Leite materno favorece crescimento de bactérias intestinais que protegem bebês

Eis aqui um artigo que oferece uma evidência muito forte para o design inteligente mas que no entanto foi manchado por referências cientificamente desnecessárias ao mito ateu que se dá pelo nome de “teoria da evolução”.

Interdependência bio-química é um dado científico que está de acordo com Génesis.

Grande parte do leite humano não pode ser digerida pelos bebês e parece ter uma finalidade bastante distinta da nutrição infantil – influenciar na composição das bactérias nos intestinos do bebê.

Os detalhes dessa relação a três entre mãe, criança e micróbios intestinais estão sendo analisados por três pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Davis – Bruce German, Carlito Lebrilla e David Mills.

Junto a colegas, eles descobriram que um tipo específico de bactérias, uma subespécie da Bifidobacterium longum, possui um conjunto especial de genes que possibilita seu desenvolvimento nos componentes indigeríveis do leite.

Essa subespécie é comumente encontrada nas fezes de bebês amamentados. Ela reveste a superfície interior dos intestinos infantis, protegendo contra bactérias nocivas.

Os bebês supostamente adquirem a classe especial de “bifido” de suas mães, mas ela ainda não foi identificada em adultos. “Estamos todos imaginando onde ela se esconde”, disse Mills.

A substância indigerível que favorece a bactéria bifido é uma grande quantidade de açúcares complexos derivados da lactose, o principal componente do leite. Os açúcares complexos consistem de uma molécula de lactose à qual foram acrescentadas cadeias de outras unidades de açúcar.

O genoma humano não contém os genes necessários para quebrar os açúcares complexos, mas a subespécie bifido sim, afirmaram os pesquisadores, numa revisão de seu progresso na “Proceedings of the National Academy of Sciences”.

Sempre se acreditou que os açúcares complexos não possuíam importância biológica, mesmo constituindo até 21% do leite. Além de promover o crescimento da classe bifido, eles também servem como iscas para bactérias nocivas que possam atacar os intestinos do bebê.

Até aqui foi-nos oferecida ciência testável e empírica que nada tem a ver com mitos ateus. Mas os evolucionistas não poderiam deixar que as pessoas pensassem em “design” ou em “Deus” e como tal, trataram de acender mais uma vela ao seu deus Charles Darwin:

Produto da evolução

Os açúcares são muito parecidos com aqueles encontrados na superfície das células humanas, e são construídos nas mamas pelas mesmas enzimas. Muitas bactérias e vírus tóxicos se unem a células humanas ao se ancorar nos açúcares da superfície. Mas aqui, em vez disso, eles se unem aos açúcares complexos do leite. “Achamos que as mães evoluíram para transmitir essa substância ao bebê”, afirmou Mills.

Ah, eles “acham” que as mães evoluíram para transmitir esse químico aos seus filhotes. Não nos foi oferecida nenhuma evidência para tal posição. Ficamos só com o que este cientista “acha”. A ciência evolutiva é assim; ela avança na base da fé e do que os cientistas “acham” e não baseada em evidências e dados concretos.

German considera o leite como “um impressionante produto da evolução”, que foi vigorosamente moldado pela seleção natural por ser tão essencial à sobrevivência de mãe e filho.

Reparem na lógica: este evolucionista não oferece nenhum suporte para o que ele “acha”. Ele apenas diz que é “impressionante” e que foi “vigorosamente moldado” por ser essencial”. Ou seja, a evidência de que o leite materno evoluiu é o facto de ele existir. Se ele não existisse, ele não teria evoluído.

Depois de divagarem na mitologia, os evolucionistas voltaram para a verdadeira ciência.

Tudo no leite vem da mãe – ela está literalmente dissolvendo seus próprios tecidos para produzi-lo”, explicou ele.

Do ponto de vista do bebê, ele nasce num mundo repleto de micróbios hostis, com um sistema imunológico destreinado e sem o cáustico ácido estomacal que, nos adultos, mata a maioria das bactérias. Qualquer elemento no leite capaz de protejer o bebê será fortemente favorecido pela seleção natural.

Ficamos impressionados que o leite tivesse tanto material indigerível pelo bebê”, disse German. “Descobrir que ele seletivamente estimula o crescimento de bactérias específicas, que por sua vez protegem a si mesmo, nos permite enxergar a genialidade da estratégia – as mães recrutando outra forma de vida para cuidar de seus filhos”.

Ok. Agora vem mais mitologia:

German e seus colegas estão tentando “desconstruir” o leite, na teoria de que o fluido foi moldado por 200 milhões de anos de evolução mamífera e guarda uma riqueza de informações sobre a melhor forma de alimentar e defender o corpo humano.

Não há evidências para “evolução mamífera” nem para os “200 milhões de anos”, mas estes evolucionistas (baseados no que eles “acham” e não no que eles demonstraram), mas estes evolucionistas vão perder o seu tempo a tentar estudar o leite materno sob a óptica evolucionista.

Conclusão:

Podem ler o artigo completo aqui e ver como a complexa e altamente especificada interdependência química entre a mãe, o seu filho e as bactérias em nada depende de mitos ateus.

É triste que em muitos artigos científicos que podemos ler online haja muitas vezes mitologia mistura com dados reais.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , . Bookmark the permalink.

6 Responses to Leite materno favorece crescimento de bactérias intestinais que protegem bebês

  1. Uma explicação alternativa (criacionista da terra jovem)

    Os primeiros bébés aparecem depois do pecado original. Então como já havia morte Deus desenhou uma série de bactérias altamente nocivos para os bébes. Como pretendeu dar hipótese de sobrevivência a alguns criou uma série de mecanismos que protegessem não todos mas alguns dos bébés.

    Outra explicação dentro do CTJ é que estas bactérias já existiam mas eram herviboras. Isto é alimentavam~se apenas de células de plantas. Após a queda, e através da micro-evolução , porque a macro é fábula, evoluiriam para se tornarem umas extremamente nocivas e outras protegerem os bébés. Isto deu-se tudo muito rapidamente.

    Realmente parece muito mais lógico. Nem sei como é que os cientistas não se lembraram disto.
    Afinal a explicação é simples : foi milagre ou micro-evolução!

    Like

  2. neily says:

    Eu sou espírita, sou vidente. Deixe-me prever o futuro…

    “California, fevereiro de 2019: German e seus colegas conseguem desconstruir o leite, conseguem mais dados sobre a teoria de que o fluido foi moldado por 200 milhões de anos de evolução mamífera, e informações sobre a melhor forma de alimentar e defender o corpo humano.

    Sites criacionistas ignoram esse fato e tentam não tocar no assunto, assim como acontecia em 2010.”

    Like

  3. Karina says:

    Já pararam pra pensar que esse mecanismo de defesa construído pelo leite materno pode ser apenas mais uma prova de que a relação materno-infantil é mais profunda do que a gente imagina?

    Criacionista ou evoulucionista, amamentar é tudo de bom e mais um pouco.

    Like

  4. Felipe says:

    “A ciência evolutiva é assim; ela avança na base da fé e do que os cientistas “acham” e não baseada em evidências e dados concretos.” Vamos fazer uma experiencia. Substituiremos ‘ciencia evolutiva’ por ‘crença em deus’.

    “A crença em deus é assim; ela avança na base da fé e do que os crentes “acham” e não baseada em evidências e dados concretos.” Perfeito!!! Nunca vi uma prova da existencia de deus. Apenas um livro obsoleto que nos ensina a maltratar nossas mulheres e domina-las como animais.

    Like

  5. Karina says:

    Felipe diz: Apenas um livro obsoleto que nos ensina a maltratar nossas mulheres e domina-las como animais.

    Que livro é esse?? Eu desconheço, e olha que eu sou mulher!!

    Like

  6. Karina :

    Quanto a ciência penso que pode e deve dar a sua opinião. Quanto a doutrina deve pedir ao seu marido que a ensine. Desculpe mas as regras não são minhas:

    As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei.
    E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja.

    Paulo dixit!

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s