O Cristianismo causou a “Idade das Trevas”?

Por Humphrey Clarke

O termo “Idade das Trevas” não foi bem definido pelo inquiridor mas o mesmo normalmente refere-se à deterioração cultural e económica que ocorreu na Europa Ocidental depois da queda do Império Romano. Normalmente existem dois aspectos do que pode ser chamada de “a tese da culpa Cristã”: primeiro, que o Cristianismo foi um factor contributivo significante para o declínio e para a queda do Império Romano, e segundo, que a nova religião era hostil ao conhecimento clássico e que, à medida que o Império Romano entrava em colapso, esta nova religião não se esforçou o suficiente para preservar o conhecimento clássico.

A primeira teoria tem um pedigree ilustre visto que foi promovida por Edward Gibbon no capítulo 39 do seu Magnus Opus com o nome de ‘O Declínio e a Queda do Império Romano’. Gibbon especulou que a “introdução, ou pelo menos o abuso do Cristianismo, teve alguma influência no declínio e na queda do Império Romano.” Segundo o seu ponto de vista, o Cristianismo quebrou a unidade ideológica do Império e perturbou a habilidade do estado de ganhar apoio junto das massas. Os recursos financeiros e humanos foram desviados de objectivos materiais vitais e o descontentamento foi-se alastrando – o que colocou em causa a legitimidade imperial.

Como uma teoria geral ampla, o ponto de vista de Gibbons tem muito pouco em seu favor. Antes de mais, qualquer explicação que seja proferida para a queda do Império Romano tem que contender com o facto de que a metade oriental do Império Romano manteve-se relativamente forte e estável enquanto a metade ocidental entrou em colapso. A ala Oriental era ainda mais Cristã que a Ocidental no entanto, não só não entrou em colapso, como se manteve como o Império Bizantino até ao século 15.

Será que a teoria de Gibbons funciona a um nível mais baixo como forma de demonstrar que o Cristianismo foi um factor contributivo?

Também aqui a sua teoria sofre de falta de evidências. Embora o Cristianismo tenha dado início a algo análogo a uma revolução cultural depois da conversão de Constantino, é difícil olhar para isto como um evento que teve um sério efeito deletério no império. É certo que as instituições religiosas Cristãs de facto exigiam enormes recursos financeiros, no entanto estas instituições estavam a substituir as instituições pagãs que recebiam enormes doações (que foram sendo progressivamente confiscadas). Logo, a ascensão das organizações Cristãs parece ter envolvido de forma geral uma transferência de bens de religião para religião, e não um desvio de verbas dos cofres seculares.

Semelhantemente, mão-de-obra perdida para o claustro parece ter sido mínima – talvez na ordem de alguns milhares de indivíduos – algo que dificilmente constitui uma quebra maciça na mão-de-obra do império. Uma porção da aristocracia abdicou da sua riqueza e do seu poder em favor duma vida de devoção Cristã – um número insignificante quando comparado com o número de pessoas que escolheu servir a burocracia imperial.

Será que o Cristianismo fragilizou a unidade ideológica do Império?

Não; na verdade, a religião e o império agiram para favorecer a unidade, com o Deus Cristão colocado como Aquele que atribuía ao Imperialismo Romano uma missão de conquistar, converter e civilizar o mundo. Os imperadores eram visto como escolhidos a dedo por Deus, e, desde logo, impregnados com um estatuto sagrado. A rejeição do Império era uma posição marginal junto dos pensadores Cristãos.

Será que as discussões doutrinárias entre os Cristãos enfraqueceram o Império?

Mais uma vez, há poucas evidências em favor desta posição. Certamente que as histórias da época eram dominadas por disputas teológicas, dando desde logo uma impressão dum frenesim e dum desacordo religioso. Isto prende-se com o facto das fontes deste período serem em larga medida histórias da Igreja. Isto seria como depender das memórias de Fred Phleps para se obter uma história fiel dos Estados Unidos durante o século 20. Na realidade, os historiadores mais seculares tais como Ammianus Marcellinus quase que nem menciona as disputas doutrinárias. Ocorreram ocasionalmente tumultos de grandes proporções mas estes estavam essencialmente confinados entre os bispos.

Resumindo, a Cristianização parece ter sido efectivamente subsumida dentro das estruturas do Império, e muitos historiadores alegam que ela agiu como um efeito estabilizador. Portanto, a teoria de Gibbons foi totalmente invertida.

O que dizer da segunda teoria? Será que a ascensão do Cristianismo causou um mal-estar na cultura intelectual, causando uma idade das trevas científica?

Sem sombra de dúvidas que houve um declínio no conhecimento científico no Império Romano Ocidental à medida que ele entrava em colapso, mas as raízes disto são profundas e podem ser rastreadas até ao Romanos pagãos. Depois de 200 A.C. passou a existir um contacto cultural frutífero entre os Gregos e as bilingues classes altas Romanas. Isto introduziu no Império Romano uma versão da tradição clássica mas só uma escassamente popularizada versão é que foi traduzida para o Latim.

O bilinguismo e as condições para estudos entraram rapidamente em declínio depois de 180 AD à medida que o império entrou na crise do 3º século. O caos deste século causou uma perturbação junto das infraestruturas educacionais e a divisão do império em dois causou a que o conhecimento do Grego entrasse em declínio no ocidente. Os cidadãos Romanos que se estavam a tornar gradualmente Cristãos encontravam-se portanto, limitados a pedaços da tradição clássica que havia sido explicada e sumariada pelos autores Latinos.

Depois disto, a cultura intelectual entrou em declínio dramático no ocidente devido ao colapso do controle centralizado neste mesmo ocidente, consequência dos ataques dos bárbaros, do declínio na alfabetização e da perda do Grego, da redução do comércio, da queda acentuada na densidade populacional, e devido à dimensão da destruição. Entre o século 4º ao século 11º, o Império Ocidental foi varrido por bárbaros Germânicos e Nórdicos, o que causou a destruição de toda a infraestrutura Imperial.

Enquanto isso, a mais rica e completa versão da tradição clássica caiu nas mãos dos muçulmanos à medida que eles se expandiam rapidamente pela Ásia e pelo Mediterrâneo. Depois disto, esta tradição foi traduzida para o arábico, desenvolvida ainda mais, e transladada do Norte de África para a Espanha. Mal a Europa Ocidental se recuperou de modo suficiente, os seus intelectuais viajaram para Espanha para traduzir o material e trazê-los para a cultura medieval.

Será que havia uma corrente anti-intelectual na cultura Cristã primitiva que causou a que ela fosse um ninho de sentimentos anti-científicos?

Aqui, o exemplo mais citado é Tertuliano, que famosamente disse “O que é que Atenas têm haver com Jerusalém?” em oposição acesa à tradição clássica. No entanto, e de modo geral, esta posição contra-cultural era minoritária e ela perdeu a sua posição para aqueles como Justino Mártir, que buscou pontos comuns entre a filosofia clássica e o Cristianismo, e (mais importante ainda) Agostinho de Hipona.

Agostinho, embora tivesse sido ambivalente em relação ao conhecimento Grego, aplicou-o vigorosamente nos seus textos relativos às Escrituras, e surgiu com a ideia da largamente influente “fórmula da serva” onde a filosofia natural poderia ser útil na interpretação da Bíblia. (Obviamente que hoje em dia todos nós acreditamos que – em princípio – a ciência deveria ser estudada para o seu próprio bem, mas esta posição haveria de ter sido estranha no mundo clássico onde ela se encontrava subordinada à ética e ao empreendimento filosófico mais abrangente). A fórmula da serva foi usada durante toda a Idade Média como justificação para a investigação da natureza.

Em última análise, a segunda teoria falha porque o Cristianismo é a mais importante estrutura intelectual dentro da qual sobreviveu a cultura antiga-tardia. Longe de serem broncos intelectuais, parece que os Cristãos estiveram tão interessados na filosofia, na ciência, e na medicina Gregas que eles as preservaram através dum processo laborioso de cópia manual. Isto inclui as obras de Euclides, Ptolomeu, Platão, Aristóteles, Galeno, Simplício e muitos outros, incluindo umas espantosas 1,500 páginas de comentário em Grego de Aristóteles, feitos entre o 2º ao 6º século AD. As obras médicas de Galeno são 1/5 de todo o corpo de conhecimento Grego que sobreviveu ao tempo – cerca de 2 milhões de palavras copiadas à mão e preservadas através dos séculos.

Claro que algumas pessoas podem alegar que os Cristãos deveriam ter preservado mais obras de “cientistas” antigos – por exemplo, as palavras perdidas de Neocles de Kroton (que alegou que os sapos têm dois corações – um venenoso e outro saudável – e que a lua era habitada pelo Leão de Neméia). Para lidar com isto, idealizei um “Campo de Treino da Idade Média” onde os críticos serão forçados a usar um hábito dum monge e copiar para um papiro, e à mão, o livro ‘A short History of nearly everything’ de Bill Bryson, ao mesmo tempo que figurantes vestidos de bárbaros vão destruindo todas as suas coisas.

Conclusão:

As duas teorias que tentam atribuir culpas ao Cristianismo falham por falta de evidências. Elas ainda persistem devido ao seu ilustre pedigree, e devido ao facto das pessoas insistirem que o passado se ajuste ao enquadramento moderno.

http://goo.gl/mXIKc6

————————

(Tim O’Neill responde à mesma questão:)

Não, o Cristianismo não causou a “Idade das Trevas”.

Actualmente, o período conhecido como a “Idade das Trevas” é normalmente usado em referência à Baixa Idade Média (embora alguns escritores populares erradamente usem o termo “Idade das Trevas” como sinónimo geral para a Idade Média, algo que os historiadores deixaram de fazer há muito tempo). Este é o período que vai desde cerca de 500 AD até a 1000 AD, onde a Europa Ocidental atravessou por um período longo de fragmentação política, invasões externas, conflitos internos, colapso do comércio de curta e longa distância, colapso da economia, colapso das infraestruturas e colapso da educação.

A ideia do Cristianismo a causar ou a contribuir de modo significativo para a queda do Império Ocidental há já muito tempo que foi abandonada pelos historiadores modernos. Claramente, o Cristianismo não foi um factor significante visto que, ao mesmo tempo que o Império Ocidental entrava em colapso, o igualmente (ou mais ainda) Cristão Império do Oriente continuou durante mais 1000 anos sem entrar em colapso e sem qualquer “Idade das Trevas”. (…)

Por mais que esteja de acordo com a agenda de alguns desajeitados zelotas anti-Cristãos alegar que o Cristianismo causou a “Idade das Trevas”, este é um ataque baseado num fraco conhecimento da História. Longe de ter sido a causa, o Cristianismo foi a única instituição que, durante este período, preservou os fundamentos do conhecimento e encapsulou a filosofia e o estudo da lógica e o profundo respeito pelo aprendizado, incluindo o aprendizado com origem pagã, no seu curriculum.

Consequentemente, quando a Europa emergiu  dos séculos medievais iniciais de caos e invasões, foram os homens de igreja que buscaram os livros perdidos de Aristóteles, Platão, Arquimedes e Ptolomeu, e deram início a um renascimento no conhecimento e na investigação que iria levar ao método científico e à ascensão do Ocidente.

Os descrentes mais inteligentes evitam análises históricas erróneas motivadas pela emoção e não pela análise objectiva e racional das evidências.

About Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
This entry was posted in Biologia and tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to O Cristianismo causou a “Idade das Trevas”?

  1. carlos cardoso says:

    Aqui há umas semanas o artigo “A ciência durante a Idade Média” defendia a teoria que a idade das trevas medieval não passava de um mito. Agora já se admite que existiu essa “deterioração cultural e económica que ocorreu na Europa Ocidental depois da queda do Império Romano” mas diz-se que não foi provocada pelo cristianismo. Afinal em que ficamos?
    Não me parece que o artigo de hoje tenha provado que Gibbons estava errado quando afirmou que o cristianismo “teve alguma influência no declínio e na queda do Império Romano”, mas isso parece-me pouco importante. O que seria importante demonstrar também não é se o cristianismo ajudou a preservar a ciência e a cultura clássicas (o que obviamente fez através dos copistas nos mosteiros) mas qual foi a sua influência na estagnação científica, cultural e económica que se verificou na Europa Ocidental, pelo menos entre os séculos V e X.

    Like

    • Lucas says:

      Aqui há umas semanas o artigo “A ciência durante a Idade Média” defendia a teoria que a idade das trevas medieval não passava de um mito. Agora já se admite que existiu essa “deterioração cultural e económica que ocorreu na Europa Ocidental depois da queda do Império Romano” mas diz-se que não foi provocada pelo cristianismo. Afinal em que ficamos?

      Ficamos com o que já lá está escrito:

      1. A Idade das Trevas não foi o vazio intelectual e científico que os historicamente ignorantes pensam que foi

      2. Depois da queda de Roma (o princípio da Idade Média) houve sim uma queda do conhecimento, e o texto explica porquê:

      “Este é o período que vai desde cerca de 500 AD até a 1000 AD, onde a Europa Ocidental atravessou por um período longo de fragmentação política, invasões externas, conflitos internos, colapso do comércio de curta e longa distância, colapso da economia, colapso das infraestruturas e colapso da educação.”

      Portanto, as duas frases estão correctas.

      Não me parece que o artigo de hoje tenha provado que Gibbons estava errado quando afirmou que o cristianismo “teve alguma influência no declínio e na queda do Império Romano”, mas isso parece-me pouco importante.

      Gibbons está errado quando afirma que o Cristianismo teve uma influência no declínio e na queda do Império Romano. Uma evidência muito forte é que o Império Romano do Oriente, igualmente Cristão, continuou a existir por mais mil anos. Se o Cristianismo teve influência no fim do Império Romano do Ocidente, porque é que o mesmo Cristianismo não fez o mesmo com o Império Romano do Oriente?

      O que seria importante demonstrar também não é se o cristianismo ajudou a preservar a ciência e a cultura clássicas (o que obviamente fez através dos copistas nos mosteiros) mas qual foi a sua influência na estagnação científica, cultural e económica que se verificou na Europa Ocidental, pelo menos entre os séculos V e X.

      Nenhuma.

      “A ideia do Cristianismo a causar ou a contribuir de modo significativo para a queda do Império Ocidental há já muito tempo que foi abandonada pelos historiadores modernos. Claramente, o Cristianismo não foi um factor significante visto que, ao mesmo tempo que o Império Ocidental entrava em colapso, o igualmente (ou mais ainda) Cristão Império do Oriente continuou durante mais 1000 anos sem entrar em colapso e sem qualquer “Idade das Trevas”.”

      Como diz o ateu Tim O’Neill:

      “Os descrentes mais inteligentes evitam análises históricas erróneas motivadas pela emoção e não pela análise objectiva e racional das evidências.”

      Like

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s