabo a primeira comparação de ADN antigo proveniente dos fósseis dos equídeos (incluindo cavalos, burros e zebras). Os espécimes eram de 4 continentes diferentes.

Chegou-se a conclusão que muitos espécimes que eram considerados espécies diferentes, mais não são que variações da mesma espécie. Além disso, e também devido a este estudo genético, chegou-se à conclusão que a evolução do cavalo é caracterizada por grandes explosões de diversidade. (Para quem não entende evolucionês, “explosões de diversidade” significa que uma vasta gama de espécimes apareceu “do nada” sem que haja qualquer ligação evolutiva aparente entre si.) No resumo da publicação lê-se:

O rico registo fóssil da família Equidae (Mammalia: Perissodactyla) dos últimos 55 milhões de anos [sic] tem sido um ícone em favor dos padrões e dos processos da macroevolução. Apesar disto, muitos aspectos dos relacionamentos filogenéticos e da taxonomia dos equídeos continuam por resolver.

Análises genéticas recentes de equídeos extintos revelaram padrões evolutivos inesperados e uma necessidade de revisões fundamentais ao nível genérico, subgenérico e ao nível das espécies. […] As análises filogenéticas validam uma revisão enorme da história evolutiva recente. […] Para além disso, fizemos uma revisão à linha temporal actualmente reconhecida da extinção de dois grupos de equídeos hemionemente relacionados.

No entanto, é óbvio que o actual conjunto de dados não pode resolver todas as questões em torno da taxonomia e da filogenia relevantes para a evolução do Equus. No entanto, e à luz destes achados, propomos uma rápida catalogação de ADN como forma de avaliar o ponto de situação taxonómico de muitos fósseis de espécies Equidae do Pleistoceno Superior que têm sido descritos através de nada mais que análises morfológicas.

Esta última frase diz-nos que a alegada sequência evolutiva do cavalo foi imaginada a partir de análises e comparações morfológicas. Mais uma vez, os evolucio-animistas  basearam-se num erro (semelhança morfológica) como evidência de descendência comum. No entanto, e como seria de esperar, as análises genéticas à disposição dos cientistas não estão de acordo com a mitologia evolutiva. (Mantém este dado em mente para o usares sempre que um evolucionista vier com o discurso furado de que “as análises morfológicas batem certo com as análises genéticas”).

Na introdução do artigo eles dizem: “O modelo linear original de modificação gradual de animais tipo-raposa (Hyracothere horses) até às formas modernas foi substituído por uma árvore mais complexa, que mostra períodos de explosão de diversificaçao e extinções de ramos há mais de 55 milhões de anos [sic]“. Ignorem a interpretação dos mitológicos “55 milhões de anos” e levem em consideração que têm aqui mais um exemplo onde:

1) informação falsa tem sido usada pelos evolucio-animistas para nos convencerem da sua religião;

2) os animais não apresentam as transições graduais que a teoria de Darwin necessita. Antes, a sua diversificação é instantânea (como se tivessem sido criados de uma vez).

Coluna geológica não bate certo com a análise genética

Além destes 2 pontos, estes dados também nos mostram a inconsistência da coluna geológica. Os evolucionistas querem-te fazer pensar que a coluna geológica realmente segue uma ordem específica. No entanto, se isso fosse verdade, a genética também deveria corroborar essa afirmação, coisa que, como vimos, não acontece.

Apesar desta investigação acabar com as especulações furadas evolucionistas, a ScienceDaily colocou-lhe um título suave: “ADN ilumina evolução do cavalo“. Tudo ilumina aspectos da evolução. Até mesmo evidências contrárias.

Conclusão:

Obviamente que o cavalo não é produto dum processo evolutivo porque nenhum animal o é. O facto dos dados genéticos não estarem de acordo com o que os evolucio-animistas acreditavam não é surpreendente visto que as formas de vida não são o efeito dum processo gradual aleatório, mas sim do Génio Infinito de Deus:

Tema toda a terra ao SENHOR; temam-no todos os moradores do mundo. Porque falou, e foi feito; mandou, e logo apareceu. (Salmos 33:8-9)

Para uma teoria que tem tanto apoio junto da comunidade científica, seria de esperar que ela fosse mais suportada pelos dados científicos, mas o que esta mesma ciência revela é que tal não acontece.

Evolucao_Cavalo

O padrão que emerge dos dados científicos à nossa disposição é que as formas de vida apareceram “subitamente”, e que desde que apareceram, elas têm-se modificado dentro dos tipos básicos distintos. Isto é exactamente o que seria de esperar se a Bíblia estivesse a reportar a verdadeira história das origens.

Modificado a partir do original

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to A genética confirma a “evolução” do cavalo?

  1. jephsimple says:

    “ADN ilumina evolução do cavalo“.

     

    Para um evolucionista é assim: nenhum dado suporta o Design e todos os dados se ajustam a TE …

    É surpreendente como chamam o ID de pseudo, de religião, quando a própria teoria não se curva a NENHUMA falsificação séria.

    O viés na biologia é muito profundo… É lamentável, porque ele acaba se estendendo para a ciência … Infelizmente a ciência de certa forma foi “prostituída” (perdoe-me a palavra)… Nem de longe o marketing naturalista retrata o sentido, o significado da ciência… Pobres humanos sempre se afundando em seus sentimentos, suas subjetividades, seus interesses egoístas…

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s