Como é que Noé conseguiu colocar todos aqueles animais dentro da Arca?

Assumindo erradamente que não há resposta para seu desafio, por vezes acontece os crentes evolucionistas fazerem aos Cristãos a pergunta que serve de título ao post. Na verdade, a Bíblia e a ciência têm resposta para este “desafio”.

A resposta centra-se em dois pontos fulcrais: o número de animais e a dimensão da Arca. Regra geral, e como eles são bastante ignorantes no que toca às alegações Bíblicas, os evolucionistas e os seus idiotas úteis ["Cristãos" que não aceitam o que Deus disse sobre o Dilúvio] não sabem quais os animais que se encontravam na Arca, e nem sabem a dimensão da mesma.

Não foi preciso levar um par de todas as espécies presentes na Terra na altura, mas sim, apenas os que retiravam o oxigénio directamente do ar (“E de toda a carne, em que havia espírito de vida” – Génesis 7:12) e só os que viviam sobre a Terra (“toda a carne que se movia sobre a terra” – Génesis 7:21). Portanto, os peixes não entraram na arca uma vez que eles respiram o oxigénio presente na água. As baleias e os golfinhos, embora respirem o ar, não são terrestres.

Os peixes e as baleias sobrevivem debaixo da superfície da água, embora alguns tenham morrido durante o Dilúvio quando os sedimentos e outro entulho contaminaram a água. Isto confirma-se através dos fósseis enterrados durante o Dilúvio e descobertos pelos cientistas. Muitos deles claramente demonstram terem sido enterrados rapidamente – e não durante os mitológicos “milhões de anos” (necessários para a evolução).

Uma vez que eles não possuem narinas (Génesis 7:22) e podem muito bem sobreviver os dilúvios flutuando em vegetação ou outro tipo de superfície que se encontre sobre as águas. os insectos também não foram recolhidos para dentro da Arca. No entanto. de certeza que um ou outro insecto conseguiu entrar dentro da Arca e procriar dentro das suas instalações.

Devido a isto, podemos ter a certeza que isto reduz o número de animais presentes dentro da arca. Mas quantos eram?

Tomemos o exemplo dos cães: será que Noé teria que levar (por exemplo) dois pastores alemães, dois poodles, dois doberman, dois pitbull e assim por diante? Não; tudo o que ele precisava de fazer era levar um par de cães – algo parecido a um lobo, contendo muito mais variação genética. Nós sabemos que algumas variedades de cães actuais foram produzidas a partir dum cão com a aparência dum lobo em apenas alguns milhares de anos.

Convém ressalvar que esta modificação dum cão com a aparência dum lobo para os cães actuais não é evolução micróbio-para-humano mas sim variação dentro do tipo criado. A frase “segundo a sua espécie” (ou tipo) aparece cerca de 10 vezes em Génesis. Portanto, actualmente, nós temos um maior variação de animais do que aquela que Noé tinha dentro da Arca, e durante os últimos 4500 anos (contando desde a altura do Dilúvio) eles diversificaram-se bastante.

O número de animais presente na Arca depende muito do significado Bíblico para o termo “tipo”. No seu livro “Noah’s Ark: A Feasibility Study“, o Dr Woodmorappe calculou que o número de animais seria na ordem dos 16,000, assumindo que o “tipo” Bíblico é mais ou menos o equivalente ao actual grupo de animais aos quais damos o nome de “género”. No entanto. se o “tipo” Bíblico é equivalente ao grupo denominado como “família”, então a Arca teria cerca de 2,000 animais. O termo certo provavelmente centra-se entre um e o outro.

Levando isto em conta, podemos observar que os animais seriam confortavelmente instalados em pequenas divisões uma vez que a maioria dos animais é pequena – em média, do tamanho do coelho actual. Os animais de maiores dimensões, tais como os dinossauros, começam a sua vida com dimensões reduzidas. Ao se seleccionar as criaturas que iriam repopular a Terra, faria sentido escolher aqueles que eram jovens e saudáveis, em detrimento dos velhos e maduros.

E as dimensões da Arca? Ela era enorme, com a capacidade para transportar mais de 120,000 ovelhas. Portanto. havia espaço suficiente para os animais, para a comida e água, e para Noé e a sua família.

No entanto, por maior que a Arca fosse, havia uma coisa que não cabia dentro dela: pessoas com falta de fé na Palavra de Deus. Essas pessoas, que eram a esmagadora maioria [tal como o são hoje em dia], ficaram do lado de fora (do lado da descrença), e pereceram. Num futuro cada vez mais próximo, os descrentes irão perecer por se recusarem [mais uma vez] a ouvir os avisos da Palavra de Deus, a Infalível Bíblia.

Mas, quanto aos tímidos, e aos descrentes, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos devassos, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.

Revelação 21:8


About these ads

Sobre Mats

"Posterity will serve Him; future generations will be told about the Lord" (Psalm 22:30)
Esta entrada foi publicada em Geologia com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

42 respostas a Como é que Noé conseguiu colocar todos aqueles animais dentro da Arca?

  1. Lord Saga diz:

    “Assumindo erradamente que não há resposta para seu desafio”

    Isso aqui é curioso mesmo, quem faz a tal pergunta não tem interesse em ser respondido, posto que ele ignorará qualquer tipo de resposta que se dê.

    A intenção não é sincera. Ele assume que não existe resposta e ponto final. Ele não tá perguntando, ele tá AFIRMANDO que seria impossível.

    Gosto

  2. daus diz:

    Não esqueça que em nenhum lugar na bíblia é especificado que os animais eram adultos ok?

    Gosto

    • lenielson diz:

      adoraria saber como um casal de leões ia sobreviver sem a assistencia de adultos, alias o que eles comeram depois que sairam da arca?

      Gosto

      • Azetech diz:

        Lenielson

        adoraria saber como um casal de leões ia sobreviver sem a assistencia de adultos, alias o que eles comeram depois que sairam da arca?

        Olha o Anacronismo denovo ai genteeeeee… rsrsrsrsrs ;-)

        Quem disse que os TIPOS BÁSICOS dos Felinos (Que originaram os Leões) eram frágeis e que disse que eram CARNÍVOROS, no PERÍODO pós-Dilúvio?

        São comentários como estes que me fazem pensar que muitos de vocês, faltaram as aulas de história. Será que não aprenderam que comparar eventos históricos com a realidade de hoje é um ERRO?
        O Passado deve ser comparado com a realidade e o cenário do PASSADO, e não de Hoje.

        Gosto

      • Lucas Rodrigues diz:

        Azetech se eles não eram carnívoros, como iriam sobreviver sem as plantas?

        Gosto

      • Os animais e os humanos tinham a mesma alimentação como diz o relato de preparação para o dilúvio: “Quanto a ti, toma para ti toda sorte de alimento que se come; e tens de ajuntá-lo a ti e terá de servir de alimento para ti e para eles”, o que parece referir-se a alimento do reino vegetal para os humanos e para os animais levados para dentro da arca. (Gên 6:21) Após o Dilúvio, Jeová permitiu ao homem incluir carne na sua alimentação, dizendo: “Todo animal movente que está vivo pode servir-vos de alimento. Como no caso da vegetação verde, deveras vos dou tudo. Somente a carne com a sua alma — seu sangue — não deveis comer.” — Gên 9:3, 4. Logo, depois do dilúvio, tantos os humanos, assim como alguns animais passaram a se alimentar de carne, o que até o momento eram todos vegetarianos.

        Gosto

  3. UM POUCO MAIS DA ESTÓRIA DE NOÉ

    A ARCA DE NOÉ E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

    Há muito anos atrás (período do Regime Militar / Brasil), circulou um artigo que tinha como título “A Arca de Noé”.
    Nele era contada uma pequena estória. Nela o planeta passava por uma fase muito complicada e, para resolvê-la, um tal Noé resolveu construir uma grande arca de modo a colocar um casal de cada ser vivo e, quando o dilúvio chegasse, este grupo sobreviveria para repovoar o planeta.
    A estória evolui com a intervenção de um grupo de “iniciados” que aceitaram a idéia, mas consideraram que este era um empreendimento de grande porte e, desta forma, não poderia ser simplesmente conduzido por tal Noé. Seria necessário estruturar um empreendimento que pudesse conduzir a complexidade da construção da arca. Mudaram, de imediato, o nome do projeto que passou a se chamar “Arca das Mudanças Climáticas”.
    Os “iniciados” começaram a estruturação do empreendimento: eleição de presidente, diretorias, assessorias, núcleos de pesquisa, contratação de especialistas, secretárias, motoristas, sede própria e sedes descentralizadas em diferentes locais do planeta, enfim, o imprescindível para que um grande empreendimento pudesse ser desenvolvido sem risco.
    As tarefas foram divididas em vários Grupos de Trabalho, com reuniões realizadas não nas regiões do planeta onde eram inevitáveis os primeiros efeitos do dilúvio, mas sim em lugares aprazíveis onde os grupos pudessem trabalhar em condições adequadas a importância do projeto.
    Inevitável, estes grupos acabaram se dividindo entre “prós e contras” e cada um deles, sem se preocupar com o dilúvio a caminho, resolveram ignorar a variável tempo, consumindo o tempo disponível em apresentar estudos e pesquisas que reforçassem as suas posições. Isso demandou uma grande quantidade de recursos, que foram logo disponibilizados pelos países mais ricos do planeta.
    Surgiram especialistas, políticos especialistas, agentes de financiamento especialistas, centros de pesquisa especializados, típicos do entorno de operação de um grande empreendimento.
    Sendo muito especializadas, de imediato a sociedade foi relegada a um segundo plano, dado que, na visão do projeto, apenas um casal de humanos, decidido que seria escolhido entre a alta direção do “Arca das Mudanças Climáticas”. Na verdade, logo no início, as informações foram passadas a sociedade, mas em linguagem complicada que levou a um progressivo afastamento do tema, deixando aos “iniciados” a discussão e decisão sobre o assunto.
    E o tempo foi passando. Países que tinham “madeira” para a construção da arca tentaram impor condições ao andamento do projeto, mas foram logo afastados pelos países que “detinham a tecnologia do corte da madeira”, de modo a, progressivamente, ir reduzindo o tamanho do grupo dos “iniciados”. Foram observadas denúncias (“Arcagate”), mas, para os “não iniciados”, acabou ficando a dúvida de quem realmente tinha à razão.
    Concluindo, passado alguns anos veio o aviso que o dilúvio seria no dia seguinte.
    No empreendimento “Arca das Mudanças Climáticas” um desespero total; perdidos entre muitas alternativas não tinham tido tempo para concluir a arca. Ou seja, era inevitável que o dilúvio seria plenamente fatal para todos do planeta.
    Mas, do alto da torre de trinta andares construída para fazer funcionar o mega projeto, no dia seguinte, quando a água quase cobria o edifício, foi possível ver uma arca de madeira, com os “não iniciados” liderados por um tal Noé, passando ao largo.
    Você já pensou em que grupo está?
    Ainda há tempo para escolher o grupo certo.

    Roosevelt S. Fernandes, M. Sc.
    Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental e Social / NEPAS

    Gosto

  4. Rafael Lopes diz:

    Olá. Desculpe por pastar sem ter uma relação direta com o assunto, mas gostaria de saber se todo conteúdo que vocês pegam e colocam neste site é permitido pelos sites que vocês pegam.
    E também gostaria de saber se eu posso pegar o conteúdo do site de vocês e colocar no meu. Se sim, quais são suas exigências para que me seja permitido isso?
    Dês de já agradeço, o site seu é muito bom e tem aumentado muito meu conhecimento.

    Gosto

  5. A resposta até me parece simples dentro do paradigma do criacionismo da terra jovem:

    Noé, milagrosamente, construiu a arca. Os animais, milagrosamente, entraram na arca em quantidades e qualidades tais que, milagrosamente, quando a arca, milagrosamente, sobreviveu ao dilúvio do qual, milagrosamente, não há quaisquer evidências, tudo voltou à ordem natural das coisas. Milagrosamente.

    Não é preciso procurar mais evidências porque, milagrosamente, tudo foi feito de acordo e com um fim. Milagrosamente.

    Parece-me uma boa explicação para os marsupiais, a volta das bichezas, alimentação das bichezas, especialização das mesmas…..milagrosamente.

    Felizmente o Newton não se ficou pela explicação milagreira e procurou as regras da revoluções dos corpos celestes. O mesmo se diga do arco-iris.

    Teria sido mais simples dizer que os corpos celestes, milagrosamente, andam uns em volta dos outros e que o arco-íris é uma espécie de post-it de Deus e que as cores aparecem milagrosamente.

    Assim não foi.

    No entanto esta explicação do dilúvio é , milagrosamente, coerente com o criacionismo da terra jovem.

    Milagrosamente.

    Enfim…nem sei bem a definição de milagre mas deve ter sido.

    Gosto

    • Azetech diz:

      João de Melo Sousa

      Vejo alguns equívocos em tuas afirmações.

      Noé, milagrosamente, construiu a arca. Os animais, milagrosamente, entraram na arca em quantidades e qualidades tais que, milagrosamente, quando a arca, milagrosamente, sobreviveu ao dilúvio do qual, milagrosamente, não há quaisquer evidências, tudo voltou à ordem natural das coisas. Milagrosamente

      1º Noé construiu a arca Naturalmente. Não houve nenhum milagre em faze-la, inclusive as medidas estão lá para quem quiser replicar.

      2º Pela estrutura da arca, ela sobreviveu ao dilúvio naturalmente, pois o mesmo possuía a capacidade de flutuar e resistir a fortes ondas. Isso ocorreu devido seus compartimentos, formato e material.

      3º Não só há evidências do dilúvio, como há milhares delas. O registro fóssil é uma evidência, os continentes separados é outra evidência, aos abismos marítimos é outra evidência, fósseis de animais marítimos em áreas desérticas é outra evidência, lagos de águas doces com água salgada acima é outra evidência, enfim… evidências é o que não faltam.

      4º Nem tudo voltou a ordem natural. A estrutura do planeta, assim como sua atmosfera mudou radicalmente, a civilização anterior (pre-diluviana) foi destruída, (sobrando apenas algumas ruínas), O clima uniforme foi destruído, onde diversidades climáticas (áreas desérticas e árticas) passaram a existir e o corpo humano passou a sofrer as consequências maléficas das mutações, seleção natural e entropias genéticas, fazendo-o a sobreviver muito menos.

      O único milagre nesta história realmente foi a entrada dos Baramins (tipos básicos de animais) a arca, onde foram direcionados por Deus. Porém este milagre não se compara aos milagres que vós naturalistas creem, como por exemplo o nada ter a capacidade de geral algo, o acaso e sorte terem a capacidade de gerar a primeira causa que gerou o acaso e sorte (raciocínio circular) mais a suposta “explosão” do universo, o acaso e sorte terem capacidades de gerar precisões matemáticas (presentes nas leis universais), o acaso e sorte ter capacidade de gerar informação codificada aperiódica funcional (presentes no DNA {ou ADN em português Portugal}), o acaso e sorte terem a capacidade de transformar lama em vida em um ambiente ESTÉRIL, e o acaso e sorte terem a capacidade infinita de fazer uma suposta forma primitiva de vida (Last Universal Common Ancestor), inferior a uma ameba, criar olhos e cérebro (ambos com característica de complexidade irredutível) virando humanos.

      Como pode perceber, mesmo que Noé virasse um peixe para sobreviver ao dilúvio, este “milagre” não se compararia aos milagres naturalistas ocorridos pelo acaso e sorte.

      Abraços,

      Diogo.

      Gosto

  6. Diogo:

    Indica UM trabalho cientifico que defenda o diluvio como descrito na Biblia há cerca de 4500 anos.

    O trabalho pode ser em História, Geologia, Física, Química, Biologia, Antropologia ou em qualquer área do saber.

    Trabalho cientifico publicado, revisto por pares e dum instituto certificado, por ex : Universidades Católicas, MIT, Universidade se S.Paulo, etc e etc.

    Posso indicar-te centenas em cada das disciplinas anteriores que são completamente contrárias à mais pálida possibilidade do dilúvio global há 4500 ser verdade.

    Aliás fora do meio criacionista da terra jovem não conheço nenhuma instituição cientifica que aceite o dilúvio. Pelo menos nos últimos 100 anos.

    Se conheces diz……

    Gosto

  7. Azetech diz:

    João

    “””Indica UM trabalho cientifico que defenda o diluvio como descrito na Biblia há cerca de 4500 anos.”””

    Pois não, leia o livro “In the Beginning: Compelling Evidence for Creation and the Flood” ou “Is the Mid Atlantic Ridge Still Spreading?”.
    Terá não apenas trabalhos científicos mas uma TEORIA científica baseada em evidências.

    Em contra partida, consegues citar UM trabalho científico baseado em EVIDÊNCIAS, que defenda a abiogenesis ocorrido por geração espontânea (Acaso+Tempo+Sorte)?
    Consegues pelo menos UMA evidência que o Acaso+Tempo+Sorte conseguiu o “milagre” de criar informação?

    “”””O trabalho pode ser em História, Geologia, Física, Química, Biologia, Antropologia ou em qualquer área do saber.””””

    Ora, mas os livros citados e a teoria das hidroplacas fazem parte destes ramos científicos.

    Em contra partida, consegues citar algum trabalho, em qualquer destes âmbitos, que defendam através de EVIDÊNCIAS, que um ser inferior a uma ameba conseguiu pelo milagroso Sorte+Tempo+Acaso criar OLHOS e CÉREBRO tornando-se HUMANOS?

    Trabalho cientifico publicado, revisto por pares e dum instituto certificado, por ex : Universidades Católicas, MIT, Universidade se S.Paulo, etc e etc.

    Ora, não conhece o instituto discovery? Deveria sair um pouco de teu
    mundo fechado, onde “macacos” viram gente, e enxergar mais a realidade.

    Posso indicar-te centenas em cada das disciplinas anteriores que são completamente contrárias à mais pálida possibilidade do dilúvio global há 4500 ser verdade.

    E destes “milhares” de disciplinas consegue pelo menos encontrar um ÚTIL que pelo menos consiga uma ÚNICA EVIDÊNCIA que um material INORGÂNICO em um ambiente ESTÉRIL, motivado pelo ACASO+SORTE conseguiu produzir VIDA?

    Em TODAS ESTAS consegues pelo menos demonstrar, uma única explicação científica para a PRIMEIRA causa do universo que não seja RACIOCÍNIO CIRCULAR.

    Aliás fora do meio criacionista da terra jovem não conheço nenhuma instituição cientifica que aceite o dilúvio. Pelo menos nos últimos 100 anos.

    E daí? Acha mesmo que religiosos darwinistas, amantes da iniquidade, crentes na “supersorte” que gera informação, transforma LAMA em vida, e creem em amebas virando gente, aceitariam a realidade? Seria o mesmo que dizer para um judeu aceitar Maomé como messias.

    Outra coisa, desde quando uma crença a priori, motivada pela maioria, prova alguma coisa? Na idade média a grande maioria acreditava que a terra era plana porém ela nunca possuiu tal formato.

    Maioria não é nada se não puder PROVAR o que se fala.
    Hoje a maioria dos cientistas são da religião darwinista. Porém mesmo depois de 150 anos, esta religião NÃO CONSEGUIU SE ESTABELECER, e hoje, com o avanço da ciência, ela está se RUINDO.
    (isso explica o terrível pavor que possuem, a teoria do design inteligente)

    Gosto

    • daus diz:

      Ele apela à maioria e à autoridade para invalidar o diluvio, ou seja se tem mais gente contra então não pode ser verdade….

      Gosto

  8. jephsimple diz:

    Sem contar que o método cientifico não inclui “Trabalho cientifico publicado, revisto por pares e dum instituto certificado” ….

    Gosto

  9. Azetech diz:

    Daus

    Ele apela à maioria e à autoridade para invalidar o diluvio, ou seja se tem mais gente contra então não pode ser verdade….

    Exato Daus. A maioria dos crentes darwinistas utilizam esta falácia para justificar a fé que possuem. Muitos por não conseguir comprovar o que creem (Geração espontânea como força geradora do universo e da vida), atacam as opiniões opostas por meio da “maioria” e não por vidências ou comprovações.

    Para se ter base, o simples raciocínio que estes crentes possuem, como o acaso e sorte terem ocasionados a primeira causa no universo, é um raciocínio circular (falácia) pois para haver acaso e sorte, é NECESSÁRIO MOVIMENTO.
    Então o pensamento naturalista funciona da seguinte forma:
    O acaso e a sorte geraram a primeira causa, através da primeira causa que geraram o acaso e sorte, com outras palavras o acaso e sorte SE GERARAM.

    Percebes a falha lógica neste raciocínio? Esta crença JÁ NASCE morta.]
    É uma pena que muitos deixam se cegar por ela.

    Diogo.

    Gosto

  10. Azetech diz:

    Ana Silva

    No meu comentário anterior escrevi:
    “Como disse no meu comentário anterior, e o Diogo não contestou: “Segundo o modelo de Brown [as formações calcárias] resultam da precipitação de cálcio inicialmente dissolvido na água proveniente da câmara subterrânea. Esta definição implica que o calcário teria de ser “puro”, “constituído principalmente por cálcio inorgânico, pontuado por alguns fósseis de animais marinhos”””.

    Agora o Diogo vem dizer que afinal o modelo de Brown já admite que o calcário seja “rochas misturadas com conchas”. Quando o Diogo fala de “conchas” está a referir-se “conchas de micro-organismos e restos de esqueletos de corais e esponjas “? É que se a resposta é sim, teria dado jeito que o Diogo tivesse dito isso no comentário de 11 de Setembro. Não o fez. Não o tendo feito, teria sido simpático que tivesse admitido esse lapso no seu último comentário. Não o fez, novamente.

    Prezada Ana, primeiramente o foco de nosso debate anterior foram as inconsistências do método de datação sobre rochas (que depois de minhas considerações, não replicaste). O assunto da teoria das hidroplacas estavam em segundo plano. Devido este motivo, foquei-me exclusivamente em rochas, dando menos atenção a tuas supostas refutações a teoria.

    Porém a questão levantada sobre as conchas foram respondidas, independentemente do tempo. Qual seria o problema nisso?

    Então pergunto: a teoria das hidroplacas explica ou não porque é que as formações calcárias estão cheias de conchas de micro-organismos e restos de esqueletos de corais e esponjas que só são visíveis ao microscópio?

    Novamente respondendo, SIM. A teoria das hidroplacas deduz o soterramento rápido de alguns seres vivos (gerando os registros fósseis), mistura de materiais inorgânicos com orgânicos (Devido rompimento das camadas inferiores à superiores) e o alagamento de toda superfície terrestre, juntamente com a formação de montanhas (posteriormente a acomodação dos continentes)
    Todas estas propostas acima, foram explanadas detalhadamente por Brown (sendo mais aceita pelos cientistas não naturalistas).

    O Diogo defende que a Ciência nunca conseguira explicar fenómenos que tenham ocorrido sem “testemunhas oculares”? A ser assim, qual a necessidade de uma teoria como a teoria das hidroplacas, que também apresenta explicações para fenómenos que ocorreram sem “testemunhas oculares”?

    Primeiramente, Apenas para a explicação evolucionária, (formação das rochas via seres marítimos) não havia NENHUMA testemunha. No modelo Criacionista Bíblico a testemunha foi NOÉ e sua FAMÍLIA (mais de uma testemunha) descritos detalhadamente em um livro do conjunto de 66 livros. (Genesis)

    Segundo, nada impediria os cientistas históricos inferirem hipóteses sobre as evidências encontradas.

    Porém estas hipóteses geradas por estes cientistas, deverão necessariamente possuir uma crença a priori para sua elaboração.

    A crença a priori de cientistas darwinistas (E sua explicação para a suposta formação da rocha) é baseado em um livro de UM homem, cujo possuía uma “revolta” de Deus (por ter perdido sua filha) e um conhecimento ínfimo sobre o funcionamento de uma simples célula (Acreditando que o mesmo era apenas semelhante a um OVO)
    Este mesmo homem, nem sequer imaginava que a informação era ESSENCIAL para a vida e nem imaginava que organismos vivos por mais “simples” que sejam, são EXTREMAMENTE complexos.

    Já a crença a priori de cientistas criacionistas bíblicos, é baseada sobre um conjunto de 66 livros, escritos em um período de aproximadamente 1600 anos, por mais de 40 autores diferentes, de épocas, culturas e ocupações diferentes: pastores de ovelhas, agricultores, pescadores, reis, médicos, em três idiomas distintos (Hebraico, Aramaico e Grego) que apesar destas diferenças profissionais, culturais, regionais e temporais, estes livros são completamente, coeso e uno.
    Sem contar sua veracidade histórica, e sua confiabilidade literária (terem preservados durante estes longos anos)
    Como pode perceber, para a elaboração de uma hipótese ou teoria, é necessário a FÉ em primeiro lugar.

    Este foi meu ponto.

    Não critico tua fé. podes crer no que bem desejar. Porém para possuir a autoridade para afirmar “A minha fé é a verdade” e a sua é falsa, basear-se apenas em crenças, não provará nada.
    Será necessário comprovações empiricamente comprovadas e leis científicas para refutar uma teoria.
    Como podemos perceber NENHUMA lei científica refuta os 66 livros (Bíblia), porém muitas delas refuta UM único livro (Origem das espécias)

    Infelizmente não tenho nenhuma informação sobre esta camada desaparecida da atmosfera. Não conheço a sua constituição, espessura, ou localização na atmosfera. Não sei qual a radiação filtrada por esta camada. E não sei o que poderá ser capaz de “gerar” uma força capaz de contrarie o peso desta camada sobre o que está por debaixo.

    Primeiramente, tu alegas não possuir nenhuma informação sobre a camada pois não está a procurar em locais corretos.
    De fato bases darwinistas, fundamentadas em um homem, não fornece informações sobre esta camada, porém no conjunto de 66 livros, em especial o primeiro (Gênesis), revela muito bem a característica do planeta pré-catástrofe.

    Segundo, Conheces a frase: “Ausência de evidência não é evidência de ausência”?
    De fato hoje não existe mais esta camada. Ela não é identificada e nem presenciada.
    Porém pelo fato de não presencia-las hoje, não significa que ela NÃO EXISTIU no passado.

    Para comprovar-se sua inexistência, seria necessário EVIDÊNCIAS CONTRÁRIAS que a refuta.

    Como não há evidências contrárias que a refuta, esta hipótese é viável.

    Porém, em contra partida, hoje também não presenciamos pedras gerando vida e informação sendo geradas pelo acaso. (sem contar informações genéticas novas se formando nos seres vivos)
    E além de não observarmos, existem EVIDÊNCIAS e LEIS CIENTÍFICAS CONTRÁRIAS que refutam estas hipóteses.

    Como pode perceber, tudo é um perspectiva de Fé.
    O detalhe é: “Qual destas crenças é a VERDADEIRA”?

    Temos duas visões, uma que é refutada e outra que apenas não possui evidências de sua existência HOJE. Porem segue a questão, qual delas é mais provável de ser verdadeira?

    É uma questão real e directa, sem rodeios. Vi isso referido em dois sites difereentes e só queria confirmar.

    Olha… eu desconheço. Pelo que saiba, a teoria das hidroplacas explica a atual estrutura do planeta HOJE e suas características do PASSADO. Não tenho ciência se a mesma extrapola este âmbito.

    Gosto

  11. max diz:

    Eu queria que alguem me respondesse o seguinte:
    Como Noé colocou os ursos polares, cangurus e os lêmures na arca, sendo que cada um desses animais são encontrados exclusivamente em seus Habitats. Obrigado.

    Gosto

    • Azetech diz:

      Max

      Eu queria que alguem me respondesse o seguinte:
      Como Noé colocou os ursos polares, cangurus e os lêmures na arca, sendo que cada um desses animais são encontrados exclusivamente em seus Habitats. Obrigado.

      Simples, estes animais são encontrados EXCLUSIVAMENTE nestes locais pois em outros locais se tornaram EXTINTOS .
      É como o caso de leões e ursos no oriente médio, onde nos períodos bíblicos existiam, mas hoje não.
      Este teu questionamento deve-se pelo erro muito comum que vocês geralmente fazem quando tentam “refutar” um evento HISTÓRICO descrito na Bíblia, o ANACRONISMO

      Gosto

    • Paulo diz:

      “Eu queria que alguem me respondesse o seguinte:
      Como Noé colocou os ursos polares, cangurus e os lêmures na arca, sendo que cada um desses animais são encontrados exclusivamente em seus Habitats. Obrigado.”

      Além do fator extinção, a Bíblia também explica: “…entraram de dois em dois, [vindo] a Noé para dentro da arca, macho e fêmea, assim como Deus ordenara a Noé.” (TNM -Gênesis 7:9)
      Temos de ter em mente que a força poderosa de Deus estava envolvida no assunto do Dilúvio, de modo que seria muito fácil para Deus direcionar os animais para a arca.
      Sobre os continentes, a separação deles pode muito bem ter ocorrido após o catastrófico Dilúvio, antes disso existindo a conhecida Pangeia.
      Até hoje os continentes continuam se distanciando, porém numa velocidade muito menor do que após o catastrófico Dilúvio.
      Um abraço.

      Gosto

  12. Renan diz:

    Olá. Eu gostaria de saber quais evidências vocês tem para saber se a bíblia é verdadeira ou não. O que eu quero dizer é o seguinte: no criacionismo parece que vocês estão com uma toalha molhada, espremendo ao máximo para fazer sair alguns pingos para encher um balde, enquanto a ciência vem com uma vasilha inteira e quase consegue fazer o balde ficar cheio. Minha analogia se refere ao fato de que no criacionismo me parece que primeiro as conclusões são tomadas com base em um relato escrito, e depois há a busca de evidências, nas quais qualquer pequena similaridade ou coincidência com alguma “verdade” bíblica. Na ciência, é feito o correto: primeiro as evidências, depois as conclusões. E se a bíblia estiver errada, e essas pequenas evidências ou fatos que vocês defendem na verdade dão respaldo a outra história, outra “verdade”? Porque vocês acreditam num relato feito por pessoas facilmente impressionáveis? Se eu escrevesse um livro falando que outra pessoa ou eu ressuscitei, e que sou filho de Deus, vocês acreditariam? Se não, então porque acreditar na bíblia? Eu não questiono a moral religiosa, pelo contrário: eu acho que, filtradas as coisas ruins (o que já é feito) a bíblia possui um código de moral bem construído. Mas ainda assim o extraordinário requer evidências extraordinárias, o que um relato escrito não o é.

    Gosto

    • Azetech diz:

      Renan

      Olá. Eu gostaria de saber quais evidências vocês tem para saber se a bíblia é verdadeira ou não.

      As evidências são fundamentadas em alguns pilares:

      1º Confirmação histórica dos relatos e profecias descritas
      2º Coesão literária do conjunto de 66 livros como se fosse uma só
      3º Veracidade histórica da ressurreição de Jesus Cristo
      4º Confirmação empírica (feita de modo pessoal) das promessas feitas pelo próprio Cristo

      O que eu quero dizer é o seguinte: no criacionismo parece que vocês estão com uma toalha molhada, espremendo ao máximo para fazer sair alguns pingos para encher um balde, enquanto a ciência vem com uma vasilha inteira e quase consegue fazer o balde ficar cheio.

      Esta tua impressão deve-se pelo fato de não compreender corretamente o sentido de ciência e uma crença filosófica.
      Com isso, seus sentidos ficam parciais e tua visão encoberta.
      Como podemos perceber, os DADOS científicos CORROBORAM os relatos bíblicos, e o que se choca com ela, são PRESSUPOSIÇÕES TEÓRICAS (sem NENHUMA COMPROVAÇÃO) feito na majoritariamente pelos naturalistas crentes em Darwin.
      Com outras palavras, nós criacionistas temos os DADOS científicos a nosso favor e vocês naturalista possuem APENAS o CONSENSO a seu lado.
      Como na ciência, o que predomina são os DADOS, o consenso é irrelevante.

      Minha analogia se refere ao fato de que no criacionismo me parece que primeiro as conclusões são tomadas com base em um relato escrito, e depois há a busca de evidências, nas quais qualquer pequena similaridade ou coincidência com alguma “verdade” bíblica.

      Isso ocorre pois desconhece a diferença entre criacionismo científico e criacionismo bíblico. O criacionismo bíblico de fato parte do pressuposto bíblico, porém o criacionismo científico não possui este mesmo pressuposto.

      Na ciência, é feito o correto: primeiro as evidências, depois as conclusões.

      Concordo. porém certos crentes no darwinismo ignoram as vidências e creem em algo JÁ REFUTADO pela ciência. Por exemplo, a Abiogênese, acaso gerando informação e Macro-evolução foram refutados a muito tempo. Mesmo assim, crentes fanáticos ignoram os fatos e tentam a todo custo sustentar a fé.

      E se a bíblia estiver errada, e essas pequenas evidências ou fatos que vocês defendem na verdade dão respaldo a outra história, outra “verdade”?

      A VERDADE é uma só, e se a bíblia estivesse errada nossa REALIDADE não existiria.

      Porque vocês acreditam num relato feito por pessoas facilmente impressionáveis?

      Porque achas que autores bíblicos são facilmente impressionaveis?

      Se eu escrevesse um livro falando que outra pessoa ou eu ressuscitei, e que sou filho de Deus, vocês acreditariam?

      Se fizesse milagres, fosse morto na frente de todos, e depois ressuscita-se, e interagisse ainda hoje com seu povo, não precisaria escrever um livro para enxergar-mos o fato.

      Se não, então porque acreditar na bíblia?
      Queres comparar tu com Deus?

      Mas ainda assim o extraordinário requer evidências extraordinárias, o que um relato escrito não o é.

      Quer evidências mais extraordinárias do que a complexidade do próprio universo e da vida? Somente com muita fé cega não enxergaria estas evidências.

      Gosto

  13. João Paulo diz:

    Azetech, eu gostaria realmente que me desse uma resposta sobre uma questão. Sou cristão, e convicto na fé do Criacionismo, porém, recentemente, houve uma discussão nas redes sociais acercada entrevista de Silas Malafaia ao programa de Maria Gabriela. Um geneticista brasileiro, fez questão de publicar um vídeo mostrando fatos irrefutáveis à favor da contra-argumentação das premissas de Silas. E ao fim do vídeo, ele apontou um conteúdo intitulado “15 jóias da evolução”, que pode ser encontrando neste link: http://evolucionismo.org/profiles/blogs/15-joias-da-evolucao . E que, indubitavelmente, se baseia muito fortemente em suas afirmações. Sei que a discussão aqui em pauta, é ligada à Arca de Noé, mas vi que suas bases e forma de argumentar é muito sólida, por isso gostaria que mostrasse os contra-argumentos dessas “15 jóias”, para que eu possa me manter firme na convicção do criacionismo. Eu, como um humano normal, tenho minhas fraquezas e dúvidas, e dificilmente me fundamentaria em uma mentira comprovada, por isso é muito importante, para valor de fé, que você se dispusesse a me ajudar com essa dúvida, e agradeço desde já.

    Gosto

    • Azetech diz:

      João Paulo
      Olá Meu irmão, tudo bem?
      Entrarei no site, estudarei os argumentos.
      Depois de lido, postarei as refutações.

      Abraços,
      Diogo.

      Gosto

    • Azetech diz:

      João Paulo

      Irmão, analisei as “jóias” da evolução, apresentado pelo crente darwinista e percebi que utilizou argumentos não diferente dos que vem apresentados.
      Como o assunto é extenso, explanarei resumidamente os argumentos e indicarei a tí estudos criacionistas que refutam as idéias apresentadas.

      Os pontos que ele apresenta são:

      JOIAS DO REGISTRO FÓSSIL
      1. Ancestrais terrestres das baleias
      2. Da água para a terra
      3. A origem das penas
      4. A história evolutiva dos dentes
      5. A origem do esqueleto dos vertebrados

      JOIAS DOS HABITATS
      6. Seleção natural na especiação
      7. Seleção natural em lagartos
      8. Um caso de coevolução
      9. Dispersão diferencial em aves selvagens
      10. Sobrevivência seletiva em lebistes selvagens
      11. A história evolutiva é importante

      JOIAS DE PROCESSOS MOLECULARES
      12. Os tentilhões das Galápagos e Darwin
      13. Microevolução vai ao encontro da macroevolução
      14. Resistência a toxinas em serpentes
      e em clame-da-areia
      15. Variação versus estabilidade

      Ponto 1: JOIAS DO REGISTRO FÓSSIL
      Bom, a base argumentativa do autor, nos 5 tópicos decorrentes, referente a este ponto, resumiram-se em dois pilares:
      1º Escala de Tempo Geológico com base Naturalista
      2º Interpretação morfológica dos seres com base Darwinista.

      1º Refutação referente a Escala de Tempo Geológico.
      Peço para que entenda melhor, lendo os conteúdos destes dois links:
      º Inconstância do modelo darwinista – http://www.scb.org.br/palestras/AROTH.htm
      º Coluna Geológica pelo modelo criacionista: http://sociedadecriacionistapiauiense.blogspot.com.br/2009/05/verdade-por-tras-da-coluna-geologica.html

      Analisando a inconsistências e o modelo criacionista (muito mais plausível), podemos perceber que a “certeza” darwinista na “ampulheta natural” é falsa.
      Isso ocorre pois as colunas não foram formadas em grandes períodos de tempo, mas sim em um período curto (1 ano)
      Porém a técnica estratigráfica está totalmente errada? Não.
      Ela possui uma tolerância de confiabilidade, porém esta tolerância é de que a estratigrafia é válida ATÉ o dilúvio universal, ou seja, até aproximadamente 5000 anos atrás.
      O que isso significa? Que o dilúvio formou as colunas e posteriormente o clima fez logo em seguida. (por exemplo as cidades escavadas pelos arqueólogos)
      Devemos lembrar que satánás utiliza-se de um raciocínio sofista para nos enganar, ou seja, utiliza MEIA-verdade e a completa com mentira.

      2º Refutação referente a Interpretação morfológica dos seres
      Esta é outra técnica muito utilizado pelos crentes darwinistas ao tentarem simbolizar características semelhantes para justificar uma suposta descendência.
      Como ocorre? Da seguinte forma:
      Os crentes darwinistas, analisam os fósseis dos animais mortos no dilúvio. Logo após ele pegam as supostas camadas que estiveram, analisam seus aspectos morfológicos e os classificam de acordo com suas APARÊNCIAS.
      quais são os problemas deste tipo de raciocínio?
      A análise dos seres fossilizados, foram demonstrados que de um suposto “ancestral” para ou outro, houve-se uma “EXPLOSÃO” em sua características (como a cambriana, por exemplo), ou seja, não há fósseis transicionais.
      Ou seja, não há NENHUMA EVIDÊNCIA de um ser com um meio branquia e meio pulmão (“branquilmão), ou meio pata e meio asa (“Patasa”) por exemplo. Tudo que eles possem são seres com estes órgãos já formados e funcionais.
      Na teoria, estes seres intermediários deveriam ser INFINITAMENTE SUPERIORES em quantidade do que os seres completos. Porém NENHUM foi encontrado que se enquadra-se a esta característica.
      E também se esquece que até mesmo hoje existem animais que compartilham características similares uns com os outros ( O Ornitorrinco por exemplo)

      Em suma, o que eles fazem é analisar as características similares e supor (embasado na fé darwinista) que um descendeu do outro.
      Porém se HOJE, eu analisar TODAS as espécies existentes, em uma suposta cadeia de complexidade, poderia facilmente fazer suposta descendência entre os animais, por exemplo:
      Imaginemos uma suposta cadeia evolutiva do homem, SOMENTE com os animais existentes hoje:
      Começaria pelo sagui. Depois colocaria a seu lado um macaco prego, dizendo que o sagui foi seu ancestral. Depois colocaria a seu lado macaco um pouco maior que o anterior, dizendo que o anterior era ancestral deste. Depois pegaria todos primatas colocando um uma fila indiana, considerando aparência, e na última ponta colocaria o homem, dizendo que ele é o topo da evolução.
      Entendeu? O que eles fazem é exatamente isso. Porém no lugar de utilizar animais contemporâneos, utilizam animais EXTINTOS.

      Continua….

      Gosto

  14. João paulo e Azetech:

    Boa sorte!

    O método até é simples. Está lá a bibliografia e todas as informações sobre os fósseis, a metodologia, etc e etc.

    É fácil de consultar e todas as fontes são acessíveis e de fácil acesso.

    É só imaginar – e fundamentar . uma teoria que melhor explique os dados e já está.

    Parece simples mas não é. Dá imenso trabalho. É muito mais simples fazer artigos de opinião tipo a evolução não pode ser verdade porque parece que a datação por carbono 14 não funciona e blá blá bla´-

    Fazer um artigo, fundamentado, que nos permita perceber melhor o que se passou está fora do âmbito do criacionismo da terra jovem.

    Era necessário rigor, apresentar os resultados publicamente para análise, apresentar evidências, etc e etc.

    Agora se conseguirem apresentar um paper -sério – com dados passíveis de serem verificados e que contrarie tudo isto eu revejo e ficamos todos ricos e famosos.

    Eu não tenho grande fé que consigam. Se conseguirem cá estou….

    Gosto

  15. Azetech diz:

    lenielson

    isso aqui é mentira, existe uma replica exata da arca e ela nem flutua e nem resiste a ondas e tempestades.
    e definitivamente não cabem nem 10 mil animais dentro dela.

    Logo de cara percebemos DOIS erros anacrônicos grotescos e uma especulação sem NENHUMA evidência:

    1º Como se reproduz uma réplica exata HOJE (com as condições atmosféricas, resistência das madeiras, etc.. ATUAIS) com a época do dilúvio (condições atmosféricas, resistência das madeiras, etc.. DIFERENTES) ?

    2º Quem disse que na arca, haviam os animais em toda sua especiação de HOJE? No periodo do dilúvio, haviam APENAS os TIPOS BÁSICOS de animais. (estude sobre Baraminologia e entenderá o que estou a falar)

    3º ONDE está esta suposta réplica idêntica que “afundou”? Cadê as fontes?
    Agora, ao contrário de ti que efetua especulações sem NENHUMA fonte, farei citações de pessoas que ENTENDEM DO ASSUNTO, e suas opiniões a respeito e o principal AS FONTES:

    º Engenheiro Naval D. Collins concluiu: “A arca de Noé era extremaente estável, mais estável, na verdade que os navios modernos” (Was Noah’s ark stable? CRSQ, 14, Sep. 1977)

    º Professor de engenharia hidráulica e presidente do departamento de engenharia civil do Instituto Politécnico de Virgínia (EUA), Dr. Henry Morris, mostrou que o tamanho e desenho da arca fariam com que ela fosse estável, capaz de suportar o ataque violento do dilúvio (The Ark of Noah. Creation Research Society Quarterly, VIII, 1971, pp 142-144).

    º Cientista Britânico Frederick A. Filby atribui a estabilidade da arca à perfeição das medidas da razão entre o comprimento e a largura (de 6×1) (the flood Reconsidered, p. 93)

    º Projetista do petroleiro Great Britain, que tinha medidas quase exatamente iguais a da Arca, I.K. Brunel, afirma ter tirado tais medidas do acumulo de conhecimento de gerações de armadores navais, dos quais , a arca foi o primeiro barco dessa espécie” (Idem, p.93)

    Gosto

  16. BRUNO diz:

    como sobreviveram os peixes de água doce e/ou salgada? um meio termo entre doce e salgada mataria os dois tipos de peixes, se fosse só salgada os de água doce morreriam, se fosse só doce os de água salgada morreriam. a não ser que existisse só espécies de água doce ou só de água salgada, mas acho que não por que já existiam o rio Nilo e Eufrates.
    Como trouxeram essas e mais outras milhares de espécies animais exclusivas do Brasil? Por que nenhuma ficou pelo caminho, nem nenhuma ossada, nem memória nos povos que testemunharam sua passagem, ou que ficaram pelo caminho desde a Ásia até a América Central? Por que não há nenhum registro fóssil, histórico ou mesmo Bíblico de todas as milhões de espécies animais que pelo menos hoje, não mais existem no Velho Mundo? Como Noé as buscou nas diversas partes do mundo para levá-las para a Arca? Se existiam todas no Velho Mundo, como poderiam conviver com os animais de climas gelados e os de climas desérticos?

    Se todas as espécies animais de todo o mundo de hoje existiam juntas no Velho Mundo, e se não houve evolução, então elas eram exatamente como agora. Sendo assim o Velho Mundo teria uma enorme variabilidade de climas, com desertos, florestas tropicais, ambientes gelados, pântanos, cavernas, lagos e etc. Por que não há nenhuma evidência de que tais ambientes existiram? Por que a Bíblia não menciona absolutamente nada sobre eles?

    Gosto

  17. Nataly diz:

    Azetech
    Diogo,
    como gostei de suas respostas, nossa muito boa mesmo.
    voce fala com clareza e com conhecimento, muitas pessoas confude mesmo o que aconteceu a muitos anos atras com o de hoje.
    Para responder a pergunta de como sabemos se a blibia é verdadeira, muitos anos atras minnha mae falava que avó dela dizia a ela que na biblia tava escrito que chegara um dia que filho matara o pai e o pai matara o filho, nao sei se o certo é issso, mas minha mae dizia que “nossa que isso vó, isso nunca acontecera nao é mentira” e olha hoje! O que mais vemos é filho matando pai e pai matando filho.
    Gente se todos deixar o amor em primeiro lugar a bondade nada de ruim aconteceria, Deus fez tudo issso com AMOR só isso, se todos pensar no amor porque no amor que existe todas as outras coisas boas, se todas as pessoas vivesse pelo amor nosso MUNDO seria um lugar bom de se viver, infelizmente por falta de AMOR nosso mundo é o que é hoje, guerra, morre, ódio, inveja, droga, e muitas outras coisas que destroi o nosso mundo e a nossa vida!

    Gosto

  18. Sodré diz:

    “No entanto, por maior que a Arca fosse, havia uma coisa que não cabia dentro dela: pessoas com falta de fé na Palavra de Deus.”

    Ao contrário, é preciso fazer questão em afirmar que para “pessoas com fé na Palavra de Deus” todos os animais caberiam na Arca independentemente da tamanho da mesma… achariam SEMPRE uma “explicação” para o “desafio” da pergunta em título… Certo?

    [[Mats diz: Errado.]]

    Gosto

    • COMO VAMOS COLOCAR TODA A POPULAÇÃO DO MUNDO EM UMA SUPER ARCA PARA PROTEGÊ-LA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS?

      Os desafios se sucedem.

      Roosevelt
      Núcleo de Estudos em Percepção Ambiental e Social / NEPAS
      roosevelt@ebrnet.com.br

      Gosto

    • jephsimple diz:

      Fazer-se-lhe-iam mais arcas…. Tem mais pessoas de fé?Tem madeira?… Deus lhes daria o tempo necessario… A Noé,custou-lhe 100!

      Gosto

      • UM CAMINHO PODE SER “AVISAR A SOCIEDADE”

        Mudanças Climáticas – O que isso pode afetar a sua vida?

        Há assuntos que vão e voltam, muitas das vezes como se fossem modismos, que acabamos por deixar de dar importância.
        Há outros, que mesmo que saibamos ser importantes, por não entender o que está se discutindo, acabamos por deixar que os que entendem promovam sua discussão, enquanto aguardamos a evolução dos fatos.
        Um bom exemplo é o da problemática das Mudanças Climáticas, dado ser um assunto técnico que, na maioria das vezes, quem o aborda , acaba usando uma linguagem que dificulta o entendimento dos não iniciados.
        De uma forma simples, o planeta passa por um processo de aquecimento e o calor adicional gerado (retido) está promovendo alterações no clima. As geleiras estão descongelando, a água gerada no processo de descongelamento está aumentado o nível dos oceanos, o clima passa por alterações sensíveis, isso para exemplificar com coisas que mesmos os nãos iniciados entendem com facilidade.
        A queima de combustíveis fósseis (petróleo e carvão), a queima das florestas, as emissões das indústrias e veículos, exemplos citados apenas para exemplificar, dado não serem as únicas fontes, produzem um gás denominado dióxido de carbono. Este gás já faz parte da composição da atmosfera do planeta (assegura beneficamente que o planeta mantenha a temperatura sobre a sua superfície), mas que em concentrações acima das originais gera uma retenção maior do calor, através do Efeito Estufa, (calor este que deveria ser dissipado para o espaço) o que está gerando o Aquecimento Global e as Mudanças Climáticas.
        Tal realidade ⒠ que pode estar passando despercebida pela sociedade (e não deveria) ⒠ está obrigando os países a adotarem medidas urgentes de adaptação às mudanças climáticas, tendo como base as posições ⒠ cada vez mais enfáticas ⒠ de pesquisadores que estão analisando a evolução do problema.
        Isso leva os governos dos diversos países ⒠ entre eles o Brasil ⒠ a implantar medidas de mitigação (redução do ritmo do processo) e adaptação (às condições já vivenciadas no planeta), ações que visam diminuir a vulnerabilidade das populações ao cenário posto.
        As mudanças climáticas deverão afetar mais as populações pobres das regiões tropicais do planeta. As estimativas indicam que a temperatura na América do Sul poderá subir entre 1,7 e 6,7 ºC. Na Região Nordeste do Brasil as estimativas indicam que as chuvas poderão diminuir em 22%. Para o Brasil pode-se esperar o aumento da frequência e intensidade dos períodos de secas persistentes, chuvas fortes e inundações e problemas ligados à falta de água em certas regiões.
        Haverá mudanças no uso da terra com reflexos negativos para as áreas agrícolas (agricultura extensiva e intensiva) pressionada que será pelo crescimento da demanda mundial por alimentos.
        Os resultados das pesquisas sobre as mudanças climáticas mostram situações irreversíveis e, como consequência, exigem a necessidade de propor / implantar medidas de adaptação a este novo cenário ambiental. A fase das ações de mitigação ⒠ pré-adaptação – está cada vez mais longe de assegurar os resultados esperados, pois os países não conseguiram fazer o que estava sendo recomendado como ações necessárias.
        Portanto, acredito que uma iniciativa possível e necessária seria a de inserir ⒠ de forma concreta – a sociedade nesta discussão.
        Uma proposta a ser levada aos plenários do CONSEMA e CERH (reunião conjunta) de modo a promover a estruturação de uma programa de inserção do tema junto à sociedade.
        No mínimo este programa deve conter: segmentos alvo da sociedade (escolas, igrejas, associações comunitárias, etc.), prós e contras dos cientistas frente ao Aquecimento Global, ações a serem apresentadas à sociedade (Princípio da Prevenção), os custos associados às mesmas e a definição de um grupo voluntariado para assegurar a sua implementação.

        Roosevelt S. Fernandes
        Membro do Conselho Estadual de Meio Ambiente / CONSEMA e do Conselho Estadual de Recursos Hídricos / CERH / ES

        Gosto

  19. Vinicius Sena diz:

    Em uma parte do texto é insinuado que os dinossauros também foram colocados na arca.O proposito da arca era salvar animas de cada espécie para preservar essas especies. Entäo pergunto: onde estao os descendentes dos Trex, dos triceratops, dos pterodactilos, dos dinossauro de pescoco gigante e de todas as outras espécies de dinossauros que entraram na arca? Eles deveriam existir até hoje? Vejam a minha linha de raciocinio: felinos estavam na arca e por isso existem felinos até hoje, logo se dinossauros estavam na arca (e sairam dela depois do diluvio para se espalhar pela terra novamente) deveriam existir dinossauros até hoje. Eles foram extintos depois do diluvio?

    Gosto

  20. Vinicius Sena diz:

    Logo mais comentarei o texto do link postado pelo Miguel. Mas, continuando o mesmo raciocinio da pergunta anterior: já que todas as especies entraram na arca e sairam dela para repovoar a terra, onde estäo os entelodontes, os hienodontes, os tigres dente-de-sabre, os caes-ursos, os glyptodontes, as aves do terror, os mamutes, as preguicas gigantes, os ambulocetus, o baluchitherium, o indricotherium, os megaterens? Todos esses animais estao extintos. Mas, se eles sairam da arca depois do diluvio näo deve

    Gosto

  21. Vinicius Sena diz:

    O meu comentário acima está incompleto. O que aconteceu? Eu sei que digitei mais coisa. Por que está faltando a parte final que era uma das partes mais importantes? Qual a explicação moderador?

    Gosto

Todos os comentários contendo demagogia, insultos, blasfémias, alegações fora do contexto, "deus" em vez de Deus, "bíblia" em vez de "Bíblia", só links e pura idiotice, serão apagados. Se vais comentar, primeiro vê se o que vais dizer tem alguma coisa em comum com o que está a ser discutido. Se não tem (e se não justificares o comentário fora do contexto) então nem te dês ao trabalho.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s