“O DNA lixo, na verdade, é quem comanda os genes”

Estudos derrubam teoria do ‘DNA lixo’ em nova organização do genoma humano A descoberta foi possível graças a formação de um consórcio chamado ENCODE (sigla em inglês para Enciclopédia de Elementos do DNA)

ADN_LupaCientistas revelaram nesta Quarta-feira que uma importante parcela do código genético dos humanos, conhecida como junk DNA (DNA lixo, composto por genes que não codificam proteínas), desempenha, sim, um papel importante no desenvolvimento e na manutenção do corpo.

Nos últimos anos, os cientistas haviam se concentrado na parcela mínima do DNA, os genes que codificam e regulam a produção de proteínas dentro das células, e que correspondem a cerca de 1% dos 22.000 genes que existem no genoma.

Essa desproporção no genoma, fez com que os cientistas levantassem dúvidas sobre se esse “DNA lixo” tinha alguma importância. Ao procurar as repostas, os cientistas descobriram que 80% do DNA lixo desempenham pelo menos uma função biológica.

Segundo a equipe responsável pela pesquisa, as descobertas são a mudança mais significativa na compreensão do funcionamento do DNA desde a conclusão do projecto que mapeou o genoma humano, entre 2000 e 2003. “O DNA lixo, na verdade, é quem comanda os genes“, diz Mark Gerstein, da Universidade de Yale, que participou da pesquisa.

Agora, o termo ‘DNA lixo’ é que precisa ir para o lixo“, disse o cientista Ewan Birney, do Instituto de Bioinformática de Cambridge (Reino Unido).

Segundo a pesquisa, os resultados também vão ajudar a fornecer novas pistas para o desenvolvimento de tratamentos par doenças cardíacas e diabetes, que têm suas raízes em parte em falhas no DNA.

A descoberta foi possível graças a formação de um consórcio chamado ENCODE (sigla em inglês para Enciclopédia de Elementos do DNA) que a partir de 2003 reuniu cientistas que trabalharam para compreender melhor o volume de informações produzidas pelo projeto genoma humano.

Em 2000, o projecto identificou a sequência das 3,2 bilhões de “bases” químicas ou “letras” que constituem o genoma humano. Agora, é como se a ENCODE agora tivesse colocado em ordem no enorme volume de informações produzidas pelo projecto.

O genoma humano é como ter à mão uma versão do romance Guerra e Paz em russo. É um grande livro contendo tudo sobre experiências humanas, mas impossível de ler se você não sabe russo´“, disse Ewan Birney.

Os resultados dessa pesquisa geraram 30 trabalhos científicos, que foram publicados nesta Quarta-Feira nas revistas especializadas Nature, Genome Biology e Genome Research. Participaram mais de 400 cientistas espalhados por 32 laboratórios nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha, no Japão, em Singapura e na Espanha.

Fonte

* * * * * * *

Mais uma vez, a teoria da evolução revela-se como um obstáculo para o desenvolvimento da ciência ao qualificar de “lixo” regiões genética com funções biológicas importantes.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

38 Responses to “O DNA lixo, na verdade, é quem comanda os genes”

  1. Adriano says:

    “Mais uma vez, a teoria da evolução revela-se como um obstáculo para o desenvolvimento da ciência ao qualificar de “lixo” regiões genética com funções biológicas importantes.”

    A expressão “DNA Lixo” é apenas um apelido, um rótulo inadequado para o “ADN noncoding”, ou seja, porções do genoma com funções não identificadas, a existencia deste tipo de sequencias não influi na teoria da evolução, quando esta foi proposta nem se conhecia o DNA, e a teoria nunca preconizou que este tipo de coisa não pudesse existir, simplesmente não se sabe ainda para que serve a totalidade do DNA, mas isto não é um “obstáculo para o desenvolvimento da ciencia”, obstáculo seria se parássemos de pesquisar para que seve o genoma porque um suposto “ser inteligente” criou tudo e portanto é inutil ficar perdendo tempo com isto, aí sim seria uma demonstração de ignorancia…

    Like

    • Mats says:

      “Mais uma vez, a teoria da evolução revela-se como um obstáculo para o desenvolvimento da ciência ao qualificar de “lixo” regiões genética com funções biológicas importantes.”

      A expressão “DNA Lixo” é apenas um apelido, um rótulo inadequado para o “ADN noncoding”,

      Quem foi que catalogou esse “rótulo inadequado”?

      ou seja, porções do genoma com funções não identificadas

      ..que vocês evolucionistas afirmaram não ter funções. Ou vão mudar o disco outra vez, como sempre fazem quando a ciência refuta uma posição vossa?

      a existencia deste tipo de sequencias não influi na teoria da evolução,

      A errada qualificação de “adn lixo” a isso é consequência da teoria da evolução, que defende a origem aleatória das formas de vida. A forma de pensar é muito parecida com o que se passou (e ainda se passa) com a questão dos “órgãos vestigiais”

      quando esta foi proposta nem se conhecia o DNA

      Ou seja, vocês evolucionários (evolucionistas + revolucionários) foram rápidos a qualificar de “lixo” algo que vocês mal conheciam. Isso é “ciência”?

      e a teoria nunca preconizou que este tipo de coisa não pudesse existir, simplesmente não se sabe ainda para que serve a totalidade do DNA, mas isto não é um “obstáculo para o desenvolvimento da ciencia”

      É obstáculo para a ciência qualificar de “lixo” ou “vestigial” uma estrutura que vocês evolucionários mal conhecem.

      , obstáculo seria se parássemos de pesquisar para que seve o genoma porque um suposto “ser inteligente” criou tudo e portanto é inutil ficar perdendo tempo com isto, aí sim seria uma demonstração de ignorancia…

      Pelo contrário, se vocês fossem minimamente cientistas e vissem que as formas de vida forma criadas, haveriam de chamar de “lixo” a estruturas que mal conhecem, e assumir que, como as formas de vida são o efeito de um Acto de Criação, então elas têm que ter alguma função ainda por desvendar.

      Vocês evolucionários fizeram o contrário: como não sabiam qual era a funçâo, chamaram de “lixo” ou vestigial, e a ciência acabou aí.

      Por aí se vê como a vossa teoria religiosa é um impedimento para o avanço da ciência.

      Like

      • Ismael says:

        Olha Mats,

        Eu pensava que os evolucionistas tinham problemas com sua teoria, agora com essa nova sobre o DNA… O argumento sobre aletoriedade, que sempre foi absurda, se tornou pior que uma mentira…

        Obrigado Mats!

        Like

      • Marco Antônio - Curitiba (PR) says:

        Os evolucionistas usaram a mesma lógica para os chamados “órgãos vestigiais” – mais de 200, entre eles todo o sistema endócrino. Houve até quem extirpasse porções imensas do intestino grosso por considerá-lo “vestigial”. Deve ser isso o “Darwin das lacunas”.

        Like

      • simiao Boene says:

        Muito bom, foram muito fracos os argumentos do evoluiciinísta, nos devemos promover a Desing Inteligente não só na NET mais em todos os meios possíveis e acabar com esta fraude na ciência.

        Like

    • bruno says:

      Analise as evidências
      VOCÊ está numa ilha isolada e desabitada. Ao caminhar na praia, vê uma rocha com a inscrição “John 1800”. Visto que a ilha é isolada e desabitada, você presumiria que a inscrição é o resultado da ação do vento ou da água? É claro que não! Você concluiria, e com razão, que alguém escreveu aquilo. Por quê? Primeiro, uma série de letras e números escritos com traços bem definidos — mesmo num idioma estrangeiro — não aparece naturalmente. Segundo, aqueles dizeres contêm informações significativas, indicando uma fonte inteligente.
      No nosso dia a dia, encontramos informações codificadas em muitas formas, como braile, letras do alfabeto, diagramas, palavras faladas, gestos, notas musicais, sinais de rádio e programas de computador que empregam o código binário, usando os dígitos 0 e 1. Praticamente qualquer coisa, como a luz, as ondas de rádio e o papel e a caneta, pode ser usada como meio para transmitir informações. Qualquer que seja o caso, as pessoas sempre associam informações significativas a uma mente inteligente — exceto quando essas informações estão contidas numa célula viva. Os evolucionistas dizem que, nesse caso, as informações simplesmente surgiram ou se escreveram sozinhas. Mas será que isso é verdade? Analise as evidências.
      Informações complexas podem se escrever sozinhas?
      Dentro do núcleo de praticamente todas as células do seu corpo encontra-se armazenado em segurança um código impressionante chamado DNA (ácido desoxirribonucleico). Sua longa molécula, formada por duas fitas paralelas, assemelha-se a uma escada em espiral. Podemos comparar o DNA a uma receita, ou programa, que coordena a formação, o crescimento, a manutenção e a reprodução dos trilhões de células que compõem o seu corpo. As unidades básicas que constituem o DNA são denominadas nucleotídeos. Elas são chamadas de A, C, G e T, dependendo da base nitrogenada que contêm. Assim como as letras do alfabeto, esses quatro caracteres podem ser combinados de muitas maneiras para formar “sentenças”, isto é, instruções que coordenam a reprodução e outros processos dentro da célula.
      O pacote completo de informações armazenadas em seu DNA é chamado de genoma. Algumas sequências de letras em seu DNA são exclusivamente suas, visto que o DNA contém suas informações hereditárias, como o formato do seu nariz e a cor dos seus olhos e da sua pele. Seu genoma pode ser comparado a uma grande biblioteca cheia de receitas para cada parte do seu corpo, e o resultado disso é você.
      Qual é o tamanho dessa “biblioteca”? Nela cabem cerca de 3 bilhões de “letras”, ou nucleotídeos (bases). Segundo o Projeto Genoma Humano, se essas letras fossem escritas em papel, encheriam 200 livros, cada um do tamanho de uma lista telefônica de mil páginas.
      Esses fatos nos lembram de uma bela oração registrada uns 3 mil anos atrás. Ela está no Salmo 139:16, que diz: “Teus olhos viram até mesmo meu embrião, e todas as suas partes estavam assentadas por escrito no teu livro.” É óbvio que o escritor não estava pensando em ciência, mas ele expressou com simplicidade um conceito espantosamente exato para ilustrar a imensa sabedoria e poder de Deus. Isso é bem diferente de outros escritos religiosos antigos, que estão repletos de mitologia e superstição.
      Quem montou a “biblioteca”?
      Assim como é lógico concluir que a inscrição “John 1800” é resultado de uma mente inteligente, não seria lógico encarar da mesma maneira as informações infinitamente mais complexas e significativas do DNA? Afinal, informação é informação, não importa onde é encontrada ou por qual meio é transmitida. Donald E. Johnson, doutor em ciência da computação e da informação, disse que as leis da química e da física não conseguem gerar informações complexas ou sistemas capazes de processar essas informações. E o lógico seria concluir que quanto mais complexas as informações, maior o grau de inteligência necessário para escrevê-las. Uma criança poderia escrever “John 1800”. Mas apenas uma mente sobre-humana poderia escrever o código da vida. Além disso, parece que com cada nova descoberta “aumenta a complexidade biológica em proporções gigantescas”, disse a revista Nature.
      Atribuir a complexa biblioteca de informações no DNA a processos aleatórios contradiz a razão e a experiência humana. Pensar assim também coloca a fé além dos limites da razão.
      Em seus esforços para anular a figura de Deus, os evolucionistas chegaram, em certas ocasiões, a conclusões que mais tarde se mostraram erradas. Veja, por exemplo, o conceito de que 98% do nosso genoma é “lixo” — uma biblioteca de receitas com bilhões de palavras inúteis.
      É “lixo” mesmo?
      Há muito tempo os biólogos acreditavam que o DNA era uma receita para a produção de proteínas e nada mais. No entanto, com o tempo, ficou evidente que apenas cerca de 2% do genoma consiste de códigos para proteínas. Qual é o objetivo dos outros 98%? “Presumiu-se imediatamente que se tratava de um lixo evolucionário”, comentou John S. Mattick, professor de biologia molecular na Universidade de Queensland em Brisbane, Austrália.
      A autoria do nome “DNA ‘lixo’” é atribuída ao evolucionista Susumu Ohno. Em seu trabalho “Muito DNA ‘lixo’ em nosso genoma”, ele disse que as sequências de DNA restantes “são vestígios de experiências da natureza que fracassaram. Restos fósseis de espécies extintas estão espalhados por toda a Terra. Então, é de admirar que nosso genoma também esteja cheio de restos de genes extintos?”
      Que efeito o conceito do DNA “lixo” teve no estudo da genética? O biólogo molecular Wojciech Makalowski disse que esse modo de pensar “desestimulou os pesquisadores tradicionais de estudar o DNA [lixo] não codificante”, com a exceção de poucos cientistas que, “correndo risco de ser ridicularizados, exploram áreas impopulares. Graças a eles, o conceito do DNA lixo . . . começou a mudar no início da década de 90”. Makalowski acrescenta que hoje os biólogos em geral consideram o que era chamado de lixo “como um tesouro genômico”.
      Na opinião de Mattick, a teoria do DNA “lixo” é um exemplo clássico de como a tradição científica “pode atrapalhar a análise objetiva dos fatos”. Ele continua: “A falha em reconhecer tudo o que isso implica pode muito bem ser considerada um dos maiores erros na história da biologia molecular.” Fica claro então que a verdade na ciência precisa ser determinada com base em evidências, não na opinião popular. Assim sendo, o que as evidências recentes revelam sobre o papel do DNA “lixo”?
      A função do “lixo”
      Uma indústria automobilística usa máquinas para fabricar peças. Mas isso por si só não produz carros. Ela também precisa de alguns equipamentos e sistemas para juntar as peças uma por uma, e outros para fazer a regulagem na linha de montagem. O mesmo se aplica às atividades dentro da célula. Podemos comparar as peças de um carro às proteínas numa célula. E a que podemos comparar os equipamentos que juntam e regulam as peças? Ao DNA “lixo”! Boa parte dele contém a receita de um tipo de molécula complexa chamado RNA (ácido ribonucleico) regulador, que é vital no desenvolvimento, amadurecimento e funcionamento da célula. “A mera existência desses reguladores exóticos”, disse o biólogo matemático Joshua Plotkin na revista Nature, “sugere que nosso entendimento das coisas mais básicas . . . é incrivelmente ingênuo”.
      Uma indústria eficiente também precisa de sistemas de comunicação eficazes. O mesmo se dá com a célula. Tony Pawson, um biólogo celular na Universidade de Toronto, Canadá, explica: “As informações sinalizadoras nas células são organizadas através de redes de informações, não através de simples caminhos separados”, tornando o processo todo “infinitamente mais complexo” do que se pensava. Como disse um geneticista da Universidade de Princeton, “muitos dos mecanismos e princípios que controlam o funcionamento dentro de uma célula e sua interação com outras células ainda são um mistério”.
      Cada nova descoberta sobre as células aponta para níveis de ordem e sofisticação cada vez mais elevados. Então, por que muitas pessoas ainda se apegam à noção de que a vida e o sistema de informações mais sofisticado de que se tem conhecimento são produto de um processo evolucionário acidental?

      Like

  2. os teóricos da TE quando sai um estudo desses, correm pra dizer que não era bem assim, tentam amenizar o que disseram no passado, inclusive refazendo textos no wikipedia, mas o apelido “dna lixo” é bem forte e mostra bem o achismo que ronda dentro dessa filosofia..

    Like

  3. Adriano says:

    Voces criacionistas continuam gostando de fazer tempestade em copo de água, o termo “DNA lixo” foi usado em 1972 por um pesquisador chamado Susumu Ohno, e este nome inadequado continuou sendo usado no lugar de “DNA não-codificante” em publicações não especializadas e em ciência popular, apesar de se saber desde o final da década de 70 que algumas partes do genoma enquadradas como não codificantes de proteína tinham função biológica.
    O que continua válido é que nem todo o genoma tem uma função biológica, por exemplo cadeias com DNA de retrovirus endógenos inativados por mutações, que existem em grande parte dos seres vivos, não tem efeito nenhum, o projeto ENCODE, que envolve dezenas de biólogos evolucionistas, considera que até 80% do genoma em humanos possa ter alguma função, mas certamente não 100%, então parte do genoma pode ser considerado mesmo como “DNA lixo” sim…

    Like

    • Tal cientista era um biologista evolucionário, sua visão fechada não permitiu enxergar que o DNA restante tinha função. O fato de dizer que 100% do DNA não tem função é totalmente arbitrário, assim, como qualquer outro tipo de “descoberta científica” que logo encaixam com a evolução. O ser mal consegue compreender estruturas “simples” da natureza e copia-las, quanto mais dirá entender o DNA. Os cientistas precisam deixar de ser arrogantes e ir mais a fundo nas pesquisas e parar de dizer que aquilo é não tem função e que a evolução “esqueceu” ali.

      Like

  4. Saga says:

    O Adriano é um piadista né?

    Quer dizer que o evolucionismo nada tinha a ver com os chamados “orgãos vestigiais” e a invenção do tal de “DNA lixo” ? O Design Inteligente é que insiste que tudo tem alguma função. no que o Criacionismo concorda, já o evolucionismo supõe que a aletoriedade na natureza gera elementos biologicos “inuteis”, “lixos” ou “sem função”…..

    Like

    • Adriano says:

      Não sou piadista, esta particularidade fica a cargo dos defensores do tal design inteligente, que nem assumem ser o ser superior em que acreditam para não espantar pessoas de outras religiões, mas umas aulas de interpretação de texto fazem falta, o evolucionismo não inventou o “DNA lixo”, já falei que foi uma denominação imprópria para o DNA não codificante, mas DNA sem função existe sim, assim como órgãos vestiginais e sem utilidade prática, voce poderia me explicar para que servem aquelas caudas, com músculos e vértebras com que nascem alguns bebês humanos?

      Like

      • Mats says:

        mas umas aulas de interpretação de texto fazem falta, o evolucionismo não inventou o “DNA lixo”, já falei que foi uma denominação imprópria para o DNA não codificante,

        Quem foi que fez essa “denominação imprópria” senão os evolucionistas?

        “mas DNA sem função existe sim, assim como órgãos vestiginais e sem utilidade prática,”

        Oh, outra vez esta mitologia? Vocês evolucionistas são o único grupo no mundo que usa a vossa ignorância como evidência em favor das vossas crenças:

        “Não sabemos qual é a utilidade desta estrutura biológica, LOGO ela evoluiu!”

        Like

      • Azetech says:

        Adriano

        “mas DNA sem função existe sim, assim como órgãos vestiginais e sem utilidade prática,”

        Adriano, veja bem, partes do DNA e alguns órgãos, não possuem funções, ou NÃO FORAM DESCOBERTOS as suas funcionalidades?
        O que é mais prejudicial para a ciência, definir algo sem utilidade simplesmente por não conhece-lo, ou buscar entender a utilidade deste algo, também por não conhece-lo?

        Percebes como a mentalidade evolucionista é prejudicial a ciência empírica?
        Se muitos adeptos de sua crença, toma como pressuposição de que um sistema é sem utilidade, deixando-o de lado, a utilidade do mesmo NUNCA SERÁ DESCOBERTO.

        Lamentável que ainda existam cientistas que pensam como tu. isso faz a ciência ficar ESTAGNADA.

        Like

      • Adriano says:

        Existem linhagens humanas mais antigas (fato comprovado através de estudo de seu DNA), como os hotentotes, uma tribo africana, que possuem características diferentes dos humanos atuais (os machos desta tribo possuem uma espécie de osso ou cartilagem dentro do pênis, como os cachorros), este órgão não poderia ser explicado se não existisse a evolução, e porque não pode ser considerado um órgão vestiginal, já que não é necessário?

        Like

  5. O argumento nem parece mau de todo.

    A teoria da evolução diz que os seres vivos ao longo das gerações vão se modificando. O mecanismo regulador é a adaptação ou não ao meio ambiente.

    Parte do dna parecia não ser codificante. Descobre-se que afinal algumas partes contribuem para a codificação.

    Logo as populações de seres vivos não variam com o tempo.

    Ok!

    Like

  6. Saga says:

    Adriano: “o evolucionismo não inventou o “DNA lixo”, já falei que foi uma denominação imprópria para o DNA não codificante

    Quem que inventou:
    1- Este conceito ?
    2- Essa denominação ?

    “A expressão “DNA Lixo” é apenas um apelido, um rótulo inadequado para o “ADN noncoding””
    Eu pessoalmente chamaria de: “Partes do DNA que ainda não foram compreendidas“

    Like

  7. Adriano says:

    Vou colocar as coisas de um modo simples, o projeto ENCODE, um esforço de pesquisa gigantesco que envolveu mais de 400 cientistas em 32 centros de pesquisa teve como objetivo descobrir para que servem os 98% do genoma humano que NÃO codifica proteina, o DNA não-codificante.

    Pois bem, chegou-se a conclusão que em torno de 80% deste tipo de sequencias não codificantes de proteína tem sim uma função biológica, e só 20% é realmente não funcional, “DNA lixo”, muito menos do que se imaginava antes.

    Estes 20% sem função são restos de sequencias que já foram uteis algum dia mas sofreram mutaçãos que as desativaram, ou são sequencias pertencentes a vírus e bactérias que se incorporaram em nosso DNA e estão inativas.

    Outro detalhe é que muitas sequencias, apesar de funcionais, não tem efeito para a saúde ou a vida das células, principalmente sequencias de DNA de vírus ainda ativos.

    Like

    • Azetech says:

      Adriano

      Estes 20% sem função são restos de sequencias que já foram uteis algum dia mas sofreram mutaçãos que as desativaram

      Não são mutações que ativam ou desativam informações nos genes, mas sim um processo chamado de METILAÇÃO pelo qual ocorre na REPRODUÇÃO.
      A Metilação do DNA é ativado por fatores EXTERNOS ao organismo (Meio Ambiente).

      É a grosso modo a idéia de Lamarck, porém com a LIMITAÇÃO de não acrescentar nenhuma informação genética nova. A função dele é apenas ativar ou desativar genes PRÉ-EXISTENTES, para ADAPTAR o ser a natureza que ele vive.

      Percebes, não há NENHUM, mas NENHUM MESMO, mecanismo encontrado no ser, pelo qual AUMENTE sua informação (MACRO-evolução).
      Existem apenas mecanismos que manipulam a informação PRÉ-EXISTENTE, fazendo o ser adaptar ao meio ambiente em que ele vive (MICRO-evolução)

      Like

      • ade155 says:

        Azetech, eu não estava me referindo a silenciamento genico, mas a mutações que desativaram definitivamente partes do DNA. Mutação é definida como qualquer alteração na sequência do DNA do genoma que leve à alteração em um gene, e tanto faz que seja espontânea, induzida, por substituição, deleção ou inserção.

        Note que esta pesquisa ENCODE começou em 2003, e seus resultados eram repassados à comunidade científica, por volta de 2011 já se sabia que no genoma, a parte funcional/essencial não ultrapassava os 8.7%, e a parte que apesar de funcional não interfere nas funções biologicas ou é desimportante passava de 65% e a parte não estudada era de 26.3%, conforme:

        http://sandwalk.blogspot.com.br/2011/05/whats-in-your-genome.html

        Sobre aumento na informação:

        http://www.nytimes.com/2007/06/26/science/26devo.html?_r=0

        Like

    • Saga says:

      Adriano,
      Você tinha dito: “o evolucionismo não inventou o “DNA lixo”, já falei que foi uma denominação imprópria”

      Então eu perguntei, sendo que já tinha sido perguntado a ti o seguinte….

      “Quem que inventou: 1- Este conceito ? 2- Essa denominação ?”

      Já que você não respondeu, eu respondo
      1- Os Evolucionistas
      2- Os Evolucionistas

      Agora se não foi o “evolucionismo” é porque tal coisa é abstrata e sendo impessoal, quem tem de falar são as pessoas que pregam o evolucionismo.

      Like

      • ade155 says:

        Quem inventou o “DNA lixo”? Foi o tal Designer Inteligente, ora…

        Like

      • Mats says:

        Quem acha que ele é lixo são os evolucionários. Os cientistas criacionistas (bem como os IDistas) são de opinião de que, se está lá, então é nem provável que tenha uma função.

        Like

  8. Cícero says:

    Este estudo revela mais uma desonestidade intelectual (mentira mesmo!) dos crentes fundamentalistas darwinistas ao insistirem em alardear nas mídias, que a semelhança genética entre humanos e primatas seria de 99%! mas quando pesquisaram apenas 1% do genoma humano!

    Like

  9. jephsimple says:

    O “Junk DNA” se fundamenta na crença, na idéia que não existe um Designer para os seres vivos.

    O “Junk DNA” seria um caso positivo para o neo darwinismo. Afinal é uma posição que visa refutar uma causa inteligente para o que observamos nos seres vivos.

    Se o o neo darwinismo, darwinismo, evo, fosse verdadeiro então esse caso positivo seria confirmado… pois é de se esperar lixo de onde não existe uma causa inteligente, ou onde o nível de inteligencia é EXTREMAMENTE BAIXÍSSIMO.

    Mas como sabemos o neo darwinismo é infalsificável, irrefutável …Mas faz uso de self-selling afirmando defender uma posição puramente científica.

    Sendo assim não vão admitir que sua hipótese foi refutada por claras evidências contrárias as suas crenças.
    Eles [sem generalizar] podem não ter evidências, mas não vai faltar explicações ad hocs, explicações cheias de imaginações recheadas de wishful thinking.

    As Escrituras já falava da alegada falsamente de ciência pelos homens.Vejo isso direto nos jornais, revistas e na tv.

    Um verdadeiro atraso para a humanidade.

    Like

    • ade155 says:

      De onde voce tirou a ideia de que não existe o “Junk DNA”? Ele só não é do tamanho que se pensava antes, mas existe sim…

      Like

      • jephsimple says:

        Adriano,

        “De onde voce tirou a ideia de que não existe o “Junk DNA”?”

        Dizer que quem iventou o dna lixo foi o ID é 171 epistêmico descarado…

        Em 1994 o defensor do ID Forrest Mims já havia previsto que o Dna não codificante teria função. [http://www.forrestmims.org/publications.html] E teve carta rejeitada pela “ciência” [Nature] por se opor a equivocada e dogmática idéia de que 98%(aprox.) do Dna era lixo por não possuir sentido até então.

        Agora alguns defensores da TE, naturalismo tem a pachorra de dizer que não é bem assim, como se não fosse uma previsão naturalista para o seres vivos, encontrar muito lixo, senão toda a natureza não passar de um lixo , as vezes dando a impressão de ter sido projetada
        Oras eu nem preciso ir longe 😀 …

        Existe um Designer? Um engenheiro? Um projetista? Então em sua obra eu vou encontrar sinais claros, evidências de design inteligente. Caso o contrário eu só espero encontrar lixo.

        E mais … lixo replicado é igual a lixo², triplique o lixo e terás lixo³.

        É cômodo da parte de vocês agora querer dar um sentido objetivo para o DNA, oras é claro … Ele tem significado objetivo, ele tem função😀.

        A falsificação do “Junk Dna” não aconteceu por causa da TE, apesar dela prever lixo.

        Mas isto é uma previsão: Nenhum dado vai mudar a posição naturalista.Evidências contrárias a posição naturalista não irá fazer o naturalismo confessar que sua posição foi refutada. Pela nossa vasta experiência sabemos que mesmo sem evidências, ou mesmo com claras evidências contrárias, o naturalismo e suas hipóteses não são passiveis de refutação, segundo, claro, a ciência naturalista.

        Like

  10. ade155 says:

    Este artigo, de 2011, é bem completo e representa tambem minha opinião sobre o assunto:
    http://evolucionismo.org/profiles/blogs/sobre-sucata-lixo-e-sequencias-repetitivas

    Like

    • jephsimple says:

      “A evolução biológica é um processo tremendamente oportunista e o excesso de material genômico inerte ou móvel tem servido de matéria prima à evolução de novos genes, do aumento de complexidade da estrutura gênica dos eucariontes e das redes regulatórias característica dos genomas de linhagens multicelulares como as de animais e plantas. ”

      Adriano como o naturalismo tem a capacidade de usar metafísica se o naturalismo crê que o cosmos é tudo o que existe, nada além dele??? o.O

      Que valor tem esse artigo recheado de metafísica… A não ser que estejamos a lidar com magia. >>>Processos oportunistas?De quem ? Matéria e energia?Oportunista com extremo desejo de sobreviver e se replicar ?

      Aumento de complexidade? Via evolução cega ???… É sério que essa é a verdadeira ciência a ser praticada?

      Explicações… explicações… explicações… Onde estão as evidências que evolução cega produz DI??? Tu crês em DI né?

      Ou crês em lixo?

      Like

      • Adriano says:

        “Dizer que quem inventou o dna lixo foi o ID é 171 epistêmico descarado…”

        Meu caro, eu estava apenas fazendo uma brincadeira com a ideia de que foi Deus que criou tudo, não falei isto como fato consumado, por favor, tenha um pouco de senso de humor, quando ao termo “DNA lixo” ele foi empregado pelo pesquisador Susumu Ohno em 1972 ao se referir a genes extintos que todas as espécies carregam em seu DNA, por exemplo a cebola possui um numero absurdamente alto de genes, muito maior que os seres humanos, qual seria o sentido disto em termos de um projeto inteligentemente direcionado, mas tudo bem, as pessoas acreditam no que querem, faz parte da natureza humana, e se puder incluir algum conforto para a inevitável morte a ser encarada por todos, melhor, né?

        E eu creio que exista lixo sim, alguma coisa contra?

        Like

  11. jephsimple says:

    Adriano,

    Isso só pode ser piada … rsrsrsrsrrsrsrss😀

    Notas:
    [1]Neste artigo adoto a expressão “DNA sucata” como tradução de “JunkDNA”, mesmo reconhecendo que “DNA lixo” parece ser bem mais comum. Mas o termo sucata parece fazer mais jus aos objetivos originais de Ohno e são mais coerentes com o fato que mesmo sucata pode ser funcional e importante para quem a possui.

    Sim! Em minha experiência não se dispensa projeto, engenharia, intenção, inteligência para tornar uma sucata funcional.O naturalismo explica explica, mas não refuta o DI nos seres vivos, ele vem tentando apontar uma outra causa para o incrível DI que nos sistemas vivos.Obrigado TE continue tentando falsificar uma causa inteligente para os sistemas vivos.

    _____________________________________________________________________________

    Agora muitos biólogos migraram para outra previsão, crença 😀 >>> “Rna junk”. A crença nem se estabeleceu e mesmo o “Rna junk” tem mostrado ter funções importantes. Eu preveria isso😉

    http://www.evolutionnews.org/2014/01/knockout_mice_s081221.html

    Like

  12. jephsimple says:

    Existe “Junk Dna”???

    Sim!!! Eu só não sei por que ele é chamado de Junk Dna ;)… Mas sim existe o termo em New Scientist que traz isto:

    “Your face may have been sculpted by junk DNA

    19:00 24 October 2013 by Colin Barras”

    http://www.newscientist.com/article/dn24462-your-face-may-have-been-sculpted-by-junk-dna.html

    Like

  13. Norberto says:

    Não entendi… o dna lixo é o que comanda é quem comanda o genes??? e eu estava esperando todo esse tempo pra falar que encontrou nele toda nossa evolução??
    Eu espero ainda mais…
    Se for assim Deus esta na frente dos evolucionistas kkkk
    Eu to dos dois lados:evolucionista e criacionista.

    Like

    • jephsimple says:

      Me parece que a única coisa que existe de lixo em DNA não codificante é no nome que o naturalismo lhe deu.

      Like

    • ade155 says:

      Queiram os criacionistas ou não, a verdade é que quase 50% de nosso genoma consiste em transposons defeituosos ou sequencias de virus, ou seja, tambem pode ser considerado lixo, que se fosse retirado não mudaria nosso corpo e suas funções.

      Isto não quer dizer que não sejam ativos, apenas não interferem nas funções biologicas.

      Assim, quando se diz que até 80% do genoma tem função biológica, não quer dizer que seja essencial, ok?

      Like

  14. jephsimple says:

    “a verdade é que quase 50% de nosso genoma consiste em transposons defeituosos ou sequencias de virus, ou seja, tambem pode ser considerado lixo,”

    LOL Larry Moran vai muito além >>> “Eu acredito que 90% do genoma humano consiste de junk DNA (DNA sem função conhecida)”

    Obviamente que de acordo com a cosmovisão teísta e até de acordo com certas leis da natureza [Sistemas se degradam, máquinas quebram, detritos acumulam ao longo do tempo no porta-malas de carros] vamos encontrar algum lixo. Isso não é justificativa para falsificar,refutar DI.

    Esse artigo não concorda muito com vc e com o Larry …😀

    http://www.evolutionnews.org/2011/12/larry_moran_def054371.html

    Like

  15. Douglas says:

    ade155, retire esse esses genes não-codificantes e os genes codificantes não são expressos. Essa é a função do “DNA Lixo”: comandar o “DNA não-Lixo”

    A vindicação impressionante de uma previsão dos teóricos do Design Inteligente de que o genoma, longe de ser cheio de “lixo” sem função, iria se revelar como tendo funcionalidade em grande escala:
    No livro The Myth of Junk DNA, Jonathan Wells escreveu:
    Far from consisting mainly of junk that provides evidence against intelligent design, our genome is increasingly revealing itself to be a multidimensional, integrated system in which non-protein-coding DNA performs a wide variety of functions. If anything, it provides evidence for intelligent design. Even apart from possible implications for intelligent design, however, the demise of the myth of junk DNA promises to stimulate more research into the mysteries of the genome. These are exciting times for scientists willing to follow the evidence wherever it leads.
    (Jonathan Wells, The Myth of Junk DNA, pp. 9-10 (Discovery Institute Press, 2011).)

    Por muitos anos, a defesa do DNA”lixo” pelos evolucionistas – atrelados caninamente ao paradigma neodarwinista – impediu que a ciência fizesse grandes descobertas sobre o genoma humano! Então, cara-pálidas da Nomenklatura científica, qual teoria ou teóricos realmente impede o avanço da ciência? Galera dos meninos e meninas de Darwin, nota do tio Neddy: não pode mais usar o DNA “lixo” como argumento contra a teoria do Design Inteligente, visse?

    Fui, nem sei por que, rindo, mas rachando de rir da cara de alguns mandarins da Nomenklatura científica tupiniquim que fizeram carreira e retórica inflamada em cima do DNA “lixo” como sendo um fato científico contra a teoria do Design Inteligente. Uma hora dessas eles devem ter enfiado o rabo entre as pernas…

    http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/estudos-derrubam-teoria-do-dna-lixo-em-nova-organizacao-do-genoma-humano

    http://www.independent.co.uk/news/science/scientists-debunk-junk-dna-theory-to-reveal-vast-majority-of-human-genes-perform-a-vital-function-8106777.html

    Pode bater o pé e chorar a vontade, o “DNA Lixo” (ou o nome que você quiser dar para o que os evolucionistas chamam/chamavam de “DNA Lixo”) é um mito.

    Like

  16. Yehokhanan says:

    É muito importante que as pessoas discutam estes ou quaisquer assuntos, mas não esqueçam que todo o conhecimento é limitado, e o homem, por mais que estude e re-estude, discuta e re-discuta, jamais saberá com certeza do que está falando, pois a mente sendo limitada, e o homem dependendo dessa mente só pode formar opiniões, e as opiniões podem não durar as vezes mais que alguns minutos.
    Certeza, quem inventou essa palavra?
    Abraços.

    Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s