Pavão e Ciência versus Darwin

O design presente na cauda do pavão, cheio de padrões que se parecem olhos, mostra todos os indícios de ter sido criado – por Um Criador.

Não é, portanto, surpresa nenhuma que Darwin tenha tido dificuldades em explicar a cauda do pavão em termos evolutivos. Para ser mais preciso, o que Darwin disse foi:

‘The sight of a feather in a peacock’s tail, whenever I gaze at it, makes me sick!’ 1

Estas foram as suas palavras exactas no ano de 1860, um ano depois de ter publicado o seu livro “Origin of Species”.

Como Darwin não podia ficar “sick” (doente) eternamente, onze anos depois (1871) ele propôs a sua teoria da “selecção sexual” como forma de providenciar uma explicação naturalista (evolucionista) para as penas do pavão.

Basicamente, a ideia de Darwin era a de que as penas e os padrões presentes no pavão evoluiram (isto é, apareceram naturalmente) como resposta às escolhas das fémeas. Os pavões com as caudas mais bonitas seriam mais atraentes para as fémeas, fazendo com os que esses fossem escolhidos. Estes acasalavam mais e passavam os seus genes para a geração seguinte, incluíndo os genes da cauda atraente.

Largamente publicitados estudos foram feitos que “confirmaram” que as pavoas preferem os machos com as caudas mais atraentes. Este “facto” passou a fazer parte do “canon da biologia evolutiva”.

No entanto, agora entra a ciência, e sempre que isso acontence, a evolução tem que “dar o seu lugar”.

Observações detalhadas conduzidas pela equipa Mariko Takahashi (Universidade de Tóquio) coloca problemas à crença evolucionista de que as penas do pavão evoluiram em resposta ás escolhas da fémea. 3,4

O estudo não encontrou evidência alguma de que as pavoas escolhem os machos de acordo com a qualidade das caudas. Esta situação vai contra a teoria darwinista da “selecção sexual“.

Contrariamente ao que diz a teoria darwinista da selecção sexual, os pesquisadores verificaram que a cauda do pavão “não é objecto a preferência sexual das pavoas“.

Convém ressalvar que mesmo que as fémeas fossem atraídas pelas caudas mais bonitas, isto não explica a origem da informação genética que codifica para caudas de pavão.

Conclusão:

Darwin observou as caudas do pavão, e tentou explicá-las naturalisticamente (evolutivamente). Ele propôs a teoria da selecção sexual. A ciência observou que não existe nenhuma selecção sexual no que toca as caudas do pavão. Portanto a explicação de Darwin em relação as caudas do pavão está cientificamente refutada .

E o Criacionismo?

A Palavra de Deus é mais uma vez confirmada com os avanços da ciência.

As estruturas presentes nas caudas do pavão (beleza, ordem, elegância, informação genética e design) são um testemunho forte para o Deus Criador. Ele não tinha necessidade nenhuma de fazer as caudas do pavão bonitas, mas Ele fê-las assim para que nós soubessemos que elas foram feitas por Alguém.

Esse tipo de estruturas são sempre evidências de uma ou mais mentes por trás desses sistemas. Se encontramos essas coisas no mundo biológico, então isso está de acordo com o que a Bíblia diz, nomeadamente, que Deus criou tudo o que está nos céus, na terra e nos mares (Êxodo 20:11).

A Palavra de Deus e a ciência estão em plena harmonia.

……..

(Artigo original pode ser encontrado aqui)

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , . Bookmark the permalink.

6 Responses to Pavão e Ciência versus Darwin

  1. alogicadosabino says:

    hum… e eu a pensar que a elegância do pavão era fruto de acumulados erros genéticos 🙂

    Like

  2. Mats says:

    A teoria da evolução é que é uma acumulação de erros!

    Like

  3. JIMMY says:

    Essa só com um mantra novo e poderoso…

    Like

  4. Joaquim Coelho says:

    Antes de cantarem de galo (oops, de pavão) é melhor esperar por resultados mais conclusivos, visto vários estudos apontarem noutro sentido.

    O grande problema criacionista é que falam antes de tempo, e depois tem de engolir grandes sapos . Ficam logo a salivar quando aparece algo que possa confundir um incauto internauta, já que os outros informan-se.

    http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252006000200009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

    Negative data
    Behavioural ecologist Marion Petrie at the University of Newcastle, UK, has dismissed the study.

    “All they have done is fail to find a relationship,” she says. “The authors seem to ignore the fact that three previous independent studies have found relationships between mating success and train morphology. Rather than consider what is unusual about their study, they conclude that peahens in general do not prefer males with elaborate trains.”

    Takahashi argues that it is the failure to find a relationship that makes her study so important. “Unfortunately because negative data have been seldom published, they are seldom discussed,” she says.

    Because it is “negative data”, Petrie says she doubts she would have been able to get this study published.

    Hormonal factor
    Takahashi points out that growth of the peacock’s train is dependent on the absence of oestrogen rather than the presence of testosterone. She says this undermines the assumption that the train is a sexual signal.

    “Until now, who cared that the peacock’s train was under oestrogen control?” Takahashi says. “We hope our paper will encourage others with [negative] data to publish.”

    But another peacock specialist, Adeline Loyau at the University Pierre and Marie Curie, Paris, echoes Petrie’s concerns.

    “My major problem is that they didn’t consider the complexity of the signal,” she says. “They only looked at the number of eyespots and train length as a sign of train elaboration. The number of eyespots didn’t correlate with mating, so they concluded that the train signals nothing.”

    ‘Complex issue’
    The peacock’s train is a highly elaborate structure, Loyau adds.

    “It’s not just the number of eyespots – it’s the density of spots, it’s the arrangement of patterns, it’s colour – they didn’t talk about the colour at all.”

    Louise Barrett at the University of Lethbridge in Alberta, Canada, is an executive editor on Animal Behaviour, the journal that published Takahashi’s study.

    “It is perfectly true that the Takahashi study didn’t consider colour,” she says. “But they did consider many other aspects of tail elaboration and they failed to find any effect.”

    The arguments against Takahashi’s study wrongly suggest that the latest findings “trump” previous results, says Barrett. “Rather it illustrates that the story is more interesting and complex than we thought. One should never be too complacent and think that a problem has been solved,” she says.

    Liked by 1 person

  5. Beowulf says:

    Joaquim, o problema é que eles não leram o artigo, e como não percebem nada das “contas maradas” queos biólogos fazem, nem sequer conseguiriam perceber (nem tentam) o que está escrito no artigo. Por isso este post é mais um exemplo de propaganda desonesta!

    Like

  6. Pedro Oliveira says:

    A selecção dos pavões pelas fêmeas não tem directamente a ver com o facto da cauda ser bonita… Vi um dia destes um documentário da National Geographic que explicava exactamente que a aparência da cauda do pavão é indicadora da sua saúde, então as fêmeas escolhem obviamente o(s) macho(s) mais saudáveis.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s